Sites Grátis no Comunidades.net
Translate this Page



ONLINE
1


Partilhe este Site...



Total de visitas: 278567
Uma Saída para o Câncer - Sodré
Uma Saída para o Câncer - Sodré

 

 Uma Saída para o Câncer - Sodré Neto 



 


"Não deixe eles operarem Sodré!  Eles vão matá-lo" gritava e repetia em alto e bom som o terapeuta naturista do outro lado da linha,  em 2006, quando o consultava sobre o caso do meu padrasto, de 72 anos, diabético, que tinha câncer no estômago e fora designado á cirurgia.

 

Temos muitos caminhos de baixo risco para tentar diminuir, controlar  e até  extirpar tumores como:

1. Restrição calórica, embolias, etc
2. Sistema de Alcalinização e homeostase
3. Oxigenação, ozonização
4. Indução a apoptose seletiva de células tumorigênicas por quimioterapias de primeira instância usadas em tratamentos mais modernos (fosfoetanolamina, phitoterapias)
5. Reparo celular usando terapias promotoras dos sistemas de reparo celular existente no DNA

  1. Psicoterapias como ferramentas importantíssimas no tratamento que hoje são extremamente desprezadas

 

E se estas falharem ou não puderem ser  administradas antes (devido aumento rápido do tumor ou outro fator)

Então que se administre o “vai ou racha” ignorante da

7.  Quimioterapia de via metabólica agressiva

  1. Radioterapia
    9. Cirurgias

    Meu padrasto estava bem, queria viajar...mas infelizmente ele optou pelo sistema convencional que o matou. Um dia antes de morrer ele me chamou pedindo perdão por não ter investigado mais as chances daquele caminho. Eu sabia que cortar seu estômago e emendar no esôfago , aquilo não iria mesmo terminar bem. O câncer dele estava quieto, era melhor tentar outro rumo menos agressivo, mas a opinião da tradição venceu e o derrubou.  


A ciência moderna,  mesmo teoricamente negando absolutismos, na prática, acabou por assumir  a responsabilidade de filtrar a "verdade".  Mesmo assumindo sua incapacidade de tratar com vias metabólicas de milhares de fármacos, de desvendar  milhares de  mistérios do sistema imunológico, de ter que chamar de fenômeno milhares de acontecimentos celulares e usar a expressão “acredita-se” nisto e naquilo em livros de biologia molecular da célula,  em vez de se posicionar humilde , na prática a ciência se colocou mais e mais arrogante se considerando digna de filtrar e arbitrar , questionando e sendo cética ao extremo com coisas que funcionam, e nesta pretensão andou excluindo, principalmente aqui no ocidente,   muitas sabedorias e verdades  médicas e   terapêuticas,   tendo como justificativa a sua incapacidade  de se expressar materialisticamente,   impondo a facilidade demonstrativa como prioritária e mais confiável, na aferição de recomendações de  tratamentos.

Tal caminho beneficiaria  o aumento da dependência científica e  médica de hospitais e de milhões de testes e  equipamentos, em detrimento de uma visão mais holística  da doença e do tratamento do ser humano e demais seres vivos. Também atrasaria a convalidação de estudos psicossomáticos,   fitoterapias (pouco mais de 1% das angiospermas foram mapeadas geneticamente e hoje já se sabe que nem devemos chamar mais um gene de gene, mas de algo como entidade , por se comportar de forma tão distinta um mesmo gene), diversas terapias inteligentíssimas alternativas,   beneficiando tudo aquilo mais "fácil" ou mais rentável para  se demonstrar, e assim  excluiria ainda,   a medicina empírica e visionaria, substituindo-as por especializações mais "seguras" focadas em ataques específicos a doença, ignorando não raras vezes não somente o conjunto fatorial como os diversos caminhos opcionais de tratamento.

Se por um lado os muros seguros do método cientifico (MC), asseguram a eficácia de muitas medidas, por outro lado se despreza e se desprezou milhares de recursos que só mais tarde se revelariam fundamentais para a cura e tratamento  de diversas doenças e aqui, em especial, do câncer. Esta  questão foge a discussão filosófica e  epistemológica quando contabilizamos milhões de sofredores nas camas dos hospitais exatamente agora, e reclamam de cada um de nós  uma posição que nos obriga, caso sejamos minimamente humanos, a uma reforma urgente no "modus operandi" das regras vigentes do trato com a  saúde em geral.

Sempre fui simpático a chamada medicina natural, pois foi ela que salvou tanto a minha saúde como a saúde de meus filhos, (é claro que fui beneficiado muitas vezes pela medicina convencional também) e um dos assuntos que sempre me dispus a entender é saber distinguir até onde a medicina convencional é mais competente e/ou adequada  para resolver casos e até onde a medicina alternativa deve ter prioridade ou complementaridade em tratamentos. Em geral,  a medicina alternativa não recebe o apoio acadêmico em seu desenvolvimento,  e o que é cientifico está mais indexado ao sistema ligado a remédios fármacos que é a mola mestra financeira  das pesquisas cientificas ligadas a tratamentos, e, portanto, tratamentos naturais ficam como meio fora do conceito cientifico tanto no mundo acadêmico (hoje menos devido às pesquisas ligadas a fitoterápicos) e muito mais nas grandes publicações, muitas envolvendo estudos caríssimos de acompanhamento de milhares de pessoas de resultados de tratamentos.  Por  ser apaixonado por assuntos científicos, desde que fui ajudado, senti como forma de gratidão, estudar como poderia beneficiar os terapeutas, naturopatas, ou médicos naturalistas,  médicos ortomoleculares,  uma vez que os mesmos são tão desprezados pelo sistema, pelas pessoas submissas ao senso comum e regras rígidas da política de saúde em vigor , pessoas que são controlados pela opinião médica que se diz em termos gerais "científica" e de maior "autoridade" quando o assunto é saúde. 

Mas como poderia uma ciência tão rigorosa, avançada  e dirigida por seres tão estudados,  ser tão firmemente desafiada por um "reles" terapeuta naturista  com o vaticínio "vão matá-lo, não deixa que eles o operem"? Seria parte da ciência uma convenção ideológico mercantilista guiando as opiniões convergentes ao seu interesse a ´ponto de transformar o sistema em uma ideologia assassina? A metodologia  cientifica andou desprezando descobertas devido as fases clínicas serem muito caras e de difícil acesso? Existem muitos recursos pra se tratar cancer que não estão sendo usados? Por que? só ficam usando tratamentos de alto risco e em geral, agressivos,  como cirurgia, quimio e radio, por que? Será que todas as situações não se recomenda  dar oportunidade a outros primeiramente,  de baixissimo risco?



E mais, como poderia um terapeuta  acertar tanto e com tanta convicção? Como podem um grupo imenso de "médicos alternativos" serem tão convictos?   Tanto neste caso como em milhares de casos que eu mesmo presenciei, pois quando em tratamento,  pude entrevistar milhares de pessoas eficientemente ajudadas, e não raras vezes, pessoas desenganadas ou abandonadas ao consumo de diversos remédios sem resultado satisfatório no quadro geral da sua saúde.  

O certo é que como muitos o meu padrasto morreu assim como previra o terapeuta, poderia ter vivido sem tratamento durante alguns anos, estava andando, sorrindo, passeando e  querendo fazer uma viagem a Rondônia, convivia com  seu câncer com bem menores incômodos . Poderia ter vivido mais, com certeza. Aquele tratamento descabido fora mais violento que seu câncer, pois alem de acelerar sua morte, o torturara no leito hospitalar, reduzindo-o a um estado vegetativo infeccioso, sendo constantemente visitado para retirada de sangue, seu braço inchado não permitia que se acertasssem mais as veias - quatro meses de tortura!  Queria que fosse um caso único, mas percebi que isso é "comum" nas alas de oncologia, ademais, se acredita ser o câncer uma doença realmente fatal. No fim das contas quem sempre matou o paciente foi a doença não é mesmo? 

 

Desde então comecei a investigar não somente este caso (nada isolado)

e   entender  o assunto do câncer e os tratamentos que se dão ao mesmo. Infelizmente cheguei a triste percepção, que determinados tipos de câncer só perdem em virulência para tratamentos descabidos, agressivos, do tipo "vai ou racha", e que milhões de vítimas do câncer são vitimados duplamente por tais tratamentos (isso sem contar a negligência que se faz em relação a tantas pesquisas cientificas indicando a necessidade de implementação de complementariedade nos tratamentos).

"Apresente uma alternativa então! ", me falaria um dos milhares de médicos  argüidos - Fui em busca de saber sobre alternativas  nas revista científicas, Internet, em reuniões com terapeutas, estudo de vários casos, palestras e médicos mais abertos a chamada medicina complementar (Dr. José Fellipe Junior) , e descobri que existem muitas alternativas não oficiais que cada vez mais estão presentes e sendo praticadas  em grandes centros avançados de estudo do câncer. Descobri médicos e cientistas  que possuem uma mente mais aberta aos tratamentos alternativos,  descobri porque tratamentos alternativos não ganham da excelência que merecem, sobretudo aqui  no ocidente,   descobri que não estava só nesta causa que milito, mas tinha o apoio de grandes cientistas, incluindo médicos com doutorado,  mestrado, professores universitários, publicações cientificas respeitadas, livros com extensa bibliografia científica,  bioquímicos chefes de equipe um dos maiores laboratórios do mundo (Bélieveau) e muito mais!

O presente livro é resultado destas descobertas, em parte  é uma discussão simples, fácil de se praticar, de usar e barata. Em parte é uma discussão profunda, que envolve aspectos epistemológicos, ideológicos e econômicos envolvidos. Mas nada que não possa ser superado e compreendido por pessoas simples, profissionais sérios e líderes políticos que buscam UMA SAÍDA PARA O CÂNCER.

 

 

 

 

BOA LEITURA!

 

 

 

Uma Frágil Fita

 

 

 

Estamos tratando com algo muito delicado: O DNA. A imagem da fragilidade e inteligência  do código genético  resume o que quer dizer este trabalho. O centro da  coordenação do  nosso  organismo é uma fraca fita de DNA localizada no centro de cada tipo de célula que constitui vários sistemas  de nosso corpo. Até pouco tempo, a ciência acreditava que esta fita coordenadora não poderia ser facilmente alterada, mas estudos recentes revelaram  exatamente o contrario:  Ela é facilmente afetada por diversos fatores psicológicos, nutricionais e do estilo de vida em geral,  como por exemplo , radicais livres gerados por um alimento, sentimento, ou radiação a  desordenam  facilmente. Necessitamos então de um sono profundo e reparador para que ela não se multiplique desordenada ou carregando alguma deficiência . O sono da maior qualidade imunológica é aquele que ocorre entre 18 e 22 horas (o povo do interior diz que quem dorme nesta hora, dorme com as galinhas) , é neste horário que o sistema de defesa e reparo celular trabalha dobrado . Agravos a a fita do DNA podem modificá-la produzindo milhares de tipos de doenças, porque doença é defeito genético em algum ponto de algum tipo de célula. Muitos danos nesta fita  e ocorrendo em alguns pontos cruciais dela , teremos como resultado  uma célula se reproduzindo desordenadamente, ou seja ,  câncer.  Entender como que isso se processa , compreender as causas multifatoriais, estudar soluções e descobertas recentes,  nos fará prevenir cada vez mais milhares de doenças e os vários tipos de  câncer ,  remediar e aumentar as chances de cura parcial , como também aumentar nossa qualidade de vida através de uma cultura saudável no trato com nossa  saúde.

 

Milhares de publicações recentes como ligadas a restrição calórica, embolia da próstata, fitoterapia, remédios como fosfoetanolamina e muitos outros,  acabam ficando engavetadas pelos altos custos e burocracias da pesquisa, sobretudo na fase clínica. Esta parece ser entre outras , uma das  razões porque muitas descobertas nunca chegam a prateleira da farmácia ou a protocolos permitidos pelos conselhos regulatórios (CFM, CRM, etc)

 

Neste contexto destacamos o caso da “pílula do câncer” que apesar de possuir milhares de artigos científicos, testemunhos e casos clínicos,  sinalizando diminuição de diversos tipos de  tumor, não puderam ainda receber o aval do registro da ANVISA e aceitação dos órgãos reguladores, apesar de toda pressão sócio-política envolvida.

Diante desta situação fabricamos transgressores pois quem vai esperar burocracias diante da morte certa ou quase certa em face da agressividade e baixo índice de eficiência dos tramentos convencionais?

A fábrica de transgressores que esta situação impõe gerou a própria condenação da  USP contra seu próprio professor de química ,   Dr Gilberto Chierisse  por curandeirismo, houve   prisão de Calos Kennedy, que por 8 anos ajudou milhares de pessoas  , houve a  prisão de Sérgio Lutze que deixou quase todos os usuários  sem fosfoetanolamina e representou a morte de muitos , pois o tratamento não pode ser interrompido (o que faz com que a célula tumoral crie vias metabólicas para superá-lo, tornando-a ainda mais forte por usar esta energia)

No Brasil houve  prisão por atacado de pessoas ligadas a produtos alternativos, também fechamento, falência e opressão de milhares de casas de produtos naturais e alternativos que tanto nos ajudam neste país de atendimento precário feito por indústria de exames e mais exames e soluções ínfimas e necessitadas de complementos. Marginalização de médicos ortomoleculares, nutricionistas, fitoterapeutas, medicina chinesa, sabedorias milenares, etc 

Enfim, iniciativas muitas que estão fundamentadas direta ou indiretamente em mais de 100 mil artigos científicos que não tiveram dinheiro para passar pelo quase impraticável sistema de aprovação de testes clínicos ,

No Brasil há impossibilidade da ANVISA  de definir o que é um suplemento e em que difere de  medicamento, pois ambos auxiliam e realizam terapia , não seria mais inteligente classificar segundo graus de riscos toxilógicos? Esta também seria uma boa discussão para se definir regras que não impeçam o Brasil de usar sua biodiversidade fitoterápica, nem suas iniciativas ou tradições milenares em tratamentos. 

Mas atualmente temos uma estrutura que não permite a fluidez da descoberta , do aproveitamento de iniciativas científicas que as vezes funcionam 1000 vezes mais do que o que temos homologado , mesmo sem sabermos de que jeito exatamente funcionam muitas descobertas.


Os juízes precisam enxergar que toda esta estrutura dificultando, encarecendo , burocratizando, demorando, o registro e testes clinicos é a grande culpada por fabricar transgressões que acontecem, sobretudo quando a demanda é desesperadora como tratamentos de cancers, transgressões estas que podem ser claramente legalizadas como legítima defesa da vida

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Índice

 

 

  1. Introdução

 

      1.2    Veja a Célula T-8  matando uma célula cancerosa:

       1.2.1 O Incrível Sistema Imunológico

 

      1.3    Perspectivas Genéticas ligadas ao Câncer e 5000 doenças para o mundo moderno                      

 

  1. Um Quadro Triste na Maioria  dos “Tratamentos” Atuais.

Enfraquecimento do SI e Aumento do Câncer

 

 2.1    O câncer é comum a todos os vivos

 

 2.2    Pessoas Boazinhas Demais

 

 2.3    Via Crucis – Noticia -> Cirurgia -> Quimioterapia -> radioterapia -> Morte

 

 2.4    O Drama de quem Recebe a Notícia e seu impacto

 

 2.5    Links de Filmes da Internet explicando

 

 2.6    Prioridades

    

 

  1. Epistemologia, Tradição e  Descobertas  sobre a atuação do sistema  Imunológico

     

  1. Projeto Genoma e seu Impacto na Medicina

4.1    Uma Nova Perspectiva das Doenças

4.2    Causas do Câncer

 

 

  1. Onze (11)  Maneiras de se Combater o Câncer e Diversas Doenças


     

       5.1.  Imediato regime de desintoxicação,  


    5.1.1 .Uso Abundante de água, geoterapias

 

5.1.1 Água estruturada e não estruturada, água alcalina, cloreto de sódio, bicarbonato, bário e regulação de cálcio

5.1.2  Sol pela manhã

5.1.3 Ar puro e ambiente arejado principalmente nos locais que dorme

5.1.4 Praticar Jejum (descanso interno), restrição calórica , embolia da próstata


5.1.5 Organização em ambientes (sem bagunças) e de compromissos (sem dívidas e pendências)

5.1.6. Exercícios e atividades, metodologia do DR Ornish reduzindo tumores de próstata

5.1.7. Regime Crudívoro e antioxidantes


5.1.7.1  Sete Erros do  Regime Crudívoro

5.1.8. Manter-se Calmo e confiante  nos recursos  que Deus  disponibilizou em seu próprio corpo

5.1.9  Carne e Câncer

 

5.2     Sono Reparador, Doenças , Curas  e Câncer

 

5.2.1  Televisão e modo de vida moderno

  

   5.2.2  Traumas Sentimentais  e psicológicos, como ordens imunológicas

  

   5.2.3  Níveis de Sono

 

  5.3     Hidrocólon e limpeza Intestinal

 

  5.3.1  Prisão de Ventre

 

  5.3.2  Filme sobre câncer de cólon e cirurgia especial

 

 

  1. 4. Fitoterápicos

  

   5.4.1  Genoma das angiospermas

 

   5.4.2   Fitoterapia e apoptose de células de câncer da próstata

  

   5.5      Equilíbrio  ortomolecular

 

   5.6.     Exposição do paciente a lugar bonito, situações alegres, diversões

 

   5.6.1 Stress



     5.7.       Acompanhamento familiar e supervisão do   relacionamento amoroso do paciente


     5.7.1     Câncer e Mágoa

 

     5.8.       Acompanhamento psicológico e espiritual

 

     5.9.       Compostos de aminoácidos que estimulem atividades imunológicas                               gerais e principalmente as ligadas ao gene p-53 imunorepressor (Dr. José Guerra).

 

  • Ter discernimento de custo-benefício nas opções de tratamentos agressivos .

 

5.11          Autohemoterapia e perigos para metástases

 

 

 

 

 

 

 

  1. Introdução

 

 

Uma Saída para o Câncer. Tratamentos Alopáticos? Ou que fortaleçam o Sistema Imunológico?

 

 

Nunca o câncer , principal doença genética, foi,   é, ou será incurável! Esta frase não seria uma surpresa  se a ciência tivesse  entendido há mais tempo o eficiente trabalho do sistema  imunológico (SI) em matar células cancerosas,   e a capacidade de células normais, em determinadas condições,   de repará-las! 

O SI compreende incríveis  trabalhos: Há uma inteligência e ordem espantosas acontecendo dentro de cada ser vivo sem que este perceba! . Existem glóbulos  distinguindo antígenos invasores e células cancerosas em nosso organismo, para em seguida como que "avisar" as células  T para  então  atacá-los! A complicada  engenhosidade de tal mecanismo só encontra adjetivos teológicos   para descrevê-los!

Talvez você não saiba, mas todos temos micro-cânceres em vida, e é nosso sistema imunológico que não permite seu avanço através de combate pelas células T-8 (tcd8+), e é exatamente a deficiência  desta  atividade protetora  que permite o  avanço na multiplicação de células anômalas que normalmente acontecem diariamente em nosso corpo. Portanto,   cuidar de nosso "estado" imunológico, é fundamental tanto na prevenção como também na cura do câncer, bem como em relação à quase todas as doenças.

Sofremos em media por dia 500.000 reparos em nosso DNA! Isso se dá devido à força fraca que unem as letras do DNA das células, onde radicais livres ocasionados por pensamentos, má alimentação, stress/adrenlina, radiações de diversos tipos, aparelhos celulares, gases cancerígenos causados por prisões de ventre (devido a falta de exercícios e alimentação pobre em fibras) enfim,diversas causas e  tudo que exponha esta força fraca do DNA das células, pode produzir defeitos nos genes (pedacinho ou trecho da longa fita do DNA) e se o número de defeitos for grande, e ocorrer em pontos críticos,   a possibilidade desta célula se replicar monstruosa e desordenadamente (câncer) é cada vez maior.

 



Mas parece que um Desenhista Super Inteligente, ou o grande Criador,   planejou nossa defesa  engenhosamente, e diante das constantes ameaças de morte, temos incríveis e bem planejadas defesas,   hoje visíveis pelos microscópios,   trabalhando incessantemente  pela vida:

 

1.2 Veja a Célula T-8  matando uma célula cancerosa:

Célula T (laranja) matando célula cancerosa (rosa). Foto do Science Museum

"As células T são um tipo de linfócitos (células brancas do sangue). Têm um importante papel no sistema imune. Há dois tipos de células T: células T-4, também chamadas CD4+ que são as defesas. Elas lideram o ataque contra as infecções. As células T-8 (CD8+) são células supressoras que terminam a resposta imune. As células CD8+ por vezes são chamadas células assassinas porque” matam “as células cancerosas e as células infectadas com um vírus”. 1  Pesquisas revelaram que as células T são bio-psíquicas e são altamente  influenciadas pelo estado psicológico do paciente. 2

 
Segundo informativo do Johns Hopkins de Nova York, o centro mais avançado de pesquisa sobre câncer, “toda pessoa tem células de câncer no corpo. Estas células cancerosas não aparecem nos   testes padrões, até que elas se multipliquem em alguns bilhões. Quando os médicos dizem aos pacientes de câncer que não há mais nenhuma célula de câncer nos seus corpos, após o tratamento, isto quer dizer que os testes não podem mais identificar as células cancerosas,     porque elas não atingiram o tamanho detectável.    Células cancerosas podem ocorrer de seis a mais de 10 vezes na vida de uma pessoa. Quando o sistema imunológico da pessoa é vigoroso, as células cancerosas serão destruídas   e impedidas de multiplicar e formar tumores. Quando uma pessoa tem câncer, isto significa que ela tem múltiplas deficiências   nutricionais. Estas deficiências são devidas ao fator genético, ambiental, da alimentação e do estilo de vida. Superar as deficiências nutricionais múltiplas significa mudança de”. dieta e a inclusão de   suplementos, que irá fortalecer o sistema imunológico".  

[***Entende-se sobre  "deficiências nutricionais" tanto  falta de nutrientes como também  excessos , pois mesmo os excessos  podem gerar câncer. No equilíbrio nutricional  mora importantíssimo fator para a cura e prevenção do câncer,  e diversas outras doenças. ]

 

1.2.1 O Incrível Sistema Imunológico


As células brancas constituem um  verdadeiro exército bem armado, agem  para nos defender da agressão de qualquer agente invasor.Estudar  o que faz com que este exército possa ter seu efetivo reduzido, ou o que torna suas armas menos eficazes para enfrentar as batalhas do dia-a-dia, é de fundamental importância para nossa saúde.

As  células fagócitas, brancas, de defesa, do sistema imunológico ou imunitario , são  aquelas que literalmente comem o invasor, “ estão espalhadas pelo corpo todo: nas células brancas do sangue, nos nódulos linfáticos, na medula óssea, no fígado e no baço explica que, “Quando encontram um invasor, estes soldados de plantão o envolvem com citoplasma e suas enzimas entram em ação para digeri-lo. O que vale também para nossas células vermelhas envelhecidas. Depois de cumprirem cerca de 120 dias de ciclo vital, elas são comidas pelas células produzidas pelo fígado e pelo baço”  Escreveu Sonia Hirsch.

“Quando não é possível digerir os agentes externos, eles ficam retidos nas fagócitas até serem despejados na linfa. Assim, evita-se que possam provocar maiores estragos. Também cabe falar na linfa e no sistema linfático. Profusa rede que se espalha em vasos por todo o organismo, dentro deles a linfa banha os tecidos e tem uma função bastante séria: ela regula o teor de líqüidos, devolvendo proteínas ao sangue e dele removendo bactérias, células anômalas e partículas estranhas. “...rica em linfócitos e células macrófagas que identificam e comem substâncias indesejáveis, a linfa é a linha de frente da defesa imunológica”, explica Sonia em seu livro. À linfa cabe a expulsão dos indesejáveis encontrados.

 
"Do sistema linfático ainda fazem parte as amígdalas, na garganta; as adenóides, no nariz; as placas de Peyer, no intestino; o timo e a medula, pródigos em produzir células de defesa", explica a reumatologista Verônica Silva Vilela. Vários fatores, porém, podem afetar este equilíbrio imunológico. Às vezes, são certas alterações que fazem com que as defesas se voltem contra o próprio organismo. Com isso, provocam as chamadas doenças auto-imunes, como é o caso da febre reumatóide, da artrite reumatóide, do lúpus eritematoso sistêmico ou da esclerodermia.
(citado por Vilma Homero em http://sabedoriaonline.com/index2.php?do=imunologico )


Muitas doenças auto-imunes são resolvidas ou drasticamente amenizadas  através de psicoterapia explica o Dr Sang Lee, mestrado em imunologia, elas estão associadas sobretudo a pessoas muito sensíveis e não raras vezes introvertidas. Acompanhar o quadro familiar, relacionamentos, pensamentos e pesadelos que acompanham os dramas psicológicos que enfrenta o paciente, são passos fundamentais para a cura e prevenção de tais doenças. A razão por trás disso é que pesquisas recentes revelaram que as células T são altamente obedientes e sensíveis ao que pensamos. É emocionante acompanhar casos em que símplices conselhos devolvem a saúde a pessoas portadoras de doenças auto-imunes, e ver estas não precisando mais tomar perigosos medicamentos que gerarão seqüelas muitas irreversíveis.



As células patrulheiras T-supressoras, encarregadas de vistoriar todo o organismo, detectar e eliminar possíveis anomalias, as vezes falham. Quando não funcionam bem, deixam de fazer este patrulhamento de forma eficiente. “É o que se chama de falha na supressão, já que elas não eliminam o que está causando danos”,

Às vezes a falha é de origem psíquica, ou congêntita   “ no timo e na medula, onde determinados mecanismos se encarregam de dar fim a linfócitos e anticorpos defeituosos, antes que eles caiam na corrente sanguínea. Quando isto não acontece, estas células alteradas entram em ação, atacando o alvo errado. Ou ainda, acontece de certos antígenos — como o streptoccocus que provoca a febre reumática — possuírem componentes muito parecidos com os componentes do organismo. Na luta para eliminá-los, os anticorpos muitas vezes não só os atacam, como atacam também o músculo cardíaco, por ter uma estrutura parecida”.

“Também há a suscetibilidade genética, o que explica que muitas vezes indivíduos de uma mesma família sejam mais vulneráveis a doenças parecidas”, explica a Dra. Verônica. O tratamento é feito através de imunosupressão. Ou seja, mantém-se propositalmente baixas as defesas do organismo, para evitar que as células defeituosas continuem seu ataque. “Os imunosupressores mais novos estão cada vez mais específicos”, diz a médica. Com isso, procura-se proteger outras funções do sistema imune.

Indivíduos sadios também sofrem baixa imunológica por motivos diferentes. “Com alimentação deficiente, o organismo vai priorizar a busca de fontes de energia para nutrir-se e a produção de células de defesa fica prejudicada”, explica o ginecologista Alexandre Donato. Da mesma forma, o tabagismo e certos medicamentos, como corticóides e anticoncepcionais, alteram a produção de anticorpos, como um de seus efeitos colaterais.

“O alcoolismo e o estresse têm efeito um pouco diferente, mas igualmente negativo: o primeiro leva à desnutrição, com as conseqüências já descritas; enquanto o segundo leva à produção de substâncias que atuam como inibidoras da ação das células de defesa, alterando algum de seus mecanismos, seja o de aderência, ou o de reconhecimento de elementos estranhos. “Certas viroses também podem fazer com que os anticorpos sejam produzidos em menor quantidade”, esclarece o Dr. Donato.

Ampliando as defesas

“Por outro lado, muito se pode fazer para reverter as chamadas baixas imunológicas. O primeiro passo, e um dos mais básicos, é variar e melhorar a alimentação. Também vale recorrer à terapia ortomolecular. Suplementos de vitaminas C e E, segundo o médico, aumentam a varredura dos radicais livres, conseqüentemente melhorando a defesa do organismo. E, quem diria, remédios antiparasitários contêm substâncias que estimulam a ação de produção de nossas células-soldado, da mesma forma que as vacinas, como a BCG. Nesta linha, há ainda os chamados medicamentos inumomodulares, como o cetotifeno e o extrato de timo, que atuam da mesma forma.

Além dos medicamentos e da alimentação, há outra forma igualmente eficaz de prevenção contra baixas imunológicas: exercício físico. Os sedentários agora vão ter que buscar uma boa desculpa para continuarem sem se exercitar. Segundo o médico, a atividade física não só libera endorfinas e aumenta o limiar de dor, como ajuda a manter o organismo produzindo células de defesa em boa quantidade e as leva a atuar da forma correta. E com este exército em forma, o organismo fica em boas mãos.

www.sabedoriaonline.com


Assista  filmes sobre como células t8 Matam células cancerosas

1. http://br.youtube.com/watch?v=E2e5J1dfiE0
2. http://br.youtube.com/watch?v=9KTDz-ZisZ0


THE ATTACK OF THE GOOD GUYS, details an "imagery session assum[ing] a more aggressive nature" including the use of a healing white light and can be read together with the entire book here.
.

 

Figure 2: An "NK" cell (N) attached to a "target" cell "T".. The NK cell will kill the now helpless target cell quickly, by the injection of deadly perforin. (Courtesy of Dr. G. Arancia and K. Malorni, Rome)

 

Figure 3: A human macrophage (center) attacking a chain of streptococcus (right). The spherical lymphocyte rides atop the macrophage. Antibodies are formed in this process. The macrophage ingests antigen from the intruder surface, processes it and presents it to T-cells for destruction.

http://www.healingcancernaturally.com/guided-imagery-for-healing-2.html

Before (Antes)
A fully intact cancer cell surrounded by the immune systems killer t-cells.
The cancer cell is surrounded and attacked by  the killer T-Cells of the immune system. Scanning electron microscope pictures shows killer t-cells attacking the cancer cell. Notice the tentacles of the cancer cell.

After (Depois)
Notice how the cancer is completely flattened and totally destroyed.
During the killing process, granules in a T-Cell fuse with the cell membrane and release units of the protein PERFORIN. These combine to form pores in the target cell membrane. Thereafter fluid and salts enter so that the target cell eventually bursts.

: www.cancer-info.com/ cancerdeath.shtml

 

 



1.3 Perspectivas Genéticas ligadas ao Câncer e 5000 doenças para o Mundo moderno

 

Segundo o geneticista e proprietário de mais de 25 patentes, Dr Sanford (EUA), em seu livro “Entropia Genética” lançado em 2006, a perspectiva natural das espécies é ir acumulando cada vez mais defeitos genéticos a despeito da seleção natural (como mecanismo impotente para conter a descendência de “todos” os defeitos genéticos adquiridos). Isso equivale dizer que a humanidade, diferente dos animais que não são tratados em cativeiro, ou plantas não cultivadas, que não se submetem mais à rigidez da seleção natural, está ainda mais ameaçados pelo acúmulo de doenças genéticas em suas respectivas populações. E destacamos que a espécie humana por ter adquirido hábitos extremamente nocivos na manutenção de seu código genético, está mil vezes mais ameaçada que animais e plantas para desenvolver toda sorte de combinações de novas doenças e conseqüentemente, desenvolver os vários tipos de câncer que poderíamos classificar como último estagio da maioria das mesmas.   O estudo do Dr Sanford compreendeu a pesquisa de mais de 5000 doenças genéticas e revelou que a extinção é o rumo não somente da humanidade moderna, mas de todas as espécies do planeta.

