Hospedagem de Sites com cPanel, Domínio, Emails, PHP, Mysql, SSL grátis e Suporte 24h
Dan de Barna -Cap 3-Impactos PORTUGUES



CAPÍTULO 3 
O IMPACTO 

Uma 
vez que, se o dilúvio realmente aconteceu como a história expõe a Bíblia Gênesis, confirmada pelo próprio Cristo (Mateus 24:38), bem como os mitos e lendas de todas as culturas da humanidade, como aconteceu?

Esta questão é que muitos crentes são levantados, em que há especulações no campo da ciência >> << criacionista, e que a ciência oficial despreza princípio, ironicamente, sem parar ou pensar nisso. A resposta para o enigma, no entanto, é na consulta evidência comprovada criacionistas, portanto, expostos como evolucionistas. Vamos ver nos seguintes relatórios:

 


" É tudo começou em 1975, quando Alvarez começou a trabalhar em um afloramento geológico encontrado no início dos anos sessenta em Gubbio, Itália. Lá ele observou claramente uma mudança muito abrupta entre o Cretáceo e Terciário. Os estratos correspondentes no Cretáceo havia muitos fósseis de animais que tinham desaparecido no terciário. E essa mudança repentina foi separada por um centímetro de barro, um centímetro bela e enigmática. Que, em termos geológicos, indica muito pouco tempo e, portanto, sem dúvida, ali, naquela época, tinha havido uma mudança radical. 
(...) O que era o que tinha acontecido quase num sussurro, quando na terra qualquer mudança durou milhões de anos? (...) Muitas vezes ele comentou com seu pai, que trabalhou em estreita proximidade com Berkeley (...) E um dia o prêmio Nobel, quem não quer a coisa, ele disse: << Walter, ei, porque não medir irídio no barro? >>. 
Irídio (...) é um material escassíssimo na Terra, que só atingem o nosso planeta em forma de pó a partir de pequenos meteoritos desintegrar quando bater mostra atmosfera. Quem mediu ele foi o professor Frank Asaro, origem italiana e química nuclear. 
(..) demorou um ano para construir a máquina que detecta irídio, um material em partículas por um infinito, através da gama etapa anterior e argila durante raios reatores nucleares. (...). Quando foram finalmente colocar barro na máquina, eles ficaram atordoados. Nessa argila que ele tinha uma quantidade extremamente elevado de irídio. Alvarez, pai e filho, disseram em uníssono: isto só tem uma explicação, um meteorito gigante caiu na Terra e cheio de superfície irídio. Aconteceu em um instante, de modo que a camada de argila é tão fina e assim o impacto foi catastrófica. 
(...) seria levar mais dois anos para medir as consequências causaria um impacto de grande magnitude. 
(...) << para dar-lhe uma ideia de dizer que uma bomba nuclear tem um megaton ou assim, e todas as bombas no mundo tem atualmente 10.000 megatons: o impacto de que falamos tinha desencadeado uma energia 1000 milhões de megatons >>. 
(...) então, a terra foi escurecendo por causa da poeira levantada pelas partes Impacto, os mares inundam da terra, o fogo teria cobrem tudo ".

[ "El País (semanal)" Sunday 1994/03/27 nº 162 Págs.23-24]


"De acordo com Jeremy Auldaney, um cientista e estudioso de meteoritos: a causa mais provável da inundação foi a abordagem de algum meteorito astronômico ou o choque de um ou mais asteroides. A asteroide é, na verdade, um muito grande meteoro ou um grupo de meteoritos que contêm ferro, condritos carbonáceos ou outros elementos. Muitas vezes pequenos meteoritos colidir com a Terra. Um meteorito de ferro, por exemplo, é muito raro no espaço, mas muito comum na Terra. 
Nós encontramos elementos meteoritos condritos carbonáceos que contêm na camada de irídio localizados nos degraus mais baixos esquerda inundações, o que nos leva a crer que um meteorito contendo condritos carbonáceos explodiu passando através da atmosfera superior e destruídos a copa, e, possivelmente, um meteorito de ferro no chão e lançou a água estava dentro ".

[ "O Incrível Descoberta da Arca de Noé" Págs.62-63 
CESellier e DWBalsiger ED.Martínez Roca, Barcelona 1997]

Como esses itens expostos após contraste, alguns criacionistas conhecer e apoiar a ideia de que não são evidência geológica significativa indicando um dilúvio global significativa na época do Cretáceo-Terciário. E, realmente, além da contradição cronológica óbvio que serão analisados neste capítulo, é certo que um meteorito, como é argumentado que dizimou os dinossauros, seria o complemento perfeito para entender como o dilúvio começou. 
consequências geológicos e biológicos de tal uma catástrofe só pode ser devidamente apreciado quando os especialistas Diff-tes cristãos, independentemente do reconhecimento oficial da tese W. Alvarez, escuta estudou o que teoricamente seriam os efeitos sobre o planeta ( em tempos pré-diluvianos) se a meteoritos 10 a 14 km de diâmetro com uma maior do que 10.000 bombas atómicas Hiros-Hema potência e velocidade de 44,000 km / h ter impacto sobre a superfi-superfície. 
Assim, a queda de um meteorito gigante, abrindo um buraco na terra da crosta com uma capacidade de um bilhão de megatons, iria entender melhor uma teoria criacionista velho conhecido como 'Teoria da hidroplacas'. Publicado em 1980 por Walter Brown, criacionismo da terra jovem em seu livro "No Princípio: Evidências da Criação e do Dilúvio", essa teoria oferece uma geológica co-mo explicação imaginativa veio o dilúvio descrito no livro bíblico de Gênesis que é perfeitamente complementado pela antiga "teoria da canopla" citado no capítulo anterior:

"De acordo com a teoria da hidroplaca, que é provável que antes do dilúvio a terra tinha muito águas subterrâneas, cerca de metade dos quais existem agora nos nossos mares e oceanos. Esta água foi co-câmaras ACOPLADO ao outro formando uma casca fina esférica, que é de cerca de 16 km talvez encontradas abaixo da superfície da terra. 
(..) O Doctor Brown explica: << (...) A falha começou com uma crosta de crack (...) que cresceu em ambas as direções na velocidade de cerca de cinco quilômetros por segundo, o crack seria seguir o caminho que ofereceu menos resistência e teria circundar o globo em aproximadamente duas horas. 
Embora a fenda correu em torno da terra, crosta superior rocha abriria como um rasgo num pedaço de tecido esticado muito. As águas subterrâneas parecia sob extrema pressão do peso da rocha 16 km da pressionado. Assim, a água flui para violar-cia por ruptura. 
Ao longo de toda esta ruptura que transformou todo o mundo, fontes de água lançando jatos supersônicos penetrar 32 km na atmosfera. Traço deste enorme fonte produziu chuvas torrenciais como a terra não tinha experimentado antes ou novamente experimentados mais tarde. 
(...) As fontes de alta pressão erosão da rocha em ambos os lados do crack e produjeras grandes volumes de sedimentos deposi-tarse saiu de água barrenta em toda a terra. Estes sedimentos presos e as plantas e animais enterrados e assim formaram os fósseis Encon-seções agora. A inundação rasgado vegetação e mudou-se para regiões onde foi acumuladas e rapidamente transformados em carvão e petróleo através de processos que podem agora reproduzir em laboratório. 
(...) Alguns água subiu muito acima da estratosfera e congelou frio, transformando-se em cristais de gelo enterradas, sufocados e imediatamente congelou muitos animais, incluindo mamutes congelados na Sibéria e Alasca >>. 
Esta erosão alargado a ruptura, de acordo com o Dr. Brown. Finalmente, o Anchu-ra se tornou tão grande que a rocha comprimido sob as águas subterrâneas câmera disparou para cima e deu origem às montanhas no oceano que dá a volta à terra como a costura de uma bola baseball. 
placas continentais (os Hidroplacas), que ainda tinham água Lubri-sing abaixo deslizou em declive e para longe da cordi-ller nascente no Atlântico. << Após as enormes placas conti-nental, que iria acelerar lentamente atingir velocidades de cerca de 72 quilômetros por hora, colidiu com resistores, são compactados e dobraram - disse o Dr. Brown -. Partes do Hidroplaca que caiu para baixo trincheiras formadas no oceano. Que dobraram para cima formado nossas montanhas. Por que os principais cade-nas montanhas são paralelas às cristas oceânicas de que escorregou >>".

