Sites Grátis no Comunidades.net
Translate this Page



ONLINE
1


Partilhe este Site...



Total de visitas: 287959
DATAÇÃO ABSOLUTA?
DATAÇÃO ABSOLUTA?

 

Evidences for a Recent Creation

December 2003

 ABAIXO TRADUÇÃO AUTOMATICA

The age of the earth is a central issue in creation -evolution discussions, because a young earth would not permit enough time for evolution to occur, and an old earth would contradict a literal reading of the Bible account of creation. The belief in an old earth is based on conventional dates for geological periods, which are in the hundreds of millions of years range, and are obtained by isotopic dating methods. Standard isotopic (radiometric) dating techniques typically yield such dates on fossil-bearing strata. There are, however, numerous disagreements between dates produced by different isotopic dating methods, and there are many cases where the dates obtained are very different from the expected ones. Furthermore, geologists are aware of a number of factors that can cause radiometric dating methods to give bad dates, and these factors are sometimes difficult to recognize. This already casts some doubt on isotopic dating methods. Creationists have given evidence that the geological column is much younger than hundreds of millions of years, but until now they have not had a quantitative method of measuring the age of the fossils or the geologic column. Nor have they had a uniform explanation for why isotopic dating methods give such old dates. This has put creationists at a disadvantage in discussions of dating issues, and also has been an obstacle in the widespread acceptance of a young earth.

Now there are evidences that explain why isotopic dating methods yield such old dates on fossil-bearing strata. These evidences also provide a quantitative measure of how old the fossils really are. These evidences show that the geological column on earth, at least from the Cambrian period onwards, was laid down in a few thousand years rather than the hundreds of millions of years assumed by conventional geology. This gives strong support to the creationary viewpoint, and provides methods of dating that are more in harmony with the Biblical creation account. These evidences also explain the old ages given by conventional methods as the result of accelerated decay. It now appears that radioactive decay was much faster in the past. This explains why isotopic dating methods typically give dates in the hundreds of millions or even billions of years on samples that are really only a few thousand years old on a young earth. Faster decay could also be the cause of the Flood, because accelerated decay would have caused the generation of a huge amount of heat, wreaking havoc with the earth's crust. These evidences do not directly establish the age of the earth or the universe, but suggest that the earth is young.

In fact, a number of evidences are fitting together so well that one has to ask how much evidence is needed for a paradigm shift. How much evidence suffices for the scientific establishment to accept the fact that the geological column was laid down very rapidly, in thousands rather than millions of years? Or is it the case that no amount of evidence will convince them? I think that the new evidences are so convincing that the scientific establishment would have a hard time refuting them in a debate. But whatever the reaction of the scientists, the evidence is now compelling enough to convince many educated people of the error of the current assumption of hundreds of millions of years for the geological column.

In the past, many creationists have attempted to explain old isotopic (radiometric) dates by assuming that the system was disturbed. Isotopic dates are often computed by measuring the amount of a parent substance X and the amount of a daughter substance Y into which X decays. If one assumes that at some time T in the past, no Y was present, and no X or Y entered or left the system in the meantime, then, by measuring the amount of X and Y present and knowing the speed at which X decays into Y, one can compute the age of the system, that is, the time elapsed since time T. The more Y and the less X there is, the older the sample. This method typically gives ages in the hundreds of millions of years. Creationists often argue that the computed age is too old because Y may have been present initially, or X or Y may have entered or left the system since it was formed. However, geologists have developed sophisticated methods to account for such possibilities.Furthermore, it seems unusual that so many different isotopic methods would give old dates if these dates resulted only from disturbances in the system. Disturbances could just as well make the dates too young as too old. Now creationists are beginning to think that a large amount of radioactive decay occurred in a short time, because the rate of decay was much faster in the past.

There are two main processes by which radioactive decay occurs, alpha decay and beta decay. In alpha decay, an alpha particle is emitted from a nucleus. An alpha particle consists of two protons and two neutrons. This is the nucleus of a helium atom, and when an alpha particle is emitted, it soon acquires electrons and becomes a helium atom. Thus helium is produced by alpha decay. The other main method of decay is beta decay, in which an electron or a positron is emitted from the nucleus and a neutron becomes a proton, or vice versa. Another way that this can happen is if an electron is captured by the nucleus. If rates of decay were faster in the past, then it is reasonable to assume that alpha decay and beta decay would be sped up by different amounts, because they are such different processes.

The first evidence for accelerated decay in the past has to do with the dating of zircons. Zircons have the element zirconium in them, together with other elements.They are often used for jewelry. Zircons are used for isotopic dating because their crystal structure incorporates uranium and thorium but not lead, making them suitable for uranium-lead and thorium-lead dating. Uranium and thorium decay into lead, so one can assume that the lead in the zircon results from decay, and thus compute the age of the zircon. Although this assumption has its limitations, the idea is basically sound. Zircons on earth give dates up to about 4 billion years.

Uranium and thorium decay into lead by a complex series of steps, of which a number involve alpha decay. Thus helium is produced. This helium should diffuse out of the zircon rapidly. Therefore if the zircons were really hundreds of millions or even billions of years old, there should be no helium left in them that resulted from such decay. However, a significant amount of helium has been found in some zircons that give isotopic dates of 1.5 billion years. Until recently, no one had measured the rate of diffusion of helium in zircons. In 2000 the RATE project [RATE 00] began experiments to measure the diffusion rates of helium in zircon and biotite. Using this data, the ages of these zircons were computed [Humphreys et al 03]. In other words, an age was computed consistent with the amount of helium remaining in the zircon. The ages computed in this way are between 4,000 and 14,000 years ! These results support the hypothesis of accelerated nuclear decay and represent strong scientific evidence for the young world of Scripture. This shows that alleged isotopic dates of 1.5 billion years for these particular zircons correspond to true dates of between 4,000 and 14,000 years. This suggests that all these old isotopic dates correspond to very young true dates. However, these results do not yet show that even older dates are in this time range. It would be interesting to test zircons having even older isotopic dates to see how much helium they contain, and to test more zircons to see if this helium retention is a universal phenomenon.

The next evidence for a recent creation is provided by carbon 14 dates. Carbon 14 is produced in the upper atmosphere by cosmic rays and then slowly decays. The older an organic sample is, the less carbon 14 it will contain because the sample will not be absorbing new carbon 14 after it dies. An astonishing discovery made over the past twenty years is that, almost without exception, when tested by highly sensitive accelerator mass spectrometer (AMS) methods, organic samples from every portion of the fossil record show detectable amounts of 14C! Giem reviewed the literature and tabulated about seventy reported AMS measurements of 14C in organic materials from the geologic record that, according to the conventional geologic time-scale, should be 14C 'dead.' The surprising result is that organic samples from every portion of the fossil record show detectable amounts of 14C. For the measurements considered most reliable, the 14C/C ratios appear to fall in the range 0.1-0.5 percent of the modern 14C/C ratio (percent modern carbon, or pmc). 0.1 percent modern carbon corresponds to a computed age of 57,000 years, and higher values correspond to even younger ages. This implies that the entire geologic column from the Cambrian period onward is less than 57,000 years old. Some of the researchers tried to explain this carbon 14 as contamination, but none of their attempts to clean it were successful, and other evidence indicated that this carbon 14 was not contamination.

Organic matter consistently has a higher 14C ratio than Precambrian inorganic matter. This shows that this carbon 14 is not noise and not contamination. If the carbon 14 arose from noise in the measurement process or from contamination, then one would not expect to find such systematic differences. The amount of carbon 14 must therefore indicate that these samples are very young.

Here we have additional evidence that samples alleged to be hundreds of millions of years old are in fact 60,000 years old or less. If decay were accelerated in the past, the true age would be even less than 60,000 years. There is also reason to believe that the biomass before the flood may have been 100 times larger than it is today, which would dilute carbon 14 by a factor of 100 or more. This corresponds to six or seven half lives of carbon, or to an age of about 40,000 years. Thus the ages of these samples would be brought down to the 10,000 to 20,000 year range, and with accelerated decay the ages would be even less, consistent with the Biblical account. Another factor to consider is that there may have been less carbon 14 before the flood; the amount of carbon 14 in the atmosphere appears to be increasing even today. This would make the ages even younger.

There is even measurable carbon 14 in diamonds! Dr. Baumgardner [Wieland 03] sent a diamond for C-14 dating. It was the first time this had been attempted, and the answer came back positive—ie the diamond, formed deep inside the earth in a 'Precambrian' layer, nevertheless contained radioactive carbon, even though it 'shouldn't have'. This is exceptionally striking evidence, because a diamond has remarkably powerful lattice bonds, so there is no way that subsequent biological contamination can be expected to find its way into the interior. The diamond's carbon-dated 'age' of less than 58,000 years is thus an upper limit for the age of geological column from the Cambrian period onwards. And this age is brought down still further now that the helium diffusion results have so strongly affirmed dramatic past acceleration of radioactive decay.

The fact that isotopic dates are generally too old by hundreds of millions of years, but Carbon 14 dates are only too old by thousands of years, is also evidence for accelerated decay, because Carbon 14 decays much faster. In general, one would expect that if decay were accelerated, all radioactive decay systems would have about the same amount of extra decay. This is especially true if the cause of the accelerated decay was a large amount of radiation hitting the earth, because a nucleus that was hit by radiation would receive a large amount of energy and would be likely to decay, regardless of its half life. Carbon 14 has a short half life, meaning that it is relatively unstable and decays rapidly, so the number of atoms per unit time that decay is large. Uranium, thorium, and other substances used for isotopic dating have much larger half lives, almost all of them in the billions of years range. This means that these substances are comparatively stable and decay events are very rare, so the number of atoms per unit time that decay is very small. Therefore, if there are N extra decay events in a unit of time, these extra decay events would proportionally affect the number of Carbon 14 decays by a much smaller amount than the number of uranium and thorium decays. This means that the age computed from Carbon 14 would be increased by a much smaller proportion than the ages computed from uranium-lead and thorium-lead decay. In fact, this is what is observed, with Carbon 14 ages typically in the 60,000 year range or less, but uranium and thorium ages typically in the hundreds of millions of years.