 

Apesar desta visão um tanto quanto apocalíptica quanto a degeneração genética, ressaltamos que há mais esperança para pessoas previdentes e cuidadosas com sua saúde, e principalmente cuidadosas com seus descendentes. Alertamos neste ponto, a necessidade de jovens masculinos em seu período fértil, estarem bem de acordo com leis naturais de saúde, para que não possam acumular mais defeitos em seus próprios descendentes através de uma boa qualidade espermática quanto a diversos fatores aqui abordados. (Mulheres já nascem com todos os seus óvulos, e pesa sobre as mesmas mais responsabilidades ligadas ao pré-natal, amamentação e cuidados no trato com as crianças). 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  1. Um Quadro Triste na Maioria dos “Tratamentos” Atuais. Enfraquecimento do SI, Aumento do Câncer e Morte Sumaria - Via  Crucis




    1 O câncer é comum a todos os vivos

 

O Câncer se alastra na maioria das vezes devido à fraqueza do sistema imunológico. Mesmo em pessoas que tem herdado deficiências genéticas localizadas em pontos cruciais e propensões maiores ao câncer, o que determinará seu avanço é justamente ter  deficiente,   a defesa dos chamados glóbulos brancos.

Mas o que se percebe hoje,   é a parcial desatenção a capacidade imunológica do paciente, e principalmente aos recursos que deveriam estar sendo usados para o seu fortalecimento antes, durante e imprescindivelmente logo após as medidas invasivas drásticas e na maioria das vezes muito agressivas,  , pois a ciência avançou,  , mas muitas vezes a tradição nos tratamentos não tem acompanhado seu avanço, ou se aprimorado  ao nível desejável de suas descobertas e novas possibilidades de convalidação científica de novos tratamentos, pois até a  própria ação médica, dentro da ideologia e tradição  do sistema estabelecido, tem agido de forma displicente com aspectos de nutrição, fitoterapias, fisioterapias e eficiente ação psicológica,   e não raras vezes tem atuado de forma a  acelerar o dia da morte do canceroso. (logicamente que excetuamos algumas medidas invasivas  que se demonstram mais  ponderadas e de excelentes resultados imediatos, bem como diversas novas técnicas que tem diminuído sensivelmente este quadro aterrador nas alas de oncologia em todo país, ou atuações em conjunto com medicina complementar quando o médico e o sistema  estão aptos para fazer delas uso ) Um exemplo disso é que existe uma erva que pode ser usada para amenizar os efeitos da quimioterapia, Amauri Jr. Recomenda: “Uma planta interessante seria a babosa. Existem estudos que mostram que ela pode recuperar células atingidas por substâncias químicas. Mas ao se utilizar a babosa, deve-se drenar o líquido amarelo que é considerado tóxico. Utilizamos somente o gel transparente”. Desafortunadamente  recomendações como esta parecem que nunca estão sendo praticadas nos protocolos atuais!

Infelizmente ainda acontece  em geral, que o paciente já com seu sistema de defesa débil, e como prova disso temos o câncer, ao  receber a noticia bombástica fica mais ameaçado e enfraquecido, pois as células T são altamente influenciadas pelo pensamento!  Conforme for os pensamentos da pessoa,   estas células-chefes do sistema de defesa foram percebidas como extremamente  obedientes  aos mesmos, tanto  no sentido  de curar assassinando e/ou reparando células cancerosas (P-53), como também no sentido de deixar de atuarem (em resposta a postura psicológica de entrega e prestação), ou até mesmo  podem nos matar  caso abriguemos  problemas psicológicos ligados a autoflagelação, culpa, desejo suicida, melancolias, raivas reprimidas. A relação entre câncer e traumas psicológicos é estreita demais para que se negligencie tratamento psicológico eficiente e urgente nos portadores, e constituem uma negligência incomensurável do Estado e dos profissionais, o tratar superficialmente estas questões.

 


O câncer é como um leão vivendo em nossa casa , nos deixa desesperados , ele já está atacando e tem fome , nos sentimos incapazes de enfrentá-lo, e qualquer alternativa mesmo ilegal de se matar um animal protegido pelo IBAMA ou ANVISA, ou CFM, se transforma automaticamente em legítima defesa .
Assim se deu na casa de Carlos Kennedy de Pomerode, ao avistar um leão em sua casa junto a sua esposa , na casa do Sergio, Jonas (hoje presos) , que ao saber que matariam o câncer da sua mãe , foram aprender como se fazia fosfoetanolamina junto ao Carlos sob supervisão e apoio do Dr Gilberto da USP. E assim como Jesus quebrou a lei do sábado para curar , estes bons adventistas perseguidos por legalistas modernos , que não sabem até hoje discernir o espírito justo da lei da forma da letra morta, quebraram leis para vender e doar a pílula a quem precisasse. Doaram 80% da sua produção e foi por meio deles que a fosfoetanolamina foi mais difundida .
Deram início a uma multidão que desesperada grita nas ruas , jornais e televisão, sobre muitos leões em muitas casas , que telefona perguntando onde tem pra comprar o veneno que mata o leão da casa deles , da família deles , do pai , do filho, da mãe , da irmã, dos corpos e das almas.
Neste contexto de desespero todos agem em legítima defesa da vida , fabricando fora da lei , vendendo fora da lei, doando fora da lei , gritando fora da lei, ajoelhando fora da lei.
A câmara dos deputados vota uma nova lei , o senado confirma que a lei dos medicamentos é menor que a vida em risco e a presidente entende que existem muitos leões em todas as casas, e que a maioria das medidas usadas pela medicina hoje, mais atiçam o leão para matar nossos familiares, que o derrubam, e portanto , não temos outra alternativa senão agir desesperados em torno daquilo que funcionou em milhares de casas de nossos vizinhos : As variações de fosfoetanolamina tradicional da USP ou a nanoencapsulada do Dr Durvanei Maria , que pesquisa a 10 anos o produto do Dr Gilberto da USP, que foi copiado da tese do Dr Octaviano, de 1999, que o copiou de Hans Nieper da Alemanha, 1967, etc.Todos com algumas diferenças .
Quando o assunto é complexo recorremos as analogias . O assunto da fosfoetanolamina pode se resumir em " tem um leão na minha casa ". E para tanto, todo recurso que houver para detê-lo, usaremos .
Se o governo não autorizar logo este medicamento ou suplemento , a fabricação e venda clandestina feita as vezes pelos próprios pesquisadores e pessoas ligadas à eles , continuará acontecendo , pois a demanda de liminares na USP é incompatível com a produção, e a falta de medicamento, aliada ao fato da divulgação de sua eficiência , faz crescer as alturas sua necessidade frente a tantos casos de câncer no país (576 mil casos novos só em 2014).
Portanto , estamos diante de um caso extremo, um leão em minha casa , onde legislação extrema de legítima defesa da vida, se estaciona acima de todas as vias normais do longo , caro e exaustivo processo de testes , confirmação, demonstração e descoberta do porquê certas coisas funcionam , necessários à aprovação do medicamento ou suplemento (nem isso sabemos ainda)
Em ciência ocorre muitas vezes , a aprovação de algo que funciona mas não se sabe como funciona ainda . Se um leão estivesse diante de você , duvido se você queria saber como funciona um revólver , você queria atirar logo . Tá funcionando vamos usar logo e saber depois , pois leão não brinca nem analisa muito quando está com fome , ele simplesmente devora . Então é hora da ciência se colocar no lugar dos pacientes que estão sendo devorados pelos leões e permitir que eles exerçam o direito de legítima defesa .
Mesmo que não se saiba das vias metabólicas ainda , mesmo que não se saiba de seguranças protocolares , possíveis efeitos genéticos , enzimas que disparam ou não sinalizações apoptoticas, nada disso deixa de ser importante na medida que não impeça que eu possa tentar matar o leão que nos devora . Agora.
Autorizem logo a fosfoetanolamina e que continuem os estudos .
Amem

FONTE : https://www.facebook.com/criacionismo/posts/10205966917635559

 

UM DIA, O MONSTRO DE 7 CABEÇAS IRIA SE MANIFESTAR - SODRE NETO 

 

http://fosfoetanolamina.comunidades.net/quimioterapias-nao-invasivas-sodre-neto

 

 

 

TODO ano o monstro de 7 cabeças devora milhões de pessoas. :(

 

Há 10 anos, descobri isso quando estudei muito sobre o câncer que parece matar, ajudado pelo sistema de saúde, que é quase sempre assassino ou 98% ineficiente como revelou as pesquisas ¹ das quimioterapias, como também muitas radioterapias e cirurgias, algumas delas totalmente irresponsáveis e assassinas (outras nem tanto e até positivas ).

 

Na época fiz muitos artigos em jornais, uma apostila/livro, 40 mil panfletos , quis também fazer um congresso cientifico para denunciar sua existência , fazer uma passeata nas avenidas para protestar contra este monstro mantido pela indústria farmacêutica, hospitalar , pela burocracia convalidatória, e pelo fanatismo pelo método científico, que poucos enxergavam , mas que hoje, através do caso da FOSFOETANOLAMINA, é tão evidente e mostra suas garras e dentes de forma tão clara, fazendo ao vivo e em cores ensanguentadas, o que sempre fez, que foi matar milhões de pessoas a cada ano em todo mundo, se camuflando em nome da ciência, do método, das regras, da lei e da "justiça" entre muitas aspas.

 

Na época divulguei muito, junto com alguns livros de médicos e cientistas (SCHIREIBER, BELIVEAU, et e tal), que viam de forma semelhante o mesmo monstro , divulguei 11 maneiras que havia pesquisado de se matar células tumorais que não estavam e ainda não estão homologadas pelo sistema oncológico, que beneficia apenas aquilo que dê lucro o bastante para se investir no dispendioso e caro processo de convalidação científica que satisfaz ao mostro de 7 cabeças, que devora milhões de pessoas todo ano como está agora devorando parentes nossas como me relatou ontem de forma dramática a Polyana Borges​ , a respeito de seu pai . Mas meus amigos, se fosse "apenas" casos em oncologia, mas este monstro impede milhares de excelentes soluções em saúde que não pertençam a conjugação de aspectos comerciais que sustentem o caro processo científico já citado. http://doutissima.com.br/2014/01/28/mafia-da-doenca-a-quimioterapia-mata-mais-do-que-o-cancer-denuncia-medico-38414/

 

Mas enfim, graças ao caso da FOSFOETANOLAMINA, o monstro mostrou suas garras para todos nós , e ele está gritando em alto e bom som , todos agora podem enxergá-lo, desde o mais simples brasileiro até o cientista mais legalista e cegado pelas regras que imperam de forma absolutista . O mostro se manifestou e saiu da camuflagem , e agora se levanta dizendo que ele é quem manda pelejando até mesmo contra deputados e senadores que o querem enfrentar , pois como bem se expressou no programa do ratinho a Bernardete Cioffi​i, Dra Sandra Gulminetti​ (nossa heroína) e aprendi com Dr Durvanei e o Arthur do Butantã que pesquisa incansavelmente no laboratório, a suspensão da fosfoetanolamina para quem estava em tratamento foi CRIMINOSA , pois gera tempo para a célula montar uma resistência que acaba superando e criando vias metabólicas que a tornam ainda mais virulenta, matando muitas pessoas como temos assistido. . O monstro devora. :(

 

Ele precisa ser abatido, senão continuará matando , ele é sustentado por bilhões de dólares em propinas e comissionamentos, a polícia federal precisa investigar o patrimônio de pessoas da área de saúde e vai descobrir que elas estão alimentando o monstro em troca de grande riqueza que acumularam pelas mãos dele. O Dr morte, preso e condenado nos EUA por receitar de forma leviana as quimioterapias e que acumulou 720 milhões de dólares , será que não existem também no Brasil? http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07/150709_medico_falso_cancer_eua_rb Será que é apenas em caso de quimioterapias altamente agressivas? Não se faz cirrugias cardíacas ou de outras categorias desnecessárias? Até que ponto todo sistema está apodrecido pelo egoísmo e interesse humano que recebe propinas por fora, via caixa 2, por todo material deixado no hospital em forma de cosignação? Por bom percentual de exames e remédios prescritos? Por que não se aprova aqui no Brasil uma grade curricular em oncologia que trate com quimioterapia não invasiva de primeira instancia ? Porque nossos médicos são trienados a manter este sistema assassino e ineficiente de coisas?

 

Os políticos precisam estudar muito e ouvir muitos cientistas que já alardeavam a respeito , sem serem ouvidos , para poderem enfrentar este monstro que ainda possui muitos bons argumentos para continuar vivo e matando milhões de pessoas por ano . Os ratos do sistema de saúde devem ser destelhados , devemos descobrir o que andam fazendo e em que esgoto andam buscando seu sustento.

 

Busquei por uma solução , uma arma poderosa para destruir este poderoso monstro ideológico camuflado por jaleco branco, gestos suaves , palavras científicas , leis malditas e justiça injusta.

 

Busquei.

 

Diante da conturbada e tensa Assembleia Legislativa dia 16 de dezembro de 2015, dirigida pelo Deputado Rafael Silva, com participação de muitos outros médicos e deputados , e cientistas como Dr Durvanei Maria​. Dr Gilberto, Marcos Vinicius, Edson, Renato Meneguelo​ e o Dr Paulo Hoff da ANVISA, que demonstrou ser bastante inocente do tipo de monstro que ele mesmo serve , provavelmente sem saber, onde todos patinavam em torno de soluções que eram impedidas de livrarem da morte iminente milhares de pessoas revoltadas pela suspensão do uso compassivo da Fosfoetanolamina. Tentei debater com o Dr Paulo Hoff no meio da tensa rejeição de sua declaração de que em 6 meses estaria aprovada a fosfoetanolamina se ela demonstrasse eficiência em 20% , pois nem 6 meses a gente pode esperar, repetindo o que o Dr Gustavo Vilela destacou da legislação alemã que liberava na forma de suplementos medicamentos não convalidados que não eram tóxicos, e ele "rebateu" declarando que o Brasil segue uma das mais criteriosas legislações de fármacos da ONU e que portanto estaria mais ideal que a prórpria alemanha!! Lembrei do 7 x 1 . Inevitável.

 

Enfim estamos agora diante do monstro , e apresento uma estratégia : A conjugação de testes clinicos fase 1, 2 e 3 a uma pós graduação em oncologia de quimioterapias não invasivas de primeira instância, gerenciadas por um aplicativo de celular , como meio de se expulsar e matar de vez o monstro de 7 cabeças do Brasil e quem sabe do mundo. http://fosfoetanolamina.comunidades.net/quimioterapias-nao-invasivas-sodre-neto

 

Se esta arma não der certo, que venham outras ou que se aprimore a mesma , mas uma coisa é certa , mais de 100.000 mortes haverá se não fizermos alguma coisa para abatê-lo.

 

Se deixarmos ele ainda vivo , matando e desgraçando a pequena vida de todos nós , perderemos esta tão extravagante chance , se apenas permitirmos que ele libere a fosfoetanolamina ele continuará matando em outras áreas , em muitosd outros exemplos.

 

É preciso enxergar o monstro e matá-lo .

 

CALAMIDADE PÚBLICA EM RELAÇÃO À ONCOLOGIA NO BRASIL: 100.000 MORTES /ANO E 98% DE INEFICIÊNCIA NOS TRATAMENTOS

 

INOVAÇÕES CIENTÍFICAS IMPEDIDAS POR BUROCRACIA CONVENIENTE

A ELIMINAÇÃO DE CONCORRENTES DAS GRANDES FARMACÊUTICAS

 

URGENTÍSSIMA PROPOSTA DE UMA NOVA.PÓS GRADUAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ,  EM ONCOLOGIA NÃO INVASIVA DE BAIXO RISCO E PRIMEIRA INSTÂNCIA 

 

TORNAR ESTA PÓS GRADUAÇÃO VINCULADA A DETERMINADOS ESTUDOS PROMISSORES QUE JÁ PASSARAM POR FASES PRÉ-CLÍNICAS

 

PARA ESTUDOS PATENTEADOS NEGOCIAR PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO DAS PARTES

 

DESCRIÇÃO DO PROBLEMA 

 

Ocorrem 100 mil mortes ligadas ao câncer por ano, só no Brasil,, sendo que boa parte destas mortes são decorrentes não do câncer em si, mas da metodologia de tratamento tradicional adotada, denunciada como tendo em torno de 98% de ineficiência por dois estudos publicados em revistas especializadas em oncologia[i], sendo um dos autores  professor de oncologia médica por 25 anos. Ao mesmo tempo, temos milhares de descobertas científicas de tratamento que não estão homologadas por faltarem fases clínicas de alto custo, mas que poderiam verificar a eficiência destas novas abordagens. A falta de registro impede a comercialização destas novas substâncias deixando a população e o governo a cargo de altos custos atrelados à alta ineficiência dos métodos já homologados. Devido a tal quadro, estudos apontam desinteresse em oncologia em quase todas as faculdades de medicina [ii] e, quando possuem tal especialização, se ensina quase apenas os tratamentos tradicionais .

 

POSSÍVEIS SOLUÇÕES, O TEMPO ENVOLVIDO E A MORTALIDADE SOB ANTIGOS MÉTODOS

 

As milhares de soluções em oncologia que se apresentam na ciência carecem de muitos anos de testes clínicos, estando muitas já com testes pré-clínicos prontas,  estando impedidas pelos altos custos e tempo das fases seguintes. Enquanto isso, milhares de pessoas estão morrendo com os sistemas já aprovados.

 

Diante disto, nos vemos diante de uma situação que nos exige  propor solução urgente que busque dialogar ao máximo com as exigências metodológicas na aprovação de medicamentos e protocolos ligados ao câncer e a outras doenças, destinado a atuar onde os tratamentos existentes representem  maior risco que inovações promissoras,  e eliminar burocracias que estejam impedindo os benefícios da pesquisa de chegar aos pacientes, médicos e pesquisadores.

 

SOLUÇÃO  ACADÊMICO-HOSPITALAR EM ONCOLOGIA NÃO INVASIVA DE PRIMEIRA INSTÂNCIA COMO TESTES CLÍNCOS - BRASIL NA FRENTE

 

Cada instituição hospitalar, acadêmica ou laboratorial, cada médico e cada paciente deverão estar inscritos no programa PGONIPI onde preencherão formulários atendendo demandas simplificadas do CONEP e ANVISA, para participarem dos testes clínicos vinculados a pós graduação em oncologia não invasiva.

 

Separamos , a título de exemplo, 10 abordagens novas oncológicas que já passaram por testes pré-clínicos que se apresentam como promissoras para que sejam convalidadas junto com a graduação de médicos e participantes do processo científico das mesmas.  São elas: (*** sugestões hipotéticas)

 

  1. Fosfoetanolamina sintética
  2. Método do Dr Ornish
  3. Restrição calórica e Embolia de próstata (HC)
  4. Antioxidantes , nutracêuticos e suplementos alimentares
  5. Alloe vera
  6. Aveloz
  7. Oriço do mar
  8. A14

 

Que se estabeleça em todo país um programa curricular de "abordagens quimioterápicas não invasivas de primeira instância", onde esta pós graduação dê atribuição e competência ao médico e ao mesmo tempo,  forneça protocolos que se identifiquem com testes clínicos fase 1,2 e 3 , para diversos casos de pesquisa inovadora não invasiva incluindo a fosfoetanolamina.

 

 

 

PROPOSTA FINAL

 

 

 

 

 

1 CONSIDERANDO  haver carência nas faculdades brasileiras estudo em oncologia geral , e quase inexistência de graduação em oncologias de quimioterapias não invasivas de baixo risco e de primeira instância

 

2 CONSIDERANDO  que quando há tais estudos , eles estão ensinando quase que  apenas  abordagens  quimioterapias invasivas tradicionais, impedindo o oncologista de poder atuar naquilo que há de mais moderno em termos de pesquisa oncológica

 

3 CONSIDERANDO  termos na literatura milhares de abordagens não invasivas , de baixíssima  toxidade em relação aos métodos usuais homologados

 

4 CONSIDERANDO  que tais estudos já terem passados por testes pré clínicos e clínicos em outros países mais adiantados na pesquisa em oncologia

 

5 CONSIDERANDO  que diversas resoluções do conselho Federal de medicina admitirem os benefícios de antioxidantes e  ortomolecularidade como linhas inovadoras agora parcialmente aceitas como práticas médicas seguras [iii]

 

6 CONSIDERANDO Estudos publicados em revistas especializadas de oncologia admitirem o fracasso e ineficiência em torno de  98% da metodologia de abordagem vigente com emprego de quimioterapias tradicionais

 

7 CONSIDERANDO  Estarmos todos debaixo de um sistema financeiro de comissionamento , propinas , corrupções  e resgates de altos investimentos nos processos convalidatórios de drogas quimioterápicas de alto risco , para que tais tipos de tratamento ineficientes em 98%, continuem e não sejam desapossados de seu direito legal para serem administrados

 

8 CONSIDERANDO Termos só no Brasil , 100.000 mortes por ano ligadas ao câncer , onde muitos destes óbitos não são devidos ao câncer , mas ao programa agressivo de tratamento

 

PROPOMOS

 

Que haja em todo país a autorização para testes clínicos fase 3, em toda e qualquer hospital, universidade ou faculdade , que oferecerem especialização em "oncologia não invasiva de primeira instância " (conforme grade curricular descrita abaixo) para que haja experimentação e convalidação  de tais metodologias de abordagens  oncológicas , atendendo desde já o maior número de pacientes.

 

Que se estabeleça programa curricular para especializar médicos no sentido de poderem usar tais inovações no tratamento  no processo convalidatório de fármacos e protocolos inovadores oncológicos descritos aqui.

 

(***A grade curricular para tal especialização tenho já em mente e vou aos poucos elaborando , e pesquisando nos grandes centros de pesquisa , o que andam fazendo para incorporar)

 

NOVAS INFORMAÇÕES DA FOSFOETANOLAMINA

 

A fosfoetanolamina é um precursor de fosfolipideo, ao ser administrada via oral é absorvida, e vai para o citoplasma das células. As células normais não receptam senão baixa quantidade, as células em estado de multiplicação, como as células tumorais , absorvem rapidamente enormes quantidades e ficam stressadas , gerando alertas que a induzem a apoptose..em seguida os macrófagos chegam e dissolvem o material morto.

 

A toxidade da fosfoetanolamina é baixíssima, enquanto do CAELYX que apenas contem a fosfo é altíssima.

 

O preço da fosfo é R$ 0,10 centavos a capsula e do CAELYX , 2ml injetável, custa R$ 3.126,30 . Parte deste dinheiro , talvez 40%, vai para o bolso de quem o receitou , donos de clinicas, chefes de compra, etc

 

Existem 10.000 pesquisas de ponta para se tratar cânceres de todos os tipos, que estão engavetadas pela dispendiosa burocracia demonstrativa, que é mantida por um sistema que não facilita sua convalidação e registro , mas impõe um turbilhão de exigências contendo milhões de dólares de gastos que acabam por favorecer apenas pesquisas rentáveis que darão retorno proporcional aos gastos .

 

Esta é a razão pela qual muitos remédios e protocolos bons já demonstrados de diversas formas como fosfoetasnolamina, com centenas de publicações algumas contendo testes clinicos com dezenas de pacientes , não estão nas prateleiras da farmácia, nem junto material consignado nos hispitais como ampolas assassinas, e muito menos nas aprovações dos orgãos reguladores .

Enquanto isso ficamos com a quimioterapia tradicional 98% ineficiente em salvar e 98% eficiente em matar e sequelar pessoas, conforme pesquisa divulgada em revista especializada em oncologia (*** uma delas tendo participação de professor de oncologia a 25 anos na austrália)

 

REFERÊNCIAS

http://www.icnr.com/articles/ischemotherapyeffective.html

 

http://www.australianprescriber.com/magazine/29/1/2/3

 

Na alemanha ciência boa é a ciência que funciona, mas no Brasil somente aquela que passou por burocracias demonstrativas , mesmo que seja ineficiente ou nociva (haja visto registro para diversos venenos)

 

Na alemanha, europa e EUA, quando um fármaco ainda não passou pelos longos processos demonstrativos , eles são vendidos como suplementos com rótulo avisando da responsabilidade do consumidor, aqui no Brasil só proibição cega, ditatorial e fabricadora de transgressores .

 

Temos solução a apresentar , mas enquanto isso centenas de pessoas estão morrendo , portanto , pedimos que entrem nesta luta por uma REVOLUÇÃO NO CFM, ANVISA E ORGÃOS reguladores para que cessem o genocidio em nome da lei

 

A maior desculpa para se matar e sequelar com quimioterapia em nome da saúde , é que pode acontecer do câncer crescer rapidamente .

 

Mas....

 

Se houver uma dieta anti inflamatória, remédios anti inflamatórios , terapias psicológicas, sonoterapias , antioxidantes , água alcalina, exercícios que suam, restrições calóricas e jejuns, etc

 

E se evitar fatores pró inflamação como stress, leite, açúcar , gorduras , sedentarianismo, etc

 

É 1000 vezes mais provável que o câncer seja inibido , permitindo então diversas abordagens menos arriscadas e seguras como FOSFOETANOLAMINA

 

*** Para maiores detalhes técnicos desta informação basta saber que são os processos inflamatórios que precedem a multiplicação celular e os processos anti inflamatórios que inibem

 

Centenas de milhares de pessoas são MORTAS com esta desculpa JÁ REFUTADA em quase 100% dos casos, caso se aplique os procedimentos anti-inflamatórios. no mundo milhões

.

.

.

 

REFERÊNCIAS

 

QUIMIOTERAPIA INVASIVAS 98% INEFICIENTE E ASSASSINA

http://www.icnr.com/articles/ischemotherapyeffective.html

http://www.australianprescriber.com/magazine/29/1/2/3

http://doutissima.com.br/2014/01/28/mafia-da-doenca-a-quimioterapia-mata-mais-do-que-o-cancer-denuncia-medico-38414/

 

TRATAMENTOS NÃO INVASIVOS PARA O CANCER

http://www.docs-engine.com/pdf/1/DAVID-SERVAN-SCHIREIBER.html

http://www.docs-engine.com/pdf/1/richard-beliveau.html

http://www.narayana-verlag.de/homoeopathie/pdf/Krebszellen-moegen-keine-Himbeeren-Das-Kochbuch-Richard-Beliveau-Denis-Gingras.05415_3Rezepte.pdf

 

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.938/2010 http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1938_2010.htm

 

FOSFOETANOLAMINA

http://www.nature.com/cdd/journal/v22/n3/full/cdd2014219a.html

 

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23931426

 

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23931426

 

http://www.google.com/patents/WO2011095353A1?cl=en

 

http://www.amazon.com/Phosphoethanolamine-Phosphocholine-Phosphatase-Recombinant-Phospho1/dp/B00KCVH1P4

 

http://fosfoetanolaminalivre.blogspot.com.br/

 

"Evidenciamos que numa amostra de 110 faculdades de medicina,70% delas não apresentam a disciplina de oncologia na grade curricular. Nas 33 faculdades de medicina que possuem a disciplina,7 delas possuem-na apenas como optativa. http://www.sboc.org.br/app/webroot/Site_RBOC_OFICIAL/pdf_edicao_29/artigo3.pdf

 

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u15492.shtml

 

Alimentos contra o Cancer - Richard Beliveau & Denis Gringas - Livro baseado em amplas pesquisas publicadas na Nature

 

http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/files/2013/05/Resposta-Inflamatória-Parte-2.pdf

 

Anticancer - David Servan Schireiber

 

 

 

[i]http://www.icnr.com/articles/ischemotherapyeffective.html

 

http://www.australianprescriber.com/magazine/29/1/2/3

 

 

 

[ii] "Evidenciamos que numa amostra de 110 faculdades de medicina,70% delas não apresentam a disciplina de oncologia na

 

grade curricular. Nas 33 faculdades de medicina que possuem a disciplina,7 delas possuem-na apenas como optativa. http://www.sboc.org.br/app/webroot/Site_RBOC_OFICIAL/pdf_edicao_29/artigo3.pdf

 

[iii] RESOLUÇÃO CFM Nº 1.938/2010 http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1938_2010.htm

 

http://www.nature.com/cdd/journal/v22/n3/full/cdd2014219a.html

 

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23931426

 

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23931426

 

http://www.google.com/patents/WO2011095353A1?cl=en

 

http://www.amazon.com/Phosphoethanolamine-Phosphocholine-Phosphatase-Recombinant-Phospho1/dp/B00KCVH1P4

 

http://fosfoetanolaminalivre.blogspot.com.br/

 

http://www.icnr.com/articles/ischemotherapyeffective.html

http://www.australianprescriber.com/magazine/29/1/2/3

 

"Evidenciamos que numa amostra de 110 faculdades de medicina,70% delas não apresentam a disciplina de oncologia na grade curricular. Nas 33 faculdades de medicina que possuem a disciplina,7 delas possuem-na apenas como optativa. http://www.sboc.org.br/app/webroot/Site_RBOC_OFICIAL/pdf_edicao_29/artigo3.pdf

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.938/2010 http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1938_2010.htm

 

[1]http://www.icnr.com/articles/ischemotherapyeffective.html

 

http://www.australianprescriber.com/magazine/29/1/2/3

 

 

 

[1] "Evidenciamos que numa amostra de 110 faculdades de medicina,70% delas não apresentam a disciplina de oncologia na

 

grade curricular. Nas 33 faculdades de medicina que possuem a disciplina,7 delas possuem-na apenas como optativa. http://www.sboc.org.br/app/webroot/Site_RBOC_OFICIAL/pdf_edicao_29/artigo3.pdf

 

[1] RESOLUÇÃO CFM Nº 1.938/2010 http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1938_2010.htm

 

http://www.nature.com/cdd/journal/v22/n3/full/cdd2014219a.html

 

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23931426

 

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23931426

 

http://www.google.com/patents/WO2011095353A1?cl=en

 

http://www.amazon.com/Phosphoethanolamine-Phosphocholine-Phosphatase-Recombinant-Phospho1/dp/B00KCVH1P4

 

http://fosfoetanolaminalivre.blogspot.com.br/

 

http://www.icnr.com/articles/ischemotherapyeffective.html

http://www.australianprescriber.com/magazine/29/1/2/3

 

"Evidenciamos que numa amostra de 110 faculdades de medicina,70% delas não apresentam a disciplina de oncologia na grade curricular. Nas 33 faculdades de medicina que possuem a disciplina,7 delas possuem-na apenas como optativa. http://www.sboc.org.br/app/webroot/Site_RBOC_OFICIAL/pdf_edicao_29/artigo3.pdf

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.938/2010 http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1938_2010.htm

 

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u15492.shtml

 

2.2 Pessoas Boazinhas Demais

 

O Dr Sang Lee destaca em suas palestras, estreita relação entre doenças auto-imunes em pessoas ditas como muito “boazinhas", aquelas incapazes de fazer mal a qualquer um. Tais pessoas introvertidas e ultra-sensiveis ficam com maior intensidade dentro de si remoendo frustrações e mágoas, que não conseguem superar obstáculos psicológicos principalmente ligados a relacionamentos. É necessário um acompanhamento competente das mesmas sem o qual qualquer tratamento apenas físico terá efeito apenas paleativo e passageiro. Tenho encontrado muitos casos onde conselhos adequados são de maior eficiência que caixas e caixas de remédios.