[ "A incrível descoberta da Arca de Noé" Pág.59-60 
CESellier e DWBalsiger ED.Martínez Roca, Barcelona 1997] 

A verdade é que, como pode ser deduzida a partir desta descrip-ção detalhada com Dr. Brown, complementando que anteriormente oferecido Walter Álvarez, o fluxo gerado pelo impacto de um meteorito gigante causou o desaparecimento simultânea de grandes números de animais (as, em seguida, dinossauros pequenos, mamíferos, etc) espécies.

Mas o que era talvez este meteorito, datado de início do Terciário, o autor de uma inundação que deve pertencer cronologicamente final do Pleistoceno?

Na verdade, foram as diferenças temporárias que, em casos mu-chos, levaram o mundo cristão a perder o interesse por eviden-ências impacto geológica do período de K / T e geólogos des-considerada a possibilidade de ser enfrentado as causas da inundação Bibli-co, para antes do aparecimento do homem no planeta acreditam eles . 
Ele é , portanto, triste que ambos os criacionistas e evolucionistas ignorar uns aos outros e, consequentemente, diferentes de pesquisa-ções permanecem separados, confundindo a sociedade (infravalo-ancoradouros que são do religioso e científico). 
O problema de tempo não é importante, uma vez que, como foi discutido no capítulo anterior, muitas evidências indicam que o Dilu-serra deve ter acontecido com o 10.000 aC e não no do fim do Cretáceo. 
No entanto, o problema poderia encontrar uma solução se se leva em conta que alguns cientistas (criacionistas da Terra Jovem) argumentam que o período geológico chamado o Terciário (imediatamente após a queda do meteorito) é fictício, uma vez que é apenas o produto deposição das inundações. 
De acordo com o último, a vário impacto extinções subsequentes não seriam separados por períodos largos geológicos (extinção de dinossauros no início da extinção terciário de mamíferos em extinção terciária final de mamíferos no Pleistoceno), mas a evidência paleontológica de um extinções extinção só produziu pelas águas da inundação. 
E a verdade é que, momentaneamente, deixando de lado o óbvio-ly cronológica grave e problema biológico que envolve uma fictícia >> << Terciario e o intervalo de tempo da cratera mexicana Chicxulub, não são muitas indicações de que eles sugerem:

  • Geólogos reconhecer que a maioria das serras sobre o planeta foram formados em diferentes estágios durante o período Ter-ciary, por causa do movimento de continentes. 
    Embora os geólogos não consideram que para a formação de montanhas condições calorífi-cas extraordinárias que geram amolecimento da rocha são necessários, o que só poderia pró-ducirlo o dilúvio por placas de fricção aceleradas latir contra o manto viscoso e, em geral por causa do terrível impacto que causou o aparecimento simultâneo de fragmentação magma em todo o mundo. 
    Tudo isso é reconhecido e claramente indicado na seguinte tex-to:

"(...) A formação das montanhas requer que a matéria-prima foi de, pelo menos, de plástico, tal como o chocolate amolece, DEFOR-ma e, em seguida, endurece novamente e só pode ser moldado quando macio, porque se mente tenta fazer sem aquecimento prévio-lo rachaduras e quebras. estado plástico elástico ou chocolate aceitar qualquer tipo de deformação. O mesmo acontece com rochas, apenas o ponto de fusão é muito maior do que a de chocolate, de modo que são necessárias temperaturas extremas".

[Darwin estava errado (evolução realmente existe?) " 
Pág.164 Hans-Joachim Zillmer ED.Timun Mas 
(Grupo Editorial CEAC), Barcelona 2000]

  • Evidências geológicas indicam que a maioria dos locais K / T (Cretáceo-Terciário) do planeta são encontrados em rochas marinas sedi-mentares, com exceção de alguns locais K / T Es-tados Unidos podem instantaneamente cobertos por causa da súbita deslizamentos de terra causados ​​por ou enterros perto do impacto de um asteróide.

 

Terciária hadrossauro fêmur 
Ojo Alamo arenito de 1983 (New Mexico - EUA)

Direitos Foto: James E. Fassett 
http://palaeo-electronica.org/2009_1/149/vertebrate.htm


Na verdade, entre estes locais marinhos K / T não só em cuentran relativamente perto das localidades mar (Beloc no Haiti; Stevns-Klint na Dinamarca), mas as cidades de Gubbio em Ap-Pennines (Itália), e até mesmo alguns locais na Áustria (Gosau; Kappengraben; Elendgraben), ou seja, na Europa Central. 

• Geólogos reconhecer que há é uma relação misteriosa << >> - tre na cratera de impacto Yucatan no Cretáceo-Terciário e apa-pearance de erupções vulcânicas nos << >> Deccan Traps (Índia) fé-chadas casual e involuntariamente no mesmo período, o que pode ser explicado pela expulsão de magma como um resultado do impacto da onda.