Here is a table of some common half lives, showing how much longer many half lives are than the half life of carbon 14:

Radioactive Parent

Stable Daughter

Half life

Potassium 40

Argon 40

1.25 billion yrs

Rubidium 87

Strontium 87

48.8 billion yrs

Thorium 232

Lead 208

14 billion years

Uranium 235

Lead 207

704 million years

Uranium 238

Lead 206

4.47 billion years

Carbon 14

Nitrogen 14

5730 years

Also, alpha decay and beta decay use different processes. Therefore they may not be affected the same amount by an increase in the decay rate. So discordances between alpha and beta decay ages are an evidence of disturbed decay. To sum up, the following are the evidences one would expect from accelerated decay in the past: Carbon 14 ages should be much younger than other isotopic ages like K-Ar, U-Pb, et cetera. Alpha and beta ages should differ. And ages computed from elements with long half lives should be more affected than ages computed from elements with short half lives.

In fact, these evidences are reported in [Austin et al 03]. This paper considers ages computed from "isochrons." An isochron is a method for computing the amount of daughter product Y that was initially present in a system. This is computed by taking several samples from the same area, and measuring the amount of parent and daughter substance in each sample. Another isotope of Y, not produced by radioactive decay, is also measured. It is reasonable to assume that initially, all isotopes of Y were distributed in a similar manner in the samples. Thus one can estimate how much Y was present initially in each sample, at least up to a constant factor.Knowing the amount of daughter product that was initially present, one can compute the age of the samples. It is also possible using isochrons to detect whether the system has been disturbed since its origin. This means that isochrons are self-checking. There are two kinds of isochrons, whole rock isochrons and mineralisochrons. Whole rock isochrons use samples that are obtained by combining many different minerals in each sample. Mineral isochrons use a different mineral for each sample. Whole rock isochrons can give wrong ages due to mixings. However, this is not a problem for mineral isochrons. Therefore mineral isochrons, though they are somewhat more expensive, are more reliable. Especially the agreement of a whole rock isochron and a mineral isochron gives excellent evidence that the date obtained is good, and that the system has not been disturbed since it formed. Most isotopic dates are model ages computed simply by measuring the amount of parent and daughter substance in a sample, and only a small fraction of isotopic dates are obtained using isochrons. Even when isochrons are performed, only a small portion of them are mineral isochrons. Therefore, only a small fraction of isotopic dates have such reliability factors built in; the remainder are subject to various errors.

However, even when extra reliability factors are built into dating methods, the dates generally still do not agree with one another. In [Austin et al 03] an example is given where two different systems (that is, ages measured by two different decay processes) both have internal evidence for consistency in that whole rock and mineral isochrons agree for each system, but the dates obtained for the two systems disagree. This means that one computes two ages, A1 and A2 for the formation.Both A1 and A2 have excellent evidence for their correctness, based on the agreement of a whole rock isochron and a mineral isochron for A1, and likewise for A2.But the ages A1 and A2 disagree! The only reasonable explanation is that there was a change in the decay rate, and the decay measured for age A1 was increased by a different amount than the decay measured for the age A2. Furthermore, these data are consistent with alpha decay having been accelerated more than beta decay, and with the longer the present half-life the greater being the acceleration factor. Thus there is excellent evidence that decay rates were increased in the past.In fact, according to Austin [Austin 00], such disagreements between "good" dates (dates computed using whole rock or mineral isochrons) are very common in the literature. Thus there is abundant evidence for a change in the decay rates.

Isotopic dates on earth obtained by different methods are typically discordant (in disagreement), but this is not true of the meteorites. There are certain meteorites that consistently give dates of about 4.5 billion years by many different methods. Therefore a different process must have been at work in these meteorites than on earth.Perhaps the 4.5 billion year age of these meteorites is a result of an old universe, or perhaps it is a result of changes in the physical constants very early in the creation, causing all decay processes to run faster by the same amount. Another factor is that the same processes leading to discordant dates on earth should have led to discordant dates on the meteorites, but this did not occur. One possible explanation for this is that radiation hitting the earth largely missed the meteorites, or else they were shielded from it in some way. Another possibility is that the radiation had its source in the sun. Objects farther from the sun would have received less radiation;an object ten times farther away than the earth would only have received one percent of the radiation. This would have resulted in a much smaller speedup in the decay rate and much smaller discordances in the ages obtained by different methods. A variation of isochrons called isochrones are used to measure the ages of stars. The ages obtained are typically in the billions of years. Perhaps these ages are also the result of an old universe or a change in the decay rates very early in the creation.

There is also evidence for a speedup in mutation rates in the past, based on genetic diversity. The genetic diversity of a species measures the probability that two randomly chosen individuals will disagree in a given base pair of their DNA. If a species is large, the genetic diversity will continue to increase over time, as mutations occur and different individuals in the species become more and more different in their DNA. Thus, assuming a large species, one can give an upper bound on the age of the species knowing the genetic diversity and the mutation rate. This either gives an upper bound on the time since the species originated, or else measures the time since the species population was very small. This method was applied to the human race, using mitochondrial DNA. Mitochondria are the "energy factories" of the cell and convert ADP to ATP, which is used by the cell to generate energy. Mitochondria have their own DNA and divide independently of the cell; each cell typically has many mitochondria. Also, mitochondria typically pass exclusively from mothers to their children, although there may be exceptions. By measuring the rate of mutation of mitochondrial DNA and computing the genetic diversity of the human race, one obtains [Gibbons 98] an age of somewhat over 6000 years since the common maternal ancestor of the human race (mitochondrial Eve). Biologists attempt to explain this young age by assuming that the rate of mutation of mitochondrial DNA was much slower in the past for some unexplained reason.

It is not only the human race whose age, measured this way, is young, but many other species as well, including wolves, coyotes, dogs, ducks, birds, E. Coli, and Drosophila (fruit flies). Most of these ages are based on the assumption that mitochondria in other organisms mutate at about the same rate as they do in humans.Biologists are puzzled by this low genetic diversity in many organisms. This is spectacular evidence for a recent creation, but it has largely been ignored by creationists.

It is also possible to compute ages based on nuclear DNA diversity. Most of the DNA of an organism is in the nucleus, and this nuclear DNA mutates slower than mitochondrial DNA. The nuclear DNA diversity due to SNP's (single nucleotide polymorphisms) is given in [Nature 01], and is about 7.51  10 -4 ; for the Y chromosome the diversity is about 1.5  10 -4 . Ages computed from the Y chromosome diversity (which would have been zero at the creation) tend to be somewhat larger than those computed from mitochondrial DNA diversity, and based on a Y chromosome mutation rate of 6  10 -8 per generation of 20 years, are about 25,000 years. (There is reason to believe [Crow 97] that the Y chromosome mutates about twice as fast as the other chromosomes. The overall human mutation rate is estimated at about 3  10 -8 per base pair per generation and may be higher.) Even this 25,000 year estimate is not too far from the Biblical time frame and supports the creationary view. However, this calculation is based on a mutation rate that is itself partially derived from evolutionary assumptions. As with radioactive decay, this longer age for nuclear DNA is evidence for a speedup in the mutation rate in the past. Because nuclear DNA mutates much slower, any increase in the mutation rate would have a much larger effect on ages computed from nuclear DNA diversity than on ages computed from mitochondrial DNA diversity.

Furthermore, if decay was faster in the past, it could have increased the mutation rate, because the level of radiation would have been higher, and radiation causes mutations. There is evidence that small doses of radiation can lead to unexpectedly high mutation rates in humans [Science 02a]: "researchers led by geneticist Yuri Dubrova of the University of Leicester, United Kingdom, describe a compelling connection between radioactive fallout and elevated mutation rates in families living downwind of the Semipalatinsk nuclear facility ... The findings bolster a controversial 1996 report by Dubrova and a different group of colleagues that linked germ line mutations to fallout from the 1986 Chernobyl explosion. That study, published in Nature, described double the usual mutation rate in the children of men living in a region of Belarus heavily contaminated with cesium 137. In each subject they examined eight minisatellite DNA regions that are prone to mutations. ... Compared to control families in a nonirradiated part of Kazakhstan, individuals exposed to fallout had a rougly 80% increase in mutation rate, and their children showed an average rise of 50%."

So it all fits together: increased decay leads to higher levels of radiation and also increases mutation rates in humans! And there is some evidence that the rate of decay may vary: Slusher [Slusher 81] reports: "Anderson and Spangler maintain that their several observations of statistically significant deviations from the (random) expectation strongly suggests that an unreliability factor must be incorporated into age-dating calculations. Such irregularities were observed for carbon 14, cobalt 60, and cesium 137. The source for this information is [Anderson and Spangler]. Even Dalrymple [Dalrymple 84] recognizes such irregularities: "Under certain environmental conditions, the decay characteristics of 14C, 60Co, and 137Ce, all of which decay by beta emission, do deviate slightly from the ideal random distribution predicted by current theory ... , but changes in the decay constants have not been detected." Dalrymple cites the references [Anderson 72] and [Anderson and Spangler 73]. Though he claims no changes in the decay constants have been detected, he admits to puzzling irregularities in decay.

What could have sped up decay rates? Some creationists including [Chaffin 00] and Barry Setterfield postulate a change in the basic physical constants at the time of the creation and during the flood, resulting in an accelerated burst of decay very early in the creation and also during the flood. Early in the creation the constants including the speed of light may indeed have been different, and even secular scientists have suggested this. However, a change in the constants at the time of the flood would have had many consequences, and may have made the basic biology of life impossible. But there is another possible mechanism.