Casos de poetas melancólicos morrendo precocemente, e casos em que um presente devolve alegria e saúde a uma criança, são facilmente detectados e comparados, e são estes mesmos que podem mais facilmente esclarecer a qualquer um, sobre  o poder do pensamento sobre nossas funções vitais! Um susto ou uma provocação revela como o organismo possui uma rapidez laboratorial de metabolizar as mais diversas e adequadas substâncias. Saber tratar com aspectos psicológicos é, pois a maneira mais eficiente e adequada de se tratar qualquer doente.

 

Já diz o divino conselho “ame ao teu próximo como a ti mesmo”. Contudo há uma classe de pessoas que tende a amar os outros e desprezar a si mesmo. Tais precisam de urgente e imediato reparo em seu comportamento mental, pois são candidatos a contraírem diversas doenças em vida por este tipo de disposição. Necessário é estabelecer equilíbrio em suas relações como importante ferramenta de trabalho preventivo e de tratamento.

2.3 Via Crucis – Noticia -> Cirurgia -> Quimioterapia -> radioterapia -> Morte

 

As  defesas do organismo caem com a noticia de que estamos com uma colônia de células cancerígenas detectáveis. A crença da incurabilidade da doença “ajuda” ainda mais a estragar qualquer tratamento, e isso acontece devido à ignorância de tantos casos curados por métodos alopáticos e muito mais, dos vários casos onde métodos fortalecedores do SI atuaram de forma conjunta e eficiente.  A recomendação médica muitas vezes é não contar ao paciente, ou mudar o nome da doença para que diminua  o efeito psicossomático  contrario. Esta recomendação tem valor em cima da ignorância do povo de que há solução para a maioria dos casos, sejam até mesmo por medidas mais invasivas, as quais criticamos por não darem primeiramente uma oportunidade de auto-cura através de processos fortalecedores do sistema mais eficiente em assassinar células cancerosas, já existentes dentro de cada ser humano. Bastará mecanismos estimuladores do SI para que a maioria dos casos sejam mais eficientemente tratados. Todos os cientistas, médicos e terapeutas em geral devem se unir prioritariamente neste sentido, antes de arriscadas medidas que comprometam ainda mais o paciente já debilitado.

Mas uma cirurgia é imediatamente recomendada, muitas vezes sem restabelecer aspectos importantíssimos na nutrição e preparo psicológico  do paciente para a mesma. Sem dar oportunidade a tratamentos menos agressivos que, sendo bem administrados, podem reverter e curar muitos pacientes. (Ver casos da Dra Hulda Clark, por exemplo).  Ponderamos aqui, que se a pessoa estiver sem um tratamento e preparo prévio, eficiente, muitas vezes a medida cirúrgica, quase que sozinha,   poderá acabar por acelerar o processo de morte do paciente. Pois que é sabido e notório que medidas cirúrgicas  enfraquecerão  ainda mais o paciente já ultra-debilitado, e podem perfeitamente criar outros  cânceres oportunistas, aumentando ainda mais a periculosidade do quadro .

Muitos  remédios e antibióticos enfraquecem drasticamente o SI,   aumentando  assim  os cânceres oportunistas, que comumente se espalham em um corpo agora mais  debilitado.

Depois da cirurgia, o paciente em geral,   todo alquebrado,  pode vir  receber a visita da oncologista para verificar se haverá necessidade de seções de  quimioterapias e/ou radioterapias, e se o mesmo suportará as mesmas. O fim de muitas  historias todos sabem, declaram que o câncer matou o paciente! (E isso não deixa de ser uma verdade)

Entre prantos e lamentos se repete a frase, "foi feito o melhor para tentar salva-lo" "chegou sua hora" "seja feita a vontade de Deus". Tais frases soam aos ouvidos de quem conhece as negligencias instituídas pelo sistema e bem guardadas pelos covardes, de forma ultrajante, tanto mais quando pensamos na dor e sofrimento dos familiares e amigos.

Ainda existem casos  que mesmo o paciente apresentando sinais que não  suportará cirurgias, quimioterapias e radioterapias, de qualquer forma isso gerará expressivo  lucro para o hospital, laboratórios e médicos, bem como representará para a família o conforto de que tentaram de tudo para salvá-lo, sem consegui-lo na maioria das vezes, e que medidas assim bem que poderiam ser descritas como um tipo de eutanásia que ao fim, faz é aliviar a dor de viver do paciente. Mas é algo realmente triste e revoltante. Terapeutas naturalistas, classificados muitas vezes de charlatões, gritarem em vão ao telefone tentando impedir pessoas de se submeterem a medidas IRRESPONSAVEIS da medicina moderna (com as ressalvas feitas), vaticinando a morte que esperará de forma rápida e dolorosa a maioria dos desatentos.

Atentamos neste ponto para uma ponderação: Não cremos que haja prevaricação  por parte de  médicos laboratórios  e hospitais nesta situação. Não defendemos teorias de conspiração por dinheiro,   de forma aberta e declarada na maioria dos casos, o que não deixa de acontecer , porem, cremos, não em  premeditação direta, mas por um processo histórico materialista que acaba por comprar  a  alma e a inteligência de instituições e  pessoas, sobretudo  na   escolha de melhor e mais adequado métodos de  tratamento.

Apostamos mais em uma idéia de ideologia dominante do sistema , com elementos como  tradição cientifica muitas vezes resistente a conceitos holísticos da medicina alternativa e oriental (em geral de baixo profissionalismo devido estar excluídas do MEC)   e  premiação de  medidas mais "práticas" e ao mesmo tempo, mais lucrativos dos laboratórios e médicos comissionados “por fora” pelos mesmos, que sustentam esta ordem de coisas, onde acredito que muitos  refletem e sofrem diante da dor das perdas, mas ao mesmo tempo, se sentem incapazes de lidar com o problema de outra maneira.

 

“Os laboratórios sustentam os pesquisadores que descobrem drogas patenteáveis e retiram as verbas daqueles que escrevem sobre os efeitos dos produtos naturais”. Dr  José de Felippe Junior

http://www.medicinacomplementar.com.br/temaabr08.asp



Tentar mobilizar movimentos de reivindicação por um melhor sistema de saúde, que uma vez postos mais fatos relacionados a publico, podem aumentar o nível de conscientização e reflexão em torno desta e de outras situações correlatas.

 Aumentar  a  ponderação  para determinados tratamentos e dar valor prático às pesquisas convalidando novos caminhos nos parece ser a solução, pois como já foi dito, alguns se demonstram muito eficientes!  Acrescentar inovações  de outros, aumentando as opções para que o  discernimento possa definir programas de trabalho conjunto inclusivo, dando prioridade àquilo que menor risco representará na prática médica em geral. Sejam tratamentos fortalecedores do sistema imunológico antes, durante ou depois de medidas mais invasivas (medicina complementar), nos parece um caminho que pode sintetizar a polaridade existente entre a medicina tradicional e a medicina holística e integral.

2.4 O Drama de quem Recebe a Notícia e seu impacto


Diante do fato aterrorizador de sabermos que uma colônia de células,   em crescimento desordenado,   está se desenvolvendo destacadamente em nós, a ponto de ser detectada, quase sempre ficaremos desesperados, estressados, desacreditados em cura, reduziremos assim ainda mais o trabalho já deficiente do SI, que é altamente influenciado por fatores psicológicos. Um exemplo disso é o fato de um resfriado  quase sempre estar associado a noticia triste. Qualquer susto que tomamos faz o organismo produzir muitas substancias imediatamente. Diante disso, quão importante deveria ser não desesperarmos, mas nos conscientizarmos que o câncer nunca foi incurável, exceto para o que a  ciência conhecia há alguns anos atrás.

O susto e o desespero pode ainda aumentar  quando ouvirmos  a recomendação médica de uma emergente intervenção por cirurgia , quimioterapia e radioterapia, para combate e extração da (s) mesma(s), seja qual for o especifico câncer (dos mais de 200 tipos). O desespero pode ser ainda maior quando fazemos estatísticas nada confortadoras  ligadas a diversos  casos fatais. A noticia pode soar como uma sentença de morte para muitos, e o paciente já deficiente, se prostra ainda mais,   e não poucos se entregam à melancolia e a derrota.

Mas resultados positivos acontecem sem que se perceba,   dentro de cada um de nós, e medidas que integrem as atividades imunológicas  tem proporcionado cura  através de métodos que estimulem a própria atividade do SI  a fazer o que ela sempre soube fazer, a saber,   matar células cancerosas  ou repará-las. Remédios que atuam  de forma integralizada ao organismo, em conjunto com o sistema  imuno-repressor estimulando o  gene p-53,   também estão sendo produzidos e auxiliam muito de forma diferenciada, no combate a doença.

2.5 Filmes explicando

http://br.Youtube.Com/watch?v=CASw429qBUU&feature=related

http://br.Youtube.Com/watch?v=xj32VEkJ5IY&feature=related

http://br.Youtube.Com/watch?v=y16w-CGAa0Y&feature=related

http://br.youtube.com/watch?v=JIT4Yye36iI&feature=related


2.6 Prioridades

As  medidas  menos agressivas de se combater câncer através do fortalecimento do sistema imunológico deveriam em muitos casos  ter prioridade , caso as diversas  condições para as mesmas existam, o que significa uma equipe maior de interventores bem preparados esteja a postos  para que as mesmas sejam implementadas.

O  monitoramento do avanço ou regressão do câncer poderia também ser feito assegurando a respeito da eficiência ou não das medidas adotadas

É claro que existem alguns tipos de cirurgias de menor risco e  menos agressivas,   que representariam uma opção mais rápida, contudo, o médico ou terapeuta deverá avaliar o quadro em relação ao caminho que deverá ser adotado.

 

Uma oportunidade de se implementar em postos de saúde no Brasil tais medidas, se apresenta até mesmo pelo fato da demora do atendimento e marcação de cirurgias, pois neste período muitos casos poderão regredir e apresentar melhoras que recomendem a continuação ou não deste tipo de caminho  terapêutico em cada caso percebido.


3 Epistemologia, Tradição e  Descobertas  sobre a atuação do sistema  Imunológico



A ciência moderna,  mesmo teoricamente negando absolutismos, na prática, acabou por assumir  a responsabilidade de filtrar a "verdade".  Nesta pretensão andou excluindo, principalmente aqui no ocidente,   muitas sabedorias e verdades  médicas e   terapêuticas,   tendo como justificativa a sua incapacidade  de se expressar materialisticamente,   impondo a facilidade demonstrativa como prioritária e mais confiável, na aferição de tratamentos.

Tal caminho beneficiaria  o aumento da dependência médica de hospitais e da  propedêutica armada com seus milhões de testes e  equipamentos, em detrimento de uma visão mais holística  da doença e do tratamento do ser humano e demais seres vivos. Também atrasaria a convalidação de estudos psicossomáticos,   fitoterapias (apenas 1% das angiospermas foram mapeadas geneticamente), diversas terapias inteligentíssimas alternativas,   beneficiando tudo aquilo mais "fácil" de se demonstrar, e assim  excluiria ainda,   a medicina empírica e visionaria, substituindo-as por especializações mais "seguras" focadas em ataques específicos a doença, ignorando não raras vezes não somente o conjunto fatorial como os diversos caminhos opcionais de tratamento.

Se por um lado os muros seguros do método cientifico (MC), asseguram a eficácia de muitas medidas, por outro lado se despreza e se desprezou milhares de recursos que só mais tarde se revelariam fundamentais para a cura e tratamento  de diversas doenças e aqui, em especial, do câncer. Esta  questão foge a discussão filosófica e  epistemológica quando contabilizamos milhões de sofredores nas camas dos hospitais exatamente agora, e reclamam de cada um de nós  uma posição que nos obriga, caso sejamos minimamente humanos, a uma reforma urgente no "modus operandi" das regras vigentes do trato com a  saúde em geral.

Outro fator que podemos citar, e neste ponto recorremos à perspectiva marxista-materialista de enxergar a realidade, é a tendência da medicina em estar muito atrelada a medicamentos, quando existem tantos tratamentos muito importantes que não incluem o trabalho laboratorial. Este casamento entre industria farmacêutica e médicos, viciou muito a prática médica de curar as pessoas àquilo que daria lucro, são cheques aos médicos "bons de caneta" e pressões negativas ou propineiras  laboratoriais para que estes sigam a risca os interesses do seu programa comercial. Logicamente que nem médicos e nem laboratórios são totalmente comprados por esta norma comercial imponente, mas dificilmente alguém consegue total isenção, ou enxergar alternativas acima da ideologia que foi comercialmente montada em torno de tratamentos.

Ainda me lembro do desabafo do médico anestesista Dr João Alves há 20 anos ao defender em congresso a acupuntura como forma eficaz de anestésico, e recomendar as pessoas mudanças nutricionais em vez de remédios, ele lamentava a pressão dos fabricantes de siringas descartáveis e representantes farmacêuticos lhe ameaçando com perdas de privilégios e oportunidades.

 

Método Científico: Visão crítica

 Por uma época discutia muito isso com  ateus, evolucionistas e agnósticos que transformam o MC em um tipo de aferidor de verdade estreitando o conceito amplo do que é  ciência, como se fosse cientifico apenas aquilo que passasse pelo crivo do MC e se demonstrasse com alto rigor ...Na minha  lista de debatedores também encontrava pessoas cristãs que idolatram a ciência como indexadora da verdade, enfim pessoas que falam a língua secular (deste século) com todas suas vulnerabilidades. Destacava sempre  que o método científico é  falho , limitado e lento e a ciência em sua dependência é como um bebê engatinhando tendo que ser constantemente ajudado pelos pais (Escalas maiores do conhecimento). E que em vários assuntos temos que ter uma visão mais ampla de ciência e não estreitada por rigores as vezes apenas aparentemente responsáveis.

O MC é um monte de critérios sob os quais o cientista deve se submeter pra que se possa descobrir, melhorar, corrigir, descartar. Os mais arrogantes ou convictos conseguem também "concluir"....(sendo pela recomendação científica o não ser absoluto, ou seja , por incrível que pareça, é mais cientifico apenas "crer") o que  se acha que se "sabe" e foi descoberto.

O MC sofre por não ser padrão para todos os objetos de pesquisas, e também por ter difícil adequação a questões que fogem no tempo e espaço, as questões médicas estão quase todas ligadas ao complicadíssimo sistema imunológico, fator em constantes descobertas e mudanças, pois o MC se baseia em coisas observáveis, empíricas, e mensuráveis, daí a gritante diferença entre razão laboratorial , a razão teórica e razões pragmáticas, tanto quanto mais a teoria é requerida, já que a imaginação, os limites científicos, a criatividade, os vicios de pensamentos que carregamos, e todos os elementos ideológicos de hoje tomam cada vez mais espaço na mente do observador.

No ponto observação, temos entravando o MC a teoria da recepção, com toda ideologia que domina a mente "moderna" denunciada como preponderante nos resultados

Não raras vezes, o que percebemos na prática são coisas simples e empíricas que devem ser testadas, melhoradas, aprimoradas, para se "concluir" parcialmente algo..só que a burocracia do MC e sua inadequação deve ser "encarada" e temos que submeter aos seus critérios para podermos ser ouvidos e convalidar muitas vezes teses que na simplicidade se percebe, como demonstra ser  casos como fitoterápicos, psicosomáticos, aculputura,   auto-hemoterapia, etc..

Sentimentalismo Secular - Mania do mito x verdade

 

Quando a Igreja católica foi combatida  na europa pela reforma protestante, iniciou-se um criticismo e racionalismo na mente popular, muitas vezes extremo, tanto teologicamente (surgimento de heresias diversas) tanto cientificamente (se arriscavam novos caminhos de se pensar naturalisticamente (descartando possibilidades sobrenaturais), de forma muito errônea - O que acontece muito hoje.

No caminho teológico tentaria se resolver a tendência de surgimento livre de heresias através de concílios papais e no meio protestante pelo "sola scriptura". No caminho cientifico, a aferição das verdades viria pelo rigor do método cientifico. Esta testabilidade de idéias foi geral , mas curiosamente em países protestantes, a educação , o desenvolvimento e a riqueza teve mais  resultados . Os paises mais ricos e desenvolvidos do planeta são os protestantes, que apesar de sua população e numero ser bastante inferior,  detém 46% dos prêmios nobeis

 

 

 

 

 

 

 

 

 
O Câncer é uma Doença Evitável que Exige Mudanças Importantes no Estilo de Vida.

 

Preetha Anand,1 Ajaikumar B. Kunnumakara,1 Chitra Sundaram,1 Kuzhuvelil B. Harikumar,1 Sheeja T. Tharakan,1 Oiki S. Lai,1 Bokyung Sung,1 and Bharat B. Aggarwal1,2

 

Recebido em 14 de maio de 2008; aceito em 9 de junho de 2008; publicado online em 15 de julho de 2008.

 

Resumo

Este ano, mais de 1 milhão de americanos e mais de 10 milhões de pessoas no mundo é esperado serem diagnosticados com câncer, uma doença que normalmente, crê-se ser evitável. Somente de 5–10% de todos os casos de câncer são atribuídos a defeitos genéticos, considerando que o restante, 90-95%, têm suas raízes no ambiente e estilo de vida. Os fatores do estilo vida incluem fumaça do cigarro, alimentação (frituras, carne vermelha), álcool, exposição solar, poluição ambiental, infecções, estresse, obesidade e sedentarismo. Evidências indicam que de todas as mortes relacionadas com câncer, aproximadamente de 25-30% são devido a infecções. A percentagem restante é de outros fatores ligados a radiação, estresse, atividade física, poluição ambiental, etc. Portanto, a prevenção do câncer requer parar de fumar, aumentar a ingestão de frutas e vegetais, uso moderado de álcool, restrição calórica, exercício, evitar  exposição direta a luz solar,diminuir o consumo de carne, uso de grãos integrais, uso de vacinas e exames regulares. Nesta revisão, apresentamos evidências de a inflamação é o link entre fatores/agentes que causam câncer e os agentes que o previnem. Além disso, damos evidências de que o câncer é uma doença evitável que requer importantes mudanças no estilo de vida.

 

Abstract

This year, more than 1 million Americans and more than 10 million people worldwide are expected to be diagnosed with cancer, a disease commonly believed to be preventable. Only 5–10% of all cancer cases can be attributed to genetic defects, whereas the remaining 90–95% have their roots in the environment and lifestyle. The lifestyle factors include cigarette smoking, diet (fried foods, red meat), alcohol, sun exposure, environmental pollutants, infections, stress, obesity, and physical inactivity. The evidence indicates that of all cancer-related deaths, almost 25–30% are due to tobacco, as many as 30–35% are linked to diet, about 15–20% are due to infections, and the remaining percentage are due to other factors like radiation, stress, physical activity, environmental pollutants etc. Therefore, cancer prevention requires smoking cessation, increased ingestion of fruits and vegetables, moderate use of alcohol, caloric restriction, exercise, avoidance of direct exposure to sunlight, minimal meat consumption, use of whole grains, use of vaccinations, and regular check-ups. In this review, we present evidence that inflammation is the link between the agents/factors that cause cancer and the agents that prevent it. In addition, we provide evidence that cancer is a preventable disease that requires major lifestyle changes.

 

DESCRITORES: Câncer; fatores de risco ambientais; fatores de risco genéticos; prevenção.

 

 

 

INTRODUÇÃO

Depois de ter sequenciado seu próprio genoma, o pesquisador pioneiro do genoma, Craig Venter, fez a seguinte observação à frente da a conferência do século XXI, “A biologia humana é atualmente mais complicada do que se possa imaginar. Todo mundo fala sobre os genes que receberam de seus pais, por um traço ou outro. Mas na verdade, esses genes têm muito pouco impacto sobre os resultados da vida. Nossa biologia é uma estrada tão complicada que se relaciona com centenas de milhares de fatores independentes. Os genes não são absolutamente o nosso destino. Eles podem nos dar informações úteis sobre o risco elevado de uma doença, mas em muitos casos eles não determinarão a causa atual da doença ou a incidência atual de alguém adquiri-la. A maior parte da biologia vem da interação complexa de todas as proteínas e células que trabalham com fatores ambientais, não conduzida diretamente pelo código genético”,

(http://indiatoday.digitaltoday.in/index.php?option=com_content&task=view&isseid=48&id=6022&sectionid=30&Itemid=1).

Esta declaração é muito importante porque analisa o genoma humano como solução para a maioria das doenças crônicas, incluindo diagnóstico, prevenção e tratamento do câncer. Isso é muito enfatizado no mundo atualmente.

Estudos observacionais, contudo, indicam que assim como migramos para um país ou outro, nossas chances de sermos diagnosticados com o máximo de doenças crônicas não é determinado pelo país de onde viemos, mas por aquele do qual migramos 14. Além disso, estudos com gêmeos idênticos sugerem que os genes não são a fonte da maioria das doenças crônicas. Por exemplo, a concordância entre gêmeos idênticos para câncer de mama, descobriu-se ser de apenas 20% 5. Ao contrário de nossos genes, nosso estilo de vida e o ambiente respondem por 90-95% da maioria de nossas doenças crônicas.

O câncer continua a ser um assassino mundial, apesar da enorme quantidade de pesquisa e os rápidos desenvolvimentos vistos durante a década passada. De acordo com estatísticas recentes, o câncer conta com aproximadamente 23 % do total de mortes nos EUA e é a segunda causa mais comum de morte, seguida pelas doenças do coração 6. As mortes relacionadas por doenças do coração, contudo, têm abruptamente diminuído tanto em populações idosas quanto em jovens nos EUA de 1975 até 2002. Em contraste, nenhuma diferença apreciável em taxas de mortes por câncer tem sido observada nos Estados Unidos 6.

Até 2020, espera-se que a população mundial aumente para 7,5 bilhões; deste número, serão diagnosticados aproximadamente 15 milhões de novos casos de câncer e 12 milhões de pacientes com câncer morrerão (7). Esta tendência da incidência de câncer e das taxas de mortalidade faz-nos lembrar novamente do acórdão do Dr. John Bailer, em maio de 1985, no Programa Nacional de Câncer dos EUA como “fracasso qualificado”. O acórdão feito 14 anos após a declaração oficial do presidente Nixon foi a “Guerra contra o Câncer”. Mesmo depois de um quarto de século de extensas pesquisas, pesquisadores ainda estão tentando determinar se o câncer é evitável e se perguntam: “Se ele é evitável, por que estamos perdendo a guerra contra o câncer?” Nesta revisão, tentamos responder esta pergunta analisando os fatores de risco potenciais do câncer e explorar nossas opiniões para modulação destes fatores de risco. O câncer é causado tanto por fatores intrínsecos (como mutações inerentes, hormônios e condições imunológicas) e fatores adquiridos/ambientais (como cigarro, dieta, radiação e organismos infecciosos; Fig 1). A ligação entre dieta e câncer é revelada por uma grande variação de taxas de cânceres específicos em vários países e pela mudança observada na incidência de câncer na migração. Por exemplo, os asiáticos demonstrou-se ter 25 vezes menos incidência de câncer de próstata e dez vezes menos incidência de câncer de mama do que os moradores dos países ocidentais; e as taxas destes cânceres aumenta substancialmente depois que os asiáticos migram para o ocidente.

(http://www.dietandcancerreportorg/?p=ER).

 

Fig. 1 O papel dos genes e do ambiente no desenvolvimento do câncer. A. A contribuição da porcentagem de fatores genéticos e ambientais para o câncer. A contribuição de fatores genéticos e fatores ambientais para risco de câncer é 5-10% e 90-95% (mais ...).

A importância dos fatores do estilo de vida no desenvolvimento do câncer também foi mostrada em estudos de gêmeos monozigóticos 8. Apenas 5-10% de todos os cânceres são devido a um defeito inerente do gene. Vários cânceres que estão ligados a defeitos genéticos são mostrados na Fig. 2. Embora todos eles sejam resultado de mutações múltiplas 910, estas mutações são devido a interação com o meio ambiente 1112.

 

 

Fig. 2

Genes associados com o risco de diferentes cânceres.

 

Estas observações indicam que muitos cânceres não são de origem herdada e que fatores do estilo de vida, como hábitos dietéticos, fumo, ingestão de álcool e infecções, têm uma influência profunda sobre seu desenvolvimento 13. Embora os fatores hereditários não possam ser modificados, os do estilo de vida e ambientais são potencialmente modificáveis. A menor influência hereditária do câncer e a natureza modificável dos fatores ambientais apontam para a previsibilidade do câncer. A importância dos fatores de estilo de vida que afetam a incidência e a mortalidade de câncer inclui tabaco, álcool, dieta, obesidade, agentes infecciosos, poluição ambiental e radiação.

 

FATORES DE RISCO DE CÂNCER

Tabaco

O tabagismo foi identificado em 1964 como a primeira causa de câncer de pulmão no SurgeonGeneral's Advisory Commission Report (http://profiles.nlm.nih.gov/NN/Views/AlphaChron/date/10006/05/01/2008), e desde então, contínuos esforços têm sido feitos para reduzir o uso do tabaco. O uso do cigarro aumenta o risco de desenvolver pelo menos 14 tipos de câncer (Fig. 3). Além disso, ele se relaciona com aproximadamente 25-30% de todas as mortes por câncer e 87% delas por câncer de pulmão. Comparado com os não fumantes, os homens tabagistas têm 23 vezes e as mulheres 17 vezes mais probabilidade em desenvolver câncer de pulmão (http://www.cancer.org/docroot/STT/content/STT_1x_Cancer_Facts_and_Figures_2008.asp accessed on 05/01/2008). Os efeitos carcinogênicos dos fumantes ativos são bem documentados; a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, por exemplo, em 1993 classificou a fumaça do tabaco ambiental (dos fumantes passivos) como um conhecido carcinógeno do pulmão (Grupo A) (http://cfpub2.epa.gov/ncea/cfm/recordisplay.cfm?deid=2835 accessed on 05/01/2008). O tabaco contém pelo menos 50 carcinógenos. Por exemplo, um metabólico do tabaco, epóxido benzopirenóide, tem associação direta com o câncer de pulmão 14. Entre todos os países desenvolvidos considerados como um todo, a prevalência do tabagismo tem declinado lentamente; no entanto, em países desenvolvidos onde 85% da população mundial reside, a prevalência do fumo está aumentando. De acordo com estudos das recentes tendências ao uso do cigarro, os países em desenvolvimento consumirão 71% do tabaco  mundial até 2010, com 80% do aumento desse consumo projetado para o Oriente Asiático (http://www.fao.org/DOCREP/006/Y4956E/Y4956E00.HTM accessed on 01/11/08). O uso acelerado de programas de controle do tabaco, com ênfase nas áreas onde o consumo está aumentando, será a única maneira de reduzir as taxas de mortes de câncer relacionadas ao tabaco.

 

Fig. 3

Cânceres que são ligados ao tabagismo e ao álcool. Percentagens representam a mortalidade de câncer atribuída ao álcool e fumo em homens e mulheres como relatado por Irigaray et al. (veja 13).

 

De que forma o fumo contribui para o câncer não é totalmente compreendido. Sabemos que o fumo pode alterar um grande número de vias de sinalização de células. Resultados de estudos em nosso grupo estabeleceram uma ligação entre a fumaça de cigarro e a inflamação. Especificamente, mostramos que a fumaça de cigarro pode induzir a ativação do NF-κB, como marcador inflamatório15,16. Com isso, agentes anti-inflamatórios que podem suprimir a ativação do NF-κB podem ter aplicações potenciais contra a fumaça do cigarro. Também mostramos que a curcumina, derivado dos temperos da dieta turmérica, pode bloquear a indução do NF-κB da fumaça do cigarro 15. Além da curcumina, descobrimos que muitos fitoquímicos naturais também inibem o NF-κB induzido por vários carcinógenos 17. Portanto, os efeitos carcinogênicos do tabaco parecem ser reduzidos por estes agentes dietéticos. Uma discussão mais detalhada de agentes dietéticos que podem bloquear a inflamação e, assim, prover efeitos quimopreventivos são apresentados na seção seguinte.

 

Álcool

O primeiro relato da associação entre álcool e um risco elevado de câncer de esôfago foi publicado em 1910 18. Desde então, uma variedade de estudos têm revelado que o consumo crônico de álcool é um fator de risco para cânceres do trato digestivo superior, incluindo cânceres da cavidade oral, faringe, hipofaringe, laringe e esôfago 1821, assim como para cânceres do fígado, pâncreas, boca e mama (Fig. 3). Williams e Horn 22, por exemplo, relataram um risco elevado de câncer de mama por causa do álcool. Em contrapartida, um grupo colaborativo que estudou fatores hormonais no câncer de mama publicou suas descobertas de uma re-análise em mais de 80% de estudos epidemiológicos individuais que foram conduzidos no mundo sobre a associação entre álcool e o risco de câncer de mama em mulheres. Sua análise mostrou um aumento do risco relativo do câncer de mama de 7,1% para cada 10 g/dia adicional de ingestão de álcool 23. Outro estudo, Longnecker et al., 24 demonstrou que 4% de todos os novos casos de câncer de mama nos EUA são devido ao uso de álcool. Além de ser um risco para câncer de mama, a ingestão abusiva de álcool (mais de 50-70 g/dia) é um fator de risco bem estabelecido para os cânceres de fígado e colo-retal 26,27.

Há também evidência de um efeito sinérgico entre a ingestão abusiva de álcool e o vírus da hepatite C (HCV) ou da hepatite B (HBV), que provavelmente aumenta o risco de carcinoma hepatocelular (HCC) por promover cirrose de forma ativa. Por exemplo, Donato et al28 relatou que entre os bebedores de álcool, o risco de HCC aumenta linearmente com uma ingestão diária de mais de 60 g. Contudo, com a presença concomitante da infecção  do HCV, o risco de HCC foi duas vezes maior do que a observada com o uso isolado (ou seja, um efeito sinérgico positivo). A relação entre álcool e inflamação foi também estabelecido, especialmente em termos da inflamação do fígado induzido por álcool.

Como o álcool participa na carcinogênese não está totalmente compreendido, mas o etanol pode assumir o papel 29. Especificamente, quando o etanol é metabolizado, acetaldeído e radicais livres são produzidos; acredita-se que os radicais livres sejam predominantemente responsáveis pela carcinogênese associada ao álcool através de sua ligação com DNA e proteínas, as quais destroem o folato resultando em hiper proliferação secundária. Outros mecanismos pelos quais o álcool estimula a carcinogênese incluem a indução do citocromo P-4502E1, o qual está associado ao aumento da produção de radicais livres e na ativação de vários pró-carcinógenos presentes em bebidas alcoólicas; uma mudança no metabolismo e na distribuição de carcinógenos, em associação com a fumaça do cigarro e dieta; alterações no comportamento do ciclo celular, tal como a duração, levando a hiperproliferação; deficiências nutricionais, por exemplo, de metila, vitamina E, folato, fosfato de piridoxal, zinco e selênio e alterações do sistema imunológico. Lesão tissular, como a que ocorre na cirrose hepática, é um importante pré-requisito para o HCC. Além disso, o álcool pode ativar o trajeto do pró-inflamatório NF-κB 30, que também pode contribuir para a tumorogênese 31. Além disso, mostrou-se que o benzopireno, um carcinógeno da fumaça do cigarro, pode penetrar o esôfago quando combinado com o etanol 32. Portanto, os agentes anti-inflamatórios podem ser efetivos para o tratamento da toxicidade induzida pelo álcool.