  • Encontrado no Terciário várias camas fósseis em que estão juntos diferentes tipos de animais que mostram sua água arrastamento e posterior enterro em mediata. Estas camas fósseis são os de Messel (Alemanha), com centenas de espécies afogados e restos de comida em suas barrigas, que datam do Eoceno (Terciário), e até mesmo as camas de arenques fossilizados ao longo de 10 km quadrado na Califórnia, que datam do Mioceno (Terciário).
  • Desde o Cretáceo é a data dada pelos paleontólogos para o desaparecimento dos dinossauros por causa do meteorito, não de-ja ser extraordinário em diferentes lugares no planeta (Mon-golia, Pyrenees, etc) têm restos encontrados foram como fóssil-nimo me poscretácicos 7 gêneros de dinossauros, ou seja, a Tertia-rio. 
    Especialistas estão sendo forçados a admitir, relutantemente, aparentemente dinossauros sobreviveram estranhamente o im-pacto do meteorito mais de 40.000 anos, embora apa-pearance desses restos seriam mostrando apenas sua morte e sedimentação por causa de as águas, juntamente com o supostamente extintas nos mamíferos terciários. 
    Na verdade, a existência de enormes dinossauros cretáceos postar, co-mo por exemplo , um hadrossauro encontrado em Ojo Alamo (Novo México), contesta a afirmação feita em 2010 jornal espa-menda "El Pais" em 04-03-2010 por uma equipe de pesquisadores 41 (Pa-leontólogos, geoquímica, geofísica, climatologistas) do planeta BAT-de meteoro de Chicxulub removidos todos os orga nismos-vivos com mais de três quilos. 
    Esta declaração surpreendente, ao contrário do paleontoló evidências Tegic e não é compartilhada por unanimidade entre todos Paleon-tologos é o resultado de uma investigação conduzida por estes pesquisadores e publicado na revista "Science" (Ciência 03/2010; 327 ( 5970): 1214-8.DOI: 10.1126 / science.1177265).
  • Os geneticistas discordar, até certo ponto << >>, o valor do ob-servação do registro fóssil. 
    E, enquanto o fóssil observação ele paleontó-logos apontar Eoceno (terciário) como o período em que os mamíferos diversificados-fied apenas 60 milhões de anos, geneticistas, usando uma seqüência método de datação aminoácidos de osteocalcina (proteína óssea), afirmam que este mergulhador-ficação (aparência das suas diferenças básicas) ocorreu 100 milhões de anos atrás, ou seja, na sua totalidade e na empresa dinossauros cretáceos. Assim, os geneticistas afirmam que os paleontólo-gos << não encontraram o fóssil direito >>.
  • Juntamente com o anômalo >> << defesa dos geneticistas diversificação dos mamíferos do Cretáceo, paleontólogos contra de-Fienden Terciário não surpreende que, apesar dos paleontólogos opi-Nion evolutiva, eles foram encontrados em Paluxy pegadas (EUA) rio de dinossauros datadas Cretáceo cruzado com pegadas humanas pós-terciária. Este tentar, se-guiendo tese oficial que não só esta diversificação é produ-jo no Cretáceo, mas era naquele tempo quando os mamíferos foram formados com todas as características que são conhecidos os seres humanos de hoje, in-cluindo . 
    No entanto, na mesma formação de rocha onde os passos de dinossauros, apesar de cerca de 200 metros destes pegadas, verificou-se construído um ramo carbonizada com um dos seus pontos fósseis, ou seja que pertencem claramente ao mesmo tempo as impressões. E, curiosamente, a datação por carbono - 14 método já namorou este ramo dentro de ± 12.800 anos é de-cir muito perto de 10.000 aC, sugerindo uma extinção extremamente recente dino-Saurus. 
    Veja a extinção final dos dinossauros há 65 milhões de anos atrás poderia ser demonstrado radicalmente errado com métodos científicos oficiais de encontrar tecido mole de um Ti-ranosaurus Rex no local do Inferno Creck em Montana (EUA), pelos paleontólogos liderados por Mary Higby Schweitzer of Natural Sciences Museum of the Rockies. Assim, a descoberta de restos de ve-nas células ósseas e não cristalizadas dinossauros (classificada como "Mor 1,125") permitiu aos cientistas para estudar a possibilidade de obter o seu DNA. Mas a novidade é que ele pode até inten-tarse um novo carbono datada a 14 desafiando teses evolucionistas atuais que defendem a impossibilidade de encontrar fósseis de carbono 14 como idade.
  • Diretamente relacionado ao que você acabou de descrever, surpreso com a descoberta de carbono 14 em pesquisadores ossos de dinossauros, porque se os dinossauros realmente tuviesen milhões de anos não de-Berias ser um único átomo de 14C em seus restos têm tentado usando o referido carbono 14 para efectuar reDate por métodos laboratoriais tradicionais. As análises realizadas sobre os restos de oito espécies de dinossauros destaque as datas surpreendentes entre 22.000 a 39.000 anos de idade, corroborando o que é apresentado neste trabalho. 
    Os resultados apresentados oficialmente sob a liderança do físico alemão Dr. Thomas Seiler, em uma reunião em Cingapura Geofísica realizado conjuntamente pela União Geofísica Americana (AGU) e da Ásia Oceania Geociências Society (AOGS) em 12 de agosto a 17 de 2012, eles foram rapidamente censurada e escondido da opinião pública:

"(...) então << resumo foi removido do site dos confe-Rence dois presidentes porque eles não podiam aceitar as eviden-ências. Relutantes em desafiar os dados abertamente, eles retiraram o relatório científico da vista do público com nada para dizer para os autores ou funcionários AOGS até depois de uma investigação. A forma em que não ser restaurado >>. 
Na verdade, você pode encontrar imagem Uma linha do programa original [http://newgeology.us/BG02-A012%20Abstract.pdf]. Mas ir para o site oficial da Confer-ence [http://www.asiaoceania.org/aogs2012/mars2/timetable.asp], vemos que a arena foi claramente eliminado.

(Enter quarta-feira, sala de Leo 2 duplo clique sobre BGO2, que é a sessão que tem a apresentação. Os números variam de 4 a 6, omitien-do 5, que é o que ele tinha cerca de 14C ossos de dinossauros .) 

(...) dois dos co-autores físicas do papel, Professor Ro-bert Dr. Bennett e Dr. Jean de Pontcharra, até recentemente ligado ao Grenoble Centro de Investigação da Comissão de Energia Atômica França, estão incitando colegas a fazer suas próprias datações de carbono ossos de dinossauros. Eles dizem que a opinião pública deve também ser encorajador científi-cos para fazer isso, apresentar os resultados de forma aberta e afia-LY em conferências similares. 
Isso certamente resultaria em favor da verdade científica - descobertas espe cialmente-após repetidas de tecidos blan-dois ossos de dinossauros e de DNA agora mesmo aparentemente irrefutável de espécimes de dinosauro. O público tem o direito de saber a verdadeira cronologia dos dinossauros, e até mesmo a história da terra (...)".

[Texto de Carl Wieland 22 de janeiro de 2013 http://creation.com/c14-dinos e 
"Ossos de dinossauro carbono-14 datado de menos de 40.000 anos- 
relatório da conferência internacional Censurado"] 

Os números exatos da análise de resíduos de dinossauros podem ser encontrados na relação newgeo-logy.us/presentation48.html exposto por John Michael Fischer de 2012 mi-ke@newgeology.us