The following comment by Keith Wanser [Wanser 99], a creationist physicist, is significant: "Actually, it turns out that when you get the nucleus "excited", decay is going to be much quicker, making things look vastly "older". People have been talking recently about magnetic stars giving off big bursts of gamma rays; there are all sorts of ways that radiometric "clocks" could have been reset catastrophically, during the Flood, for example." In fact, when the nucleus gets excited, it takes time for it to settle down. This means that rates of decay may have been faster for some time after the Flood. Another mechanism for an increase in the decay rate is presented in [Science 00]. This article shows how interactions with elementary particles can cause decay rates to increase. One such particle is the neutrino. A recent result [Science 02b] implies that neutrinos interact with matter much more readily than previously thought: "The results also show that another property of neutrinos, related to how they interact with matter, known as the mixing angle, must be large, rather than small, contrary to what physicists believed until quite recently." So radiation, possibly gamma radiation or possibly neutrinos, could have sped up decay rates.

But where would this radiation have come from? One possibility is a supernova. Many supernovae are known. The Crab Nebula is the remnant of a supernova explosion that was seen on Earth in 1054 AD. It is 6000 light years from Earth. At the center of the bright nebula is a rapidly spinning neutron star, or pulsar that emits pulses of radiation 30 times a second. In X-ray pictures taken of the Crab nebula, one can see a ring structure and beams of radiation coming out from the poles. Another supernova, SN 1987A, appeared on February 23, 1987. Supernovae typically leave behind rapidly spinning neutron stars, or pulsars. And there is evidence that supernovae occurred near the earth in the past.

An article [New Scientist 03] in the September 2003 New Scientist states, "A devastating burst of gamma rays may have caused one of Earth's worst mass extinctions, 443 million years ago. A team of astrophysicists and palaeontologists says the pattern of trilobite extinctions at that time resembles the expected effects of a nearby gamma-ray burst (GRB). GRBs are the most powerful explosions known. As giant stars collapse into black holes at the end of their lives, they fire incredibly intense pulses of gamma rays from their poles that can be detected even from across the universe for 10 seconds or so. … Now Melott believes he has palaeontological evidence that this actually happened at the end of the Ordovician period 443 million years ago, causing one of the five largest extinctions of the past 500 million years. The researchers found that species of trilobite that spent some of their lives in the plankton layer near the ocean surface were much harder hit than deep-water dwellers, which tended to stay put within quite restricted areas. Melott says this unusual pattern could be explained by a GRB, which would probably devastate creatures living on land and near the ocean surface, but leave deep-sea creatures relatively unharmed."

Another article [New Scientist 02a] in the January 2002 New Scientist gives additional evidence for a recent supernova near the earth. The researchers found atoms of a very rare isotope of iron, 60Fe, in cores taken from the ocean floor. 60Fe is rare in the solar system because it has a half-life of 1.5 million years. The group suggested that the iron arrived on Earth as fallout from a nearby supernova about two million years ago. This is about the time that fossil records indicate that many marine molluscs went extinct. Donald Clayton, an astronomer at Clemson University, says the story appears consistent: "The amount of 60Fe found in deposits is about what you might expect from a supernova going off about 100 light-years away." Clayton says 60Fe would be blasted towards Earth when high energy neutrons from the supernova core smack into iron atoms in its outer shell.

An additional evidence is given in the May 2002 New Scientist [New Scientist 02b]. "A student at Harvard University has stumbled across the terrifying spectacle of a star in our galactic backyard that is on the brink of exploding in a supernova. It is so close that if it were to blow up before moving away from us, it could wipe out life on Earth. We are only 150 light years away from HR 8210 at present - well short of the 160 to 200 light years thought to be the minimum safe distance from a supernova. If it did let fly, the high-energy electromagnetic radiation and cosmic rays it released would destroy Earth's ozone layer within minutes, giving life little chance of survival. "The fact that there's such a system so close to us suggests maybe these objects are not so rare," says Latham." The fact that supernovae are common near the earth makes it more likely that one occurred in the past. Of course, the evidence for supernovae in the past is valid even if the assumption that they occurred hundreds of million years ago is in error.

So there is reason to believe that a supernova occurred near the earth, and we have reason to believe that radiation from a supernova would increase decay rates.But which supernova might have been responsible for the increase in decay rates?

The Gum Nebula is a huge constellation in the Southern hemisphere, about 1000 light years away, and extends over at least 40 degrees of the sky. The Gum Nebula is thought to be the remnant of one or more ancient supernovae. One pulsar in this region, perhaps not associated with the Gum Nebula, is the Vela Pulsar, which is about 800 light years away and estimated to be about 11,000 years old. However, if the dating of pulsars is wrong, as has recently been suggested [Science 01], then the Vela Pulsar could be much younger, and may have arisen only 4,500 years ago, or about the time of the Flood. The author of [Science 01] does not feel that these results apply to the Vela pulsar, but this does show that dating methods can change with time. The Vela supernova remnant is now about 230 light years across and covers over 100 times the sky area of the full moon. The Vela Pulsar is still the the brightest gamma-ray source in the sky above 100 MeV. It's a "smoking gun" and a logical choice for the supernova that increased decay rates in the past. Jueneman was the first to suggest a link between this pulsar and an acceleration of decay [Jueneman 72]. A recent X-ray picture of the Vela pulsar shows the typical ring structure with a beam of radiation exiting from a pole.

Another evidence of a recent creation is comets. Comets are essentially frozen mud. That is, they are believed to be composed of dust combined with water, ammonia, methane, or other frozen liquids. When a comet is heated by the sun some of the ice vaporizes and dust escapes. This is what makes comets visible to us.Each time a comet orbits close to the sun, it loses 5 to 10 % of its material . Astronomers have even seen them break up into pieces as they go around the sun. At this rate they couldn't last more than 100,000 years. Some of the short-orbit comets couldn't last more than 10,000 years old. If so, how could there be any comets left after 5 billion years? The Kuiper belt is the supposed origin of the short period comets. The Oort cloud is also believed to originate comets. But the Kuiper belt was recently found [Science 03] to have only 4 percent of the necessary objects! Comets must have been recently produced, then, by some kind of a catastrophe.Perhaps a planet between Mars and Jupiter exploded when the decay rate increased, thereby generating comets, producing the asteroid belt, and also explaining many asteroid impacts on the earth at the time of the flood.

Yet another evidence for an increase in the decay rate in the past is the correlation between surface heat flow and the radioactivity of surface rocks [RATE 00b].Geologists have found a puzzling correlation between heat flow out of the ground, and the presence of radioactive elements near the surface. This should not be so if decay has proceeded slowly for millions of years, because the heat would have long since dissipated. A better explanation is that the pulse of heat from an interval of accelerated decay in the past, has not entirely dissipated. It is also possible that in the "wild," decay is taking place faster than we realize, generating extra heat.

Finally, Robert Gentry claims [Gentry 76] to have found "squashed" polonium haloes as well as embryonic uranium radiohaloes in coal deposits from many geological layers claimed to be hundreds of millions of years old. The ages given for several adjacent geological periods using squashed Polonium haloes are nearly identical.

Many evidences have already been presented by creationists that indicate something is wrong with the long ages of radiometric dating on earth. These include a rate of erosion that is too high for the assumed age of the continents, too much salt entering the ocean, too little sediment on the ocean floor, many evidences of catastrophe in the geological column, too little erosion in many places in the geological column, evidence of sudden burial of fossils in large numbers, turbidities in the geological column, missing periods in places in the geological column, the lack of uniform unconformities, polystrate fossils, overthrusts, and others. Another evidence that appeared [Kerr 03] in a recent issue of Science is the survival of remnants of meteoritic fragments for (supposedly) 251 million years. These remnants would long since have been destroyed by chemical reactions in such a long time period, scientists say. "Meteoriticists and impact geologists are stunned that tiny, fresh-looking, unaltered fragments of a meteorite should have survived burial for 251 million years." Though there is disagreement about the date of origin of these fragments, one possibility is that accepted dates of 251 million years correspond to actual dates of a few thousand years.

In addition to these evidences, there are now many new evidences of increased decay rates in the past that indicate that isotopic dates of hundreds of millions of years were produced in thousands or tens of thousands of years, namely, helium retention in zircons, young Carbon 14 dates, and disagreements between well justified isotopic dates. In addition, there is evidence of an acceleration of the mutation rate in the past, which would have been the result of increased decay. There is also evidence of a nearby supernova in the past, and evidence that the radiation from such a supernova would have increased the decay rate. Finally, there is the lack of expected objects in the Kuiper belt, and the correlation between surface heat flow and the radioactivity of surface rocks. And of course there is the mitochondrial DNA mutation evidence indicating that man and many other species had a very recent origin. Not only do all these evidences fit together, but several of them seem impossible to explain in the long ages geological framework. This justifies a repetition of the question posed at the beginning of this article: How much evidence is necessary before a paradigm shift occurs? How much evidence is needed before geologists will seriously consider the possibility that the geological column was laid down in thousands, rather than millions of years? When will those who hold this view be regarded with respect by the scientific establishment rather than being considered as religious fanatics? Only time will tell.

References

[Anderson 72] Anderson, JL, 1972, Non-Poisson distributions observed during counting of certain carbon-14-labeled organic (sub) monolayers, Phys. Chem. J. 76: 3603-3612.

[Anderson and Spangler 73] Anderson, JLand GW Spangler, 1973, Serial statistics: Is radioactive decay random? Phys. Chem. J. 77: 3114 - 3121.