No trato digestivo superior, 25-68% dos cânceres são atribuídos ao álcool e mais de 80% desses tumores podem ser prevenidos pela abstinência do álcool e fumo 33. Globalmente, a fração atribuível às mortes de câncer devida a bebida alcoólica é informada ser de 3,5% 34. O número de mortes de câncer que se sabe estar relacionada ao consumo de álcool nos EUA poderia ser menor que 6% (como em Utah) ou maior que 25% (como em Porto Rico). Estes números variam de país para país, e na França tem uma freqüência Ed 20% nos homens 18.

 

Dieta

Em 1981, Doll e Peto 21 estimaram que aproximadamente 30-35% das mortes de câncer nos EUA estão ligadas à dieta (Fig. 4). A dimensão com que a dieta participa nas mortes de câncer varia em grande modo, de acordo com o tipo de câncer 35. Por exemplo, a dieta está ligada às mortes de câncer em muitos dos 70% dos casos de câncer cólon-retal. Como a dieta contribui para o câncer não está totalmente compreendida. Muitos carcinógenos que são ingeridos, como os nitratos, nitrosaminas, pesticidas e dioxinas, provêm dos alimentos,  aditivos ou do cozimento.

 

Fig. 4

Mortes de câncer (%) ligadas à dieta relatado por Willett (veja 35).

 

Consumo intenso de carne vermelha é um fator de risco para muitos cânceres, especialmente àqueles do trato gastrointestinal, mas também do cólon-retal 3638, próstata 39, bexiga 40, mama 41, gástrico 42, pancreático e oral 43. Embora um estudo de Dosil-Diazet al., 44 tenha mostrado que o consumo de carne vermelha reduziu o risco de câncer de pulmão, esse consumo geralmente está relacionado a um risco para câncer pela seguinte razão: as aminas heterocíclicas produzidas durante o cozimento da carne são carcinogênicas. Assar carne com carvão e/ou com a cura da fumaça produz componentes carbonados prejudiciais como pirolisatos e aminoácidos, que têm um forte efeito cancerígeno. Por exemplo, o PhIP (2-amino-1-metil-6-fenil-imidazo[4,5-b]piridino) é o mutagênico mais abundante por massa no cozimento do bife e é o responsável por ~20% da mutagenicidade total encontrada em bifes fritos. A ingestão diária de PhIP entre americanos é estimado entre 280-460ng/dia por pessoa 45.

Nitritos e nitratos são usados na carne porque eles ligam a mioglobina, inibindo a produção da exotoxina botulínica; contudo, eles são carcinógenos poderosos 46. Exposição em longo prazo a aditivos alimentares como conservantes nitritos e tinturas a base de azo estão associados à indução da carcinogênese 47. Além disso, o bisfenol das vasilhas plásticas no armazenamento de alimentos pode ser transferido para o alimento e aumentar o risco de câncer de mama 48 e próstata 49. A ingestão de arsênico pode aumentar o risco de câncer de bexiga, rim, fígado e pulmão 50. Os ácidos graxos saturados, gordura saturada, açúcares e farinhas refinadas presentes em muitos alimentos também têm sido associados a vários cânceres. Muitos alimentos carcinógenos demonstraram-se ativar a via inflamatória.

 

Obesidade

De acordo com um estudo da Sociedade Americana de Câncer 51, a obesidade está associada com um aumento da mortalidade dos cânceres de cólon, mama (em mulheres menopausadas), endométrio, rins (célula renal), esôfago (adenocarcinoma), cárdia gástrico, pâncreas, próstata, vesícula biliar e fígado (Fig. 5). Descobertas deste estudo sugerem que de todas as mortes de câncer nos Estados Unidos, 14% nos homens e 20% nas mulheres são atribuídas ao excesso de peso ou obesidade. Um aumento na modernização e uma dieta e estilo de ocidentalizado são associados com uma elevação da prevalência das pessoas com sobre peso em muitos países desenvolvidos 52.

 

 

 

 

Fig. 5

Vários cânceres que estão ligados à obesidade. Nos EUA o sobre peso e a obesidade pode ser o responsável por 14% de todas as mortes de câncer nos homens e 20% daquelas nas mulheres (veja 51).

 

Estudos mostraram que o denominador comum entre obesidade e câncer inclui neuroquímicos; hormônios como Fator de Crescimento Semelhante da Insulina 1 (IGF-1), insulina, leptina; esteróides sexuais; adiposidade; resistência à insulina e inflamação53.

Envolvimento de vias de sinalização como a da IGF/insulina/Akt, a via leptina/JAK/STAT e outras cascatas inflamatórias estão ligadas tanto à obesidade quanto ao câncer 53. Por exemplo, a hiperglicemia, demonstrou-se ativar a NF-κB 54, a qual poderia ligar a obesidade com câncer. Sabe-se também que para ativar o NF-κB são produzidas muitas citoquinas por adipócitos, como a leptina, fator de necrose tumoral (TNF) e interleucina-1 (IL-1) 55. Balanço energético e carcinogênese estão intimamente ligados 53. Porém, se os inibidores destas cascatas de sinalização podem reduzir o risco de câncer relacionado à obesidade continua sem resposta. Por causa do envolvimento de múltiplas vias de sinalização, um agente potencial multisegmentado seria provavelmente necessário para reduzir o risco de câncer relacionado à obesidade.

 

Agentes Infecciosos

Em todo o mundo, estima-se que 17,8% das neoplasias estão associadas com infecções; esta percentagem varia de menos de 10% em países de renda elevada a 25% nos países africanos 5657. Os vírus respondem pela maioria das infecções que causam câncer (Fig. 6). O Papiloma vírus, vírus Epstein Barr, herpes vírus associado ao sarcoma de Kaposi, vírus linfotrópico-T humano 1, HIV, HBV e HCV estão associados com riscos para câncer cervical, ano genital, pele, nasofaringe, linfoma de Burkitt, linfoma de Hodgkin, sarcoma de Kaposi, leucemia de célula T adulta, linfoma de célula B e câncer de fígado.

 

 

Fig. 6

Vários cânceres estão ligados à infecção. A estimativa total de infecção atribuída ao câncer no ano de 2002 foi de 17,8% de todo o ônus do câncer global. Os agentes infecciosos associados com cada tipo de câncer é mostrado em parêntesesHPV humano  (mais ...)

 

Nos países desenvolvidos do ocidente, o papiloma vírus humano e o HBV são os mais frequentemente encontrados como viroses oncogênicas do DNA. O papiloma vírus humano é diretamente mutagênico por induzir os genes E6 e E7 viral 58, ao passo que o HBV acredita-se ser mutagênico indireto por gerar espécies reativas ao oxigênio através da inflamação crônica 5961. O vírus linfotrópíco T humano é mutagênico direto, enquanto que o HCV (assim como o HBV) crê-se que produza estresse oxidativo em células infectadas e, assim, atuem de forma indireta por intermédio da inflamação crônica 6263.

Contudo, outros microorganismos, inclusive parasitas selecionados como Opisthorchis viverrini ou Schistosoma haematobium e bactérias como o Helicobacter pylori, também podem estar envolvidos, agindo como co-fatores e /ou carcinógenos 64.

Os mecanismos pelos quais os agentes infecciosos promovem o câncer estão se tornando cada vez mais evidentes. Inflamação relacionada à infecção é o principal fator de risco para câncer, e quase todas as viroses ligadas ao câncer mostraram-se ativar o marcador inflamatório NF-κB 65. Semelhantemente, componentes do Helicobacter pylori ativou o NF-κB 66. Portanto, agentes que possam bloquear a inflamação crônica deveriam ser efetivos em tratar estas condições.

 

 

 

Poluição Ambiental

A poluição ambiental tem sido ligada a vários cânceres (Fig. 7). Isto inclui poluição atmosférica externa por partículas de carbono associadas com hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (PAHs); poluição atmosférica interna pela fumaça do cigarro, formaldeído e componentes orgânicos voláteis como benzeno 1,3-butadieno (que podem afetar particularmente as crianças); poluição de alimentos através de aditivos e por contaminantes carcinogênicos como nitrato, pesticidas, dioxinas e outros organoclorinas; metais carcinogênicos e metalóides; remédio de farmácia e cosméticos 64.

 

 

Fig. 7

Vários cânceres estão ligados a carcinógenos ambientais. Os carcinógenos ligados a cada câncer é mostrado no quadro ao lado (veja 64).

 

Inúmeros poluentes atmosféricos externos como o PAHs aumentam o risco de câncer, especialmente o de pulmão. Os PAHs podem se aderir a finas partículas de carbono da atmosfera e depois penetrar em nosso organismo, principalmente, através da respiração. Exposição prolongada ao PAHs presente nas cidades poluídas foi encontrado em mortes de câncer de pulmão. Ao lado do PAHs e outras finas partículas de carbono, mais um poluente ambiental, o óxido nítrico, sabe-se que aumenta o risco de câncer de pulmão nas populações de não fumantes na Europa. Outros estudos mostram que o óxido nítrico pode induzir ao câncer de pulmão e promover metástases. O risco elevado de leucemia em crianças associado com exposição à fumaça do escapamento de veículos motorizados, como compostos orgânicos voláteis e pesticidas aumentam o risco de leucemia infantil, e crianças tanto quanto os adultos expostos aos pesticidas têm um risco aumentado de tumores do cérebro, tumor de Wilms, sarcoma de Ewing e tumor de células germinativas. Intra-útero a exposição ambiental a poluentes orgânicos se relaciona com o aumento do risco para câncer de testículo. Além disso, o dioxano, um poluente ambiental de incineradores, sabe-se que eleva o risco de sarcoma e linfoma. A exposição prolongada a bebidas cloradas foi associada ao risco aumentado de câncer. Nitratos, em água potável, podem transformar os componentes mutagênicos N-nitrosos, os quais elevam o risco de linfoma, leucemia, cólon-retal e de bexiga 64.

 

Radiação

Mais de 10% do total de todos os casos de câncer podem ser induzidos pela radiação 64, tanto a ionizante quanto a não ionizante, tipicamente de substância radioativa e ultravioleta (UV), campos eletromagnéticos pulsantes. A indução de câncer pela radiação inclui alguns tipos de leucemia, linfoma, câncer da tireóide, câncer de pele, sarcomas, carcinomas de pulmão e mama. Um dos melhores exemplos de risco elevado de câncer após a exposição à radiação é o aumento da incidência de neoplasias observadas na Suécia depois da exposição radioativa no vazamento da fábrica energia nuclear em Chernobyl. Rádon ou radônio deteriora os produtos em casa e/ou locais de trabalho (como minas) são as fontes mais comuns de exposição à radiação ionizante. A presença de núcleo radioativo de radônio, rádio e urânio sabe-se que aumenta o risco de câncer gástrico em ratos. Outra fonte de exposição à radiação é o Raio-X usado em ambiente hospitalar para diagnóstico ou para fins terapêuticos. Na realidade, o risco de câncer de mama por Raio-x é mais alto entre as moças expostas a radiografia de tórax na puberdade, época de intenso desenvolvimento da mama. Outros fatores associados com cânceres induzidos pela radiação em humanos são a idade do paciente e estado fisiológico, interações sinérgicas entre radiação e carcinógenos, e a suscetibilidade genética diante da radiação. A radiação não ionizante deriva principalmente da luz solar inclusive os raios UV, os quais são carcinogênicos para os seres humanos. Exposição à radiação UV é o principal risco para vários tipos de câncer de pele inclusive o carcinoma baso-celular, carcinoma de células escamosas e melanoma. Junto com a exposição ao UV solar, expor-se em câmaras de bronzeamento artificial com finalidade cosmética pode estar relacionado ao aumento da incidência de melanoma. A deterioração da camada de ozônio na estratosfera pode ampliar a intensidade da dose de UVB e UVC, os quais podem intensificar o aumento da incidência de câncer de pele.

Campos eletromagnéticos de baixa freqüência podem causar lesão clastogênica do DNA. As fontes dos campos eletromagnéticos estão nas linhas de transmissão de alta voltagem, transformadores, trens elétricos e mais comumente, todos os tipos de equipamentos elétricos. Um risco elevado de cânceres como a leucemia infantil, tumores cerebrais e câncer de mama foi atribuído à exposição de campo eletromagnético. Por exemplo, crianças que vivem a 200 m das linhas de transmissão têm um risco relativo de leucemia de 69% comparado com aquelas que vivem entre 200 a 600 m destas linhas de transmissão, as quais têm um risco relativo de 23%. Além disso, uma recente meta-análise de todos os dados epidemiológicos disponíveis mostrou que um uso prolongado diário a telefone celular, por 10 anos ou mais, mostrou um padrão consistente de alto risco para tumores cerebrais 64.

 

PREVENÇÃO DO CÂNCER

O fato de que apenas 5-10% de todos os casos de câncer estão relacionados a defeitos genéticos e os demais, 90-95%, é devido ao ambiente e ao estilo de vida provêem oportunidades importantes para a prevenção do câncer. Pelo fato do cigarro, dieta, infecção, obesidade e outros fatores contribuírem em torno de 30%, 30–35%, 15–20%, 10–20%, e 10–15%, respectivamente, para a incidência de todas as mortes de câncer nos EUA, evidencia que podemos preveni-lo. Quase 90% dos pacientes diagnosticados com câncer de pulmão são fumantes; e a fumaça do cigarro combinado com a ingestão de álcool pode, de forma sinérgica, contribuir para a tumorogênese. Semelhantemente, os cigarros sem fumaça são responsáveis por 400.000 casos (4% do total) de câncer oral no mundo. Portanto, evitar produtos com tabaco e minimizar o consumo de álcool teria um efeito importante sobre a incidência de câncer.

Infecções por várias bactérias e vírus (Fig. 6) é outra causa muito proeminente de vários cânceres. Vacina para câncer cervical e HCC deveria ajudar a prevenir alguns destes, além de um ambiente limpo e modificação de hábitos do estilo de vida seria mais útil na prevenção de câncer causado por infecção. O primeiro agente quimiopreventivo aprovado pelo FDA foi o Tamoxifeno, pois reduzia o risco de câncer de mama. Este agente se descobriu reduzir a incidência de câncer de mama em 50% das mulheres com alto risco. Com o tamoxifeno, há um risco elevado de efeitos colaterais como câncer uterino, trombose, distúrbios oculares, hipercalcemia e derrame (http://www.fda.gov/cder/foi/appletter/1998/17970s40.pdf). Recentemente foi mostrado que uma droga para osteoporose, raloxifeno, é tão efetivo quanto o tamoxifeno na prevenção positiva no receptor de estrogênio, o câncer de mama invasivo, mas tem menor efeito colateral que o tamoxifeno. Embora ele seja melhor que o tamoxifeno com relação aos efeitos colaterais ele pode causar trombose e derrame. Outro efeito colateral potente do raloxifeno inclui fogachos, cãibras das pernas, edema de membros inferiores e pés, sintomas semelhantes a gripe, dor articular e sudorese (http://www.fda.gov/bbs/topics/NEWS/2007/NEW01698.html).

O segundo agente quimiopreventivo que chegou à clínica foi a finasterida, para câncer de próstata, que se descobriu reduzir a incidência em 25% em homens com alto risco. Os efeitos colaterais reconhecidos deste agente incluem disfunção erétil, diminuição do desejo sexual, impotência e ginecomastia (http://www.cancer.org/docroot/cri/content/cri_2_4_2x_can_prostate_cancer_be_prevented_36.asp). Celecoxibe, um inibidor da COX-2 é outro agente aprovado para prevenção da polipose familiar adenomatosa (PAF). Contudo, o benefício do celecoxibe é a custa de seus graves danos cardiovasculares (http://www.fda.gov/cder/drug/infopage/cox2/NSAIDdecisionMemo.pdf). Os graves efeitos colaterais das drogas quimiopreventivas, aprovados pelo FDA, é um tema de particular interesse quando se considera sua administração prolongada à saúde das pessoas que podem ou não desenvolver câncer. Isto indica claramente a necessidade de agentes, que sejam seguros e eficientes na prevenção de câncer. A dieta oriunda de produtos naturais seriam candidatos em potencial para este propósito.

Dieta, obesidade e síndrome metabólica estão intimamente ligados a vários cânceres e podem estar relacionados com mais de 30-35% das mortes de câncer, indicando que uma fração razoável dessas mortes poderiam ser prevenidas pela mudança da dieta. Pesquisas abarcantes revelaram que uma dieta constituída por frutas, vegetais, ervas e grãos têm potencial para prevenir câncer (Fig. 8). As substâncias específicas nestes alimentos dietéticos são responsáveis na prevenção do câncer e os mecanismos pelos quais eles realizam isto também foram extensivamente examinados. Vários fitoquímicos foram identificados nas frutas, vegetais, temperos e grãos que exibem potencial quimiopreventivo (Fig. 9). Numerosos estudos têm mostrado que uma dieta adequada pode ajudar a proteger contra o câncer 466769. Abaixo há uma descrição de agentes alimentares adequados e fitoquímicos derivados da dieta para determinar seu papel na prevenção do câncer.

 

 

Fig. 8

Frutas, vegetais, temperos, condimentos e cereais com potencial para prevenir câncer. As frutas incluídas são: 1 maçã, 2damasco, 3 banana, 4 amora silvestre 5 cereja, 6 frutas cítricas, 7 sobremesa de tâmara, 8 durian, 9 uvas, 10 goiaba, 11 framboesa indiana, 12 manga, 13 (mais ...)

 

 

 

Fig. 9

Fitoquímicos derivados de frutas, vegetais, temperos, condimentos e cereais com potencial para prevenir câncer. 1 diosgenina, 2glicerizina, 3 ácido glicerritínico, 4 18-β-ácido glicerritínico, 5 oleandro, 6 ácido oleanólico, 7 ácido betulínico, (mais ...)

 

Frutas e vegetais

O papel protetor de frutas e vegetais contra cânceres que ocorrem em vários sítios anatômicos é agora bem apoiado 46,69. Em 1996, Wattenberg 70 propôs, pela primeira vez, que o consumo regular de certos constituintes em frutas e vegetais pode fornecer proteção para o câncer. Doll e Peto 21 mostraram que de 75-80% dos casos de câncer diagnosticados nos EUA em 1981, poderiam ter sido evitados pela mudança no estilo de vida. De acordo com estimativa de 1997, aproximadamente 30-40% dos casos de câncer mundial são evitáveis por mudanças dietéticas exequíveis (http://www.dietandcancerreportorg/?p=ER). Muitos estudos relacionam o câncer com os efeitos quimiopreventivos dos compostos ativos derivados das frutas e vegetais

Mais de 25.000 diferentes fitoquímicos foram identificados possuindo potencial contra vários cânceres. Estes fitoquímicos têm vantagens porque eles são seguros e normalmente atingem múltiplas vias sinalizadoras de células 71. Os principais componentes identificados das frutas e vegetais incluem os carotenóides, vitaminas, resveratrol, quercetina, silimarina, sulforane e indol-3-carbinol.

 

Carotenóides

Vários carotenóides naturais presentes nas frutas e vegetais foram descritos possuírem atividade anti-inflamatória e anti-carcinogênica. O licopeno é um dos principais carotenóides na dieta regional do Mediterrâneo além de contar com 50% dos carotenóides do soro humano. O licopeno está presente nas frutas, incluindo melancia, damasco, goiaba rosa, toronja, rosa mosqueta e tomates. Uma grande variedade de produtos baseados em tomates processados possui mais de 85% do licopeno da dieta. A atividade anti-câncer do licopeno foi demonstrado em modelos de tumores tanto in vivo quanto in vitro, assim como em humanos. Os mecanismos propostos para os efeitos anti-câncer do licopeno envolvem moléculas degradadoras de ROS (espécies reativas ao oxigênio), regulação positiva dos sistemas de desintoxicação, interferência com proliferação celular, indução da comunicação das junções tipo gap, inibição da progressão do ciclo celular e modulação da via de transdução de sinal. Outros carotenóides relacionados à atividade anti-câncer incluem: beta-carotenóide, alfa-caroteno, luteína, zeaxantina, beta-criptoxantina, fucoxantina, astaxantina, capsantina, crocetina e o fitoeno72.

 

Resveratrol

O estilbeno resveratrol foi encontrado em frutas como uva, amendoins e bagas. O resveratrol exibe propriedades anti-câncer contra uma grande variedade de tumores, incluindo o câncer linfóide  e mielóide, múltiplos mielomas e cânceres de mama, próstata, estômago, cólon e pâncreas. Os efeitos inibidores de crescimento do resveratrol são mediados pelo controle do ciclo celular; indução de apoptose via Fas/CD95, p53, ativação de ceramida, polimerização da tubulina, via adenil-ciclase e mitocondrial; regulação positiva dop21 p53 e Bax; infra-regulação da survivina, ciclina D1, ciclina E, Bcl-2, Bcl-xL, e inibidor celular da apoptose de proteínas; ativação das caspases; supressão da síntese óxido nítrico; supressão da transcrição de fatores tais como NF-κB, AP-1, e precocemente à resposta-1 de crescimento; inibição da ciclo-oxigenase-2 (COX-2) e lipoxigenase; supressão da adesão de moléculas e inibição da angiogênese, invasão e metástase. Dados restritos a humanos revelam que o resveratrol é farmacologicamente seguro. Sendo um nutriente celular, o resveratrol está disponível comercialmente nos EUA e Europa na dosagem de 50 µg a 60 mg. Atualmente, análogos estruturais do resveratrol com melhora da biodisponibilidade são procurados como potenciais agentes quimopreventivos e terapêuticos para o câncer73.

 

 

Quercetina

A quercetina flavona (3,3′,4′,5,7-penta-hidróxi-flavona) um dos principais flavonóides da dieta, é encontrado numa grande variedade de frutas, vegetais e bebidas como o chá e o vinho. Sua ingestão diária nos países ocidentais é de 25-30 mg. Os efeitos anti-oxidantes, anti-inflamatórios, anti-proliferativos e apoptóticos da molécula têm sido amplamente analisado em modelos de cultura de células; ele é reconhecido por bloquear a ativação do NF-κB. Em modelos animais, a quercetina demonstrou-se inibir a inflamação e prevenir o câncer de cólon e pulmão. Uma primeira fase clínica de testes indicou que a molécula pode ser administrada com segurança e de que os níveis plasmáticos são suficientes para inibir a atividade linfocítica da tirosina quinase. O consumo de quercetina em cebolas e maçãs sabe-se que é inversamente proporcional ao risco de câncer de pulmão no Havaí. O efeito das cebolas foi particularmente forte contra o carcinoma de células escamosas. Outro estudo acompanhou uma elevação do nível plasmático de quercetina após uma refeição de cebolas por aumento da resistência à quebra na cadeia no DNA linfocítico e pela diminuição dos níveis de alguns metabólitos oxidativos na urina 74.

 

Silimarina

O flavonóide silimarina (silibina, isosilibina, silicristina, silidianina e taxifolina) é normalmente encontrado na fruta seca da plantamilk thistle Silybum marianum. Embora o papel da silimarina como agente anti-oxidante e hepato protetor sejam bem conhecidos sua ação como agente anti cancerígeno está emergindo. Os efeitos anti-inflamatórios da silimarina são mediados através da supressão dos produtos dos genes regulado pelo NF-κB, inclusive o COX-2, lipoxigenase (LOX), indutor da síntese do NO, TNF e IL-1. Vários estudos têm indicado que a silimarina é um agente quimiopreventivo in vivo contra vários promotores tumor/carcinógeno, incluindo a luz UV, 7,12 dimetilbenzeno(a)antraceno (DMBA), forbol 12- myristate 13-acetato e outros. A silimarina também se mostrou sensível à baixa regulação da proteína MDR (drogas multi resistentes) e outros mecanismos. Ela se liga tanto aos receptores de estrogênio quanto de androgênio e a baixa regulação do antígeno prostático específico. Em acréscimo aos seus efeitos quimopreventivos, a silimarina apresenta atividade contra tumores (ex. próstata e ovários) em camundongos. Vários ensaios clínicos indicaram que a silimarina é biodisponível e farmacologicamente segura. Estudos estão agora em progresso para demonstrar a eficácia clínica da silimarina contra vários cânceres 75.

 

Indol-3-carbinol

O flavonóide indol-3-carbinol (I3C) está presente em vegetais como repolho, brócoli, couve-de-bruxelas, ouve-flor, e alcachofra rábano. O produto da hidrólise do I3C metaboliza uma variedade de produtos, inclusive o polímero 3,3′-diindolmetano. Tanto o I3C quanto o 3,3′-diindolmetano exercem uma gama de efeitos biológico e bioquímico, muitos dos quais parecem ocorrer porque o I3C modula muito os fatores de transcrição nuclear. A fase 1 do I3C induz as enzimas da fase 2 que metabolizam carcinógenos, inclusive estrógenos. O I3C também parece ser efetivo no tratamento de alguns casos de papilomatose respiratória recorrente e pode ter outros usos clínicos 76.

 

Sulforane

O sulforane (SFN) é um isotiocianato encontrado em vegetais crucíferos como o brócolis. Seus efeitos quimopreventivos foram estabelecidos em estudos in vitro e in vivo. O mecanismo de ação do SFN inclui a inibição da fase de enzimas, indução da fase 2 e desintoxicação carcinogênica, controle do ciclo celular, indução da apoptose, inibição de histona deacetilase, modulação da via do (MAPK= Proteína Cinase Ativada por Mitógeno), inibição do NF-κB e  produção de ROS. Estudos pré-clínicos e clínicos deste composto sugerem seus efeitos quimopreventivos em muitos estágios da carcinogênese. Em um teste clínico, o SFN foi dado a oito mulheres saudáveis uma hora antes delas se submeterem a uma redução cirúrgica da mama. Indução em NAD(P)H/quinona oxidoredutase e heme oxigenase-1 foi observada no tecido mamário de todas as pacientes, indicando o efeito anti-câncer da SFN 77.

 

Chás e Ervas

Ervas são usadas em todo o mundo para acrescentar sabor, gosto e valor nutricional aos alimentos. Um grupo cada vez maior de pesquisadores tem demonstrado que fitoquímicos como as catequinas (chá verde), curcumina (turmeric), dialil-dissulfide (alho), timoquinona (cominho preto), capsaicina (pimenta vermelha), gingerol (gengibre), anatol (alcaçuz), diosgenin (feno grego) e eugenol (cravo-da-índia, canela) possuem potenciais terapêuticos e preventivos contra cânceres de várias origens anatômicas. Outros fitoquímicos com este potencial incluem o ácido elágico (cravo-da-índia), ácido fenólico (erva-doce, mostarda, gergelim), apigenina (coentro, salsinha), ácido betulínico (alecrim), quempferol (cravo-da-índia, feno grego), sesamin (gergelim) piperina (pimenta preta), limoneno (alecrim) e o ácido gambógico (brindoeiro). Abaixo está uma descrição de alguns fitoquímicos importantes associados ao câncer.

 

Catequinas

Mais de 3000 estudos têm mostrado que as catequinas derivadas dos chás verdes e pretos têm potencial contra vários tipos de cânceres. Uma quantidade limitada de dados também estão disponíveis em testes para a quimioprevenção do polifenol do chá verde. Testes na fase 1 em voluntários saudáveis definiram os padrões de biodistribuição básicos, parâmetros farmacocinéticos e perfis de segurança preliminares para a administração oral a curto prazo de preparações de vários chá verdes. O consumo de chá verde parece ser relativamente seguro. Entre os pacientes com condições pré-malignas estabelecidas, derivados do chá verde demonstraram potencial eficácia contra neoplasias cervical, próstata e hepática sem produzir importantes efeitos tóxicos. Um estudo recente determinou que até pessoas com tumores sólidos poderia consumir, com segurança, 1g de chá verde sólido, o que equivale a aproximadamente 900 ml de chá, três vezes ao dia. Esta observação apóia o uso de chá verde tanto para a prevenção quanto para o tratamento de câncer 78.

 

Curcumina

 A curcumina é um dos componentes isolados mais exaustivamente estudados das fontes dietéticas na inibição da inflamação e quimioprevenção de câncer, como indicado por quase 3000 estudos publicados. Estudos em nosso laboratório mostraram que a curcumina inibiu o fator NF-κB e a expressão do gene regulador da NF-κB em várias linhas celulares de câncer. Estudos in vitro e in vivo mostrou que este fitoquímico inibiu a inflamação e carcinogênese em modelos animais, incluindo modelos de câncer de mama, esôfago, estômago e cólon. Outros estudos mostraram que a curcumina inibe proctite ulcerativa e a doença de Crohn; e um deles demonstrou que a curcumina inibiu a colite ulcerativa em humanos. Outro estudo avaliou o efeito de uma combinação de curcumina e piperina em pacientes com pancreatite tropical. Um estudo conduzido em pacientes com polipose adenomatosa familiar mostrou que a curcumina tem um papel potencial na inibição desta condição. Nesse estudo, todos os cinco pacientes foram tratados com curcumina e quercetina por um tempo mínimo de seis meses apresentando uma diminuição do número (60,4%) e do tamanho (50,9%) de pólipos com um patamar de efeitos adversos mínimos e nenhuma anormalidade determinada em laboratório.

O efeito farmacodinâmico e farmacocinético do extrato oral de Curcuma em pacientes com câncer cólon retal também foi estudado. Num estudo de pacientes com avançado câncer cólon retal refratário a quimioterapia padrão, 15 pacientes receberam extrato de Curcuma diariamente por mais de 4 meses. Os resultados mostraram que o extrato oral de Curcuma foi bem tolerado e não foram observados efeitos tóxicos limitados a dose. Outro estudo demonstrou que em pacientes com avançado estado de câncer cólon retal, uma dose diária de 3,6 g de curcumina proporcionou uma diminuição de 62% na indução de produção da prostaglandina E2 no primeiro dia e uma diminuição de 57% no 29º dia em amostras de sangue colhidas 1 hora após a administração da dose.

Num teste clínico recente com 62 pacientes apresentando lesões cancerosas externas em vários locais (mama, 37; vulva, 4; boca, 7; pele 7 e outros, 11), descreveu-se uma redução no odor (90% dos pacientes), prurido (quase todos), tamanho da lesão e dor (10% dos pacientes) e exsudatos (79% dos pacientes) após aplicação tópica de um ungüento contendo curcumina. Na primeira fase do teste, uma dose diária de 8000 mg de curcumina ingerido por 3 meses resultou em melhora das lesões histológicas pré-malignas em pacientes com neoplasia cervical intra-epitelial uterina (um  de quatro dos pacientes), metaplasia intestinal (um de seis pacientes), câncer de bexiga (um de dois pacientes) e leucoplasia oral (dois de sete pacientes).

Resultados de outro estudo conduzido por nosso grupo mostrou que a curcumina inibiu a ativação constitutiva do NF-κB, COX-2 e STAT3 em células mononucleares do sangue periférico de 29 pacientes com mieloma múltiplo envolvidos nesse estudo. A curcumina foi dada em doses de 2, 4, 8 ou 12 g/dia via oral. O tratamento com curcumina foi bem tolerado sem nenhum efeito adverso. Dos 29 pacientes, 12 receberam tratamento por 12 semanas e 5 completaram 1 ano de tratamento com a doença estável. Outros estudos de nosso grupo mostraram que a curcumina inibiu o câncer pancreático. A curcumina diminui a resposta da expressão do NF-κB, COX-2, e STAT3 fosforilado em células moleculares do sangue periférico (muitos dos quais têm níveis basais consideravelmente elevados mais do que os encontrados em voluntários saudáveis). Estes estudos demonstraram que a curcumina é um potente agente antiinflamatório e quimiopreventivo. Uma descrição detalhada da curcumina e de suas propriedades anti-câncer podem ser encontradas em uma de nossas revisões recentes 79.