  • Geólogos não só encontrada uma poucos K / t de argila de carvão estratos da rocha, mas em admitir que os períodos Cretáceo e terciárias jazidas de carvão (lenhite) como causas desconhecidas ocorreu no período carbonífero foram formados. 
    No entanto, isso deve-se notar que algumas formações de carvão que datam do período Cretáceo, por causa de fósseis de animais em-contrados próximas, poderia correr a namorar em Tertia-rio, se um namoro errônea destes foram autorizados no futuro res-tos fósseis por causa de erros nos métodos utilizados.
  • Verificou-se no vale de Tiwanaku (Bolívia), perto da locali-ness Aymara Sulkatiti, que Attrib-yen pegada rocha fossilizada humana são-Nisca datado no Terciário (Mioceno) e 5 para 15 ma de idade, o que não deixa de ser curioso como os restos de SAHELANTHROPUS TCHADENSIS Chadensis (Toumai) são datados ± 7 mA (terciário). 
    resultados da investigação bolivianos, realizados em 2008 e governou a qualquer fraude, foi dirigido por antropólogos por Danilo Villamar (especialista em antropologia forense da Univer-sidade Nacional de Arqueologia) e geólogos liderada pelo alemão Nu-nez. 
    Pegada, pertencente a um tamanho de pé esquerdo 39 que parece que pertence a um indivíduo bípede de ± 1,70 metros e 70 kg., Sugere que Toumai-Adam, quando deixaram o centro da África, expandie-ron em diferentes direções, e só sobreviveu o grupo do lago Turkana. 
    Em adição, as características do traçado mostra que o reduzido al-tura de Toumai-Adam (equivalente para os pigmeus actuais - Ver nota Nº65) depois de comer o fruto proibido, variou mais rápido-te << >> de ± ± 1,30 a 1,70 metros, o que é corroborado pelos restos de seu filho primogênito << >> Cain, ou seja Homo erectus Africano (Homo ergaster) a uma altura de ± 1,80 metros é atribuído . 
    Finalmente, encontrar a marca na Bolívia sugere que no Terciário << >> África e América do Sul eram muito mais perto do que hoje, permitindo o acesso rápido com os meios primitivos, e mostrando assim a separação de com-os continentes foram posteriormente resultou após o dilúvio. Portanto, sendo que a separação dos continentes e o início da formação dos Andes são tradicionalmente datada por geólogos de bem antes da formação da referida banda de rodagem (tardia ou precoce atrasado Cretáceo terciário) deve ser posta em dúvida a CIA-Terciário existir como um período geológico real e devem reconhecer o impacto do meteorito exposta em Chichulub Limi-te K / T (Cretáceo-Terciário) como sendo responsável pela deriva continental. 
    Na verdade, considerando o território sul-americano atual como uma extensão natural do antediluviano território territorial "Africano" sob o nome de "Eden" é biblicamente sugerida em Gênesis 2: 8, como já foi discutido no primeiro capítulo do trabalho atual.
  • Em 1989, uma equipe de geólogos liderados por Yves Lancelot e Roger L. Larson detectado em um de perfuração submarina nos sedimentos oceânicos PA-cas e crosta pertencentes a Jurassic-cuentran enterrado em basaltos, que acreditam ter sido por -mados por magma endurecido teria aparecido para ser expulso em uma atividade vulcânica intensa, e rapidamente criou áreas go-tas de fundo do oceano. 
    Este evento é atribuída a um fenómeno geológico chamado de "super" e datado para o mid-Cretaceous, ou seja, de 80 a 120 milhões de anos atrás. 
    Este "super" não seria nada mais do que uma liberação repentina de calor da Terra 's core, através de magma, proporções muito maiores do que uma erupção vulcânica simples, que Acos-tumbra acontecer como um resultado do mesmo fenômeno em proporções muito menor chamado de "caneta" (como uma panela de pressão se fosse). E assim este "super" gene-rado aumentaram crosta oceânica, e por sua vez aumentaria-do nível do mar de 250 metros em relação ao do nível atual. 
    Associado a este fenômeno geólogos acreditam que, por causa da expansão da crosta submarina do Pacífico oceânica e-ção associada à expansão do Oceano Atlântico, teria aumentado a subducção da crosta do Oceano Pacífico, causando a formação de Serra Nevada e os Andes. Produzido em conjunto, aumentar o dióxido de carbono na atmosfera teria produzido um efeito de estufa, o que aumentou a 10ºC de temperatura total matar muitos seres vivos, que aca-Baron que formam muitos sacos de óleo corrente. 
    Um detalhe muito importante a notar é que o geólogo Roger L. Larson criou a palavra eo conceito de "super" Uni-camente para definir um conjunto de evidências para os quais não in-contraba outra explicação, uma vez que uma inundação é impensável nos círculos científicos, e entre os quais o fato surpreendente que centenas de quilômetros de terreno subaquático datado do encontrasen Jurassic enterrado por pedra basáltica. 
    Confrontado com a dimensão das evidências encontradas, geólogos falhar a imaginar como tudo isso poderia ter acontecido em um curto espaço de tempo e, assim, argumentam que, após o início dos efeitos da "super", o processo durou vários milhões de anos, e que a sua efeitos foram diminuindo à extinção. 
    Como é evidente, embora ela é habitual namoro rochas usam-radiométrico, datar evento foi realizado principalmente a partir desses fósseis do Jurássico encontrados enterrados por basalto magmática, ea data imprecisa atribuída ao do evento é variável dependendo da interpretação de provas. Por conseguinte, embora geólogos defender firmemente a data deste fenômeno ao Cretáceo médio, você não pode ter uma certeza absoluta que é a data na verdade co-rect de alguns fósseis, que podem ser deduzidas pelas características do achados (evento taceo Cre-se no, aumento do nível do mar, a formação de estrias, o movimento de re-pentino de placas tectônicas, morte de milhões de seres vivos, formando bolsos de óleo, etc.), que este phe-meno deveria ter sido datado mais próximo limite K / T.


Agora, se, de fato, o Yucatan meteorito na divisão Cre-tácico-Paleogene foi responsável pela inundação, e que o chamado Terciario foi apenas um << >> rápido processo de deposição diluvial, como você explica que os paleontólogos sitúen a aparência de homens em um período mais tarde chamado Pleistoceno? E como é que os geólogos e PA-leontólogos dataram separadamente extinções terciário com Pleistoceno tardio, se é da mesma espécie?

A resposta a estas perguntas é dois diferente, na verdade, apenas uma resposta, mas tem várias partes que devem enten-Derse em conjunto e de forma complementar:

1 Embora não são métodos de datação radioativa (cálculo Decai-mento de isótopos radioativos que às vezes in-corporados são en-res feitos de estrutura de cristal de rocha de alguns minerais) que pode medir com confiabilidade relativa rochas antigas (um mostra os limites de tais métodos radiométri-cos tem sido expostos à fim do capítulo "discrepâncias cronologia-CAS"), a menos que uma camada é formada exclusivamente por rocha sólida viável sendo submetido a datar, não existe qualquer técnica de laboratório permitindo namorando estratos geológicos de forma independente como apontando um estrato do Cretáceo, o Tertia-rio ou Pleistoceno. 
Assim, a data da formação destas camadas depende, em muitos casos essas fósseis encontradas enterradas nos diferentes estratos, e o pressuposto de que, após o impacto, a deposição é-tratigráfica e fósseis que coincidentemente não ocorreram foi inte-rompido e alterado por uma inundação que afetou o planeta inteiro geologicamente, mas continuou a ser realizada ao longo de muitas milhas de crianças mais, sem mudanças bruscas causadas por uma catástrofe global.

2 Na verdade, os geólogos são forçados a reconhecer que existe no planeta uma seqüência geológica precisa-mente resposta completa para esquemas académicos. Bem, como explicado nos movimentos geológicos Prac-tica que resultaram em alguns ca-sos, faltando algumas das etapas na seqüência geológica idealizado e, em outros, são sobrepostas em posições diferentes daquelas fornecidas por causa de terra dobraduras. 
Um exemplo desta realidade é desconfortável na falha do coração Monte (Wyoming), onde as camadas de 50 km de comprimento por 100 km ampla datadas em Paleozoico (ordovício Devonianos, e missisippianos) estão naturalmente em repouso e hori zontal- sobre a rocha do eoceno (terciário) era é de-cir, em uma camada 250 milhões de anos mais recentes. 
Na verdade, ele é facilmente verificado que o carvão e restos fósseis de homens, << >> hominídeos (Homo Habi-lis, Toumai, etc) e habitualmen-TE animais pré-históricos estão enterrados relativamente perto da superfície e não sucesivamen-Te cada vez mais profunda, como seria esperado como uma seqüência geológica ideal. Também é verificável, entre outros exemplos possíveis, o K / T Stvens localização Klint (Dinamarca) estrato terciária é não qualquer camada de pós-rior.

3 A crença dogmática e fundamentalista de que os homens e outros mamíferos substituiu os dinossauros após o período Cretáceo, sem base como resultados questionáveis ​​análise labo-ratory de várias possibilidades, escolhidos de acordo com critérios evolucionistas feitas em fósseis dinossauros mortos em di-fferent (muitos efectivamente antes do hom-bre) épocas geológicas. E isso deve-se acrescentar que a mesma inundação, sem dúvida, transfor-mo a maioria dos animais e homens que vivem no planeta em grandes sacos de carvão e petróleo, eliminando assim mu-chas evidências cientificamente verificável de simultaneidade histórica homem, algumas espécies de dinossauros e talvez outras espécies consideradas extintas no Terciário definitivamente.

4 A negação arrogante ou distorção pelas elites científicas de qualquer evidência clara para trazer a simultaneidade dos homens e al-DESEMBALAGEM oficialmente classificados como animais antes Pleisto-cene. US tais como pegadas de dinossauros Fosili-lise juntamente com pegadas humanas no Rio Paluxy, oficialmente datado << >> no Cretáceo, apesar de testes de laboratório, através de métodos oficiais de namoro, colocá-los no final Pleistoceno.

5º métodos de datação usados ​​para localizar cronologicamente fósseis e rochas-se (K / Ar, etc), como já foi discutido no capítulo anterior, tem defeitos graves que, sem dúvida piorar quando o cientista < <adapta >> esses métodos e seus resultados para a sua visão evolucionista tradicional da história.