[Anderson and Spangler] Anderson, JL and Spangler, GW, "Radiometric Dating: Is the `Decay Constant' Constant?", Pensee, p. 31.

[Austin 00] Steven A. Austin, Mineral Isochron Method Applied as a Test of the Assumptions of Radiometric Dating, Radioisotopes and the Age of the Earth: A Young-Earth Creationist Research Initiative (ICR and CRS, 2000), pp. 95-121.

[Austin et al 03] Steven A. Austin, Ph.D., Andrew A. Snelling, Ph.D., William A. Hoesch, Radioisotopes in the Diabase Sill (Upper Precambrian) at Bass Rapids, Grand Canyon, Arizona: An Application and Test of the Isochron Dating Method, International Conference on Creationism, Geneva College, Beaver Falls, PA., August 4-9, 2003.

[Baumgardner et al 03] John R. Baumgardner, D. Russell Humphreys, Andrew A. Snelling, Steven A. Austin, Measurable 14C in Fossilized Organic Materials: Confirming the Young Earth Creation-Flood Model, International Conference on Creationism, Geneva College, Beaver Falls, PA., August 4-9, 2003.

[Chaffin 00] Eugene F. Chaffin, Theoretical Mechanisms of Accelerated Radioactive Decay, Radioisotopes and the Age of the Earth: A Young-Earth Creationist Research Initiative (ICR and CRS, 2000), pp. 305-331.

[Crow 97] Crow, J., The high spontaneous mutation rate: Is it a health risk?, PNAS Vol. 94, pp. 8380-8386, August 1997.

[Dalrymple 84] Dalrymple, GB, 1984 How Old is the Earth?: A Reply to `Scientific' Creationism In "Proceedings of the 63rd Annual Meeting of the Pacific Division, American Association for the Advancement of Science" vol. 1, pt. 3, Frank Awbrey and William Thwaites (Eds).

[Gentry 76] Gentry, RV et al, 'Radiohalos in coalified wood: new evidence relating to time of uranium introduction and coalification', Science , Vol. 194, October 15, 1976. pp. 315-318.

[Gibbons 98] Gibbons, Ann, "Calibrating the Mitochondrial Clock", Science, Vol 279, No. 5347, Jan 1998, pp. 28 - 29.

[Humphreys et al 03] D. Russell Humphreys, Steven A. Austin, John R. Baumgardner, Andrew A. Snelling, Helium Diffusion Rates Support Accelerated Nuclear Decay, International Conference on Creationism, Geneva College, Beaver Falls, PA, August 4-9, 2003.

[Kerr 03] Kerr, R., Has an impact done it again? Science 21 November 2003 Vol. 302 pp. 1314-1316. 

[Jueneman 72] FB Jueneman, Industrial Research, Sept., 1972, p. 15.

[Nature 01] A map of human genome sequence variation containing 1.42 million single nucleotide polymorphisms, Nature 409, 928 - 933 (2001).

[New Scientist 02a] Supernova "smoking gun" linked to mass extinctions 09 January 02 New Scientist.

[New Scientist 02b] Supernova poised to go off near Earth 23 May 02 New Scientist.

[New Scientist 03] Gamma rays may have devastated life on Earth 24 September 03 New Scientist.

[RATE 00] Radioisotopes and the Age of the Earth: A Young-Earth Creationist Research Initiative (ICR and CRS, 2000).

[RATE 00b] Radioisotopes and the Age of the Earth: A Young-Earth Creationist Research Initiative (ICR and CRS, 2000), page 80.

[Science 00] "Furtive Glances Trigger Radioactive Decay," Science 2 June 2000 vol. 288 page 1564.

[Science 01] "Redating a Star," Science Volume 291, Number 5503, 19 Jan 2001, p. 429.

[Science 02a] Science 8 February 2002 vol. 295 page 946.

[Science 02b] Science 26 April 2002 vol. 296 page 633.

[Science 03] "Comet 'Factory' Found to Have Too Little Inventory," Science 5 Sept. 2003 vol. 301 page 1304.

[Slusher 81] Slusher, HS, 1981. Critique of Radiometric Dating, Institute for Creation Research, Technical Monograph 2 (2nd ed.), 46 pp.

[Wanser 99] Creation Ex Nihilo 21(4) September–November 1999, p. 40.

[Wieland 03] Carl Wieland , RATE group reveals exciting breakthroughs! , www.answersingenesis.org , 21 August 2003.


Evidências para uma criação recente

 

Dezembro 2003

 

 

 

A idade da terra é uma questão central na criação discussões de evolução, pois uma Terra jovem não permitiria tempo suficiente para que a evolução ocorra, e uma terra antiga iria contradizer uma leitura literal do relato bíblico da criação. A crença em uma terra antiga é baseada em datas convencionais para períodos geológicos, que são na ordem das centenas de milhões de anos gama, e são obtidos por métodos isotópicos de datação. Técnicas padrão isotópico (radiométrica) namoro normalmente produzem essas datas em estratos contendo fósseis. Há, no entanto, inúmeras divergências entre datas produzidos por diferentes métodos isotópicos de namoro, e há muitos casos em que as datas obtidas são muito diferentes dos esperados. Além disso, os geólogos estão cientes de uma série de fatores que podem causar os métodos de datação radiométrica para dar datas ruins, e esses fatores são por vezes difíceis de reconhecer. Isso já lança algumas dúvidas sobre os métodos de datação isotópica. Os criacionistas têm dado provas de que a coluna geológica é muito mais jovem do que centenas de milhões de anos, mas até agora eles não tiveram um método quantitativo para medir a idade dos fósseis ou da coluna geológica. Também não tinha uma explicação uniforme para por métodos isotópicos de datação que dar tais datas antigas. Isso colocou os criacionistas em desvantagem nas discussões sobre as questões de namoro, e também tem sido um obstáculo para a aceitação generalizada de uma Terra jovem.

 

Agora, existem evidências que explicam por que os métodos de datação isotópica produzir tais datas antigas em estratos contendo fósseis. Essas evidências também fornecem uma medida quantitativa de quantos anos os fósseis são realmente. Estas evidências mostram que a coluna geológica na Terra, pelo menos desde o período Cambriano em diante, foi estabelecido em alguns milhares de anos, em vez de centenas de milhões de anos assumidos pela geologia convencional. Isso dá um forte apoio para o ponto de vista criacionista, e fornece métodos de namoro que estão mais em harmonia com o relato da criação bíblica. Essas evidências também explicar as antigas idades dadas por métodos convencionais como resultado da decadência acelerada. Parece agora que o decaimento radioactivo era muito mais rápido do que no passado. Isso explica por que os métodos isotópicos de datação que normalmente dão datas em centenas de milhões ou até bilhões de anos em amostras que são realmente apenas alguns milhares de anos em uma Terra jovem. Decaimento mais rápido também poderia ser a causa do dilúvio, porque a deterioração acelerada teria causado a geração de uma enorme quantidade de calor, causando estragos com a crosta terrestre. Essas evidências não estabelecem diretamente a idade da Terra ou do Universo, mas sugerem que a Terra é jovem.

 

Na verdade, uma série de evidências são encaixando tão bem que tem de se perguntar quantas provas é necessário para uma mudança de paradigma. Quanto evidência suficiente para a comunidade científica a aceitar o fato de que a coluna geológica foi estabelecido muito rapidamente, em vez de milhares de milhões de anos? Ou é o caso de que nenhuma quantidade de evidências vai convencê-los? Acho que as novas evidências são tão convincentes que o estabelecimento científico teria um tempo difícil refutá-los em um debate. Mas qualquer que seja a reação dos cientistas, a evidência é agora convincente o suficiente para convencer muitas pessoas educadas do erro da premissa atual de centenas de milhões de anos para a coluna geológica.

 

No passado, muitos criacionistas têm tentado explicar isotópica de idade (radiométrica) datas, assumindo que o sistema foi perturbado. Datas isotópicas são muitas vezes calculado através da medição da quantidade de uma substância de base X e a quantidade de uma substância filha Y em que X decai. Se se supõe que em algum momento t, no passado, não estava presente Y, e X ou Y não entrou ou o sistema, enquanto isso, em seguida, medindo a quantidade de X e Y presente e sabendo a velocidade com a qual decai X em Y, pode-se calcular a idade do sistema, isto é, o tempo decorrido desde que o tempo T. O mais Y e X a menos que seja, o mais antigo da amostra. Este método normalmente dá as idades na casa das centenas de milhões de anos. Os criacionistas muitas vezes argumentam que a idade computadorizada é muito antiga, pois Y pode ter estado presente inicialmente, ou X ou Y pode ter entrou ou saiu do sistema desde que ele foi formado. No entanto, os geólogos têm desenvolvido métodos sofisticados para contabilizar tais possibilidades. Além disso, parece estranho que tantos métodos isotópicos diferentes daria datas antigas, se estas datas resultou apenas de distúrbios no sistema. Distúrbios poderia muito bem fazer as datas muito jovens, muito velhos. Agora criacionistas estão começando a pensar que uma grande quantidade de decaimento radioactivo ocorreu em um curto período de tempo, porque a taxa de desintegração foi muito mais rápido do que no passado.

 

Existem dois principais processos pelos quais ocorre o decaimento radioativo, decaimento alfa e beta decadência. Em decaimento alfa, uma partícula alfa é emitida a partir de um núcleo. Uma partícula alfa é composta por dois prótons e dois nêutrons. Este é o núcleo de um átomo de hélio, e, quando uma partícula alfa é emitido, logo que adquire electrões e torna-se um átomo de hélio. Assim, o hélio é produzido pelo decaimento alfa. O outro método principal de decadência é o decaimento beta, em que um elétron ou um pósitron é emitido do núcleo e um nêutron se torna um próton, ou vice-versa. Outra maneira que isso pode acontecer é que um electrão é captada pelo núcleo. Se as taxas de decomposição foram mais rápidos no passado, então é razoável supor que decaimento alfa e beta decadência seria acelerado por quantidades diferentes, porque são esses processos diferentes.