 

Dialil sulfito

O dialil sulfito, isolado do alho, inibe o crescimento e a proliferação de uma série de células cancerosas incluindo a linhagem celular do cólon, mama, glioblastoma, melanoma e neuroblastoma. Estudos recentes mostraram que este composto induz a apoptose em células de câncer de cólon (Colo 320 DM) humana pela inibição da COX-2, NF-κB e ERK-2. Foi demonstrado inibir vários cânceres inclusive o de cólon induzido pela dimetil hidrazina, neoplasia induzida pelo benzopireno e glutatione S-transferase atividade em roedores; benzopireno indutor de câncer de pele em ratos; N-nitro metilbenzamida, induz ao câncer de esôfago em ratos; N-nitrosodietilamina – induz à neoplasia no pré-estômago em fêmeas de roedores; ácido aristolóquio – induz a carcinogênese em ratos; dietil nitrosamina – induzido pela glutatione S-transferase foco positivo em fígado de rato; 2-amino-3-metil-imidazol[4,5-f]quinoline – induziu a hepato carcinogênese em ratos e dietilnitrosamina – induziu a adenomas em foco hepático e hepatocelular em roedores C3H. O dialil sulfito também mostrou que inibe a mutagênese ou tumorogênese induzido pelo vinil carbamato e N-nitrosodimetilamina; aflatoxina B1-induzirda e a N-nitrosodietilamina-induzida em focos paraneolplásicos em fígado deratos; a atividade da arilamina N-acetiltransferase e da 2-aminofluorene no DNA de células humanas adultas na leucemia promielocítica; tumores de pele em ratos DMBA-induzida; mutação N-nitrosometilbenzilamina-induzida em esôfago de ratos; e tumores de mamas em DNA de ratas adultas innduzido pelo dietiletilbestrol.

Dialisulfito crê-se que traz acredita-se que provoca um efeito anticarcinogênico por vários mecanismos, como a remoção de radicais; elevando os níveis da gluationa; aumentando as atividades de enzimas como glutationa S-transferase e catalase; inibindo o citocromo p4502E1 e reparando mecanismos do DNA; e prevenindo a lesão do cromossomo (80).

 

Timoquinona

Os agentes quimioterápicos e quimioprotetores do cominho preto incluem a timoquinona (TQ), ditimoquinona (DTQ) e timohidroquinona presentes no óleo destas sementes. A TQ tem atividade anti-neoplásica contra várias células tumorais. A DTQ também contribui para os efeitos quimioterápicos da Nigella sativa. Resultados de estudos in vitro indicaram que a DTQ e a TQ são igualmente citotóxicas para várias linhagens de células parentais e de tumores de linhagem de células humanas e ao seu correspondente às drogas multi resistentes. TQ induz a apoptose através das vias p53 dependentes e independentes em linhagens de células cancerosas. Também induz o controle do ciclo celular e modula os níveis de mediadores inflamatórios. Para datar, não foi testado o potencial quimioterápico da TQ, mas numerosos estudos mostraram seus efeitos anticâncer promissores em modelos animais. A TQ suprime a indução carcinogênica e a formação de tumor de pele em ratos e atua como um agente quimiopreventivo na fase precoce da tumorogênese de pele. Além disso, a combinação de TQ, usado clinicamente como droga anticâncer mostrou que melhora o índice terapêutico da droga, protegendo tecidos não tumorais de sustentar lesão induzida pela quimioterapia, aumentando a atividade antitumoral de drogas como a cisplatina e ifosfamide. Um relatório muito recente, de nosso próprio grupo, estabeleceu que a TQ afeta a via de sinalização do NF-κB por suprimir o NF -κB e os produtos de genes regulados pelo NF-κB (81).

Capsaicina 

O composto fenólico capsaicina (8-metil-N-vanila-6-nonenamida), um componente da pimenta malagueta, foi estudada exaustivamente. Embora a capsaicina tenha levantado a suspeita de ser carcinogênica, muitas evidências consideráveis sugerem que ela possua efeitos  quimiopreventivos. Aas propriedades antioxidantes, antiinflamatórias e antitumorais da capsaicina foram estabelecidas tanto nos sistemas in vitro quanto in vivo. Por exemplo, mostrou-se que a Capsaicina pode suprimir a ativação estimulada do ATP na NF-κB e AP-1 em cultura de células HL-60 Além disso, a capsaicina inibiu a ativação constitutiva do NF-κB em células de melanoma. Além disso, ela suprimiu fortemente a ativação estimulada do ATP do NF-κB e a ativação epidérmica de AP-1 em camundongos. Outro mecanismo proposto é a ação da capsaicina e sua interação com enzimas xenobióticas e metaboliza, envolvidas na ativação e desintoxicação de vários carcinógenos químicos e mutagenes. O metabolismo da Capsaicina através das enzimas hepáticas produz radicais fenóxi reativos intermediários capazes de se ligarem aos locais ativos das enzimas e macromoléculas de tecido. 

A Capsaicina pode inibir a agregação de plaquetas e suprimir respostas de pró-inflamatórias do cálcio-ionóforo-estimulada, como a geração de ânion de superóxido, atividade da fosfolipase A2 e peroxidação dos lipídios de membrana em macrófagos. Ela age como um antioxidante em vários órgãos de animais de laboratório. Também foram relatadas propriedades antiinflamatórias da Capsaicina contra inflamação carcinógeno-induzida em ratos e camundongos. A Capsaicina apresentou efeitos protetores contra lesão da mucosa gcástrica induzida pelo etanol, erosão  hemorrágica, peroxidação lipídica e atividade da mieloperoxidase em ratos que estiveram associados com a supressão da COX-2. Enquanto falha na atividade intrínseca na promoção do tumor, a Capsaicina inibiu a papillomagênese promovida pelo ATP do câncer de pele em rato (82).

 

Gingerol  

Gingerol, uma substância fenólica presente no gengibre (Zingiber officinale Roscoe), tem diversos efeitos farmacológicos que incluem antioxidante, antiapoptótico e efeitos antiinflamatórios. O gingerol demonstrou possuir propriedades anticâncer e quimiopreventivo e os mecanismos propostos da ação incluem a inibição da expressão da COX-2 pelo bloqueio da via de sinalização p38 MAPK-NF-B. Um relatório detalhado na habilidade câncer-preventiva do gingerol foi apresentado em uma revisão recente por Shukla e Singh (83).

 

Anetol

Anetol, o principal composto ativo do alcaçuz, mostrou ter atividade anti-câncer. Em 1995, Al-Harbi et al. 84 estudou a atividade antitumoral do anetol contra o Tumor Ascítico de Erlich (TAE) induzido por tumor em modelo com animais. O estudo revelou que o anetol aumentou o tempo de sobrevida, reduziu o peso, o volume tumoral e o peso corporal dos camundongos em relação aos que tinham TAE. Ele também produziu um efeito citotóxico significativo nas células com TAE nas células na pata, reduzindo os níveis de ácidos nucléicos e MDA e aumentou as concentrações de NP-SH.

As mudanças histopatológicas observadas após o tratamento com anetol foram comparáveis àquelas após o tratamento com a droga citotóxica padrão – ciclofosfamida. A frequência da ocorrência micronucleica e a razão de eritrócitos policromáticos para eritrócitos normocromáticos mostrou que o anetol é mitodepressivo e não clastogênico nas células femorais de camundongos. Em 1996, Sen et al., 85 estudou a atividade inibitória da  NF-κB de um derivado do anetol e da anetolditioltione. O resultado de seu estudo mostrou que o anetol inibiu a H2O2, PMA ou TNF alfa induzindo a ativação do NF-κB em células jukart humanas (86) estudou a atividade anticarcinogênica do anetol tritione contra DMBA induzido em um modelo de câncer de mama em rato. Os resultados dos estudos mostraram que este fitoquímico inibiu o crescimento do tumor mamário em uma maneira dose-dependente. Nakagawa e Suzuki (87) estudaram o metabolism e mecanismo de ação do trans-anetol (anetol) e atividade semelhante ao estrogênio de componentes e seus metabólitos recentemente isolados de hepatócitos de ratos e cultura de células de câncer de mama MCF-7. Os resultados sugerem que a biotransformação do anetol induz um efeito citotóxico em altas concentrações nos hepatócitos de ratos e um efeito estrogênico em baixas concentrações em culturas de células MCF-7 na base de concentrações de hidroxilados intermediários, 4OHPB. Resultados de estudos pré-clínicos sugerem que o composto organosulfurado anetol ditioletione pode ser um efetivo agente quimiopreventivo contra o câncer de pulmão. Lam et al, (88) conduziu um teste em fase 2b do anetol ditioletione é um agente quimiopreventivo potencialmente eficaz contra câncer de pulmão

 

Diosgenina  

Diosgenina uma saponina esteroidal presente no feno-grego, demonstrou suprimir a inflamação, inibir a proliferação e induzir a apoptose em várias células tumorais. Pesquisas durante a última década mostraram que a diosgenina suprime a proliferação e induz a apoptose em uma grande variedade de linhagens de células cancerosas. Os efeitos anti-proliferativos da diosgenina são mediados pelo controle do ciclo celular, deleção da Ca2+ da homeostase, ativação do p53, liberação do fator indutor da apoptose e modulação da atividade da caspase-3. A diosgenina também inibe focos aberrantes nas criptas do cólon induzido pelo azoximetano. Demonstrou-se que inibe a inflamação intestinal e modula a atividade do LOX e COX-2. A diosgenina também se liga ao receptor da chemokine CXCR3 a qual media respostas inflamatórias. Resultados de nosso próprio laboratório mostraram que a diosgenina inibe a osteoclastogênese, invasão celular e proliferação de células através do down-regulation do Akt, ativação da IκB quinase e pela expressão do gene regulador da NF-κB 89.

 

Eugenol

O eugenol é um dos componentes ativos do alho. Estudos conduzidos por Ghosh et al90 mostrou que ele suprime a proliferação de células do melanoma. Em um estudo, o tratamento do eugenol produziu uma diminuição significativa no crescimento tumoral, uma redução de quase 40% no tamanho do tumor e um aumento de 19% no tempo médio ao ponto final. De maior importância, 50% dos animais no grupo controle morreram de crescimento metastático, considerando que nenhum no grupo de tratamento com eugenol mostrou qualquer sinal de invasão celular ou metástase. Em 1994, Sukumaran et al91 mostrou que o eugenol DMBA induziu tumores de pele em camundongos. O mesmo estudo demonstrou que o eugenol inibiu a formação de superóxido, a peroxidação lipídica e a atividade de remoção de radical que pode ser responsável por sua ação quimiopreventiva. Estudos conduzidos por Imaida et al92mostrou que o eugenol acentuou o desenvolvimento do 1,2-dimetilhidrazina induzindo a hiperplasia e papilomas no pré-estômago, mas diminuiu a incidência do 1-metil-1-nitrosuréia induzindo a nefroblastomas renais em fêmeas de camundongos F344.

Outro estudo conduzido por Pisano et al93 demonstrou que o dibromo-dehidrodieugenol suscita atividade anti-proliferativa específica sobre as células tumorais ectodérmicas. Em 2003, Kim et al94 mostrou que o eugenol suprimi a expressão do RNAm da COX2 (um dos principais genes implicados no processo de inflamação e na carcinogênese) nas células HT-29 e nas células macrófagas RAW264.7 de camundongos estimuladas por lipossacarídeos. Outro estudo de Deigner et al95 mostrou que 1-hidróxieugenol é um bom inibidor da 5-lipoxigenase e Cu2+ mediou a oxidação do LDL. Os estudos de Rompelberg et al96 mostrou que in vivo o tratamento de camundongos com eugenol reduziu a mutagenicidade do benzopireno. Na Salmonella typhimurium ensaios de mutagenicidade, considerando-se in vitro, o tratamento de cultura de células com eugenol aumentou a genotoxicidade do benzopireno.

 

Alimentos Integrais

Os principais alimentos integrais são trigo, arroz e milho; os de segunda linha são cevada, sorgo, painço, centeio e aveia. Grãos formam a parte mais importante da dieta de muitas culturas, mas a maioria dos alimentos, em países ocidentalizados, é produto refinado 97. Os grãos integrais contêm quimiopreventivos antioxidantes como vitamina E, tocotrienóis, ácido fenólico e lignanas e o ácido fítico. O conteúdo antioxidante dos grãos integrais é menor que de algumas bagas, mas é maior do que frutas comuns ou vegetais 98. O processo de refino concentra carboidratos e reduz a quantidade de outros macro nutrientes, vitaminas e minerais porque as camadas externas são removidas. Na realidade, todos os nutrientes com ações preventivas potenciais contra o câncer são reduzidos. Por exemplo, a vitamina E está reduzida em mais de 92% 99.

A ingestão de grão integral sabe-se que reduz o risco de muitos cânceres inclusive os da cavidade oral, faringe, esôfago, vesícula biliar, laringe, intestino, colo retal, trato digestivo superior, mamas, fígado, endométrio, ovários, glândula prostática, bexiga, rins e glândula tireóide, assim como linfomas, leucemias e mieloma 100,101.

A ingestão de alimentos integrais nestes estudos reduziu o risco de cânceres em 30-70% 102.

Como os alimentos integrais reduzem o risco de câncer? Muitos mecanismos potenciais foram descritos. Por exemplo, fibras insolúveis, um importante constituinte dos grãos integrais, podem reduzir o risco de câncer de intestino (103). Além disso, as fibras insolúveis sofrem fermentação, assim produzindo ácidos graxos de cadeia curta como o butirato, que é um importante supressor de formação tumoral (104). Os grãos integrais também mediam uma resposta favorável à glicose, a qual é protetora contra cânceres de mama e cólon (105). Também, muitos fitoquímicos dos grãos e pulsos foram relatados terem ação quimiopreventiva contra uma grande variedade de cânceres. Por exemplo, as isoflavonas (inclusive daidzein, genistein, e o equol) são compostos difenólicos encontrados em plantas leguminosas, possuindo atividades antiproliferativas. Descobriu-se que muitos, mas nem todos, os estudos mostraram correlações signnificativas entre uma dieta rica de isoflavona baseada em soja e a redução da incidência de câncer ou mortalidade de câncer em humanos. Nosso laboratório mostrou que os tocotrienóis, mas não os tocoferóis, podem suprimir a ativação do NF-κB induzida por muitos carcinógenos, portanto, levando à supressão de vários genes ligados com a proliferação, sobrevivência, invasão e angiogênese de tumores (106).

Estudos observacionais sugerem que uma dieta rica em soja soflavona (como a dieta típica da Ásia) é um dos fatores de contribuição mais significativos para a baixa observada na incidência e mortalidade de câncer de próstata na Ásia. Na base de resultados sobre dieta e os níveis da excreção urinária associados com daidzein, genistein e equol em temas japoneses comparados com resultados em assuntos americanos ou europeus, os isoflavonóides de soja foram propostos ser os agentes responsáveis para reduzido risco de câncer. Além de seu efeito no câncer de mama, o genistein e as isoflavonas relacionadas também inibem o crescimento da célula ou o desenvolvimento de cânceres quimicamente induzidos no estômago, bexiga, pulmão, próstata e sangue (107).

Vitaminas 

Embora controverso, o papel das vitaminas na quimioprevenção do câncer tem sido avaliado crescentemente. Frutas e vegetais são as fontes dietéticas principais de vitaminas com exceção da vitamina D. Vitaminas, especialmente as vitaminas C, D e E, são relatadas possuírem atividade de quimiopreventiva do câncer sem toxicidade aparente. 

Resultados de estudos epidemiológicos sugerem que os efeitos anticancerígeno/quimiopreventivo da vitamina C contra vários tipos de cânceres se correlacionam com suas atividades antioxidantes e com a inibição da inflamação na comunicação intercelular junção gap. Resultados de um estudo epidemiológico recente mostraram que uma elevação na concentração de vitamina C no plasma teve uma relação inversa com a mortalidade relacionada ao câncer. Em 1997, comitês de especialistas no Fundo Mundial de Pesquisa do Câncer e do Instituto Americano para Pesquisa de Câncer estimaram que a vitamina C pode reduzir o risco de câncer do estômago, boca, faringe, esôfago, pulmão, pâncreas e cérvice (108). 

Os efeitos protetores da vitamina D são o resultado de seu papel como fator de transcrição nuclear que regula o crescimento celular, diferenciação, apoptose e uma gama extensa de mecanismos celulares central para o desenvolvimento de câncer (109).

 

Atividade Exercício/Físico 

Há extensa evidência sugerindo que o exercício físico regular pode reduzir a incidência de vários cânceres. Um estilo de vida sedentário tem sido associado com muitas doenças crônicas. A inatividade física está ligada com risco aumentado de câncer de mama, cólon, próstata, pâncreas e do melanoma (110). O risco elevado de câncer de mama entre mulheres sedentárias que foi demonstrado devido a falta de exercício está associado a uma concentração estradiol mais elevada no soro, menor concentração de globulina ligadora dos hormônios, massa gorda maior e elevação dos níveis de insulina no soro. A inatividade física também pode aumentar o risco de câncer de cólon (provavelmente por causa de um aumento no tempo do trânsito GI, por aumentar assim o tempo de contato com carcinógenos potenciais), elevar os níveis circulantes de insulina (promovendo a proliferação de células do epitélio do cólon), alterar os níveis de prostaglandinas, deprimir a função imune e modificar o metabolismo ácido da bile. Adicionalmente, homens com um baixo nível de atividade física e mulheres com um índice de massa corpórea elevado é mais provável terem uma mutação Ki-ras em seus tumores os quais ocorrem em 30-50% dos cânceres de cólon. Uma redução de quase 50% na incidência de câncer de cólon foi observada entre aqueles com níveis mais elevados de atividade física (111). Semelhantemente, o aumento da testosterona no sangue e dos níveis de IGF-1 em imuno suprimidos devido a falta de exercício pode aumentar a incidência de câncer de próstata. Um estudo indicou que homens sedentários tiveram um aumento de 56% e as mulheres de 72% na incidência de melanoma do que aqueles que se exercitaram de 5 a 7 dias por semana (112). 

 

Restrições calóricas 

Jejum é um tipo de restrição calórica (RC) isso é prescrito na maioria das culturas. Talvez um dos primeiros relatórios que a RC pode influenciar na incidência de câncer foi publicada em 1940 sobre a formação de tumores de pele e hepatoma em ratos (113, 114). Desde então, foram publicados vários relatórios sobre este assunto (115, 116). Restrição dietética, especialmente RDC, é um importante modificador na carcinogênese experimental e é conhecida por diminuir significativamente a incidência de neoplasmas. Gross e Dreyfuss relataram que uma restrição de 36% na ingestão calórica diminuiu drasticamente tumores sólidos induzidos à radiação e/ou leucemias (117, 118). Yoshida et al. (119) também mostrou que a RC diminui a incidência de leucemia mielóide induzida por um tratamento único com irradiação de corpo inteiro em ratos. 

Como RC reduz a incidência de câncer não é totalmente compreendida. A RC em roedores diminui os níveis de glicose no plasma e da IGF-1 e adia ou atenua câncer e a inflamação sem efeitos adversos irreversíveis (120). Muitos dos estudos feitos sobre o efeito da RC em roedores são a longo prazo; porém, isso não é possível em humanos, que habitualmente praticam a RC transitória. O efeito que a RC transitória tem sobre o câncer em humanos não está claro.

CONCLUSÕES 

Na base dos estudos descritos acima, propomos uma hipótese unificando que todos os fatores de estilo de vida que causam câncer (os agentes carcinogênicos) e todos os agentes que previnem câncer (os agentes quimopreventivos) é unida por inflamação crônica (Fig. 10). O fato de que a inflamação crônica está intimamente ligada à via tumorogênica é evidente em numerosas linhas de evidência.  

 

Fig. 10

Ativam carcinógenos e os agentes quimopreventivos suprimem a ativação do NF-κB, um importante mediador da inflamação. 

Primeiro, marcadores inflamatórios como citoquinas (TNF, IL-1, IL-6, e quimoquinas), enzimas (COX-2, 5-LOX e metaloproteinase-9 [MMP-9]) e moléculas de adesão (molécula de adesão intercellular 1,molécula de adesão leucocítica do endotélio 1 e molécula de adesão de célula vascular 1) estão intimamente ligadas à tumorogênese. Segundo, todos estes produtos de genes inflamatórios foram mostrados ser regulados pelo fator de transcrição nuclear, NF-kB. Terceiro, NF-kB demonstrou-se que controla a expressão de outros produtos dos genes ligados à tumorigênese tais como célula de sobrevivência tumoral ou antiapoptose (Bcl-2, Bcl-xL, IAP-1, IAP-2, XIAP, survivin, cFLIP, e TRAF-1), proliferação (como c-myc e cyclin D1), invasão (MMP-9), e angiogênese (fator de crescimento do endotélio vascular). Quarto, na maioria dos cânceres, a inflamação crônica precede a tumorogênese. 

Quinto, a maioria dos carcinógenos e outros fatores de risco para câncer, que incluem a fumaça do cigarro, obesidade, álcool, hiperglicemia, agentes infecciosos, luz solar, estresse, carcinógenos de alimentos e poluente ambientais, mostrou que ativam a NF-kB. Sexto, NF a ativação constitutiva do NF-κB foi encontrada na maioria dos tipos de câncer. Sétimo, a maioria dos agentes  quimioterapêutico e radiação gama, usado para o tratamento de câncer, leva a ativação de NF-κB. Oitavo, a ativação do NF-κB é ligado a quimioresistência e radioresistência. Nono, a supressão do NF-κB  inibe a proliferação de tumores, leva a apoptose, inibe a invasão e suprime a angiogênese. Décimo, os polimorfismos do TNF, IL-1, IL-6 e os genes ciclina D1, encontrados em vários cânceres, são todos regulados por NF-kB. Também, mutações em genes que codificados por inibidores de NF-kB foram achados em certos cânceres. Décimo primeiro, quase todos os quimiopreventivos descritos acima mostraram suprimir a ativação do NF-kB. Em suma, esta revisão esboça a prevenção do câncer baseado nos principais fatores de risco para câncer. A porcentagem de mortes relacionadas ao câncer atribuível a dieta e tabaco é maior que 60-70% mundial. 

Reconhecimento 

Esta pesquisa foi apoiada pela Fundação Clayton para Pesquisa (B.B.A.).

Notas de Rodapé

Uma errata a este artigo pode ser encontrada em http://dx.doi.org/10.1007/s11095-008-9690

 

Nos paises protestantes houve fé & ciência unidos

"A ciência sem fé é manca" Albert  Einstein


Para se desenvolver é preciso estes dois ingredientes! Acreditar percebendo por algumas lógicas e ir testando e aprofundando tal crença, percepção, pressupostos, hipóteses. O Caminho crítico e cético dos testes científícos não pode existir de maneira a banir o conhecimento, mas sim de maneira a aprimorar, incluir, melhorar, saber qual é a verdadeira ou mais fundamentada razão dele funcionar. Se o ceticismo for mais imponente que a fé racional,  a ciência fica manca, não anda direito, não pensa pra frente, vira um poço de tradição e de culto aos que já concluíram e se mostraram no passado. Transforma-se como vemos numa religião a parte, onde os elementos cultuais se expressam em termos agora, científicos e nomes apostólicos e messiânicos são agora sacracionados pelos “novos” discípulos ( Ex: Niesztche, Sagan, Dawkins, Darwin, etc)

Talvez foi exatamente esta mistura de fé e ciência no mundo protestante (ao contrario dos países católicos influenciados pela educação Jesuíta que tratatava de extirpar a inimiga nº 1 do Papa: A Bíblia, e para tanto lançava mão de toda a dialética cética corrente na moeda ideológica europeia) , que foi um dos ingredientes do crescimento e desenvolvimento tanto de paises protestantes, como daqueles que usam a mesma postura. (Ver exemplos na eficiente medicina oriental). O desenvolvimento educacional sob a orientação bíblica foi tanto, que em 1800, 90% dos americanos eram alfabetizados contra 10% na Espanha no mesmo período. Talvez o leitor pense que estamos fazendo apologia ao protestantismo, senão a historia dos fatos, mas quero alertar apenas para que se revise os preconceitos com a fé em nome da ciência, caso queiramos desenvolvimento.


 

 

 

4 Projeto Genoma e seu Impacto na Medicina

 

4.1 Uma Nova Perspectiva das Doenças

 

Depois do mapeamento do código genético humano, doença passou a significar defeito em alguma(s) localização da fita do DNA. Cada vez mais não se fala em doença isoladamente, mas destas em relação ao defeito genético ou tendência para aumento do mesmo.

 

Esta inovação na compreensão da realidade tem aberto as portas do entendimento de multifatores como causa e como solução para as doenças.

 

O papel de codificação de seqüência de aminoácidos formando proteínas, dos genes codificantes, e a relação das doenças diante da falta ou defeitos nestes processos, fundamentaram ainda mais a necessidade de aspectos de nutrição e pesquisas fitoterápicas como importantes e eficientes aliados no combate e prevenção das doenças.

 

As descobertas ligadas ao funcionamento do código genético e nossas emoções deram um salto na compreensão dos tratamentos e nunca em toda historia médica recente, o nutricionista, o médico ortomolecular, o psicólogo, o curandeiro especialista em plantas e o pastor, padre ou bom conselheiro, estiveram tão presentes e valorizados como instrumentos úteis nos tratamentos e prevenção da maioria das doenças.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

      4.2 Causas do Câncer

 

Existem pesquisas enfatizando aspectos alimentares e cigarro como principais causadores do câncer. Porém estas pesquisas não levam em conta aspectos psicossomáticos difíceis de serem aferidos.

 

 

 

 

Segundo o Dr Sang Lee, o cigarro e a alimentação sozinhos não causam câncer. Mas quando estes são combinados a fatores de stress, aí sim se potencializa a possibilidade, pois os mecanismos de defesa e reparos celulares são impedidos de “varrer a sujeira” durante a noite.

  1. fatores de crescimento
  2. radiação ultravioleta
  3. agentes promotores de tumor. Ex.: acetato de tetra-decanoil-forbol
  4. citocinas
  5. sílica
  6. lipopolissacarideos
  7. infecções bacterianas e virais
  8. estressores ambientais que lesam o DNA
  9. xenobioticos
  10. xenoquímicos
  11. alimentos enlatados, envidrados e embutidos devido aos: conservantes, estabilizantes, corantes, etc
  12. cosméticos com parabenos (câncer de mama, puberdade precoce) , alquilfenol (doença fibrocística de mama e câncer de mama) , polietilenoglicol (dermatite alérgica) , óleo mineral (artrite), triclosan (cancerígeno) .

 

 

 

 

 



  1. Onze (11)  Métodos de se Combater o Câncer e Diversas Doenças




    Estudando recursos fortalecedores do SI encontrei  13 itens muito importantes:

    5.1. Imediato regime de desintoxicação com muitos líquidos e água. (Método Rômulo França).

    O paciente deverá imediatamente sofrer limpeza interna plena através de jejuns com sucos de frutas, respeitando combinação dos mesmos, e uso de água em abundância. De acordo com experiências laboratoriais, células normais  normalizam células cancerosas  se estiverem em ambiente limpo, equilibrado,   e adequado. Cientistas colocaram  células  cancerosas junto  com células  normais e verificaram  que as normais tinham a capacidade de  normalizar  as cancerosas, contudo ao se perguntarem porque no corpo humano isso não acontecia, lembraram que no laboratório não existe stress, insônia, alimentos tóxicos, industrializados, e uma série de erros em hábitos de vida que não proporcionam a limpeza e a calma de um tubo de ensaio. Estudos posteriores no genoma verificaram que uma proteína reparadora genética (p-53) é produzida pelo  gene p-53, e tem a capacidade de normalizar uma célula reparando o DNA em uma célula com seu DNA alterado. Estudos revelaram que mutações no gene p-53 e p-16 estão relacionados à maioria dos casos de câncer, uma vez que são imunorepressores. Uma célula normal se comunica com uma célula anormal ou cancerosa e transmite tal proteína que em questão de segundos encontra e repara partes danificadas do DNA que contem três bilhões de pares de bases onde 30 mil pedaços (genes) da longa fita do DNA são localizados e consertados. É um trabalho incrível que só a idéia de um planejador de tão potente scanner e sistema operacional, sobrevive em quem estuda os mecanismos imunológicos do corpo humano. Louvado seja Deus!

 

Jejuns com sucos naturais sem açúcar e muita água, podem representar na maioria dos casos, um pequeno inicio de tratamento, pois proporcionará o ambiente limpo que as células necessitam para que possam exercer suas funções, sobretudo a função de reparar células danificadas e/ou em estágios avançados de dano (câncer).

 




5.2. Estudo ortomolecular e nutricional para estabelecer  dieta equilibrada , eliminando todos alimentos industrializados, proteína animal, açúcar, os transgênicos (em geral contendo fatores ligados a estímulo de crescimento acelerado), proteína animal (carne, leite e ovos) e, sobretudo o açúcar!

Devem-se mudar todos os hábitos de vida da pessoa


5.1.1.
Passar a usar água pura (não é qualquer água)  em abundancia (2 a 3 litros/dia).Usar água da melhor qualidade e ainda filtrá-la, mesmo se comprar garrafas!