E a verdade é que, como indicado no primeiro ponto, os cientistas reconhecem a sua dependência total na análise dos restos FOSI-les através dos métodos de datação habituais, ou seja, suas sugestões-tionables resultados atuais e a classificação desses fósseis no esquema evolutivo tradicional (dinossauros antes dos hom-bres, etc.) para estabelecer a idade dos estratos geológicos:

"Estes princípios foram aplicados em Feinstratigraphie, que Empie-za a partir de uma zona de cronologia fóssil, e impõe ro-cas. Táxon representa uma dada unidade de tempo e, portanto, oferece ainda infalível >> << data precisa. Se você duvida, trazer um bom conjunto de área de fósseis e o especialista, sem perguntar de onde vêm, ou o que ordem em que foram coletadas, colocar-me-sa em ordem cronológica. "

[ "American Journal of Science (Pragmatismo contra o Materialismo 
em Estratigrafia)" Vol. 276 p.51 JE Rourke janeiro 1976]

"É, portanto, evidente a partir do acima exposto que os únicos índices racionais geocro-tecnológico disponíveis são baseados em biostratigraphy-ie, biochronology".

[ "Paleontologia (tempo em Estratigrafia)" 
p.119 Vol.8 TGMiller fevereiro 1965]

"Parece lógico limitar o termo << data >> para as idades numéricas baseadas em decaimento radioativo, e usar algum outro termo para certos lapsos de tempo aproximados de fósseis. Mas geólogos acreditam que tanto fósseis e radioatividade são ma-Neras de datação de rochas e, quando necessário, chamando-os de distinguir as idades fósseis << >> e << >> idades numéricos".

[ "Rex Tirannosaurus e a cratera da morte" Pág.166 (Nota 2) 
Walter Alvarez ED.Crítica (Grijalbo-Mondadori) 1998]

"Assim como um historiador de arte pode reconhecer uma janela gótica embora a data exata da construção não pode ser claro, um geólogo pode dizer muitas vezes, a partir de fósseis de amonites e foraminíferos, uma rocha é velho cretáceo, embora não haja nenhuma maneira de determinar sua idade exata em anos. "

[ "Tirannosaurus rex e cratera morte" p.37 
Walter Alvarez ED.Crítica (Grijalbo-Mondadori) 1998]


Além disso, a falta de restos de dinossauros e mamíferos << >> Tercia-Rios entre os restos de acampamentos humanos pré-históricos é explicada por assim são não nestes ossos campos de crocodilos, iguanas razão, ou pássaros dodo , é a falta de interesse nutricional, o fato provável que a maioria das pessoas deixou-Taban é restrita aos trópicos, e / ou sua escassez. 
Também deve ser recordado que, como às vezes relatado pela mídia, atualmente encontrado vivo alguns animais que foram considerados extintos nos tempos antigos, sem antes ter localizado seu esquelético atual permanece espécies. Portanto, a transferência deste para a datação de estratos, é perfeito-ly possível que a data dada a um período cronológico por causa de seus fósseis, ser involuntariamente adulterado ao não ENCONTRA-do espécies fósseis nativos do período considerado mais tarde. Nesse caso, a datação de certos fenômenos geológicos por causa da falta de fósseis, seria falho e marcou em uma mais antiga do que realmente deve ser, como o "super" chamado a data média Cre-taceo cujo namoro foi baseado inicialmente em poucos fósseis do Jurássico (em vez do último Cretáceo) enterrado no fon-do oceano sob uma extensa camada de magmática basalto e extraído por perfuração em uma área do tamanho do Estados Unidos. 
Assim, a evidência diferente apresentados permitem argumentar que, como até agora têm defendido os "jovens criacionistas da Terra", o período geológico chamado "terciário" nunca existiu como tal, já que era um resultado da deposição diluvial. E juntos, o período chamado de "Quaternary" deve se sobrepõem parcialmente o período chamado de "Cretaceous". 
sobreposição biológica e geológica que não só implica colocar em cheque métodos modernos de datação radiométrica, mas envolve um imenso datas para a idade da redução planeta e extinção definitiva da teoria da evolução das espécies. 
desaparecendo terciário, considerando apenas a deposição diluvial, o gelo foram suposto fim fusão com o estrato K / T, unificando toda a evidência geológica diferente do dilúvio. 
A possibilidade de que qualquer um dos períodos geológicos anteriores ao Cretáceo também deve desaparecer, reduzindo ainda mais a idade do planeta, que também é aceitável a ser levantada em vista da hallaz-gos de enormes florestas fósseis no Carbonífero e falta de igual -tes fósseis para os tempos em que os dinossauros que precisam a abundância de vegetais para sobreviver. 
Mas se realmente o dilúvio foi uma consequência directa do impacto de um meteorito gigante do planeta, que seria lógico para encontrar eviden-ências que têm impacto sobre o Pleistoceno, mostrando que ambos os períodos são equivalentes.

Existe evidência de um impacto de meteoritos nos estratos do Pleistoceno em torno da mesma área?

Curiosamente, recentes estudos geológicos em estratos-dos admitiu oficialmente como pleistocénicos liderou um grupo de surpreendeu dois geólogos afirmou que um gigantesco misterioso meteorito caiu naquela época no planeta deixando sinais de sua passagem em quatro continentes, e dando uma final cósmica para paleolítico:

"Houve um tempo em que manadas de mamutes sacudiu o chão sob seus pés, forçando os humanos a contorcer-se rapidamente por toda a paisagem de pré América do Norte. Então e Agora-ces, mas algo muito maior abalou a terra. E a partir daquele momento, tudo mudou. Estes mamíferos de grande porte tiveram seus dias contados . 
Esta é a versão de um grupo de pesquisadores da Universidade de Cin-cinnati, que acredita que um cometa que passou a atmosfera do nosso planeta ou um asteróide colidiu com a sua superfície causado uma escala global de combustão que alterou o curso da história da terra. Os cientistas não sabem exatamente o que é, mas algo que causou evento do espaço pôr fim a última idade do gelo. 
"Imagine viver em um tempo olhando para fora e não ca-minando elefantes em sua cidade , " diz Kenneth Tankersley (...), professor de antropo-logia e geologia. "Mas quando você ficar velho, e há mais elefantes. Esta mudança ocorre no curso de sua vida , "acrescenta ele para exemplificar a ra-pidez com que tudo aconteceu. 
(...) Tankersley encontrado outras evidências para apoiar a teoria de que algo aconteceu perto da Terra o suficiente para derreter rochas e produ-CIR outros fenómenos geológicos interessantes. A mais importante destas evidências foram esférulas de carbono. Estes pequenos pedaços de carvão são formadas quando as substâncias queimar a temperaturas muito elevadas. As esférulas têm características que indicam a sua origem, ou queima de carvão, quedas de raios, incêndios florestais ou mais fim. Tan-Kersley diz que aqueles em seu estudo só poderia ter sido das em forma de pela queima de rock. 
As esférulas também foram descobertos 17 outros locais em continentes Cua-tro, com um valor estimado de 10 milhões de toneladas Metri-cas, o que o pesquisador significa que tudo o que atingiu a Terra fez uma escala maciça. " Ele é improvável que um incêndio ou tempestade deixou um cartão de visita geológica tão imenso, cobrindo cerca de 50 milhões de quilômetros quadrados , " explica ele. 
Outras conclusões importantes incluem Micrometeoritos, pequenos pedaços de meteoritos ou partículas de poeira cósmica que entraram em contato com a superfície da Terra; nanodiamantes, diamantes microscópicos formado quando uma fonte de carbono é submetido a impacto extrema, frequentemente encontrada em crateras meteoritos e Lonsdaleite, um tipo raro de diamante, também chamado um diamante hexagonal, que são só encontrados em áreas como crateras de meteoritos (...)". 
[ "ABC.es" 5/21/2013]

Assim, de acordo com a geólogos, não é evidência considerável do impacto de um cometa ou meteoritos na América do Norte, que tenham chamado "Clo-vis", o qual poderia ter começado a fase de arrefecimento conhecido como o Dryas recente e Dryas recente, e ( de acordo com esta hipótese recente) teria sido entre 12.700 e 11.500 anos atrás. 
Para os geólogos, é difícil determinar se o Dryas recente teve um alcance global, uma vez que não é nenhuma definição precisa desta fase em todos os registos. Na Europa ocidental e Greenland, o Dryas recente é um bem - período frio definido. 
Na verdade congelamento imediato dos mamutes, de pé enquanto comiam, mesmo surpreendente para a maioria dos especialistas, que mantêm um silêncio discreto sobre possíveis causas. 
Assim, se o terciário nunca existiu e parte do Pleistoceno deve ser reposicionado sobre o cretáceo (especificamente a parte correspondente ao do paleolítico) ... deve estar localizado onde os fósseis são classificados, tanto quanto específico terciário?