 

A primeira evidência para a deterioração acelerada no passado tem a ver com o namoro de zircões. Zircons têm o zircónio elemento nelas, em conjunto com outros elementos. Eles são freqüentemente usados ​​para a jóia. Os zircões são usados ​​para a datação isotópica porque sua estrutura cristalina incorpora urânio e tório, mas não levar, tornando-os adequados para o urânio-chumbo e tório-chumbo namoro. Urânio e tório decadência em chumbo, por isso, pode-se supor que a liderança nos resultados de zircão de decadência, e, assim, calcular a idade do zircão. Embora essa suposição tem suas limitações, a idéia é basicamente som. Zircons na terra dar datas até cerca de 4 bilhões de anos.

 

Urânio e tório decadência em chumbo por uma série complexa de etapas, das quais um número envolvem decaimento alfa. Assim, o hélio é produzido. Este hélio deve difundir fora do zircão rapidamente. Portanto, se os zircões eram realmente centenas de milhões ou até bilhões de anos de idade, não deve haver nenhum hélio deixou neles que resultou de tal decadência. No entanto, uma quantidade significativa de hélio foi encontrado em algumas zircão que dão datas isotópicos de 1,5 bilhões de anos. Até recentemente, ninguém tinha medido a velocidade de difusão do hélio em zircão. Em 2000, o projeto TAXA [TAXA 00] começou experimentos para medir as taxas de difusão de hélio em zircão e biotita. Usando esses dados, as idades destes zircões foram computados [Humphreys et al 03].Em outras palavras, uma idade foi calculada de acordo com a quantidade de hélio remanescente no zircão. As idades calculadas desta forma são entre 4.000 e14.000 anos! Estes resultados suportam a hipótese de decadência nuclear acelerado e representam evidência científica forte para os jovens do mundo das Escrituras. Isso mostra que supostas datas isotópicas de 1,5 bilhões de anos para esses zircões particulares correspondem às datas efectivas de entre 4.000 e 14.000 anos. Isto sugere que todos estes antigos datas isotópicas correspondem aos muito jovens datas reais. No entanto, estes resultados ainda não mostram que mesmo datas mais velhos estão neste intervalo de tempo. Seria interessante testar zircões com ainda mais antigas datas isotópicas para ver quanto hélio que eles contêm, e testar mais zircões para ver se esta retenção de hélio é um fenômeno universal.

 

A próxima prova de uma criação recente é fornecido pelo carbono 14 datas. Carbono 14 é produzido na atmosfera superior por raios cósmicos e depois decai lentamente. A uma amostra biológica mais velha, menos carbono-14 que irá conter porque a amostra não será absorver novos átomos de carbono 14 depois que ele morre. Uma descoberta surpreendente feita ao longo dos últimos vinte anos é que, quase sem exceção, quando testado pelo espectrômetro de massa de alta sensibilidade do acelerador (AMS) métodos, amostras orgânicas de cada parte do show registro fóssil quantidades detectáveis ​​de 14C! Giem uma revisão da literatura e tabulados cerca de setenta medições AMS relatados de 14C em materiais orgânicos a partir do registro geológico que, de acordo com a escala de tempo geológico convencional, deve ser 14C 'morto'. O resultado surpreendente é que as amostras orgânicas de cada porção do registro fóssil mostram quantidades detectáveis ​​de 14C. Para as medidas consideradas mais confiáveis, os índices 14C / C parecem cair na faixa de 0,1-0,5 por cento da taxa de 14C / C moderna (cento moderno de carbono, ou PMC). 0,1 por cento de carbono moderno corresponde a uma idade calculada de 57.000 anos, e os valores mais altos correspondem a nivelar as idades mais jovens. Isto implica que toda a coluna geológica do período Cambriano em diante é menos de 57.000 anos de idade. Alguns dos pesquisadores tentaram explicar esse carbono 14 como a contaminação, mas nenhuma de suas tentativas para limpá-lo foram bem sucedidos, e outras evidências indicam que esse carbono 14 não era contaminação.

 

A matéria orgânica de forma consistente tem uma relação 14C maior do que a matéria inorgânica pré-cambriano. Isso mostra que esse carbono 14 não é ruído e não contaminação. Se o carbono-14 surgiu a partir de ruído no processo de medição ou de contaminação, então não se poderia esperar encontrar tais diferenças sistemáticas. A quantidade de carbono 14 deve, por conseguinte, indicam que estas amostras são muito jovens.

 

Aqui temos evidências adicionais de que amostras alegados para ser centenas de milhões de anos de idade são, na verdade 60.000 anos de idade ou menos. Se a cárie foram aceleradas no passado, a verdadeira idade seria ainda menos de 60 mil anos. Há também razões para acreditar que a biomassa antes do dilúvio pode ter sido 100 vezes maior do que é hoje, o que diluiria carbono 14 por um fator de 100 ou mais. Isto corresponde a seis ou sete meias vidas de carbono, ou a uma idade de cerca de 40.000 anos. Assim, as idades destas amostras seriam levados até a faixa de 10.000 a 20.000 anos, e com a deterioração acelerada dos tempos seria ainda menor, de acordo com o relato bíblico. Outro fator a considerar é que pode ter havido menos carbono 14 antes do dilúvio; a quantidade de carbono 14 na atmosfera parece estar aumentando até hoje. Isto faria com que a idade ainda mais jovem.

 

Há até mesmo de carbono mensurável 14 em diamantes! Dr. Baumgardner [Wieland 03] enviou um diamante para C-14 namoro. Foi a primeira vez que este tinha sido tentada, ea resposta veio positivo, isto é o diamante, formado nas profundezas da terra em uma camada "pré-cambriano", no entanto, continha carbono radioativo, embora "não deve ter". Esta é uma evidência extremamente marcante, porque um diamante tem notavelmente poderosos laços de treliça, então não há nenhuma maneira que a contaminação biológica subseqüente pode ser esperado para encontrar o seu caminho para o interior. Carbono-datado "idade" do diamante de menos de 58 mil anos é, portanto, um limite superior para a idade da coluna geológica do período Cambriano em diante. E essa idade é derrubado ainda mais agora que os resultados hélio difusão têm tão fortemente afirmou aceleração passado dramático de decaimento radioativo.

 

O fato de que as datas isotópicas são geralmente muito velho por centenas de milhões de anos, mas de carbono 14 datas são apenas muito velho por milhares de anos, também é uma evidência para a deterioração acelerada, porque Carbono 14 decai muito mais rápido. Em geral, seria de esperar que, se a cárie foram acelerados, todos os sistemas de decaimento radioativo teria aproximadamente a mesma quantidade de decadência extra. Isto é especialmente verdadeiro se a causa da deterioração acelerada era uma grande quantidade de radiação atingir a terra, porque um núcleo que foi atingido por radiação iria receber uma grande quantidade de energia e é susceptível de decomposição, independentemente de a sua meia-vida. O carbono 14 tem uma meia-vida curta, o que significa que ele é relativamente instável e decompõe-se rapidamente, de modo que o número de átomos por unidade de tempo que a cárie é grande. O urânio, tório, e outras substâncias utilizadas para a datação de isótopos tem meia vida muito maiores, quase todos eles na casa dos bilhões de anos intervalo. Isto significa que estas substâncias são relativamente estáveis ​​e eventos decaimento são muito raros, de modo que o número de átomos por unidade de tempo que a cárie é muito pequena.Portanto, se existem N eventos decaimento adicionais em uma unidade de tempo, estes eventos decaimento adicionais seriam proporcionalmente afectar o número de decaimentos de Carbono 14 por uma quantidade muito menor do que o número de urânio e tório decai. Isto significa que a idade calculada de carbono 14 seria aumentado em uma proporção muito menor do que as idades calculadas a partir de urânio-chumbo e tório-chumbo decadência. Na verdade, isso é o que se observa, com Carbono 14 idades tipicamente na faixa de 60 mil anos ou menos, mas o urânio eo tório idades normalmente na casa das centenas de milhões de anos.

 

Aqui está uma tabela de algumas meias vidas comuns, mostrando quanto tempo muitas vidas metade são do que a meia-vida do carbono 14:

 

Pai radioativo

Filha Estável

Meia-vida

Potássio 40

Argon 40

1,25 bilhão de anos

Rubídio 87

Estrôncio 87

48800000000 anos

Tório 232

Chumbo 208

14000000000 anos

Urânio 235

Chumbo 207

704000000 anos

Urânio 238

Chumbo 206

4470000000 anos

Carbono 14

Nitrogênio 14

5730 anos

 

Além disso, decaimento alfa e beta decadência usar diferentes processos. Por isso, eles não podem ser afectadas da mesma quantidade de um aumento na taxa de decomposição. Assim, as discordâncias entre alfa e beta idades de decaimento são uma evidência da decadência perturbado. Em suma, são as seguintes as evidências que se esperaria de decadência acelerada no passado: Carbono 14 as idades devem ser muito mais jovens do que as outras idades isotópicas como K-Ar, U-Pb, et cetera. Alfa e beta as idades devem ser diferentes. E as idades calculadas a partir de elementos com meias-vidas longas devem ser mais afetadas do que as idades calculadas a partir de elementos com meias-vidas curtas.