 

5.1.1 Água Estruturada e não Estruturada ( Dr   José de Felippe Junior) http://www.medicinacomplementar.com.br/temafev08.asp

A água é a molécula mais abundante do nosso organismo, mais abundante do Planeta e a molécula mais desconhecida, mais extraordinária e mais anômala que se conhece. Não existe vida sem água e onde existe água também existirá vida.
Acredita-se que a água (H2O) é a segunda molécula mais abundante no Universo, atrás apenas do hidrogênio, H2.
A composição da água, 2 partes de hidrogênio e 1 parte de oxigênio foi descoberta pelo cientista inglês Henry Cavendish em 1781.
            A simples molécula de água é muita complexa porque suas características químicas e físicas se comportam do modo mais anômalo e imprevisível que podemos imaginar. Este comportamento anômalo se deve às pontes de hidrogênio: pontes água - água

Água  -  Pontes de Hidrogênio  - “Clusters”

A água é uma pequena molécula em forma de “ V “ com diâmetro de 2,75 Angstron.
Foram propostos vários modelos para a estrutura da água. Um deles é aquele que as suas moléculas se ligam através de pontes de hidrogênio formando “clusters” ou amontoados de moléculas de água: (H2O)n.
As pontes de hidrogênio são ligações atômicas do átomo de hidrogênio de uma molécula de água com o átomo de oxigênio de outra molécula de água formando “clusters” de vários números de moléculas ou (H2O)n, onde n é o número de moléculas de água ligadas pelas pontes de hidrogênio.
            Por exemplo:  (H2O)1 ..............água sem cluster , n=1
                                   (H2O)2.............. cluster com duas moléculas de água,, n=2 ou dimérico
                                   (H2O)4.............. cluster com 4 moléculas de água, , n=4 ou tetramérico
                                   (H2O)14 ........... cluster com 14 moléculas de água, n=14
                                    (H2O)280 ........ cluster com 280 moléculas de água, 20x14 = 280, n=280  

            As pontes de hidrogênio podem ser mais fracas ou mais fortes dependendo do ângulo em V dos dois átomos de hidrogênio em cada molécula de água e da distância e conformação das moléculas de água sob a interferência de substâncias iônicas ou não iônicas estruturadoras (kosmotropas) ou desestruturadoras (caotropas) da água .
            Se a força das pontes de hidrogênio diminuírem 29% a água entra em ebulição a 37 graus Célcius. Se aumentar somente 2% ocorre significantes efeitos metabólicos. Se aumentar 3% a viscosidade aumenta 23% e a difusibilidade reduz 19%. Se a força das pontes aumentarem 5% o oxigênio se torna 270% mais solúvel e o gás carbônico, 440%.
            No estado líquido, apesar de 80% dos elétrons fazerem parte das ligações, os 3 átomos , 2 de H e 1de O não ficam juntos, porque os átomos de H estão constantemente mudando de posição com outras moléculas de água, em um processo físico-químico chamado de protonação / deprotonação que biologicamente chamamos de : INFORMAÇÃO. É o que confere à água a sua peculiar função informacional. 
            Para Lo e Huang os clusters de água são parceiros ativos em qualquer reação bioquímica que ocorra dentro dos organismos vivos. Estes clusters são creados pela interação de minúsculas quantidades de substâncias orgânicas ou inorgânicas com a água.
            Ferramentas como o microscópio atômico, medidores de oscilações elétricas e a constatação de valores diferentes de pH medidos com o “pH-meter” (eletrônico) e o “pH-paper” (não eletrônico) de soluções muito diluídas apontam para a real existência dos clusters de água.
            A água está em estado de constante auto ionização:

                                     ------------------------->
                       2H2O                                            H3O+   +   OH-
                                     <------------------------
           
             A seguir mostraremos vários desenhos da estrutura da água, das pontes de hidrogênio e dos “clusters” (retirados de Martin Chaplin  -  livro eletrônico )


 
Figura 1: Forma aproximada da molécula de água com a distribuição das cargas

 


Figura 2: Forma em V da molécula de água. A densidade de elétrons ao redor do oxigênio é cerca de 10x aquela dos átomos de hidrogênio

 


Figura 3 : Ponte de hidrogênio entre duas moléculas de água : (H2O)2


Figura 4 : Ponte de hidrogênio entre duas moléculas de água : (H2O)2

 


Figura 5 : Cluster de água com 280 moléculas: (H2O)280

 

            As pontes de hidrogênio com força randômica para mais ou para menos são necessárias no intracelular para:
1- estabilizar a conformação das hélices do DNA e do RNA o que permite manter a estrutura da molécula e a sua característica especial do enrolar e desenrolar das hélices,
2- manter a estrutura tridimensional das enzimas e das proteínas,
3- estabilizar a estrutura terciária das enzimas e das proteínas,
4- manter a hidratação das proteínas, ácidos nucléicos e macromoléculas,
5- estabilizar, manter e proteger a membrana citoplasmática e mitocondrial,
6- interferir no potencial de membrana citoplasmático (Em) e no potencial de membrana mitocondrial (Delta-psi mt)
7- interferir na homeostasia dos poros da membrana citoplasmática,
8- interferir na velocidade das reações químicas intracelulares
9- participar das reações de hidrólise,
10- veicular informações, etc....
Deste modo, as pontes de hidrogênio são fundamentais na fisiologia celular como solvente, como soluto, como estabilizador de estruturas, como hidratante e como veículo de informações para que as células consigam cumprir plenamente as suas funções, para que as células sejam consideradas normais.  
            O organismo humano contém 60% de água (42 litros no homem de 70 kg com massa magra normal e 12% de gordura), distribuída no intravascular (5% ou 3,5 litros), no intersticial (15% ou 10,5 litros) e os restantes 28 litros no intracelular. Somos um aquário ambulante.
            Apesar de tão alto volume de água no corpo humano em especial no intracelular os médicos nem pensam que a água está ali no citoplasma, no núcleo, no mitocôndria hidratando íons, hidratando proteínas e ácidos nucléicos e fazendo parte das principais reações químicas que acontecem a cada milionésimo de segundo.
            Justiça seja feita aos intensivistas e socorristas que prestam atenção na água do intravascular e são cautelosos e rápidos no diagnóstico da hipovolemia, que leva ao choque e a morte se não tratada corretamente. Entretanto, pensam na água como “volume ocupando um espaço”, o espaço intravascular e a consideram como um conteúdo que deve preencher corretamente o continente. É a água salvando vidas.  
            Justiça aos pediatras que pensam na desidratação, deficiência de água do intersticial, porém também pensam na água como volume. Os cardiologistas e nefrologistas estão preocupados com a hiperhidratação e a hipervolemia e fazem de tudo para retirar do corpo o volume certo, o volume terapêutico adequado. É a água salvando vidas.
            Na Faculdade de Medicina os estudantes aprendem a tratar das doenças pensando apenas nos  “solutos” que são apenas 40% do organismo e não dão a mínima importância para a água , 60% do corpo: ambos são importantes.
Os médicos sempre pensam na água como volume, como um conteúdo que deve preencher um determinado continente; muito bom. Entretanto, não pensam na água como matéria, matrix e mãe da vida, não pensam na água como veículo de informações e como importante agente homeostático, não aprenderam na Escola que a vida depende de 3 elementos fundamentais:
MATÉRIA    -    INFORMAÇÃO   -   ENERGIA           
É o caráter anômalo da água que a faz a substância mais importante do nosso organismo. É a estrutura molecular da água a responsável pela vida.  
            Philippa Wiggins, pesquisadora australiana que estuda a água há mais de 40 anos, descobriu que no intracelular dos mamíferos coexistem dois tipos de água. Com finalidade didática vamos chamá-las de água A e água B .
            Água A: Alta densidade, ativa e fluída por apresentarem pontes de hidrogênio fracas.
É´ uma água sem estrutura (desestruturada), com “clusters” pequenos, isto é, com o “n” do (H2O)n muito baixo.
É a água predominante nas células em proliferação.
Densidade : 1,18 g/ml
            Água B: Baixa densidade, inativa e viscosa por apresentarem pontes de hidrogênio fortes.
                           É uma água estruturada, com “clusters” maiores, isto é, com o “n” do (H2O)n elevado.
                           É a água predominante nas células em estado quiescente, sem proliferação.
                            Densidade: 0,91 g/ml
           
O estado quiescente se caracteriza pela ausência de proliferação celular. Evitamos chamá-lo de estado de repouso porque este nome denota parada de atividade o que não acontece nestas células, pois elas continuam efetuando plenamente todas as suas funções.
            Quando a célula passa do estado quiescente para o estado de proliferação, a água intracelular muda o seu comportamento físico-químico e passa de água de baixa densidade, inativa e viscosa para água de alta densidade, ativa e fluída, isto é :

                              Água B  -------------------------->   Água A                                                    
                                                    proliferação

            Quando a célula passa do estado proliferativo para o estado quiescente, a água intracelular muda o seu comportamento físico-químico e passa de água de alta densidade, ativa e fluída para água de baixa densidade, inativa e viscosa, isto é:

                                               Água A -------------------àÁgua B
                                                                   quiescente

            Na fisiologia normal os dois tipos de água coexistem em equilíbrio dinâmico, em um estado de “steady state” de acordo com as necessidades metabólicas da célula naquela determinada condição, naquele determinado momento.

               

 

 

                              quiescente                                            
                           ----------------------->                                                                   

          Água A                                              Água B

                            <----------------------- br="">  
                               proliferação

           

No transcorrer da nossa existência este equilíbrio pode tender para a direita ou para a esquerda.
No transcurso de uma vida normal o equilíbrio vai aos poucos, paulatinamente e sorrateiramente se desviando para a direita, a água vai aos poucos se estruturando cada vez mais  e a pessoa vai ficando mais lenta, vai envelhecendo serenamente, lentamente, tranqüilamente, sem doenças, até chegar ao término de sua passagem pela vida, sem trauma, sem dor.
Outras vezes no transcurso natural da vida podem ocorrer significantes desvios para a esquerda, agudos ou crônicos, o que acarreta o aparecimento de doenças, de gravidade maior ou menor dependendo do grau de desvio. Se o desvio for muito grande, a água muito desestruturada se torna o terreno ideal para o aparecimento do que se chama câncer. No extremo da desestruturação sobrevém a morte com trauma e dor.

I-Equilíbrio desviado para a direita: NORMALIDADE  e  ENVELHECIMENTO

            Quando o equilíbrio se desloca para a direita, significa que as pontes de hidrogênio estão mais fortes e predomina no intracelular o tipo de água B, água estruturada.           
1- Estruturação leve e moderada: NORMALIDADE
As células maduras e normais apresentam um desvio moderado e relativamente constante do equilíbrio para a direita o que significa que as pontes de hidrogênio estão com força suficiente para estruturar a água, o que mantém a conformação terciária das enzimas e proteínas, a hidratação das macromoléculas, a conformação espacial das hélices do DNA e RNA e a estabilização da membrana celular e mitocondrial e principalmente está mantido o grau de ordem -informação do sistema celular.Todos estes elementos propiciam o ambiente intracelular adequado para o perfeito funcionamento das células.
2- Estruturação exagerada:  ENVELHECIMENTO
            Com o passar dos anos a estruturação da água vai paulatinamente e sorrateiramente se elevando e o desvio do equilíbrio vai se deslocando para a direita. Quando este desvio está fortemente desviado para a direita, a maior força das pontes de hidrogênio estruturam em demasia a água intracelular e a célula vai perdendo paulatinamente as suas funções, ocorre lentificação das reações citoplasmáticas e lentificação do metabolismo: é o processo normal de envelhecimento.
3- No extremo da estruturação vem a MORTE natural, sem trauma, sem dor.
                                                                          
II- Equilíbrio desviado para a esquerda: PROLIFERAÇÃO  FISIOLÓGICA   -  DOENÇA   e   CÂNCER

            Quando o equilíbrio se desloca para a esquerda, significa que as pontes de hidrogênio estão mais fracas e predomina no intracelular o tipo de água A, água desestruturada.
1- Desestruturação leve: PROLIFERAÇÃO   FISIOLÓGICA   (MITOSE NORMAL)
Quando o desvio para a esquerda é leve, isto é, a desestruturação é leve, desencadeia-se a proliferação celular fisiológica e reversível (mitose normal). Este fenômeno acontece de um modo dependente das necessidades do organismo nos estados de regeneração ou reposição celular e neste caso a proliferação cessa, uma vez cumprida a sua missão.
Exemplos: regeneração e reposição das células da mucosa do trato intestinal , cicatrização de feridas, etc..
2- Desestruturação moderada: DOENÇA
Quando o desvio para a esquerda é moderado, isto é, a desestruturação da água intracelular é moderada, a célula começa a sofrer alterações. Primeiramente acontece a perda de função (doença funcional) e no transcorrer do processo se o desvio persistir a célula sofre alterações morfológicas (doença estrutural).
Exemplo: desestruturação da água da substância nigra: primeiro diminui levemente a produção de dopamina e o paciente vai apresentar leves tremores, leve rigidez que pode durar anos (doença funcional). Se houver persistência da desestruturação acontece alteração da morfologia das células da substância nigra com a conseqüente instalação plena da doença: Doença de  Parkinson (doença estrutural).
3- Desestruturação exagerada: CÂNCER
Quando o desvio para a esquerda é exagerado, isto é, a desestruturação é exagerada  instala-se o terreno adequado para a proliferação celular ininterrupta e irreversível : câncer.
4- No extremo da desestruturação vem a MORTE não natural, com trauma e dor.
           
III- Equilíbrio dinâmico, constante e ininterrupto entre água estruturada e desestruturada: SAÚDE

Quando predomina no segundo a segundo, no dia a dia, no mês a mês e assim por diante,   o equilíbrio dinâmico e constante entre a água estruturada e a desestruturada com o moderado predomínio da água estruturada  temos o que podemos definir como SAÚDE. A célula está apta a cumprir todas as suas funções, desde que haja : Matéria e Energia.

Figura 6: Diagrama dos dois tipos de água intracelular e sua relação do lado estruturado com a saúde, o envelhecimento normal e a morte natural e do lado desestruturado com a mitose normal, a doença, o câncer e a morte não natural.

O esquema abaixo mostra o equilíbrio dinâmico entre a água A e B no intracelular.

MITOSE  NORMAL                          equilíbrio dinâmico                          NORMALIDADE
DOENÇA                      Água A  <---------------------------> Água B            SAÚDECÂNCER                                                                                   ENVELHECIMENTO
MORTE não natural                                                                                       MORTE natural

            Este equilíbrio dinâmico é mantido:

  1. Fator dependente do intracelular, metabolismo energético: ciclo de Embeden-Meyerhof  e  Fosforilação Oxidativa.
  2. Fator dependente do meio intersticial, cuidadosa seleção celular de uma mistura de substâncias kosmotropas (estruturadoras da água) e caotropas (desestruturadoras da água).

Em primeiro lugar, na fisiologia normal os dois tipos de metabolismo energético, o ciclo de Embeden-Meyerhof  citoplasmático e a Fosforilação Oxidativa mitocondrial  se encontram em equilíbrio dinâmico e constituem poderoso e contínuo mecanismo de estruturação e desestruturação da água , o primeiro desestruturando e o segundo estruturando. A célula normal apresenta moderado predomínio da fosforilação oxidativa e assim também apresenta moderado predomínio da água estruturada.
            O ciclo de Embeden-Meyerhof, glicólise anaeróbia citoplasmática, inicia-se com a glicose (desestruturador fraco) e termina com o ácido lático (desestruturador forte). Cada mol de desestruturador fraco produz dois moles desestruturador forte, lactato :  H3C - CH2O – COO- .
            O mitocôndria recebe o ácido pirúvico do ciclo de Embeden e durante a fosforilação oxidativa na cadeia de elétrons produz  na bomba de prótons o cátion monovalente e forte estruturador da água : H+ .
            Nas células normais contínua e ininterruptamente acontece o ciclo de Embeden, (desestruturador) seguido da fosforilação oxidativa (estruturadora) nem sempre acoplados, mas em
  equilíbrio dinâmico com leve predomínio da fosforilação e portanto da água estruturada o que proporciona as condições normais de funcionamento celular.
            Em segundo lugar e muito importante na fisiologia normal: a membrana celular é capaz de selecionar “substâncias” ou “solutos” ou “osmolitos”, sejam iônicos ou não iônicos , cuja função é proporcionar o equilíbrio entre os dois tipos de água. São substâncias capazes de modificar o estado físico-químico da água intracelular e que devem estar presentes no intersticial para ficarem disponíveis para as células.
            As substâncias que podem interferir na estrutura da água podem ser divididas em dois tipos:

  1. Substâncias estruturadoras ou Kosmotropas (order-maker)
  2. Substâncias desestruturadoras ou Caotropas (disorder-maker)

 

I- Substâncias Estruturadoras

As substâncias estruturadoras se dissolvem na água de alta densidade (tipo A - desestruturada) e a transforma em água de baixa densidade (tipo B - estruturada).
Em geral as substâncias hidrófobas se dissolvem mais facilmente na água de alta densidade (tipo A).

 

                                         Substâncias Estruturadoras           
                         Água A   ------------------------------------------------->  Água B  
                                                   Substâncias Hidrófobas

            As substâncias estruturadoras ou kosmotropas correspondem aos anions polivalentes, aos cátions monovalentes e polivalentes e a alguns compostos não iônicos.
            Em geral são anions e cations pequenos .

  1. Anions polivalentes estruturadores
    1. SO4 - -
    2. HPO4 - -
    3. S2O3 - -
    4. CO3 --

 

  1. Cátions monovalentes estruturadores
    1. H+
    2. Li+
    3. Na+
  2. Cátions polivalentes estruturadores
    1. Mg++
    2. Ca++
    3. Mn++
    4. Zn++
    5. Cu++

 

  1. Solutos não iônicos estruturadores
    1. etanol
    2. butanol
    3. álcool benzílico
    4. uréia em baixa concentração
  2. Substâncias Desestruturadoras

 

As substâncias desestruturadoras se dissolvem na água de baixa densidade (tipo B - estruturada) e a transforma em água de alta densidade (tipo A - desestruturada).
Em geral as substâncias hidrófilas se dissolvem mais facilmente na água de baixa densidade (tipo B).

 

                                         Substâncias Desestruturadoras           
                         Água B   ------------------------------------------------->   Água A  
                                                   Substâncias Hidrófilas

As substâncias desestruturadoras ou caotropas correspondem aos anions monovalentes, aos cátions monovalentes e a alguns compostos não iônicos.
      Em geral são anions e cátions grandes.

  1. Anions monovalentes desestruturadores
    1. HSO4 -
    2. H2PO4 -
    3. HCO3 -
    4. I -
    5. Cl -
    6. NO3 -

 

  1. Cátions monovalentes desestruturadores
    1. K+
    2. Cs+
    3. NH4 +
  2. Solutos não iônicos desestruturadores
    1. uréia em alta concentração

 

Philippa Wiggins ainda divide as substâncias em estruturadoras fracas e desestruturadoras fracas.

  1. Substâncias Estruturadoras Fracas
    1. Trimetil-glicina
    2. Aminoácidos apolares (hidrófobos)

b1-  Essenciais

  1. Leucina
  2. Isoleucina
  3. Metionina
  4. Valina
  5. Triptofano
  6. Fenilalanina

b2- Não Essenciais

  1. Alanina
  2. Glicina
  3. Prolina
  1. Substâncias Desestruturadoras Fracas
    1. Glicose
    2. Trealose
    3. Taurina
    4. Aminoácidos polares (hidrófilos)

d1- Neutros

  1. Asparagina
  2. Cisteína
  3. Glutamina
  4. Serina
  5. Treonina  (essencial)
  6. Tirosina

d2- Ácidos

  1. Ácido aspártico
  2. Ácido glutâmico

d3- Básicos

  1. Arginina
  2. Histidina
  3. Lisina (essencial)

Martim Chaplin, físico que muito estudou o comportamento da água, considera a trealose o mais importante estruturador da água em total desacordo com Wiggins. Ele considera a trimetil-glicina um forte e não fraco estruturador da água. Lembremos que os experimentos de Chaplin foram feitos em sistemas não biológicos.
                       
Possível origem das DOENÇAS

Quando a quantidade de água desestruturada vai aumentando, porém sem atingir o limite de “estresse de quase morte”  acontece o colapso primeiro funcional e depois estrutural de vários tipos de sistemas enzimáticos e metabólicos que podem atingir os mais diversos tipos de células, tecidos e órgãos.
O primeiro órgão que sofre, ou o órgão mais fortemente atingido é aquele que geneticamente apresenta mais alterações – “lócus minor resistentiae”  (órgão de choque) –  ou aquele com mais lesões provocadas por condições adversas do meio ambiente – fumo, metais tóxicos, hipoxia, acidose, inflamação crônica sub-clínica , inflamação crônica clínica, hiperoxia, campos eletromagnéticos, zonas geo-patogênicas, etc..
O quadro clínico dependerá do conjunto de células atingidas ou do órgão atingido, porém a causa será sempre a mesma – ÁGUA  DESESTRUTURADA em maior ou menor grau , o que vai ditar a maior ou menor gravidade da doença .

 

Possível origem do que se chama CÂNCER

            Quando aumenta a quantidade de água desestruturada no intracelular, as células sofrem profundas modificações metabólicas, profundas modificações das vias de sinalização, aumento progressivo da entropia que culmina na diminuição do grau de ordem-informação do sistema termodinâmico aberto que é a célula. Na evolução deste processo o grau de ordem – informação chega a um ponto crucial e a célula atinge um nível quase não tolerável de desestruturação um estado de “estresse de quase morte”.
            Ao chegar no “estresse de quase morte” desencadeiam-se mecanismos milenares de sobrevivência celular e as células começam a se dividir, entram em proliferação, entram em estado de mitose contínua, único modo de continuarem vivendo.
A célula normal quando agredida coloca em ação todo potencial adquirido nos milhões de anos de planeta Terra para sobreviver. A células assim chamadas de “malignas”, são carne de nossa própria carne e portanto também usam este potencial colocando em ação todos mecanismos disponíveis de sobrevivência, isto é, a ativação de fatores que: 1- promovem a proliferação celular; 2- impedem a apoptose e 3- aumentam a geração de novos vasos.
            Um dos mecanismos que permitiu a sobrevivência do Homem no planeta foi a capacidade de regeneração e cicatrização das lesões, feridas e traumatismos. De fato, Dauer em 2005 mostrou que tanto a regeneração das feridas como o câncer são caracterizados por proliferação celular, remodelamento da matrix extracelular, invasão e migração celular e a formação de novos vasos e que tanto a regeneração tissular como o câncer utilizam mecanismos comuns de sinalização, entre eles o STAT 3 , o NF-kappa-B, etc..
            Com o passar dos anos são descobertos mais e mais sinalizadores, transdutores e receptores relacionados com a proliferação celular, a diferenciação celular, a apoptose e a neoangiogênese tumoral. São fatores intracelulares muito antigos que estão sendo descobertos somente agora com a moderna tecnologia. Na verdade o estudo profundo das células normais revela a existência dos mesmos fatores existentes nas células ditas “malignas”, somente que em estado latente, não ativo, não fosforilado.
      Todos esses fatores têm sido utilizados pelas células normais desde os primórdios de nossa existência, quando ainda éramos apenas seres unicelulares. Foram estes fatores que nos permitiram sobreviver aos extremos de temperatura, à escassez de alimentos, ao ar rarefeito (hipoxia), aos traumatismos, às feridas e às fraturas.
      As agressões com perigo de quase morte ativam as vias de sinalização e permitem que as células se protejam e sobrevivam aos insultos e às lesões.As células doentes e que chamamos de malignas são carne da nossa própria carne que estão lutando desesperadamente para sobreviver e elas sabem muito bem colocar em ação todas as artimanhas de sobrevivência. 
            Desta forma, ao atingir o estado de “estresse de quase morte” desencadeia-se os fatores de sobrevivência e as células começam a proliferar, a se proteger da apoptose e a criar novos vasos para se nutrir.
Não são células malignas, não são células cancerosas, são apenas células doentes lutando para sobreviver. São células transformadas que precisam de cuidados, precisam de tratamento para que retornem às suas características iniciais em um fenômeno que se chama diferenciação celular ou desdiferenciação celular.
As agressões fortes como a quimioterapia e a radioterapia não conseguem erradicar 100% das células em proliferação e nas células que não morreram aumenta a geração de NF-kappaB , STAT-3 , etc.., , tornando as células sobreviventes ainda mais fortes e mais resistentes a novas abordagens semelhantes. A estratégia de extermínio somente vai aguçar os mecanismos antigos de sobrevivência e as células continuarão a proliferar com maior vigor.
As células em proliferação ininterrupta e desordenada formam conglomerados visíveis nos exames de imagem como tumores aos quais deu-se o nome de câncer. Como se o tumor fosse a própria doença. Na verdade o tumor visível é apenas um sinal tardio de um organismo que está doente há muito tempo, em geral 2 -3 anos. Nestes 2- 3 anos antes do aparecimento do tumor, os exames de imagem são negativos, os marcadores tumorais no sangue estão normais e os sintomas apresentados pelo paciente são inespecíficos.
É imperiosa a descoberta de novas tecnologias para o diagnostico realmente precoce desta patologia. Por exemplo: as mamografias em série descobrem o tumor e portanto não fazem diagnostico precoce, além de nocivamente exporem a mama a cargas de Raio X , desestruradoras da água intracelular.
            O modo de abordagem mais coerente do paciente e que está de acordo com a fisiopatologia do processo patológico seria proporcionar condições ideais para que as células doentes recuperem e restabeleçam as suas funções. Uma das estratégias é agir na água intracelular transformando-a de desestruturada (alta densidade, ativa, fluída) em estruturada (baixa densidade, inativa, viscosa).
            Podemos interferir com métodos que restaurem e mantenham a fosforilação oxidativa mitocondrial (nutrientes, ácido lipoico, dicloroacetato de sódio, etc), juntamente com a administração de substâncias estruturadoras .
            O aumento da fosforilação oxidativa produzirá H+ estruturador através da bomba de prótons, aumentando a água tipo B e diminuindo diretamente a proliferação celular, além de aumentar a produção de ATP, aumentar a apoptose, aumentar a geração de radicais livres e assim diminuir a proliferação celular.
            A administração de agentes estruturadores da água intracelular promoverá o equilíbrio das águas A e B, provocando a diferenciação celular: as células doentes voltam ao convívio social com as células do organismo.
            A estratégia que descrevemos cuida das células doentes e cuida de cada órgão e sistema do corpo. Cuida do doente e da doença. 

Considerações finais

Nos meus 20 anos de prática em medicina intensiva, perdi a batalha da vida muitas vezes. Muitos pacientes faleceram sob meus cuidados e o de professores de medicina em Unidades de Terapia Intensiva onde se dispunham de todos os recursos materiais e humanos. Em UTI dosamos um bom número de parâmetros bioquímicos no sangue e o fazemos de rotina pelo menos duas vezes ao dia. Nos pacientes de gravidade extrema a dosagem é seriada. Era estarrecedor observar que os parâmetros bioquímicos dos pacientes são iguais antes do óbito e no pós-óbito imediato. Nada se alterava no sangue e também não se alteravam as imagens e a histologia.
Era um verdadeiro mistério, enxergar alguém morrer sem modificações detectáveis pelas nossas ferramentas de escrutínio mais modernas nos mostrando claramente o quão pouco sabemos.   
Atualmente podemos enxergar uma luz lá longe que nos permite entender melhor a morte e principalmente o que nos mantém vivos e saudáveis.
Se as pontes de hidrogênio forem muito fracas (exagero de água tipo A) elas não conseguem manter a estrutura terciária das enzimas e proteínas, não conseguem hidratar as macromoléculas, não conseguem manter a conformação das hélices do DNA e RNA e ocorre desestabilização das membranas citoplasmáticas e mitocondriais.
Se as pontes de hidrogênio forem muito fortes (exagero de água tipo B) os “clusters” são tão fortes, grandes e duradouros que as moléculas de água não ficam disponíveis para suas funções vitais de estruturação, hidratação e estabilização.
            Quando as pontes de hidrogênio são muito fortes não há vida e quando são muito fracas também não há vida , embora tudo no organismo do paciente ou da pessoa “pareça estar normal“. Estão normais os exames bioquímicos de sangue, urina e líqüor, os exames de imagens (radiografia, tomografia, ressonância nuclear magnética) e mesmo os exames histológicos e os histoquímicos. A pessoa morre e nada vemos, nada encontramos de diferente no pré-óbito imediato.
            Por outro lado no consultório, quando o paciente está com todos os exames normais, bioquímicos, de imagens e histológicos não podemos afirmar que esta pessoa está saudável.
É preciso encontrar métodos que permitam diagnosticar o estado da água no intracelular. De posse deste parâmetro estaremos aptos a :
   1-  Diagnosticar mais precisamente se o paciente está doente ou saudável.
   2-  Elaborar estratégias para a verdadeira prevenção de doenças e manutenção da saúde.
   3-  Abrir campo imenso e fértil no estudo e tratamento de vários tipos de doenças, incluindo as de difícil tratamento e as assim chamadas de incuráveis.     

Conclusão

            O perfeito funcionamento das células dependem da presença de 45 nutrientes essenciais (vitaminas, sais minerais, aminoácidos, ácido linoleico) que funcionam como matéria prima e principalmente como indutores gênicos na produção de enzimas, anticorpos, hormônios, neuro-transmissores, etc.: MATÉRIA
Não pode haver no intracelular xenobióticos (substâncias estranhas: conservantes, edulcorantes, corantes, alguns tipos de drogas lícitas, drogas ilícitas, etc..) e não pode haver contaminação / intoxicação por metais (chumbo, mercúrio, alumínio, cádmio, flúor, excesso de ferro, excesso de cobre, etc..).
É necessário que todas as glândulas de secreção externa e interna estejam funcionando em ordem.
É necessário ficar longe de campos eletromagnéticos prejudiciais e de zonas geo-patogênicas.
            Ainda é preciso que os genes sejam funcionais, isto é, eles não devem estar hipermetilados e eles devem estar corretamente acetilados. Quando metilados  na sua zona CpG os genes são “silenciados” , não funcionam. Os genes são “silenciados” durante o processo normal de envelhecimento, nos estresses pequenos de longa duração, nos estresses grandes de curta duração, no transcorrer das doenças e no câncer. Os genes são demetilados com o emprego de inibidores das DNA metiltransferases e são acetilados com os inibidores das histonas-desacetilases.
            Todos esses elementos em conjunto e em equilíbrio mantém o potencial de membrana citoplasmático – Em – e o potencial de membrana mitocondrial – Delta-Psi mt – e portanto mantém a produção de ENERGIA .
            A energia livre de Gibbs é o fator primordial para manter a entropia negativa, manter a luta pela organização, manter a luta contra a Natureza que deseja que façamos parte dela como moléculas e átomos e não como seres organizados. É a energia livre que mantém o exato grau de ordem-informação do sistema termodinâmico aberto que é a célula.
Entretanto, estes conhecimentos estavam incompletos, faltava algo. Faltava pensar e cuidar da água  - INFORMAÇÃO - e assim aprendemos mais uma peça do quebra – cabeça da vida.
            Agora podemos entender as falhas, as decepções, as batalhas perdidas, os insucessos no tratamento de tantos pacientes.
Sempre cuidamos das células com todo respeito bioquímico e fisiológico que elas merecem, porém, não estávamos empregando todos os conhecimentos possíveis.
            Para funcionarem plenamente as células necessitam do equilíbrio intracelular entre a água estruturada e a água desestruturada. É´ o leve desvio para água estruturada  com pontes de hidrogênio fortes o suficiente para manter as estruturas das enzimas, do DNA e do RNA que mantém funcionando todos elementos celulares de um modo harmônico, cooperativo e saudável.
            A vida e a saúde dependem: MATÉRIA  -  INFORMAÇÃO  -  ENERGIA.
            Infelizmente o quebra-cabeça não está completo, faltam peças. Quais serão? Emoções? ; Alma ? ;  Espírito ? ; .................

 

 



5.1.2  Sol

 

Tomar sol traz mais benefícios que riscos, diz estudo

10 Janeiro, 2008 - 06:24h Délcio Rocha

Uma nova pesquisa sobre o impacto da exposição ao sol na saúde sugere que os benefícios da luz solar podem superar os riscos de câncer de pele para algumas pessoas.

O estudo foi liderado pelo biofísico Richard Setlow, o primeiro a alertar para a ligação entre exposição solar e câncer de pele.

Desta vez, no entanto, ele chama atenção para o fato de que a falta de luz solar pode prejudicar a produção de vitamina D, substância que ajuda na prevenção de vários tipos de câncer e doenças cardíacas, além de impulsionar o sistema imunológico.

"Já que a vitamina D tem uma papel importante na prevenção de vários tipos de tumores internos e outras doenças, é importante avaliar os riscos para determinar se o conselho de ficar menos exposto ao sol pode trazer mais prejuízos que benefícios em algumas populações", disse Setlow, pesquisador do Laboratório Nacional de Brookhaven, do Departamento de Energia do governo americano.