A descoberta de dinossauros no terciário, como ex-post que ele já tem, verifica-se que alguns animais classificados como terciária, na verdade, pertencia aos Cretáceo. No entanto, no final do cretáceo não pode ter como muitos dinossauros como se acreditava, e que muitos ecossistemas estavam sendo preenchido por mamíferos gigantes. 
E o período chamado Pleistoceno, pode ter durado muito menos do que defende. Consequentemente, Defendi-das figuras para linhagem antiga de hominídeos deve ser reduzido como estudos sorológicos sugerem Sarich-Wilson para ser analisada de dois ao final deste livro. 
Esse sendo o caso, o contato dos homens com algumas espécies de dino-Saurus e mamíferos de grande porte deve ter sido inevitável, embora os homens incessantemente viajando em busca de menos lugares ticos de problemas de sobrevivência, ter terminado resolver temporariamente em áreas planeta mais fácil lidar com os inimigos naturais. 
No entanto, deve ser lembrado que, apesar de todas estas importantes provas, não deve cair na armadilha de ser dogmática de-fendiendo cegamente a ideia de que o meteorito gigante Chicxulub (Yucatán), que supostamente matou os dinossauros 65 milhões de anos, ele agiu sozinho, causando a inundação ± 12.000 anos atrás. 
E, como tem já sido avançada, alguns cientistas ques-nan irídio encontrados no limite K / T foi gerado pelo meteorito que causou a cratera mexicana Chicxulub porque, de acordo com suas pesquisas, este impacto de meteoritos , "500.000 anos" antes da divisão Cretáceo-Terciário. Além disso, outros cientistas relatam que também Exis-ten clara evidência de graves impactos de meteoritos gigantes muito pós-temente naquela data (Cretáceo-Terciário) que, a partir de uma perspectiva bíblica, poderia muito bem ter ajudado causou a ruptura da terra 's crosta , o dilúvio bíblico subseqüente e falsos glaciações. 
Assim, admitiu que a inundação ocorreu devido ao impacto de um conjunto de meteoritos suportado Yucatan que reconhe-cer que ocorreu (pelo menos) dois impactos meteoritos gigantes espaçados por um tempo relativamente curto, o que faria gerado dois grandes extinções. Então distinção deve ser feita entre uma primeira extinção dos dinossauros, que sobreviveu alguns espécimes causadas pelo primeiro meteorito que enfraqueceu a Terra s' crosta, e um segundo extinção em massa causada pela inundação, o que gerou o segundo impacto de meteorito quebrando a crosta enfraquecido pelo primeiro impacto. 
Um exemplo importante de estas << >> Pue-de impactos subsequentes cotados em 1964 foi encontrado no fundo do mar 200 km Washington (Chesapeake Bay. EUA) uma cratera 85 km. De diâmetro, de acordo com geólogos , é a evidência de que faz ± 34 milhões de anos (terciário) um diâmetro de meteoritos gigante 3,2 km aí retidos, provo-Cando ± 10.000 anos para extinção total de vida marinha na área, embora mas agora há especulações sobre a extensão de seus effec-tos.

É ele agiu meteorito Yucatan sozinho provavelmente causado o dilúvio, ou que inundam foi causado por uma chuva de meteoros que bombardearam << >> superfície da Terra?

São os impactos de meteoritos namoro no Terciário deve fé-charse simultaneamente com o Yucatan, ou a inundação ocorreu quando o período geológico chamado "terciário" já tinha começado depois IMPAC-tar o meteorito que causou o limite K / T >?

Obviamente, o contraste entre as diferentes provas de pré-assentado nesta seção sugere que isso é provável que o dilúvio uni-versal descrito na Bíblia, acontecerá no período geológico chamado-do K / T (Cretáceo-Terciário), embora data real correspondem a ± 10.000 aC 
no entanto, em comparação com a variedade de ex colocar contradições científicas e resposta cientificamente indiscutível sem resposta, que deve ser esperado que a pesquisa científica (apesar de seus orçamentos evolutivas) fornecer mais informações sobre as consequências da estes gigantes >> << submarinos ou outros impactos que podem até mesmo um outdoor-brirse (talvez até mesmo na mesma Pleistoceno) antes de defi-nitivamente estabelecer quais partes das crenças evolucionistas dogmáticas in-cuentran errado. 
Embora, como foi discutido até agora, não são paleoanthropological arqueológica suficiente e que o relato bíblico é absolutamente confiáveis EVI-dencias, de modo que é claro que as incógnitas que permanecem cientificamente resolvidos nos próximos anos como absolutamente satisfatórios a partir de uma perspectiva bíblicos. 
De qualquer forma, caso eles enfatizaram que, como um resultado desta catástrofe global, forças suficientes poderosos para modificar parcialmente a geologia antiga do Tie-RRA, enterrando toneladas de resíduos orgânicos (seres vivos) que foram desencadeadas trans-formada em carvão e do petróleo, bem como a eliminação de evidências históricas que terminaram até causar graves erros em sistemas geológicos e cronológicos de hoje 's cientistas com visão anti-evolucionista e bíblica das origens da vida no planeta. 
Na verdade, muitas das críticas geológica da ciência evolucionis-ta, que se manifesta contra o dilúvio como um evento histórico, encontrar a sua resposta quando se considera o dilúvio acontece num contexto de Terra antiga. 
Assim, a existência de seres vivos fossilizados sucessivamente estratos mais antiga não é, em princípio provas contra o dilúvio. E He-cho, a crítica geológica do dilúvio, exposta por geólogos e divulgadores científicos como James R. Moore (catecrático da história da ciência na "Universidade Aberta" e "Universidade de Cambridge") em sua análise crítica co "Charles Lyell e Noé Dilúvio" anti-diluviano encontra muitos argumentos em uma visão de Terra jovem, que não é apoio bíblico verdadeiro, embora firmemente defendida por teólogos. 
De qualquer maneira, o reconhecimento de que o Terciário não exis-Tio forças nos a reconhecer que o planeta Terra, mesmo muito velho, é muito mais jovem do que é relatado na imprensa oficial, que de-Beria causar uma revisão da oficiais e diferentes cronologias métodos de datação. E também verificar a existência de árvores polystratic (árvores fósseis que cruzam diferentes estratos vertical) nos obriga a reconhecer que, no momento, a verdadeira idade do planeta é um mistério que está ainda à espera de ser resolvido. 
No entanto, esta nova e ousada proposta, definida para fora no capítulo pré-Sente, enfrenta uma alternativa para o dilúvio defendida por uma minoria de crentes na Bíblia que também defendem uma terra antiga, mas que suportam a escala geológica oficial defendida por a ciência.