 

Na verdade, estas evidências são relatados em [Austin et al 03]. Este artigo considera as idades calculadas a partir de "isócronas." Um isocrônica é um método para calcular a quantidade de produto Y filha que estava inicialmente presente no sistema. Este é calculado tomando várias amostras a partir da mesma área, e a medição da quantidade de substância-mãe e sua filha em cada amostra. Outro isótopo de Y, não produzido pelo decaimento radioativo, também é medido. É razoável supor que, inicialmente, todos os isótopos de Y foram distribuídos de um modo semelhante nas amostras. Assim, pode-se estimar a quantidade de Y foi inicialmente presente em cada amostra, pelo menos, até um factor constante. Sabendo que a quantidade de produto filha que estava inicialmente presente, pode-se calcular a idade das amostras analisadas. Também é possível utilizar isócronas para detectar se o sistema tiver sido perturbada desde a sua origem. Isso significa que isócronas são auto-verificação.Existem dois tipos de isócronas, rocha total isócronas e minerais isócronas. Isócronas rocha total utilize amostras que são obtidas através da combinação de diversos minerais diferentes em cada amostra. Isócronas minerais usar um mineral diferente para cada amostra. Isócronas rocha total pode dar idades erradas devido a misturas. No entanto, este não é um problema para isócronas minerais. Portanto isócronas minerais, embora sejam um pouco mais caros, são mais confiáveis. Especialmente o acordo de uma isócrona rocha total e isócrona mineral dá excelente evidência de que a data obtida é bom, e que o sistema não foi perturbada desde que formados. A maioria das datas isotópicas são idades modelo calculadas simplesmente medindo a quantidade de pai e filha substância em uma amostra, e apenas uma pequena fração de datas isotópicas são obtidos utilizando isócronas. Mesmo quando isócronas são realizados, apenas uma pequena parte deles são isócronas minerais. Portanto, apenas uma pequena fração de datas isotópicas têm esses fatores de confiabilidade construído em; o restante está sujeito a vários erros.

 

No entanto, mesmo quando os fatores de confiabilidade extras são incorporadas métodos de datação, as datas em geral ainda não estão de acordo uns com os outros. Em [Austin et al 03] um exemplo é dado em dois sistemas diferentes (isto é, as idades medidos por dois processos diferentes de decaimento) ambos têm evidência interna para a consistência em toda aquela isócronas de rochas e minerais de acordo para cada sistema, mas as datas obtidas para os dois sistemas de discordar. Isto significa que um computa duas idades, A1 e A2 para a formação. Ambos A1 e A2 têm excelente evidência para sua correção, com base no acordo de uma isócrona rocha total e isócrona mineral para A1, e do mesmo modo para a A2. Mas as idades A1 e A2 discordar! A única explicação razoável é que houve uma mudança na taxa de decomposição, e a deterioração medida para a idade A1 foi aumentada por um valor diferente do que o medido para o decaimento idade A2. Além disso, estes dados são consistentes com a deterioração de alfa tenha sido acelerado mais do decaimento beta, e com o tempo o presente semivida sendo maior o factor de aceleração. Assim, há excelentes evidências de que as taxas de decomposição foram aumentadas no passado. Na verdade, de acordo com a Austin [Austin 00], essas divergências entre "bons" datas (datas calculadas usando rocha total ou isócronas minerais) são muito comuns na literatura. Assim, há evidências abundantes para uma mudança nas taxas de decaimento.

 

Datas isotópicas na terra obtidos por diferentes métodos são tipicamente discordantes (em desacordo), mas isso não é verdade dos meteoritos. Há certos meteoritos que sempre dão datas de cerca de 4,5 bilhões anos, por muitos métodos diferentes. Portanto, um processo diferente deve ter sido no trabalho nesses meteoritos do que na terra. Talvez a idade desses meteoritos 4500000000 anos é resultado de um universo de idade, ou talvez seja resultado de mudanças nas constantes físicas muito cedo na criação, fazendo com que todos os processos de decaimento para correr mais rápido pelo mesmo montante. Outro fator é que os mesmos processos que conduzem à datas discordantes sobre a terra deveria ter conduzido a datas discordantes sobre os meteoritos, mas isso não ocorreu. Uma possível explicação para isso é que a radiação atingindo a Terra perdeu, em grande parte dos meteoritos, ou então eles estavam protegidos com isso de alguma forma. Outra possibilidade é que a radiação teve a sua origem no sol. Objetos mais distantes do Sol teria recebido menos radiação; um objeto dez vezes mais longe do que a terra só teria recebido um por cento da radiação. Isso teria resultado em um aumento de velocidade muito menor na taxa de decaimento e discordâncias muito menores nas idades obtidas por diferentes métodos. Uma variação de isócronas chamado isócronas são usados ​​para medir a idade de estrelas. As idades obtidas são normalmente na casa dos bilhões de anos. Talvez essas idades são também o resultado de um universo velho ou uma mudança nas taxas de decaimento muito cedo na criação.

 

Há também provas de um aumento de velocidade em taxas de mutação no passado, com base na diversidade genética. A diversidade genética de uma espécie mede a probabilidade de que dois indivíduos escolhidos aleatoriamente vão discordar em um determinado par de base de seu DNA. Se uma espécie é grande, a diversidade genética vai continuar a aumentar ao longo do tempo, como as mutações ocorrem e diferentes indivíduos da espécie se tornam mais e mais diferente no seu ADN. Assim, assumindo um grande espécies, pode-se dar um limite superior sobre a idade das espécies conhecendo a diversidade genética ea taxa de mutação. Isso quer dá um limite superior sobre o tempo que as espécies se originou, ou então mede o tempo desde que a população de espécies era muito pequena.Este método foi aplicado para a raça humana, usando DNA mitocondrial. As mitocôndrias são as "fábricas de energia" da célula e converter ADP em ATP, a qual é utilizada pela célula para gerar energia. As mitocôndrias têm o seu próprio ADN, e dividir independentemente da célula; cada célula tem tipicamente muitas mitocôndrias. Além disso, as mitocôndrias tipicamente passar exclusivamente de mães para os filhos, embora possa haver exceções. Ao medir a taxa de mutação do DNA mitocondrial e computação a diversidade genética da raça humana, obtém-se [98] Gibbons uma era de pouco mais de 6000 anos, desde o ancestral materna comum da raça humana (Eva mitocondrial). Biólogos tentam explicar essa idade, assumindo que a taxa de mutação do DNA mitocondrial foi muito mais lento que no passado, por algum motivo inexplicável.

 

Não é só a raça humana cuja idade, medida desta forma, é jovem, mas muitas outras espécies, bem como, incluindo lobos, coiotes, cães, patos, pássaros, E. coli e de Drosophila (mosca da fruta). A maioria destas idades são baseados no pressuposto de que as mitocôndrias em outros organismos mutar a cerca da mesma taxa que o fazem em seres humanos. Os biólogos estão intrigados com esta baixa diversidade genética em muitos organismos. Esta é uma prova espetacular para uma criação recente, mas tem sido amplamente ignorado pelos criacionistas.

 

Também é possível calcular as idades com base na diversidade do ADN nuclear. A maior parte do ADN de um organismo é no núcleo, e este DNA nuclear sofre mutações mais lento do que o ADN mitocondrial. A diversidade DNA nuclear devido a SNP do (polimorfismos de nucleotídeo único) é dada em [Nature 01], e está prestes 7,51  10 -4; para o cromossomo Y a diversidade é de cerca de 1,5  10 -4. Idade calculados a partir da diversidade do cromossoma Y (o que teria sido zero na criação) tendem a ser um pouco maior do que os calculados a partir da diversidade do ADN mitocondrial, e com base numa taxa de mutação do cromossoma Y de 6  10 -8 por geração de 20 anos, são cerca de 25.000 anos. (Não há razão para acreditar [Corvo 97] que o cromossomo Y se transforma cerca de duas vezes mais rápido que os outros cromossomos. A taxa global de mutação humana é estimado em cerca de 3  10 -8 por par de bases por geração e pode ser maior.) Mesmo esta estimativa 25.000 anos não é muito longe do período de tempo bíblica e apóia a visão criacionista. Contudo, este cálculo é baseado numa taxa de mutação que é próprio parcialmente derivado pressupostos evolutivos. Tal como acontece com decaimento radioactivo, este mais idade para o DNA nuclear, uma evidência para uma aceleração da taxa de mutação no passado. Como o DNA nuclear sofre mutações muito mais lento, qualquer aumento da taxa de mutação teria um efeito muito maior sobre idades calculadas a partir da diversidade de DNA nuclear que em idades calculadas a partir da diversidade do DNA mitocondrial.

 

Além disso, se a cárie foi mais rápido do que no passado, poderia ter aumentado a taxa de mutação, porque o nível de radiação teria sido maior, ea radiação causa mutações. Há evidências de que pequenas doses de radiação pode levar a taxas inesperadamente altas de mutação em humanos [Ciência 02a]: "pesquisadores liderados pelo geneticista Yuri Dubrova da Universidade de Leicester, Reino Unido, descrevem uma ligação convincente entre precipitação radioativa e elevadas taxas de mutação em famílias que vivem downwind da instalação nuclear Semipalatinsk ... Os resultados reforçar um relatório controverso 1996 por Dubrova e um grupo diferente de colegas que ligavam mutações germinativas de precipitação a partir de 1986 Chernobyl explosão. Esse estudo, publicado na revista Nature, descreveu o dobro do habitual taxa de mutação nos filhos dos homens que vivem em uma região de Belarus fortemente contaminada com césio 137. Em cada assunto que examinou oito regiões do DNA minissatélites que são propensas a mutações .... Em comparação com as famílias de controle em uma parte não irradiado do Cazaquistão, os indivíduos expostos a precipitação teve um aumento de 80% em rougly taxa de mutação, e as suas crianças mostraram um aumento médio de 50%. "

 

Então, tudo se encaixa: aumento da decadência leva a altos níveis de radiação e também aumenta as taxas de mutação nos humanos! E há alguma evidência de que a taxa de decaimento pode variar: Slusher [81] Slusher relata: "Anderson e Spangler afirmam que suas várias observações de desvios estatisticamente significativos do (aleatório) expectativa sugere fortemente que um fator de insegurança devem ser incorporados em idade ..., namoro cálculos foram observados Tais irregularidades para o carbono 14, cobalto 60 e césio 137 A fonte para esta informação é [Anderson e Spangler] Mesmo Dalrymple [Dalrymple 84] reconhece tais irregularidades: "Sob certas condições ambientais, as características de decaimento de 14C, 60Co, e 137Ce, todos os quais decaimento por emissão beta, se afastem ligeiramente a partir da distribuição aleatória ideal previsto pela teoria actual ..., mas as alterações nas constantes de decaimento não foram detectados. "Dalrymple cita as referências [Anderson 72] e [Anderson e Spangler 73]. Embora ele alega não mudanças nas constantes de decaimento foram detectados, ele admite a intrigante irregularidades em decadência.