A pesquisa foi publicada na edição desta semana da revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences. Além da equipe de Setlow, cientistas da Noruega também participaram do trabalho.

Incidência - Os pesquisadores, da Noruega e dos Estados Unidos, calcularam a síntese de vitamina D em pessoas que vivem em latitudes diferentes - mais ao norte e próximas à linha do Equador.

As simulações indicaram que pessoas que vivem na região do Equador, como na Austrália, produzem 3,4 vezes mais vitamina D em resposta à exposição ao sol do que quem vive na Grã-Bretanha e 4,8 vezes mais do que os escandinavos.

Além disso, os pesquisadores observaram que a incidência de outros tipos de câncer, como de pulmão, mama e próstata, aumentava no sentido norte-sul.

No entanto, ao analisar as taxas de sobrevivência, os pesquisadores descobriram que as pessoas que ficam mais expostas ao sol apresentam prognóstico melhor, o que sugere que pessoas com mais tempo de exposição ao sol têm mais chances de sobreviver a vários tipos de câncer.

"Em um trabalho anterior havíamos apontado que as taxas de sobrevivência para estes tipos de câncer melhoravam quando o diagnóstico coincidia com a estação de maior exposição ao sol", diz Setlow.

O estudo aponta que, para prevenir o câncer de pele e continuar produzindo vitamina D, é preciso aumentar o consumo de alimentos ricos na substância e continuar utilizando o protetor solar.

Para Setlow, a pesquisa pode auxiliar no desenvolvimento de novos tipos de protetores solares, que protejam contra os raios UVA, mas não prejudiquem a absorção moderada dos raios UVB, que atuam na produção de vitamina D.

"Um aumento na exposição ao sol pode levar a uma melhoria no prognóstico do câncer e possivelmente ter mais resultados positivos que negativos", finaliza. Fonte: Estadão Online

http://www.ambienteemfoco.com.br/?p=7183


5.1.3 Ar puro e ambiente arejado e seco principalmente nos locais que dorme. A limpeza do ambiente é fundamental no tratamento, folhas mortas, umidade e mofo aumentam muita a toxidade e dificultam o tratamento.

5.1.4 Praticar Jejum (descanso interno), e/ou tomar apenas água

Corre uma falsa idéia de que saúde está ligada a alimentar-se , e sempre , e muitos ainda usam e abusam de suplementos alimentares para abastecer a máquina humana como se isso fosse uma prevenção de doenças. (O que não deixa de ser em diversos casos)

Mas para a tristeza dos comilões, cientistas concluíram em recentes estudos  que ratos e humanos que comem menos,  vivem mais. . Apesar de todos sabermos que no equilíbrio nutricional mora nossa solução e prevenção para diversas doenças, saber onde está este equilíbrio além de não ser  nada simples, percebemos que um descanso (jejum) na alimentação representa importante mkomento de re-organização nutricional .

Assim escreveu Rogerio Tuma para Carta Capital:

“O baixo consumo de  colorias prolonga a vida de cobaias.Um novo estudo, em humanos, aponta na mesma direção

Um grupo de cientistas da Universidade de Washington, em Saint Louis, nos EUA, acaba de comprovar em humanos o que já havia sido identificado em ratos cobaias: a dieta hipocalórica é o segredo da juventude prolongada e não a atividade física.

Os pesquisadores descobriram que comer pouca caloria faz com que haja redução dos níveis de triiodotironina (T3), um hormônio da tireóide que aumenta o metabolismo, a oxidação e, portanto, o desgaste das células do corpo. Também notaram que há uma redução em outro processo oxidante, causado pelo fator de necrose tumoral tipo alfa – que tem esse nome porque foi primeiro achado em tumores.

Os estudos animais mostraram que exercício, juntamente com dieta hipocalórica, protege o organismo contra obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares, mas só a dieta conseguia prolongar o tempo de vida em até 50%.

Na pesquisa com humanos, voluntários foram divididos em três grupos de 28 pessoas, todas saudáveis, acompanhados por seis anos. O primeiro grupo comia uma dieta de até 1.800 calorias ao dia, mas que possuía no mínimo 100% das necessidades diárias básicas de micronutrientes e vitaminas. Outro grupo seguia uma dieta balanceada de 2.700 calorias, mas era sedentário. Um terceiro grupo consumia 2.700 calorias diárias e praticava exercícios de resistência diários.

O grupo que praticava exercício e os que fizeram regime hipocalórico tinham o mesmo nível de gordura no corpo, mas o nível de T3 era semelhante nos dois grupos que não fizeram regime hipocalórico. A redução dos níveis de T3 só ocorreu no primeiro grupo, que consumia 1.800 calorias diárias. Entre as pessoas que participaram da pesquisa, as variações do nível de gordura no sangue – sempre dentro dos limites do que é considerado saudável – não desempenharam papel algum em relação à longevidade.

Esses resultados mostram que o regime reduz a gordura, mas que o exercício não leva à redução do T3, associada à maior sobrevida em cobaias.

O autor principal do estudo avaliou esses indivíduos que faziam regime e percebeu uma característica importante e positiva neles: seu coração relaxava entre os batimentos, como ocorre com o de um jovem ou uma criança.

Portanto, atenção! A prática de exercícios, além de trazer vários outros benefícios, continua sendo indicada como uma forma de reduzir as gorduras no sangue, o que, para pessoas com níveis de colesterol elevados, é um fator de aumento de sobrevida. Mas, pelo que foi constatado até agora, o que pode ajudar qualquer indivíduo, com ou sem problemas de colesterol, a viver mais é não exceder na comida.

Um novo estudo de dois anos com pessoas entre 25 e 45 anos está para ser iniciado. Seu objetivo será avaliar se a redução de calorias pode reverter alterações já existentes no coração desses indivíduos”.

http://cartacapital.com.br/2006/06/4745

Através deste e outros estudos similares, podemos perceber que o  “milenar” jejum praticado e incentivado por varias religiões, é um poderoso agente de reorganização nutricional que cura diversas doenças. Já diz o ditado popular “O que jejum não cura, nada mais cura”. E não é que é verdade?

Logicamente que há casos anoréxicos que devem ser avaliados, contudo, o que mais se percebe no dia-a-dia,  são pessoas que comem aquilo que não gastam em suas atividades, gerando sobrecarga ao organismo que se vê cada vez mais estressado para eliminar os excessos.

 

 



5.1.5 Organização em ambientes (sem bagunças) e de compromissos (sem dívidas e pendências). Ordenar a vida do paciente para que compromissos e sonhos sejam resolvidos, ele deverá se sentir em paz com compromissos e estar em ambiente onde tudo esteja em ordem. Dívida é um câncer, e portanto deve-se incentivar as pessoas a administrarem suas vidas pagando a vista seus compromissos. Devemos incentivar como Cristo, o perdão das dívidas também, sabendo que tais podem acarretar em doenças aos nossos semelhantes. Um prêmio Nobel em economia ao avaliar o comportamento do brasileiro criticou: “O defeito do brasileiro é ficar contabilizando e gastando muito tempo com as perdas e prejuízos, em vez de pensar para frente e gastar-se pensando mais nas possibilidades de novos lucros”.

5.1.6. Exercícios e atividades são fundamentais para diversos objetivos, principalmente para se conseguir o sono reparador genético. Podemos aqui observar que todo o tratamento deve objetivar levar felicidade e paz ao dormir, pois serão durante estas horas que a cura acontece. Quão importante é  pois que o paciente esteja em alguma atividade durante o dia, o que não se verifica ser possível na maioria dos hospitais onde ficam deitados o tempo todo, exceto nas raras e rápidas visitações das fisioterapeutas.   

Felippe Jr .Tocotrienol: vitamina "E" com efeito anti câncer de mama

 

Todos sabem do imenso valor dos tocoferois , a vitamina E do nosso dia a dia , que funciona como antioxidante poderoso protegendo as membranas celulares e as intracelulares contra um dos nossos piores inimigos : o excesso de radicais livres. Agora já podemos dispor de mais um excelente suplemento, o tocotrienol, uma substância extraída da cevada, aveia, arroz ou do óleo de palma , palmeira oriunda da Malásia. No Brasil também possuímos este tipo de palmeira ( óleo de dendê ) .

A grande vantagem dos tocotrienois é a sua maior potência como antioxidante de membranas; os seus efeitos sobre os lípides, diminuindo o colesterol total, o LDL , a apolipoproteina B (ApoB) e a lipoproteina A (Lpa); os seus efeitos anticoagulantes e antiadesivo / antiagregante de plaquetas, diminuindo o fator plaquetário 4 (Pf4) e o tromboxane A2 (TXA2); o seu efeito hipoglicemiante e finalmente o seu potente efeito anti proliferativo e apoptótico sobre vários tipos de câncer principalmente sobre o câncer de mama. Apoptose é um mecanismo de morte celular e o tocotrienol induz a apoptose principalmente nos tumores de mama.

No presente momento o têrmo 'vitamina E' está sendo considerado como um nome que descreve as atividades tanto dos tocoferois como dos tocotrienois. De maneira semelhante ao tocoferol, o tocotrienol possue uma cabeça cromanol e uma cadeia lateral isoprenoide e ambos são transportados na corrente sanguínea pelos quilomicrons. Entretanto quanto à cadeia lateral, a do tocoferol é fitil saturada e a do tocotrienol é prenil tri-insaturada, o que lhe confere maior poder antioxidante e talvez as outras atividades biológicas.

Encontramos quatro tipos de tocoferois e de tocotrienois, que são distinguidos pelos prefixos gregos: alfa, beta, delta e gama, dependendo do número e da posição do radical CH3 no anel cromanol . Dependendo da procedência, o óleo de palma refinado contém 133 mg de alfa tocoferol, 130 mg de alfa tocotrienol, 45mg de delta tocotrienol e 204 mg de gama tocotrienol por kilo de óleo.

Enquanto que os tocoferois estão geralmente presentes nas castanhas ( amêndoas, avelãs, castanha do Pará ) e nos óleos vegetais comuns ( germe de trigo, girassol) os tocotrienois estão nos grãos de cereais ( aveia, cevada, centeio) e em certos óleos vegetais ( óleo de palma e óleo de farelo de arroz).

 

 Valor dos Tocotrienóis na Prevenção e no tratamento do Câncer O desenvolvimento do câncer se faz em múltiplos estágios : iniciação, promoção e progressão. É muito difícil nos proteger contra a ação de carcinógenos ambientais, porém, o estágio de promoção pode ser inibido por vários produtos naturais, entre eles a vitamina E.

Muitas evidências sustentam o papel da vitamina E na prevenção do câncer e vários trabalhos mostram que suplementos de alfa tocoferol reduzem a incidência de alguns tipos, incluindo o câncer de colon, de esôfago e de próstata. Entretanto alguns estudos não conseguiram mostrar efeito algum sobre o câncer, provavelmente por erros metodológicos.

A vitamina E , tocoferol, possuí vários efeitos fisiológicos que interferem na quimioprevenção do câncer : ela inibe a peroxidação lipídica diminuindo a ação dos seus sub produtos sobre o DNA, inibe o radical hidroxila que lesa diretamente o DNA e inibe a formação de mutagênicos potentes como o peroxinitrito e as nitrosaminas.

Lester Packer e outros pesquisadores mostraram que a vitamina E , tocotrienol, possuí efeito superior como antioxidante em relação ao tocoferol o que nos faz supor que o tocotrienol mostratria mais facilmente a sua eficácia em estudos epidemiológicos de prevenção de câncer, onde o tocoferol falhou. De fato uma ação totalmente inédita do tocotrienol é o seu potente efeito anti proliferativo e anti mitótico em várias neoplasias.

Frações ricas de tocotrienol extraídas do óleo de palma retardam o aparecimento de tumores de mama em ratas e retardam o início de linfomas em camundongos geneticamente susceptíveis. Komiyama e Yamaoka, mostraram inibição do crescimento de células tumorais humanas e de camundongo : H69 , Hela e P388 , com a sua exposição ao tocotrienol por 72 horas. Os tocotrienois inibem o aumento da atividade da gama glutamil transpeptidase, (marcador de neoplasia) em rato submetido ao 2-acetilaminofluoreno, um hepato carcinogeno e aumentam o tempo de latência de tumores de mama induzidos pelo dimetilbenzantraceno (DMBA). Goh mostrou que o gama e o delta tocotrienois exibem forte atividade contra a promoção de tumores, pois inibem a expressão EBV-EA ( Epstein-Barr vírus - early antigens) em células linfoblastoides humanas, induzidas pelo tetradecanoilforbolacetato (TPA). Na maioria dos trabalhos acima o tocoferol não apresentou efeito sobre as células neoplásicas.

Muitos estudos mostraram que os óleos vegetais mais comumente usados pela população e ricos em ácido linoleico promovem o aparecimento de tumores de mama em ratos , enquanto que não se observa tal fato, quando se emprega o óleo de palma. Rose já havia demonstrado in vitro que o ácido linoleico estimula o crescimento de células de câncer mamário humano em cultura. Na verdade vários estudos epidemiológicos bem elaborados nunca conseguiram implicar o ácido linolêico no aumento da incidência do câncer de mama.

Empregando-se a fração rica de tocotrienol do óleo de palma, na concentração de 180 micrograma/ml em meio de cultura, Nesaretnan obteve 50% de inibição da proliferação celular da linhagem MDA - MB - 435 do câncer de mama humano. Em concentrações superiores a 225 micrograma/ml obteve 100% de inibição da proliferação celular. Como esta linhagem tumoral não possui receptores estrogênicos, o efeito observado ocorre por mecanismo diferente e independente de estrógeno.

O mesmo autor continuou estudando o efeito do tocotrienol sobre o câncer de mama, agora empregando uma linhagem dependente de estrógeno: ER+ MCF7. A fração MCF7 sub tipo Mc Grath é tão dependente de estrógeno que ela é quase incapaz de proliferar na ausência do hormônio. Outro fator que regula a sua proliferação são fatores semelhantes ao IGF ( insulin-like growth factors ). Nesaretnan, elegantemente mostrou que a fração rica em tocotrienol, inibe o crescimento desta linhagem de células na ausência de estrógeno e mesmo na sua presença e muito importante , de uma maneira dependente da dose.

Na ausência de estrógeno as frações mais eficazes são a gama e a delta, que em concentrações de 6 microgramas/ml inibem completamente a proliferação celular. Na presença de estradiol a fração delta na concentração de 10 microgramas/ml é a mais eficaz, inibindo completamente a proliferação celular, enquanto a fração gama inibe,63% e a fração alfa,32%.

Quanto ao modo de ação ,o autor demonstrou que o tocotrienol age por um mecanismo não dependente de receptores estrogênicos e não dependente de fatores de crescimento insulin-like (IGFs).

A inibição do câncer de mama pelos tocotrienois possuí implicações clínicas importantes, porque eles são capazes não só de inibir o crescimento de fenotipos ER-positivos e ER-negativos, mas também porque as células responsivas ao estrógeno podem ser inibidas mesmo na presença do hormônio . Possui muito interesse determinar em trabalhos futuros se o câncer de mama pode desenvolver resistência aos tocotrienois , como é habitual acontecer com os anti-estrogenos (tamoxifen) ou o ácido retinoico.

Os tocotrienois poderiam oferecer uma estratégia complementar no tratamento do câncer de mama resistente a outras terapêuticas ou mesmo ser empregado já nas fases iniciais do tratamento convencional.

Os tocotrienois no presente momento são um dos mais importantes elementos a serem considerados quando pensamos na prevenção do câncer de mama. Ele já está sendo utilizado por muitos cancerologistas em vários países, no tratamento coadjuvante do câncer de mama.

Apesar de todas essas propriedades terapêuticas e dos inúmeros trabalhos científicos de bom nível, os tocotrienois têm merecido pouca atenção e pouco destaque , por pertencer ao grupo das drogas orfãs , isto é não patenteáveis, e portanto com baixos índices de lucrativide.

 

 

 

Referências Bibliográficas 1- Nesaretnam K, et al: Tocotrienols inhibit the growth of human breast cancer cells irrespective of estrogen status. Lipids, 33(5):461-469,1998

2- Nesaretnam,K , et al: Effect of tocotrienols on the growth of a human breast cancer cell line culture. Lipids, 30(12):1139-1143,1995.

3- Goh,SH et al: Inhibition of tumor promotion by various palm-oil tocotrienols. Int.J Cancer, 57:529-531,1994

4- Theriault,A et al: Tocotrienol : A review of its therapeutic potencial. Clinical Biochemistry, 32:309-319,1999.

5- Serbinova,EA, Packer,l et al: Antioxidant properties of alfa-tocoferol and alfa-tocotrienol. Methoda in Enzymology, 234:354-367,1994.

6- McIntyre BS et al: Antiproliferative and apoptotic effects of tocopherols and tocotrienols on preneoplastic and neoplastic mouse mammary epithelial cells. Proc Soc Expo Biol Med . 224(4):292-301,2000.

7- Yu,W ; Kline,K et al: Induction of apoptosis in human breast cancer cells by tocopherols and tocotrienols. Nutr. Cancer , 33(1):26-32,1999.

8- Guthrie N ; Carroll,KK et al: Inhibition of proliferation of estrogen receptor-negative MDA-MB-435 and positive MCF-7 human breast cancer cells by palm oil tocotrienols and tamoxifen, alone and in combination. J. Nutr, 127(3):544s-548s,1997

9- Thiele JJ et al: Ozone depletes tocopherols and tocotrienols topically applied to murine skin. FEBS Lett. 401(2-3):167-70,1997

10- Rose DP and Connolly JM > Stimulation of growth of human breast cancer cell lines in culture by linoleic acid . Biochem. Biophysis. Res Comm.. 164,277-283,1989

11- Tan,DT et al. Effect of a palm-oil-vitamin E concentrate on the serum and lipoprotein of humans. Am J clin Nutr , 53:1027s-1031s,1991.

5.1.7. Regime Crudívoro

Há milhares de casos onde o regime crudívoro (comer apenas coisas cruas) revelou-se extremamente eficiente em reorganizar a saúde, e mais ainda recomendamos tais expedientes sob orientação terapêutica, nutricional e da medicina ortomolecular.

 

erça-feira, 15 de junho de 2010

Álcool Perílico - tumores cerebrais: estudo apresentado na Asco 2010

O Prof. Clovis Orlando Pereira da Fonseca, professor associado de neurocirugia da Universidade Federal Fluminense e a Prof. Thereza Quírico dos Santos, professora titular do Departamento de Biologia Celular e Molecular da mesma universidade são coordenadores de pesquisas com o Álcool Perílico administrado por via inalatória, em pacientes com gliomas malignos. 

Uma importante característica do gliomas malignos é sua tendência à recidiva em curto intervalo de tempo devido à resistência dessas células tumorais às terapias convencionais adjuvantes: radioterapia (RT) e quimioterapia (QT). Estudos mostram que dano ao DNA, por administração seqüencial dessas modalidades terapêuticas às células de gliomas, pode ativar vias de sinalização da Ras, via receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR), contribuindo para resistência à indução de apoptose. A inibição da Ras e/ou do EGFR parece eliminar o antagonismo observado entre RT e QT, realçando indução a apoptose das células de gliomas tratadas. Esses achados sugerem que estratégia visando à inativação dessas vias de sinalização pode ser crucial para a eficácia de modalidades terapêuticas combinadas no tratamento dos gliomas.

O álcool perílico (AP), um monoterpeno monocíclico hidroxilado que apresenta efeitos antitumorais em uma variedade de modelos experimentais, possui efeitos antiangiogênicos e pró-apoptóticos, interferindo nas vias de sinalização mediadas pelo oncogene Ras. Estudos pré-clínicos mostram que o AP induz apoptose em células pancreáticas, células leucêmicas Bcr/Abl transformadas, células de carcinoma mamário e linhagens celulares de glioblastoma previamente tratadas com radioterapia. Estudo do nosso grupo mostrou que o AP induz apoptose em linhagens celulares e células de explante de glioblastoma. Devido a sua ação promissora na inibição do crescimento de diferentes tipos de tumores, além de apresentar baixa toxicidade, o AP vem sendo testado em ensaios clínicos fase I e fase II em diversos tumores refratários ao tratamento padrão.

No congresso ASCO 2010 que ocorreu entre os dias 4 a 8 de junho de 2010 em Chicago, a administração intranasal de álcool perílico foi apresentada como uma nova terapêutica inibidora de Ras, nos tumores cerebrais. Abaixo, o resumo do estudo. 

Nova abordagem terapêutica para tumores cerebrais: a administração intranasal de álcool perílico, um inibidor de Ras

 

Resumo em português:

(tradução google)


Autor (es): CO Fonseca, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil
Antecedentes: Historicamente, o periódico do glioblastoma (GBM), tem uma sobrevida média de 3-6 meses. Ras ativa contribui para o fenótipo maligno destes tumores cerebrais. Estamos realizando fase I / II para avaliar a atividade antitumoral da administração intranasal de um inibidor de Ras, o álcool perílico (POH), em esquema 4 × ao dia em pacientes com recidiva de gliomas malignos. Métodos: Foi incluído 89 adultos com GBM recorrente que receberam uma dose intranasal diária de 440 mg POH e 52 pacientes com GBM combinados como grupo controle histórico. Resultados: Seis meses de sobrevida livre (doença estável) foi de 48,3% para pacientes tratados com POH significativa (p = 0,0001) a sobrevivência vantagem em relação ao controle histórico do grupo não tratado. Sobrevida média de GBM secundário foi de 11,2 meses, superior (p = 0,0002) do que GBM primário (5,9 meses). Idade análise ajuste multivariado mostrou diferença significativa (p = 0,0002) na taxa de sobrevivência entre GBM primário e secundário . Pacientes com tumores localizados em regiões profundas (tálamo, gânglios da base) sobreviveu por mais tempo (p = 0,0083) do que aqueles com tumores em regiões do lobo. Radiográfica melhoria e redução da dose de corticosteróide (36%) mais associado a um atraso para a progressão. Conclusões: administração intranasal de POH aumentou a sobrevida global dos pacientes com GBM recorrente em comparação com controles históricos, mas principalmente os pacientes com GBM secundário e aqueles com tumor localizado em regiões profundas do cérebro sem evidência clínica de efeitos colaterais por mais de um ano.

Em inglês

Abstract: Background: Historically, recurrent glioblastoma (GBM) has a median survival of three to six months. Since active Ras contribute to malignant phenotype of these brain tumors we are conducting a phase I/II study to evaluate the antitumoral activity of intranasal administration of a Ras inhibitor, perillyl alcohol (POH), in a 4× daily schedule in patients with recurrent malignant gliomas. Methods: It was included 89 adults with recurrent GBM receiving daily intranasal administration of 440 mg POH and 52 matched GBM patients as historical control group. Results: Six month free survival (stable disease) was 48.3% for POH-treated patients with significant (p = 0.0001) survival advantage compared with historical control untreated group. Median survival rate of secondary GBM was 11.2 months, longer (p = 0.0002) than primary GBM (5.9 months). Age adjustment multivariate analysis showed significant difference (p = 0.0002) in the survival rate between primary and secondary GBM. Patients with tumors localized in deep regions (thalamus, basal ganglia) survived longer (p = 0.0083) than those with tumors in lobar regions. Radiographic improvement and reduction of corticosteroid dosage (36 %) further associated with a delay towards progression.Conclusions: Intranasal administration of POH increased the overall survival of patients with recurrent GBM in comparison with historical controls, but especially patients with secondary GBM and those with tumor localized in deep regions of the brain without clinical evidence of side effects for over a year.

Fonte: http://abstract.asco.org/AbstView_74_40662.html


- VITAMINAS E MINERAIS: Cada uma das nossas bilhões de células deve ter vitaminas e minerais para manter a força e a integridade de suas membranas e outras estruturas vitais. Uma das funções cruciais das células é produzir centenas de enzimas diferentes – moléculas que detonam e controlam reações químicas. Entre outras tarefas, as enzimas estão encarregadas de reparar danos causados às células. Normalmente as enzimas entram correndo em cena e devolvem ao DNA à sua forma original. Mas se o sistema de reprodução de enzimas da célula não estiver em condições – por exemplo, está faltando no organismo um ou mais nutrientes - chave, estaremos muito mais vulnerável a um mau funcionamento celular. A maioria das enzimas do nosso corpo tem, ao mesmo tempo, uma porção de vitamina e uma porção de mineral. É de extrema importância adotar uma dieta que “potencialize” a nutrição do organismo e ao mesmo tempo, desestimule o crescimento do tumor. O Vitor utiliza suplementação vitamínica e mineral, recomendada pelo médico nutrólogo que o acompanha , como apóio a uma dieta rica em fitoquímicos.

- AMÊNDOAS : são ricas em letrila, que atua como um agente anticancerígeno. De todas as frutas oleaginosas, a mais aconselhável para o consumo é a amêndoa, porque na sua composição química contém uma grande quantidade de aminoácidos enxofrados, vitaminas, minerais, proteínas de alto valor biológico, gorduras essenciais monoinsaturadas e um valor calórico excepcional. O médico do Vitor recomendou a ingestão de 20 amêndoas ao dia, cruas e sem sal: 10 no café da manhã e 10 no almoço. As amêndoas são excelentes fontes de proteínas. Não é recomendado ingerir proteínas após as 13:00 horas. A justificativa que o médico nutrólogo apresentou é que desta forma, haverá 18 horas para a pancreatina “digerir” a massa tumoral.

- FLUOR - Estamos tentando evitar o flúor , tanto dos cremes dentais quanto da água fluoretada que chega na torneira. Usamos um filtro de carvão vegetal que filtra os metais pesados da água e também o flúor. Inclusive a água para o cozimento do feijão, arroz, macarrão, etc. deve ser filtrada, pois durante o processo de cozimento, parte da água é evaporada, mas resíduos de metais pesados ficam concentrados nos alimentos.O flúor é apresentado como um "veneno protoplasmático", interferindo com as moléculas do DNA, causando danos, tornando-se um fator indutor do câncer. Age também inibindo várias enzimas e interferindo com a síntese do colágeno, a principal proteína do organismo...
www.medicinacomplementar.com.br/toxidade_fluor.asp

- COGUMELO DO SOL: Possui as substâncias glucana, arosterol, lecitina, proteo-glucanos, arginina, glutamina, benéficas no tratamento do câncer. Por exemplo, A glucano, inibe o crescimento tumoral, promove a ativação das células Natural Killer (NK), Linfócitos T e B, células complementares, aumenta número de macrófagos, monócitos, anticorpos, IL-2, IL-6, IN-y e TNF-a. O mecanismo de ação do glucano é a ativação e expansão clonal de células T.
Link de um estudo sobre o cogumelo do Sol feito pela Revista Brasileira de Cancerologia
www.inca.gov.br/rbc/n_52/v04/pdf/revisao_literatura1.pdf

- CURCUMINA: A curcumina possui uma série de efeitos na prevenção e no tratamento do câncer. É o fitoquímico que inibe o maior número de vias de sinalização, transdução e transcrição que conhecemos e por esse motivo possui potente efeito no câncer como antiproliferativo, apoptótico , antiangiogênico e antimetastático. Também é um potente agente antinflamatório (a inflamação está implicada na carcinogênese). O Dr. David Servan-Schereiber (autor do livro Anticâncer), quando pesquisava seu próprio câncer, ficou perplexo ao descobrir que mesmo tumores cerebrais tão agressivos como o temível Glioblastoma Multiforme, se mostrava mais sensível à quimioterapia quando se prescrevia em paralelo o consumo da cúrcuma. Em Taiwan, os pesquisadores que tentaram tratar tumores com cúrcuma em cápsulas perceberam que era extremamente mal absorvido pelo organismo, pois o cúrcuma não passa a barreira intestinal. O ideal é sempre ser utilizado misturado à pimenta (piper nigra).http://www.medicinacomplementar.com.br/temanov07.asp

- UNHA DE GATO: Atividade anti-mutagênica, anti-inflamatória e anti-tumural.

- BROSWELLA SERRATA: Muito utilizada na Índia. Poderoso anti-inflamatório.

- CHÁ VERDE: Bloqueia a invasão dos tecidos e a angiogênese, pois contém múltiplos polifenóis , chamados catequinas. Dentre eles, a epigalocatequina-3-galato – ou EGCG – é uma das moléculas nutricionais mais poderosas contra os mecanismos necessários à invasão dos tecidos e à formação de novos vasos pelas células cancerosas. Após duas ou três xícaras de chá verde, a EGCG está presente no sangue em grandes quantidades, espalhando-se por todo o organismo através dos pequenos vasos capilares que cercam e nutrem cada célula do corpo. Ela se coloca na superfície destas últimas e se encaixa nos interruptores (os “receptores”), cuja função é dar sinal que permite a invasão dos tecidos por células estrangeiras, como as células cancerosas. A EGCG é também capaz de bloquear os receptores que desencadeiam a criação de novos vasos. Os receptores não respondem mais aos comandos que lhes são enviados pelas células cancerosas – via fatores de inflamação – para invadir os tecidos vizinhos e fabricar os novos vasos necessários ao crescimento dos tumores. O chá verde age também para desintoxicar o organismo. Ele ativa os mecanismos do fígado que permitem eliminar mais rapidamente as toxinas cancerígenas do organismo.

- CHÁ DE FOLHA DE GRAVIOLA – O chá de folha de graviola (annona muricata), "possui um grupo de fitoquímicos denominados acetogeninas e várias delas são bem documentadas como sendo antitumorais. As acetogeninas atuam como inibidores do complexo I da cadeia de transporte de elétrons nas mitocôndrias de vários organismos, inclusive em células tumorais, levando a depleção dos níveis ATP."Na Reportagem dolink abaixo do “Globo Repórter” , descreve vários aspectos da folha de graviola, da unha de gato e de outros fitoterápicos utilizados no tratamento do câncer. A reportagem é bem clara ao afirmar que os pesquisadores estavam tentando isolar moléculas da folha de graviola para então patentear um remédio. Como não conseguiram, desistiram.
http://www.youtube.com/watch?v=u7Z6cEUshDQ

- VITAMINA B 12: Indivíduos estritamente vegetarianos têm deficiência de vitamina B12 e consequentemente são deficientes em folatos. Já foi demonstrado que a deficiência em fotados está associada ao aumento na suscetibilidade às quebras cromossômicas e o aumento nas freqüências de quebras cromossômicas, por sua vez, está associado ao aumento do risco de câncer. Já nas pessoas com câncer, é fundamental que os níveis séricos de vitamina B 12 não fiquem em baixa, pois está associado a sua importância na indução da apoptose. Na última consulta o médico receitou injeções de “Rubranova 5000” para o Vitor a cada 4 meses, não sendo mais necessário tomar comprimidos de B 12 diariamente, pois as necessidades de B 12 será supridas com estas injeções periódicas. Quem não tem câncer, 1 injeção a cada 6 meses já é suficiente.