  • DILÚVIO pleistocênica

A aparente historicidade da inundação mundial, contados nas tradi-ções de culturas distantes em todo o mundo, tem levado alguns cristãos geo-logos que suportam teorias evolutivas para investigar sobre as possibilidades reais da história aconteceram sem para modificar as escalas geológicas oficiais. 
Incapaz de aceitar que o estrato K / T tem alguma ligação com o relato bíblico, a pesquisa levou-os à inundação-tocenicas Pleis provas. 
Uma das provas mais marcante é que a inundação correspon-Deria com o derretimento da última idade de gelo, o que teria afetado todos os lugares onde os seres humanos viviam, instalados principalmente em locais costeiros. 
Um dos defensores modernos desta << >> inundação era moderna professor de geologia Dr. Alexander Tollman (1928-2007) com o que é chamado de "Teoria da Alexander Tollmann Speedster". 
Nascido em Viena, o geólogo austríaco, que era um professor de Depar-tamento de geologia na Universidade de Viena desde 1969 e ativista poli-tico, ele acabou sendo criticado pela ciência oficial para sua defesa da histori-Cidad o dilúvio. 
Assim, em 1993, com a sua mulher Edith Kristen-Tollmann, publi-ed uma monografia com a matriz título "Und doch é gab Sintflut. Vom Mythos zur historischen Wahrheit "(Houve uma inundação - Do mito à verdade histórica), que argumentou que o dilúvio bíblico foi devido à queda de um meteorito ou mais que teria impacto sobre o planeta em 7645 aC (± 200). A queda de uma bola de fogo gigante no oceano, de acordo com seus estudos, têm tomado os mares para invadir os continentes através de tsunamis colossais, e salpicos de água nas camadas superiores da atmosfera causando chuvas torrenciais. 
Sua monografia finalmente consolidado com investigações posteriores que os levaram a explicar o evento com base em datas de radiocarbono bono, dendrocronologia, geologia, análise estratigráfica profunda de tektites e núcleos de gelo extraídos de Camp Century, Greenland. 
Logicamente, a ciência oficial rejeitou seus argumentos, porque alguns dos dados apresentados pelo casamento foram extraídos dados impacto K / T, e que, aparentemente, não havia nenhuma evidência física do consecuencuias tão grande devastação do planeta, than-Bia têm produzido enormes quantidades de sedimentos. 
No entanto, outros cientistas, além do geólogo referida proposta Kenneth Tankersley também marca a passagem de um meteorito no final do Pleistoceno, concluíram que o fim da idade do gelo teria causado os mares llenasen mais do que o habitual. 
Assim, os geólogos William Ryan e Walter Pittman, da Universidade de Columbia estabeleceu a teoria de que a inundação seria um mito derivado das inundações causadas pelo derretimento do Pleistoceno para o 5600 aC, que, entre outras coisas, teria causado um enorme desastre natural não mar negro. 
Para os poucos cristãos na teoria da evolução e argumentam que a história de Adão e Eva pode ser considerado uma história alegórica, a inundação ainda é um problema com nenhuma solução clara. O mais confortável solu-ção costumava ser: << fechar os olhos para a força de-scriptive do relato bíblico, e considerar todos os un-mítica >> história alegórica. 
Diante dessa dificuldade, entrando em conflito com a pá-sutiãs de Jesus, que comparou o dilúvio com sua segunda vinda, alguns evolucionistas cristãos também buscam evidências do dilúvio univer-sal no derretimento do Pleistoceno. 
A dificuldade para coincidir com este evento parcial com a descrição de um dilúvio universal, apenas sendo suplementado com comple-to evidência de desastres ou inundações misteriosas em diferentes partes do mundo, embora a idéia de um dilúvio verdadeiramente universal não se destina, e Se uma inundação que teria dizimado toda huma-nidade fundada em locais específicos. 
Logicamente, neste contexto, é impossível para argumentar que as águas cobriram as montanhas mais altas em todo o mundo, como des-divulga no relato bíblico, e não todos os animais desapareceu sob o dilúvio exposto na Bíblia. 
Uma das soluções mais inteligentes para vadeando o problema tem si-se recorrer à linguística, argumentando que a interpretação tradicional dos textos não seria correto. 
Este recurso foi habilmente usado por Rodrigo H. Gomes, um jovem brasileiro Christian dinossauros especializados e defensor da evolução dirigida << >> (criação evolutiva) que se aproxima extraordina-riamente a proposta paleontológica deste volume (embora di-Fiere em outros aspectos importantes), o qual afirma que:

<< Mas, diz a Bíblia (Gênesis 7:23): "Assim foi destruído tudo o que havia sobre a face da terra, de homem a besta, o Repti-les, e as aves; e eles foram exterminados da terra, e ficou somente Noé, e os que estavam com ele na arca "?

Sim, mas é isso que está lendo este trecho da Bíblia e outros co-rectamente?

Ele acontece que a palavra hebraica pode significar planeta terra terra, território ou país. Na maioria dos casos, é aplicada a segunda-ficados meios. Por exemplo, Genesis 10:10; 11: 2, por exemplo, o termo hebraico para terra "erets" não é usada em referência à Terra pla-net, mas para a "terra" de Sinar. 
(...) E isso não é apenas um "apenas a minha conclusão" ... Não são muitos teólogos que pagaram atenção a isso. O "novo" aplicação do termo "terra" nesta passagem do Gênesis foi discutido detalhada-mente pelo professor Franz Delitzsch, um estudioso bíblico conservador do século XIX, em seu livro "A New Comentário sobre o Gênesis Vol. 1" (livro escrito originalmente em alemão em 1887). 
no entanto, nesse versículo, o termo "todos" pode realmente ser uma metonímia, como já observou alguns estudiosos, como para-ma que a Bíblia diz que a catástrofe de Sodoma "destruído tudo "Além disso, ele é interessante para ver que Jesus comparou a destruição de so-doma a destruição do dilúvio Peter também menciona esses dois desastres semelhante (2 Pedro 2: 5-9) ... temos uma ideia semelhante isso em mente quando Pedro diz que "o mundo que então existia perecido, afogado em água" (2 Pedro 3: 6).. o palavra "mundo", não é a palavra grega "Kosmos" 
no livro "Estudos Vocabulário Novo Testamento grego "por KSWuest, ver na página 57 Kos mos é considerado para ser a ordem das coisas, cujo centro é o homem, e Kosmos denota a humanidade nessa ordem de coisas, e como a humanidade se manifesta em e através de tal um fim (Mateus 18: 7). Com isso, podemos ver que o ponto central de referência para inundar o Novo Testamen-de trazer, é que a raça humana foi submetido a uma catástrofe aquosa e a humanidade só sobreviveu como um resultado da disposição de Deus através Noah, não sua extensão. 
Em adição, nas "montanhas" é importante mencionar que o termo "montanha" na passagem de Gênesis também pode ser traduzido como "hill". A tradução do King James traz o termo "altos montes" em Gênesis 7:19. A frase "debaixo do céu , " também pode significar tudo o que está dentro de um determinado campo de visão, de horizonte a horizonte. Eu acho que quando Noé estava na arca não podia ver ningu montanha-na ... 
Use Salmo 104: 6 como evidência de um dilúvio global, como muitas pessoas fazem, também é um erro, porque o salmista refere-se às "águas o abismo "(tehom, em hebraico), cobrindo nosso planeta em sua fase inicial como Gênesis 1: 2, de fato, o salmo é um hino à do Criador, falando de sua criação, e não o Dilúvio de Noé. 
Não como eu sempre digo, você quer para entender o que o Bi-Blia realmente diz em Gênesis, que é importante para analisar a opinião dos judeus sobre essa passagem. E, de fato, os judeus consideram estas interpre-tações sobre os termos "terra", "todos" e "montanha", tanto que no Talmud não é uma discussão sobre se a inundação teria atingido a terra de Israel ou não. O que os rabinos iria discutir que se PENSA-sen em um dilúvio de cem por cento global? 
Você pode re - ler todo o texto em Gênesis 7: 19-23 dentro dessa perspectiva que você vai ver um sentido diferente do tradicional ... 
Com tudo isso e mais, acho que a inundação não foi um mero inun-dação localizado, foi algo incomensuravelmente maior mas que-ex entregou exatamente onde os humanos tinham >>.