 

O que poderia ter acelerado o índice de cáries? Alguns criacionistas, incluindo [Chaffin 00] e Barry Setterfield postular uma mudança nas constantes físicas fundamentais no momento da criação e durante a enchente, resultando em uma explosão acelerado de decadência muito cedo na criação e também durante a enchente. No início da criação, incluindo as constantes da velocidade da luz pode de fato ter sido diferente, e até mesmo cientistas seculares têm sugerido isso. No entanto, uma alteração nas constantes na altura da inundação teria muitas consequências, e pode ter feito a biologia básica da vida impossível. Mas há um outro mecanismo possível.

 

O seguinte comentário de Keith Wanser [Wanser 99], um físico criacionista, é significativa: "Na verdade, verifica-se que quando você começa o núcleo" excitado ", decadência vai ser muito mais rápido, fazendo com que as coisas parecem muito" mais velho ". As pessoas têm falado recentemente sobre estrelas magnéticas emitindo grandes explosões de raios gama, existem todos os tipos de formas que radiométricos "relógios" poderia ter sido redefinir catastroficamente, durante o dilúvio, por exemplo ". Na verdade, quando o núcleo fica animado, é preciso tempo para que ele se acalmar. Isto significa que as taxas de decaimento pode ter sido mais rápido por algum tempo depois do Dilúvio. Outro mecanismo para o aumento da taxa de decomposição é apresentado em [Science 00]. Este artigo mostra como as interações com partículas elementares podem causar taxas de decaimento a aumentar. Uma dessas partículas é o neutrino. Um resultado recente [Ciência 02b] implica que os neutrinos interagem com a matéria muito mais facilmente do que se pensava: "Os resultados mostram também que uma outra propriedade de neutrinos, relacionado à forma como eles interagem com a matéria, conhecido como o ângulo de mistura, deve ser grande, ao invés que pequeno, ao contrário do que os físicos acreditavam até muito recentemente ". Então radiação, possivelmente radiação gama ou, eventualmente, neutrinos, poderia ter acelerado taxas de decaimento.

 

Mas onde é que esta radiação ter vindo? Uma possibilidade é uma supernova. Muitos supernovas são conhecidos. A Nebulosa do Caranguejo é o remanescente de uma explosão de supernova que foi visto na Terra em 1054 AD. Ele é de 6000 anos-luz da Terra. No centro da nebulosa brilhante é uma estrela de nêutrons que gira rapidamente, ou pulsar que emite pulsos de radiação 30 vezes por segundo. Em imagens de raios-X tiradas da nebulosa do Caranguejo, pode-se ver uma estrutura em anel e feixes de radiação que sai dos pólos. Outra supernova, SN 1987A, apareceu em 23 de fevereiro de 1987. Supernovas normalmente deixam para trás girando rapidamente estrelas de nêutrons ou pulsares. E há evidências de que as supernovas ocorreu perto da Terra no passado.

 

Um artigo [New Scientist 03] na revista New Scientist estados setembro de 2003, "Uma explosão devastadora de raios gama pode ter causado uma das piores extinções em massa da Terra, 443 milhões de anos atrás. Uma equipe de astrofísicos e paleontólogos diz o padrão de extinções trilobitas em Naquela época se assemelha os efeitos esperados de uma explosão de raios gama perto (GRB). GRBs são as explosões mais poderosas conhecidas. Conforme estrelas gigantes colapso em buracos negros no final de suas vidas, eles disparar pulsos extremamente intensos de raios gama a partir de seus pólos que pode ser detectada até mesmo de todo o universo por 10 segundos ou menos .... Agora Melott acredita que tem evidência paleontológica que este fato aconteceu no final do período Ordoviciano 443 milhões anos atrás, fazendo com que uma das cinco maiores extinções do passado 500 milhão de anos. Os pesquisadores descobriram que espécies de trilobitas que passou alguns de suas vidas na camada de plâncton perto da superfície do oceano foram atingidos muito mais difícil do que os habitantes de águas profundas, que tendia a ficar parado dentro de áreas muito restritas. Melott diz que este padrão incomum pode ser explicado por um GRB, o que provavelmente iria devastar as criaturas vivas na terra e perto da superfície do oceano, mas deixar as criaturas do fundo do mar relativamente ileso ".

 

Outro artigo [New Scientist 02a] no New Scientist janeiro 2002 dá evidências adicionais para uma supernova recente, perto da terra. Os pesquisadores descobriram átomos de um isótopo muito raro de ferro, 60Fe, em núcleos retirados do fundo do oceano. 60Fe é rara no sistema solar, porque ele tem uma meia-vida de 1,5 milhões de anos. O grupo sugeriu que o ferro chegaram à Terra como precipitação a partir de uma supernova nas proximidades cerca de dois milhões de anos atrás. Isto é sobre o tempo que os registros fósseis indicam que muitos moluscos marinhos foram extintos. Donald Clayton, um astrônomo da Universidade de Clemson, diz que a história parece consistente: "A quantidade de 60Fe encontrado em depósitos é sobre o que você poderia esperar de uma supernova a sair cerca de 100 anos-luz de distância." Clayton diz 60Fe seria explodido em direção à Terra, quando os nêutrons de alta energia a partir do núcleo da supernova bater em átomos de ferro em sua camada externa.

 

Uma evidência adicional é dada em maio 2002 New Scientist [New Scientist 02b]. "Um estudante da Universidade de Harvard tem tropeçado o espetáculo aterrorizante de uma estrela no nosso quintal galáctico que está à beira de explodir em uma supernova. É tão perto que, se fosse explodir antes de se mudar para longe de nós, ele poderia acabar . a vida na Terra Estamos a apenas 150 anos-luz de distância da HR 8210 no momento -. bem aquém dos 160 a 200 anos-luz que se pensa ser a distância mínima de segurança de uma supernova Se ele deixou mosca, a radiação eletromagnética de alta energia e os raios cósmicos que liberados iria destruir camada de ozônio da Terra em questão de minutos, dando vida pouca chance de sobrevivência. "O fato de que há um tal sistema tão perto de nós sugere talvez esses objetos não são tão raros", diz Latham. " O fato de que as supernovas são comuns perto da terra faz com que seja mais provável que um ocorreu no passado. Claro que, a evidência para supernovas no passado é válido mesmo se a hipótese de terem ocorrido centenas de milhões de anos atrás, está em erro.

 

Portanto, não há razão para acreditar que uma supernova ocorreu perto da terra, e não temos razão para acreditar que a radiação de uma supernova iria aumentar as taxas de decaimento. Mas qual supernova pode ter sido responsável pelo aumento das taxas de decaimento?

 

A nebulosa Gum é uma grande constelação do hemisfério sul, a cerca de 1000 anos-luz de distância, e se estende por pelo menos 40 graus do céu. A nebulosa Gum é pensado para ser o remanescente de uma ou mais supernovas antiga. Um pulsar nesta região, talvez não associado com a nebulosa Gum, é o Vela Pulsar, que é cerca de 800 anos-luz de distância e estima-se que cerca de 11.000 anos de idade. No entanto, se o namoro dos pulsares é errado, como foi recentemente sugerido [Science 01], então o Pulsar Vela poderia ser muito mais jovem, e podem ter surgido apenas 4.500 anos atrás, ou sobre o tempo do Dilúvio. O autor de [Science 01] não se sente que estes resultados se aplicam ao pulsar Vela, mas isso mostra que os métodos de datação pode mudar com o tempo. O remanescente de supernova Vela é agora cerca de 230 anos-luz de diâmetro e abrange mais de 100 vezes a área do céu da lua cheia. O Vela Pulsar ainda é a fonte de raios gama mais brilhante no céu acima de 100 MeV. É uma "arma fumegante" e uma escolha lógica para a supernova que aumentou as taxas de decaimento no passado.Jueneman foi o primeiro a sugerir uma ligação entre esse pulsar e uma aceleração da decadência [Jueneman 72]. Uma imagem de raio X recente do pulsar Vela mostra a estrutura típica do anel com um feixe de radiação sair de um poste.

 

Outra evidência de uma criação recente é cometas. Os cometas são essencialmente congelados lama. Isto é, acredita-se ser composto por pó combinada com água, amónia, metano, ou outros líquidos congelados. Quando um cometa é aquecida pelo sol alguns dos vaporiza gelo e fugas de poeira. Isto é o que faz com que os cometas visíveis para nós. Cada vez que um cometa orbita perto do sol, ele perde de 5 a 10% de seu material. Astrônomos vi mesmo a quebrar em pedaços como eles vão ao redor do sol. A este ritmo não poderia durar mais de 100.000 anos. Alguns dos cometas de curto órbita não poderia durar mais de 10.000 anos de idade. Se assim for, como poderia haver qualquer cometas restantes depois 5000000000 anos? O cinturão de Kuiper é a suposta origem dos cometas de curto período. A nuvem de Oort também é acreditado para originar cometas. Mas o cinturão de Kuiper foi encontrado recentemente [Science 03] para ter apenas 4 por cento dos objetos necessários! Cometas deve ter sido produzido recentemente, então, por algum tipo de catástrofe. Talvez um planeta entre Marte e Júpiter explodiu quando a taxa de decaimento aumentado, gerando cometas, produzindo o cinturão de asteróides, e também explicar muitos impactos de asteróides na Terra na época do dilúvio.

 

No entanto, outra evidência de um aumento na taxa de decaimento no passado é a correlação entre o fluxo de calor da superfície e da radioatividade de rochas da superfície [TAXA 00b]. Geólogos descobriram uma correlação intrigante entre o fluxo de calor para fora do solo, bem como a presença de elementos radioativos perto da superfície. Isso não deveria ser assim, se decadência prosseguiu lentamente durante milhões de anos, porque o calor que há muito que se dissipou. A melhor explicação é que o impulso de calor a partir de um intervalo de decaimento acelerado no passado, não foi totalmente dissipado. Também é possível que, no "selvagem", a deterioração está ocorrendo mais rápido do que imaginamos, gerando calor extra.

 

Finalmente, Robert Gentry afirma [Gentry 76] ter encontrado "achatado" halos de polônio, bem como radiohaloes urânio embrionárias em depósitos de carvão de várias camadas geológicas alegou ser centenas de milhões de anos de idade. As idades dadas por vários períodos geológicos adjacentes usando halos Polónio esmagadas são quase idênticas.

 

Muitas evidências já foram apresentadas pelos criacionistas, que indicam que algo está errado com as longas eras de datação radiométrica na terra. Estes incluem uma taxa de erosão que é muito alto para a idade presumível dos continentes, muito sal que entra no oceano, muito pouco sedimento no fundo do oceano, muitas evidências de catástrofe na coluna geológica, muito pouca erosão em muitos lugares do coluna geológica, a evidência de sepultamento repentino de fósseis em grande número, turbidez na coluna geológica, períodos em falta em locais na coluna geológica, a falta de inconformidades uniformes, fósseis polystrate, arrastamentos, e outros. Outra evidência que apareceu [Kerr 03] em uma edição recente da ciência é a sobrevivência de restos de fragmentos de meteoritos para (supostamente) 251 milhões de anos. Estes remanescentes que há muito tempo têm sido destruído por reações químicas em um período tão longo de tempo, dizem os cientistas. "Meteoriticistas e geólogos de impacto estão atordoados que pequenos, frescos e com qualidade, fragmentos inalterados de um meteorito deveria ter sobrevivido enterro para 251 milhões ano." Embora haja divergências sobre a data de origem desses fragmentos, uma possibilidade é que as datas aceitas de 251 milhões ano correspondem a datas reais de alguns milhares de anos.

 

Além dessas evidências, há agora muitas novas evidências de aumento das taxas de decaimento no passado, que indicam que as datas isotópicas de centenas de milhões de anos foram produzidos em milhares ou dezenas de milhares de anos, ou seja, retenção de hélio em zircões, jovem Carbono 14 datas, e as divergências entre as datas isotópicas bem justificados. Além disso, não existe evidência de uma aceleração da taxa de mutação, no passado, o que teria sido o resultado do aumento da decomposição. Há também evidências de uma supernova nas proximidades, no passado, e as evidências de que a radiação de uma tal supernova teria aumentado a taxa de decaimento. Finalmente, há a falta de objetos esperados no cinturão de Kuiper, ea correlação entre o fluxo de calor da superfície e da radioatividade das rochas da superfície. E, claro, há a evidência de mutação do DNA mitocondrial, indicando que o homem e muitas outras espécies tiveram uma origem muito recente. Não só todas essas evidências se encaixam, mas vários deles parece impossível explicar no quadro geológico longas eras. Isso justifica a repetição da questão colocada no início deste artigo: Como muita evidência é necessária antes que ocorra uma mudança de paradigma? Quanto evidência é necessária antes de geólogos vai considerar seriamente a possibilidade de que a coluna geológica foi estabelecida em milhares, e não milhões de anos? Quando é que aqueles que têm essa visão ser considerado com respeito pela comunidade científica ao invés de serem considerados como fanáticos religiosos? Só o tempo dirá.

 

Referências

 

[Anderson 72] Anderson, JL, 1972, a distribuição de Poisson não-observadas durante a contagem de certos orgânicos (sub) monocamadas de carbono-marcado com 14, Phys. Chem. J. 76: 3603-3612.

 

[Anderson e Spangler 73] Anderson, JLand GW Spangler de 1973, as estatísticas de série: É decaimento radioativo aleatório? Phys. Chem. J. 77: 3114-3121.

 

[Anderson e Spangler] Anderson, JL e Spangler, GW ", datação radiométrica: É o` Decay Constant constante? ", Pensée, p. 31.

 

[Austin 00] Steven A. Austin, Mineral Isochron método aplicado como um teste das hipóteses de datação radiométrica, Radioisótopos ea Idade da Terra: Uma Iniciativa de Pesquisa Criacionista Young-Terra (ICR e da CRS, 2000), pp 95 - 121.

 

[Austin et al 03] Steven A. Austin, Ph.D., Andrew A. Snelling, Ph.D., William A. Hoesch, Radioisótopos na Diábase Sill (Superior Pré-Cambriano) na Bass Rapids, Grand Canyon, Arizona: Um Aplicação e teste do método de datação Isochron, Conferência Internacional sobre criacionismo, Geneva College, Beaver Falls, PA., 04-09 agosto de 2003.

 

[Baumgardner et al 03] John R. Baumgardner, D. Russell Humphreys, Andrew A. Snelling, Steven A. Austin, 14C mensurável em fossilizados Materiais orgânicos: Confirmando a Terra Modelo Criação do Dilúvio Jovem, Conferência Internacional sobre criacionismo, Geneva College, Beaver Falls, PA., 04-09 agosto de 2003.

 

[Chaffin 00] Eugene F. Chaffin, Mecanismos teóricos de Aceleração Radioactive Decay, Radioisótopos ea Idade da Terra: Uma Iniciativa de Pesquisa Criacionista Young-Terra (ICR e CRS, 2000), pp 305-331.

 

[Corvo 97] Crow, J., A alta taxa de mutação espontânea: É um risco para a saúde, PNAS Vol?. 94, pp 8.380-8.386, Agosto de 1997.

 

[Dalrymple 84] Dalrymple, GB, 1984 Qual a idade da Terra: Uma Resposta a `Criacionismo científico" In "Anais da 63 ª Reunião Anual da Divisão do Pacífico, da Associação Americana para o Avanço da Ciência" vol. 1, pt. 3, Frank Awbrey e William Thwaites (Eds).

 

[Gentry 76] Gentry, RV et al, 'Radiohalos em madeira posteriormente como carvão: novas evidências relativas ao tempo de introdução de urânio e coalification',Ciência , vol. 194, 15 de outubro de 1976. Pp 315-318.

 

[Gibbons 98] Gibbons, Ann, "Calibrar o Relógio mitocondrial", Ciência, Vol. 279, No. 5347, janeiro 1998, pp 28-29.

 

[Humphreys et al 03] D. Russell Humphreys, Steven A. Austin, John R. Baumgardner, Andrew A. Snelling, Hélio Diffusion Preços Apoio Acelerado Decay Nuclear, Conferência Internacional sobre criacionismo, Geneva College, Beaver Falls, PA, 04 de agosto - 9, 2003.

 

[Kerr 03] Kerr, R., tem um impacto feito isso de novo? Ciência 21 de Novembro de 2003, Vol. 302 pp 1314-1316.

 

[Jueneman 72] FB Jueneman, Investigação Industrial, de setembro de 1972, p. 15.

 

[Nature 01] Um mapa de variação seqüência do genoma humano, contendo 1.420.000 polimorfismos de nucleotídeo único, Nature 409, 928-933 (2001).

 

[New Scientist 02a] Supernova "arma fumegante" ligado a extinções em massa 09 de janeiro 02 Apresentação Scientist.

 

[New Scientist 02b] Supernova prestes a sair perto da Terra 23 de maio 02 Apresentação Scientist.

 

Raios [New Scientist 03] Gama pode ter devastado a vida na Terra 24 03 de setembro New Scientist.

 

[TAXA 00] Radioisótopos ea Idade da Terra: Uma Iniciativa de Pesquisa Criacionista Young-Terra (ICR e CRS, 2000).

 

[TAXA 00b] Radioisótopos ea Idade da Terra: Uma Iniciativa Jovem-Terra Criacionista Research (ICR e CRS, 2000), página 80.

 

[Science 00] "furtivo Glances Gatilho Radioactive Decay," Ciência 2 de junho de 2000 vol. 288 página 1564.

 

[Science 01] "redating uma estrela," Volume Ciência 291, Número 5503, 19 Jan 2001, p. 429.

 

[Science 02a] Science 08 de fevereiro de 2002 vol. 295 página 946.

 

[Ciência 02b] Ciência 26 de abril de 2002 vol. 296 página 633.

 

[Science 03] "'Factory' Comet encontrado para ter Too Little inventário," Ciência 5 de setembro de 2003 vol. 301 página 1304.

 

[Slusher 81] Slusher, HS, 1981. Crítica da radiométrica namoro, Institute for Creation Research, Monografia Técnica 2 (2 ª ed.), 46 pp

 

[Wanser 99] Criação Ex Nihilo 21 (4) de setembro a novembro de 1999, p. 40.

 

[Wieland 03] Carl Wieland , grupo TAXA revela descobertas emocionantes! www.answersingenesis.org , 21 agosto de 2003.