solução etimológico inteligente deste cristã brasileira, descrevendo uma inundação Pleistoceno semi-universal, que não teria afetado todo o planeta e todos os animais, mas somente os seres humanos, não considera que a Bíblia diz claramente:

"E o Senhor disse , Eu destruirei da face da terra aos homens que criei, desde o homem até o animal, eo rastejando coisa e aves de superfície-lo; para me arrependo de ter feito deles . " 
[ "A Bíblia" Gênesis 6: 7]

Sem menosprezar a importância de uma boa etimologia para a compreensão me-jor da revelação divina, e considerando positivamente di-cho esforço exegético, as provas apresentadas até agora neste capítulo parecem suficientemente fortes para pen-sar a abandonar a visão dilúvio universal tradicional e a destruição de todos os animais terrestres com os seres humanos: o dilúvio foi sim, universal, afetando todo o planeta e todas as criaturas que vivem nele. 
De qualquer forma, uma coisa eles têm em comum que a maioria de confiabilidade cientificamente Fienden do relato bíblico: O evento aconteceu aproximadamente a 10.000 aC

Nesse caso, a questão que afeta a todos igualmente é Onde estava-ron de parar o dilúvio?

Os geólogos reconhecem agora que o final dos mares do Paleolítico cresceu cerca de 60 metros, embora esse crescimento atribuído à fusão do Pleistoceno. 
Outra parte importante da água pode perfeitamente ser si-do absorvida pelo planeta, gerando sacos de águas subterrâneas esperar para ser descoberto. Na verdade, a pesquisa geológica recente publicado na revista "Nature" (Natureza DOI: 10.1038 / nature.2014.14862) e dirigido por Graham Pearson (. Universidade Alberta Canadá) sugerem a existência de uma enorme massa de água no interior do planeta, aprisionado em minerais, que poderia ser maior, mesmo toda a água que existe nele.

"Em um artigo publicado na prestigiosa revista Nature >> << quarta-feira (12), os cientistas disseram que encontraram um pequeno diamante que aponta para a existência de um vasto reservatório [de água] , sob o manto da Terra, cerca de 400 600 quilômetros sob nossos pés. 
<< Esta exposição oferece, de fato, confirmações extremamente fortes que existem profundas manchas molhadas na Terra LOCAIS em esta área >>, disse o autor do estudo Graham Pearson, Uni-versidade de Alberta, Canadá. 
<< Esta área particular da Terra, a zona de transição pode conter como tanta água quanto todos os oceanos juntos >> Pearson disse. 
(...) 
A evidência vem de uma água mineral raro absorção chamado anel-woodite, a partir da transição ensanduichada área entre as camadas superior e inferior do manto da Terra, dizem especialistas. A análise do material mostrou que a rocha contém uma quantidade substancial de moléculas de água, na ordem de 1,5% em peso. 
O manto se encontra abaixo da terra 's crosta, o centro da terra a uma profundidade de 2.900 km. Entre as duas partes principais do manto - superior e inferior - isso é chamado de "transição" zona-da entre 410 km e 660 km de profundidade. 
O principal mineral do manto superior é olivina. Quando a profundidade e, por conseguinte, a pressão aumenta, a olivina é transformado, alterar o estado. Entre 410 km e 520 km, torna-se wadsleyite, e entre 520 km e 660 km, torna-se ringwoodita, um mineral contendo água. 
Pearson argumentou que as implicações desta descoberta são pró-tampas. Se não é a água em grande volume, abaixo da terra da crosta pode envolver um impacto significativo sobre os mecanismos de vol-bastões e o movimento das placas tectônicas. "

[ "O Globo" Globo.com 2014/03/12 Brasil]

Mas, primeiro, é importante reconhecer que não podemos saber a quantidade de água que causou o dilúvio de Noé. Qualquer valor alcançado com os dados que temos atualmente seria especulativo e irrealista. A Bíblia indica que, a uma certa altura do passado, Deus estabeleceu novas alturas e profundidades novas para as montanhas e vales de pla-net. Dirigindo-se a Jeová, o salmista disse:

"Ele fundou a terra sobre suas bases; Nunca removida.Con do abismo, como uma peça de roupa que você cobriu; Eles estavam sobre as montanhas e águas. À tua repreensão fugiram; o som do teu trovão se apressaram afastado . 
Eles subiram as montanhas, os vales afundou para o lugar que tu os fundaste (...)". 
[ "A Bíblia" Salmo 104: 6-8]

Mais uma vez o texto é significativo o suficiente, porque não só ofereceu uma explicação para o destino das águas do dilúvio, mas o texto bíblico sugere que a inundação provocou uma reestruturação geológica completa do planeta. 
Portanto, nós podemos dizer sem medo de que depois do dilúvio, apa-riência o mundo tinha mudado completamente: as margens de margens antigos foram cobertos pelas águas, em alguns casos, os territórios (América, Índia, etc) tinha mudado lugar, enquanto novo sequeiro tinham emergido, e água de superfície não se infiltrou no mar ou tido tempo para evaporar totalmente ou infiltrar-se no solo, acumulados na forma de grandes lagos. 
<< >> O novo planeta, com seus 5 continentes claramente diferentes-dos, oceanos profundos agora possuídas e altas montanhas nevada deco-Raban sua superfície. Mas para além destes desenvolvimentos dramáticos deve-se acrescentar que o céu velho magenta (rosa), que estava assistindo a visão perfeita do sol tinha desaparecido e agora um blan-cas um refulgiente sol coroado céu azul nuvens, eo primeiro arco história íris adornando o mundo (Gênesis 9: 12-17). 
Assim, o relato de Gênesis explica que, quando a gota de água deixou que as bordas rochosas da inundação, a arca, Noé e sua família construída sob orientação divina, lavados pela água, desembarcou no cume Ararat. 
E como isso aconteceu também pode ser verificada geologicamente-camente, uma vez que esta cordilheira turco é apenas uma das bordas da "loess" cinturão abrangendo Europa e Ásia, tornar-fazer a área geográfica em que convergiram a as enchentes arrastando a arca com eles. Na verdade, isso é o que sugere o engenheiro agnóstico Hans-Joaquim Zillmer (consultor de engenharia civil e construção), num trabalho surpri-dente e excepcional realizado um estudo detalhado da histori-Cidad o dilúvio e os seus efeitos:

"(...) O cinto loess formado a partir de cinzas vulcânicas durante a inundação foi trazida pelo vento e arrastado para o bordo das ondas de inundação".

[ "Darwin estava errado (havia realmente evolução?)" 
Pág.82-86 ED.Timun Mas, Barcelona 2000]

Quando os oito sobreviventes da inundação (que a partir de agora se sentir mais rigor das mudanças sazonais) deixou o sal-vative arca, descoberto em um instante que o mundo antediluviano eles tinham apenas lembranças. 
E, no Monte Ararat, frio, rochoso e com uma paisagem em si vegetação incipiente, onde os animais da arca que em breve seria coberta por neve e gelo foi lançado, juntamente com a certeza de que eles eram a última sobreviventes da raça humana, os fez perceber que o mundo que conheciam tinha ido embora e nunca mais voltar, por isso era seu dever de preservar a sua memória. 
E isso era aquelas memórias do profeta Noé e sua família prediluviales pregadores (2ªPedro 2: 5), transmitida de pais para filhos através da tradição oral, muito mais tarde os seus descendentes na Suméria e em outros lugares iria colocar por escrito, a forma de mitos e lendas, pelo menos inicialmente, tentando para preservar a memória do que aconteceu. 
CAPÍTULO 4