- ÁGUA ESTRUTURADA: Do ponto de vista energético, a estruturação da água depende não só do potencial iônico dos minerais como também da diversidade e proporção com que se apresentam – fatores igualmente determinantes à complexidade estrutural, quantidade de oxigênio vinculado, energia livre disponível e habilidade de receber, armazenar e veicular informações. A estratégia de diminuir a quantidade de água desestruturada e aumentar a água estruturada das células neoplásicas, interferindo nos osmolitos, atinge o alvo, atinge o ponto fundamental e inicial do processo carcinogênico e inibe a proliferação celular, promove a apoptose, diminui a formação de novos vasos e aumenta a diferenciação celular. As “águas minerais” variam no seu potencial de estrutura. Já me recomendaram as águas da fonte de Santa Bárbara como sendo uma água de excelente qualidade.
Estive pesquisando no site da cidade e verifiquei a composição da água, que pode ser conferida no link:
http://www.aguasdesantabarbara.sp.gov.br/index.php?exibir=secoes&ID=46

- CLOROFILA DO TRIGO: Produto extraído de folhas de trigo, conforme orientação de Ann Wigmore, e do Hippocrates Health Institute (USA – Boston), considerado um “alimento funcional”, tem ação anti-oxidante, combate os radicais livres, regenera células, neutraliza toxinas, fornece todos os elementos reguladores de nutrição para o corpo em qualquer idade. "O poder curativo da clorofila é espantoso. Limpa tudo, retirando toxinas armazenadas por décadas em nosso organismo. Enfim aprendemos a regenerar nosso corpo e eliminar doenças, algumas como cancer, aids, diabetes, etc, tidas como incuráveis. " –
Citação retirada do link:
http://wwwusers.rdc.puc-rio.br/anabranc/portugues/dep_rubens.html

No link abaixo, Reportagem da Globo sobre mais aspectos da clorofila:
http://www.youtube.com/watch?v=y7egx5WvbGY

- PRÓPOLIS VERDE: É um tipo de própolis que contém 70 componentes químicos distintos, da resina do Alecrim do Campo, de Minas Gerais. Ela tem uma propriedade do grupo dos terpenos que tem ação contra os tumores. Chama-se "artepellin C" . No link abaixo tem uma reportagem feita pela re Globo, descrevendo detalhes da Própolis Verde. Há inclusive a entrevista com um médico japonês que cita que é possível conseguir 90% DE CURA DOS CÂNCERES, associando-se ao tratamento estratégias nutricionais e também a própolis.
Quanto à própolis, a mais comum, conhecida com "silvestre" também tem propriedades anti-cancerígenas. Há muitos anos é utilizada no Japão como coadjuvante ao tratamento do câncer. 


Vale muito à pena assistir esta reportagem. 
http://www.propolisverde.com/en/video.php

http://www.youtube.com/watch?v=nR6VYB4Pe-8

- BABOSA: Existem inúmeros estudos sobre as propriedades terapeuticas da babosa. Na verdade ela é tida como um alimento, um desintoxicante do sangue, é fungicida, bactericida, analgésica...enfim; uma ajuda para o organismo como um todo, pois também tem muitas vitaminas, sais minerais, inúmeras enzimas e dos 22 aminoácidos existentes ela possui 20, dentre eles 7 dos 8 essenciais.. Sua principal contra o câncer se deve à ação de uma substância chamada “Acemannan”, que ativa e estimula macrófagos, monócitos, anticorpos e também linfócitos T (células cujo papel é aumentar a resistência imunológica do organismo)... Acemannan quebra a capa das proteínas de células cancerosas. Desta forma, células defensoras podem agredir e eliminar, efetivamente, as células tumorosas . Acemannan protege a medula contra os prejuízos causados por venenos químicos e drogas impregnadas.

- SUBSTÂNCIAS TÔXICAS: As substâncias tóxicas no organismo são antagonistas dos minerais essenciais, ou seja, atrapalham a absorção dos minerais essenciais necessários à nossa saúde e consequentemente à apoptose, no caso do câncer. Esse problema pode ser minimizado mantendo uma dieta rica em vegetais , principalmente os orgânicos, que por si só tem em maior quantidade os minerais benéficos ao nosso organismo. Qualquer tentativa de diminuir a exposição a substâncias tóxicas é sempre válida e isto inclui cuidados com diversos itens, utilização de plásticos no microondas, uso de corantes, conservantes, água não purificada, produtos de higiene e limpeza muito agressivos, pesticidas, panelas de alumínio ou teflon riscados, ambientes contaminados com mofo, ácaros, não ventilados e também excesso de poluição.

- GEOTERAPIA OU ARGILOTERAPIA: É o uso da argila em forma de barro. A argila contém várias substâncias radioativas que emitem raios, ou partículas dotadas de propriedades químicas e elétricas que atravessam os tecidos do corpo humano, fortalecendo sua capacitação de combater as enfermidades em geral. Possui o poder de absorver e dissolver as matérias mórbidas das doenças. Ela tira a febre do organismo, tira dores, têm efeito calmante dos nervos e tem ainda, propriedades de recuperar células doentes e de extrair do organismo impurezas, purificando-o. Possui efeito depurativo, refrescante, descongestionante, absorvente, cicatrizante, antiinflamatório.

 

Entrevista ao crudívoro Luís Guerreiro

Luís Guerreiro é algarvio e crudívoro desde 2003. Criou e mantém o sítio http://alimentacaoviva.blogspot.com , no qual disponibiliza informação sobre o crudivorismo, bem como inúmeras receitas. Luís considera que a alimentação crua foi uma maravilhosa descoberta que em muito mudou a sua vida para melhor. Uma saúde plena, imensa vitalidade e alegria, e a perda de peso em excesso, foram alguns dos vários resultados que obteve pela adopção desta alimentação e filosofia de vida.
O Centro Vegetariano foi ao seu encontro, para saber mais sobre a sua escolha.
1. Luís, em que circunstâncias tomou contacto com o crudivorismo?
Em meados de 2002 conheci o Alex ,um jovem inglês, num seminário de shamanismo do Tony Samara. Achei estranho o facto do Alex só comer saladas e frutos, e perguntei-lhe: porquê tudo cru? Ele disse-me que era uma forma muito saudável, como prevenção de doenças, e que desde que iniciou sente cada vez mais energia. Não fiquei convencido à primeira pois achava a ideia um pouco radical. Voltei a encontrar o Alex 5 meses depois e ele estava, de facto, cheio de energia e continuava a fazer esta alimentação. Sofri cerca de 17 anos de esofagite de refluxo, em consequência de uma hérnia do hiato (os sintomas são ardores/azias constantes), para a qual não encontrei solução se não tomar anti-ácidos ano após ano. Fiz várias endoscopias ao longo dos anos e o problema parecia não ter solução, para além da hérnia do hiato foram-me diagnosticadas várias úlceras (pequenas). Os médicos diziam que poderia contrair cancro se não tomasse os respectivos medicamentos. Depois de ler um livro de David Wolfe sobre alimentos crus, e fazer cerca de 4 meses de pesquisa na internet, algo dentro de mim despertou e resolvi experimentar a alimentação viva.

2. Porque optou pelo crudivorismo?
Inicialmente por uma questão de saúde, em seguida descobri que também é uma alimentação deliciosa, que desperta a nossa imaginação e nos faz regressar àquilo que o ser humano esqueceu - a forma natural de nos alimentarmos. A prova está no nosso organismo e na semelhança que temos a nível genético com outros seres vivos crudívoros. É também uma forma de nos ligarmos espiritualmente ao Universo e à sua mais pura energia.

3. Quais são as principais características desta alimentação?
A COMIDA VIVA é uma forma de alimentação baseada em alimentos crus, frutos frescos e secos (hidratados), vegetais, sementes, grãos germinados e algas, ricos em enzimas e todos os nutrientes necessários para o nosso organismo. Os quais têm toda a vitalidade nutricional necessária para uma vida saudável.
Os alimentos crus são ricos em enzimas - responsáveis por toda a construção do nosso organismo. As enzimas são os incansáveis trabalhadores que levam os nutrientes às nossas células. Podemos dizer que a alimentação crua é uma alimentação enzimática. Ao cozermos os alimentos (a partir de +- 40ºC) destruímos as enzimas. Se comermos alimentos crus evitamos a destruição das enzimas que a comida contém facilitando assim a digestão e evitando gastar as nossas próprias reservas.
Segundo o Dr. Edward Howell (um dos principais e o primeiro pesquisador das enzimas), a falta de enzimas na comida cozida é ainda uma das maiores razões do envelhecimento e morte precoce. É ainda a causa subjacente da maior parte das doenças.
Se o nosso corpo está ocupado com a digestão de alimentos cozidos e a produção de enzimas para a saliva, suco gástrico, suco pancreático e sucos intestinais, então terá que diminuir a produção de enzimas para outros propósitos. Quando isto acontece, então como pode o corpo produzir enzimas para o trabalho do cérebro, coração, rins, músculos e os outros órgãos e tecidos?
Esta falta de enzimas ocorre na maioria da população mundial dos países civilizados que se alimenta de comida cozida. Inclusive os animais domésticos alimentados cada vez mais de forma artificial e com alimentos cozidos sofrem das mesmas doenças que nos atacam.

4. Sentiu algumas alterações quando adoptou este regime alimentar? Se sim, quais?
Na primeira semana, tive diarreia e comecei a sentir os efeitos da desintoxicação que esta alimentação cria. Mudei radicalmente os meus hábitos e o corpo reagiu. Senti-me cansado, com olhos profundos, algumas borbulhas. Resolvi investigar na internet sobre o assunto e cheguei à conclusão de que me tinha precipitado em mudar logo a 100% de alimentação pois assim sofremos um pouco os efeitos de "ressaca" e limpeza rápida do organismo. Descobri que a adaptação moderada a esta alimentação, torna o processo mais suave, deixando o corpo adaptar-se gradualmente ao mesmo tempo que nos libertamos de toxinas. Enfim, os efeitos não foram de forma alguma devastadores, mas sim compensadores. Eu, pessoalmente, libertei-me dos sintomas de azia e ardor constantes, deixei de tomar os anti-ácidos, perdi peso, cerca de 15 quilos que me davam um aspecto de 10 anos mais velho, passei a dormir melhor pois sofria de insónias, tenho agora sonhos positivos ao contrário do passado cheio de pesadelos que me levaram à depressão durante largos anos, acordo agora com mais energia, também deixei de sofrer de eczema e herpes, que me afectavam variadas vezes, estou mais calmo - o stress e os medos da vida não parecem afectar-me tanto como no passado. Descobri também que imensas doenças consideradas incuráveis podem ser evitadas e curadas com esta alimentação. Existem centenas de testemunhos na internet.

5. Considera existirem vantagens nutricionais do crudivorismo em relação às outras dietas?
Sem dúvida, esta é a forma mais natural de comer. Olhemos para os animais na natureza. Na natureza todos os animais comem alimentos vivos. Só o ser humano cozinha os seus alimentos e só o ser humano sofre de imensas doenças e males. Os humanos que comem mais alimentos vivos estão mais alerta, pensam de forma clara, concisamente e mais logicamente e tornam-se mais activos. Melhor, comedores de comida viva tornam-se virtualmente livres de doença.
Na natureza os mamíferos vivem entre oito a dez vezes o seu tempo de maturação. Os seres humanos, animais domésticos e criados em cativeiro que comem comida cozinhada só vivem quatro vezes o tempo de maturação. No famoso estudo "Pottinger" sobre gatos, foi demonstrado que comida cozinhada resulta em vidas mais curtas, anormalidades congénitas e eventualmente, perda da capacidade reprodutiva. Experiências em laboratório comprovaram que ratos alimentados com comida crua viveram 50% mais tempo do que outros alimentados com cozinhados.
O nosso organismo evoluiu durante cerca de quatro milhões de anos. Cerca de 3.950.000 dos quais comemos só cru, alimentos vivos. Só recentemente é que começámos a comer alimentos cozinhados. Quando olhamos para os outros mamíferos na natureza, não vemos qualquer incidência das doenças que se difundiram pelos seres humanos. Nem cancro, doenças do coração, ataques ou diabetes, etc.
Cozinhar é um processo de destruição dos alimentos a partir do momento em que calor é aplicado à comida. Os nutrientes são praticamentetodos destruídos se a cozedura for longa.
Cozinhar transforma a comida num tóxico! A toxicidade dos alimentos cozinhados é confirmada pela duplicação e triplicação das células brancas no sangue depois de comer uma refeição cozinhada. As células brancas do sangue são a primeira linha de defesa do organismo e são, colectivamente, popularmente chamadas de "sistema imunitário".
Para além das vantagens nutricionais gostava de mencionar as vantagens ecológicas:
- A produção de alimentos biológicos não prejudica o ambiente
- Ao não cozinhar (cozer, etc) não libertamos tantos gases para a atmosfera
- Os restos dos crus não poluem - como todos os preparados, latas, pacotes e outros artigos com alimentos cozidos confeccionados
- A criação de gado tem sido uma das razões principais da desflorestação do planeta pois para criar animais é necessário mais espaço do que para a criação de vegetais ou frutos. Uma alimentação sem produtos animais ajuda a a natureza
- Os crus podem preservar-se mais tempo e de uma forma natural do que qualquer alimento cozido que precisa de frigorífico após a confecção

6. O que aconselha a quem se quer tornar crudívoro?
Somos todos diferentes. O ideal é uma adaptação estudada e cuidada. No início há que ter em conta a reacção do organismo pois os crus vão fazer limpeza e podemos ter sensações desagradáveis. É bom começar por substituir aos poucos os cozidos por cru. Começar por um pequeno-almoço com fruta em vez de cereais (pão, etc). Comer uma boa (grande) salada antes das refeições principais.

Alguns dos estágios são:
1º Estágio: é o 1º passo em busca da saúde verdadeira e da autonomia:
- Retirar da alimentação os alimentos "bióxidos" que tiram a vida
Chocolates, leite, carnes curadas (como as salsichas, salames, mortadelas), bebidas alcoólicas, alimentos industrializados e refinados, refrigerantes, gorduras hidrogenadas e sua preparações, farinhas brancas e suas preparações, açúcar refinado e preparações, carnes produzidas como hormonas e antibióticos, adoçantes artificiais e preparações.
- Incluir na dieta alimentos crus: frutas, verduras e rebentos (no mínimo 30%)
- Substituir o leite por iogurte, o açúcar refinado por mascavado ou açúcar de frutos (frutose)
- Substituir cereais refinados por grãos integrais
- Incluir sumos naturais
- Meditar, respirar e praticar exercícios físicos

2º Estágio: Seguir as restrições da fase anterior e:
- Retirar carnes vermelhas e ingerir carnes brancas no máximo duas vezes por semana
- Usar claras de ovos caseiros, queijo fresco, iogurte
- Evitar o uso de açúcar mascavado
- Ingerir 50% de alimento crus, incluindo os rebentos nas refeições principais
- Incluir sumos
- Meditar, respirar e praticar exercícios físicos diariamente

3º Estágio: Seguir as restrições das fases anteriores e:
- Tirar todas as carnes e ovos
- Usar iogurte e queijo fresco
- Meditar, respirar e praticar exercícios diariamente

4º Estágio: Seguir as restrições das fases anteriores e:
- Ingerir 80 à 100% de alimentos crus com a maioria dos alimentos biogénicos que aumentam a vida
- Excluir os produtos de origem animal
- Meditar, respirar e praticar exercícios físicos diariamente
- Não é necessário ser crudívoros a 100% - isso é uma escolha pessoal. Digamos que os 80% mencionados anteriormente sejam uma escolha equilibrada, pois também necessitamos de ter uma vida social e nem sempre os crus estão disponíveis da forma ideal.

7. A alimentação crua é saborosa? É fácil de preparar?
Provemos uma fruta fresca, uma cenoura crua, etc. Tem ou não tem sabor? Coza a cenoura sem sal ou outro tipo de tempero - qual é o sabor?
Sim a alimentação crua é muito saborosa. Podemos encher uma biblioteca de livros de receitas com crus, desde as saladas até às sobremesas, sopas, pizzas cruas, pão cru, gelados, mousse de chocolate (sem ovos, nem cacau, nem açúcar), tudo delicioso.
É possível fazer um bolo cru em menos de 5 minutos. É possível fazer uma salada em menos de 5 minutos. É possível fazer um sumo delicioso em menos de 5 minutos

8. As refeições podem ser aquecidas?
Sim, é possível aquecer os preparados até mais ou menos 45ºC, desta forma preservamos todos os nutrientes.

9. Que robots de cozinha são precisos para a preparação das refeições?
Pode ir do simples expremedor de laranja até onde a imaginação nos levar. O ideal será uma máquina multi-usos que possa fazer sumos, ralar, misturar, etc. Mas existem robots especiais que podem de facto ajudar. É tudo uma questão de imaginação e claro poder de compra.
Pode também usar um desidratador ou um forno que trabalhe abaixo dos 45ºC para desidratar os alimentos ou fazer pão (cru).

10. É verdade que o crudivorismo retarda o envelhecimento, nos torna mais enérgicos, mais felizes e naturalmente elegantes?
Passados alguns meses na alimentação crua, alguns amigos ou vizinhos ficaram espantados comigo. Perdi cerca de 15 Kg e aparentemente as pessoas dizem que pareço mais novo. Outras pessoas que conheço também beneficiaram a sua saúde com algumas dicas, mesmo não sendo 100% crudívoros.

11. Pessoas de todas as idades podem se crudívoras?
Sim, quanto mais cedo melhor, o ideal seria os pais já serem crudívoros antes do nascimento dos filhos e estes poderem continuar.
Em relação às pessoas mais idosas e as que tiveram uma alimentação durante muitos anos de produtos animais, é aconselhável um certo cuidado no início, pois o organismo precisa de se adaptar.

12. Em Portugal fala-se de crudivorismo? E no mundo, é de facto uma revolução?
De crudivorismo propriamente, penso que Portugal ainda é quase terreno virgem. Felizmente cada vez mais gente vai falando do valor dos alimentos crus e da sua importância para a saúde, portanto neste ponto de vista são reconhecidos os valores desta alimentação mas praticantes ainda não são muitos.
No resto do mundo, principalmente nos Estados Unidos é de facto uma revolução. Foram criados imensos espaços dedicados a esta alimentação: restaurantes, bares de sumos, cruzeiros com alimentação crua, etc.
Muitas estrelas do cinema e da música são crudívoras.

 


5.1.7. 1. Sete erros do Regime Crudívoro

 

 

 

  1. Muitos dos que adotam a alimentação crua não comem suficientes alimentos verdes. Solução: consumir regularmente sopa energética ou saladas verdes para garantir apropriada quantidade de verdes.
  2. Muitos dos que adotam a alimentação crua não comem suficientes fibras, solúveis e não solúveis. Solução: beber mais vitaminas ou sopas energéticas em vez de sucos.
  3. Muitos dos que adotam a alimentação crua não comem suficientes gorduras. Quando tentam imitar pratos cozidos, substituem amido por nozes. Por exemplo, ao prepararem tortas cruas, imitam a crosta de trigo com uma mistura de nozes. Solução: use sobras de polpa de nozes para fazer leites de nozes, use mais sementes e menos nozes e use mais polpa de frutas e verduras em vez de sucos nas misturas para minimizar o consumo de nozes.
  4. Muitos dos que adotam a alimentação crua tentam se tornar perfeitos demais quando jejuam. Não dão ao seu corpo a chance de ajustar-se a tal mudança radical na dieta. Solução: ajustar gradualmente e purificar sua dieta individual para facilitar a transição para uma dieta saudável.
  5. Quando as pessoas mudam sua dieta em geral decidem que os outros componentes que compõem a saúde não mais são importantes, como: banho de sol, exercício, repouso apropriado, ar fresco etc. Solução: pratique um estilo de vida completo.
  6. Pessoas que adotam a alimentação crua muitas vezes abusam de alguns alimentos específicos e negligenciam a variedade de outras frutas e verduras. Por exemplo, suco de laranja é muito saudável, mas em quantidades extremamente grandes pode danificar os dentes e aumentar o nível de açúcar. Grandes quantidades de brotos, morangos e tudo o mais inevitavelmente gera desarmonia. Solução: coma alimentos em quantidades razoáveis.
  7. O erro maior que muitos cometem é que ouvem autoridades em alimentação crua e não confiam nas mensagens valiosas do próprio corpo. Solução: faça um diário de seu consumo alimentar e como isso afeta seu bem-estar.

 

       Copyright 2007 - Victoria Boutenko. Indique a fonte ao compartilhar estas informações - www.rawfamily.com

http://www.vegetarianismo.com.br/sitio/index.php?option=com_content&task=view&id=1056&Itemid=117


5.1.8. Calma, Confiança e Paz

Manter-se Calmo e confiante  nos recursos  que Deus  disponibilizou em seu próprio corpo. A paz e a confiança restauram um sono reparador,  portanto é  o melhor remédio que alguém possa ingerir!

A culpa, a mágoa, o rancor,  nos cobram em nossos pesadelos ao dormir, e por assim dizer impede todo o trabalho de auto-cura que o SI desempenha nestas horas.

Desde os modernistas psicólogos, dos quais a figura que mais se destacou foi Freud, que a sociedade  moderna evita a todo custo a palavra culpa, pecado, juízo de valor, como sendo estas coisas ultrapassadas de se pensar, ou aspectos de pensamento  medieval que não devemos mais contemplar. Na experiência de muitos cientistas, terapeutas e médicos, e nas minhas próprias, percebo isso ser um ledo engano. Encarar a realidade da culpa, do err, e do pecado moral,  de frente, me parece  ser a melhor saída para uma cura mental. Ao contrario disso, conselhos psicológicos do tipo “ isso e aquilo são tabus sociais” apenas enganam as pessoas sobre o mundo moral em que estão inseridas, e estas vítimas alem de não se comunicarem bem socialmente (em sociedades naturalmente ou sobrenaturalmente  moralistas), não suportam a si mesmas e de alguma forma se auto-flagelam exigindo em si mesmas a culpa que não fora admitida honesta e francamente.  

Andar corretamente e honestamente representa saúde para as pessoas.O rosto se aformoseia, a paz e a naturalidade se expressam, ocorre o relaxamento e a corrente sanguina flui sem obstruções.  Logicamente que  doença vem de multifatores sendo este apenas um, mas não deixamos de destacá-lo como advertência as pessoas para que se corrijam esse apressem   a se tornar  humildes e arrepender de seus erros, buscando corrigi-los, pois tal falha pode ter implicações diretas na resposta psicossomática, gerando doenças. Como disse Cristo ao cego curado repetimos: “Cuidado para não voltar a pecar e te acontecer coisa pior”.

Chorar arrependido, reconhecendo seus erros, tem implicações diretas no código genético que se mantém apenas por ter uma ultra-eficiente maneira de auto corrigir-se diariamente. A estreita relação entre o lado psicológico e o lado material tem sido objeto cada vez mais nítido em estudos sobre o sistema imunológico.


5.1.9 Carne e Câncer

Justificativas para se eliminar proteína animal da alimentação (carne, leite, queijo e ovos)

Os cientistas acreditam que a carne vermelha contém substâncias que podem danificar o DNA e assim iniciar o processo cancerígeno. Esses alimentos também são ricos em gordura saturada, que também já foi relacionada ao câncer.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporte rbbc/story/2007/12/071211_cancercarneml. shtml

Para evitar câncer, fuja da carne vermelha, diz estudo

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2007/ 10/31/326973049.asp

De acordo com a pesquisa, manter-se magro dentro de limites saudáveis, evitando o consumo excessivo de carne e bebidas alcoólicas é uma das melhores maneiras de prevenir o câncer...

http://www.agenciabrasil.gov.br/noticia s/2007/11/27/materia.2007-11-27.93670705 30/view

.O Diretor Técnico-científico do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer , Dr. João Carlos Sampaio Góes , declarou que o consumo de carne por ter conter gordura animal, contem hormônio que estimula o câncer

Este vídeo demonstra
http://br.youtube.com/watch?v=Jq7kPd-sh Tk

"In summary, red and processed meat intake appears to be positively associated with risk of cancer of the colon and rectum, esophagus, liver, lung, and pancreas..."

 

Tradução: Em síntese, a ingestão de carne vermelha e processada parece estar positivamente associada com o risco de câncer de cólon e reto, esôfago,
fígado, pulmão e pâncreas..."


http://medicine.plosjournals.org/perlse rv/?request=get-document&doi=10.1371/jornal.pmed.0040345&ct=1


Alem destas referencias, o consumo de carne embrutece e estimula negativamente os sistemas nervosos, produzindo adrenalina e radicais livres em maior quantidade.

http://br.youtube.com/watch?v=Jq7kPd-sh Tk
Estilo de Vida Vegetariano  e Longevidade.

 

 Aqui a repórter Ana Paula Padrão descreve principais povos com maior longevidade na terra, destacando os adventistas de Loma Linda, na reportagem abaixo se destacou o vegetarianismo, exercícios, otimismo e fé como fatores relacionados.

http://br.youtube.com/watch?v=2PYfrvaQ36w


5.2 Sono Reparador, Doenças, Curas e Câncer.

 

O Sistema de defesa do organismo atua nas horas do sono, e quanto mais profundo for, mais eficiente é seu trabalho. Não basta apenas dormir, há que se dormir com qualidade e profundidade.

 

Medidas diversas que proporcionem sono com qualidade e quantidade, reduzindo todo stress físico ou psicológico que o paciente estiver tendo, pois são nas horas do sono que o sistema imunológico atua

Um dos maiores causadores de câncer da atualidade está ligada à falta de sono reparador. As causas são diversas, entre elas destacamos:

5.2.1 Televisão e modo de vida moderno

Os melhores programas de televisão coincidem justamente com o melhor horário para se dormir. Cada hora dormida  entre 18 e 22 horas,   equivale a mais de duas  horas dos horários seguintes. Segundo o psicólogo e pesquisador Belizário Marques, em palestra proferida no Unasp Campus 2, em 1992, o sono antes das  22 horas é de altíssima qualidade biopsico-reparadora, comentou ainda que o sono  entre 22 horas e 24 horas não tem a mesma qualidade, e que depois das 24 horas, o sono teria função mais de relaxamento.

Os programas de televisão  exercem uma atração sobre as pessoas que as impedem de tomar a firme decisão de dormir  justamente em horário que lhes restabeleceria a saúde. Outros fatores também criaram o vício da humanidade em dormir tarde, e assim prejudicar o fator que talvez seja o mais importante tanto para a cura como par a prevenção do câncer e milhares  de outras doenças. Trabalhos e estudos nestes horários também "justificam" o  vicio de se dormir tarde, e a maioria das pessoas  seguem a vida querendo  viver bem de dia, sacrificando a forma mais inteligente de alcançarem um dia feliz, ao  dormirem tarde da noite.

5.2.2 Traumas Sentimentais  e psicológicos

Os traumas  psicológicos gerados por diversas causas devem ser resolvidos por diversos expedientes para que se consiga um sono com qualidade e reparador. As pessoas devem buscar ter paz na mente e na alma através de resolver suas pendências, crises, medos e principalmente mágoas. Medidas como buscar se converter a Deus e sentir-se perdoado (a),   fazer terapias psicológicas, enfrentar as causas que atormentam e tiram o sono, podem ser cruciais no tratamento e prevenção do câncer, que só é impedido de crescer e combatido  nas horas sagradas do sono. Pacientes em tratamento que contam com o apoio familiar têem muito mais de chance de restabelecimento que aqueles que contam com pendências emocionais não resolvidas. Tudo deve ser prontamente resolvido para que a paz exista no paciente, para que este tenha um sono onde o sistema imunológico trabalhe pela vida. Sonhos ou pesadelos devem ser analisados por profissionais capazes de detectar o quadro psicológico e trazer solução, alegria e intenso desejo de viver ao paciente.


Todos os expedientes que proporcionem sonos cada vez mais regeneradores devem ser utilizados, pois quanto mais profundo for o sono do paciente, maior chance de.

estabelecimento

 

  • Níveis de Sono

 

As crianças despreocupadas, felizes e acreditadas do amor dos outros, dorme profundamente e relaxadamente. Por isso alcança sonhos e historias reorganizadoras de seus pensamentos e situações do dia a dia.

 

Os adultos com suas preocupações, mágoas, ansiedades e responsabilidades já não podem usufruir sono de tal qualidade! Ficam assim cada vez mais expostas as doenças e ao não reparo de defeitos genéticos, que devem ocorrer nas horas do sono, e por isso se acumulam e vão acelerando o envelhecimento e morte.

 

Como já dissemos, não basta simplesmente dormir, há que se trabalhar maneiras de usufruir um sono reparador e aumentar o nível de profundidade do sono.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os estágios do sono são:


http://www.Cerebromente.org.br/n15/tecnologia/sonoterapia.html

Aconselhamos que se corrija postura, Devem-nos dormir de lado com o uso de três travesseiros para deixar a coluna reta, um travesseiro na altura do pescoço em relação ao tronco, outro na frente abraçado para não forçar parte da coluna com o peso do braço, e mais um travesseiro no meio das pernas para não forçar a coluna inferior.

Casos de apnéia devem ser resolvidos
http://www.linde-gastherapeutics.com.br/international/web/lg/br/likelglgtbrnopro.nsf/docbyalias/nav_nopro_therapies_sleepthera

Protetores auriculares possibilitando silêncio absoluto e máscaras para dormir podem representar um excelente expediente para o aumento da qualidade do sono.

Ao falar sobre essa necessidade, meu filho Lutero, de apenas 12 anos, sugeriu que se distribuíssem protetores auriculares nos hospitais, no mesmo dia levei ao hospital e percebi os excelentes resultados em um paciente que  se restabeleceu mais rapidamente sem necessidade de analgésico.

Hospitais infelizmente não são alvo de silencio, são portas abrindo, fechando, batendo, televisores ligados, dosadores apitando em volume alto de dia e no meio da noite varias vezes , enfermeiros, médicos, fisioterapeutas conversando, tudo isso, atrapalha o sono e a qualidade e a profundidade  do mesmo, bem como o restabelecimento do paciente, e faz com que este precise cada vez mais de analgésicos, morfina, etc...

 

 

 

 

 

 

 

 

 



5.3. Hidrocólon

 

Principalmente para caso relacionados à exposição das paredes a gases tóxicos e cancerígenos devido as constantes prisões de ventre ocasionadas geralmente por dietas pobres em fibras, carnes podres e falta de exercício físico.

A Hidroterapia do Cólon ou Colonterapia é um sistema natural de limpeza e drenagem do intestino grosso. O cólon é irrigado com, aproximadamente, 50 litros de água (a 37ºC, aproximadamente), de modo a preencher todo o intestino grosso, através de um aparelho com água corrente que passa por um filtro, durante 50 minutos. Permite a desintoxicação das mucosas, uma vez que amolece matérias duras e remove partículas incrustadas.

Uma alimentação inadequada, pobre em nutrientes e fibras, o stress físico e emocional e o sedentarismo dificultam o processo natural de digestão, absorção e eliminação dos alimentos, causando OBSTIPAÇÃO (prisão de ventre). Assim, os detritos, que deveriam ser eliminados, permanecem no intestino grosso durante muito tempo, ocorrendo fermentação e/ou decomposição. Este processo produz material tóxico que será reabsorvido pelo organismo ("auto-intoxicação"), tornando-se uma das principais causas de doenças crônicas e degenerativas.

Medicorpus.com/ hidrocolon/index.html

 

5.3.1 Prisão de Ventre

 

 

 

REMEDIOS PARA OBSTIPAÇÃO (prisão de ventre)

Do mais importante em ordem decrescente

1. Exercícios, muitas caminhadas, hidroginástica principalmente em água morna, jogos, tudo que faça contrair varias vezes o abdômen

2. Muita água pura e de boa qualidade, filtrada, em pessoas com funcionamento normal intestinal é aconselhado tomar 2 litros de água/dia, em pessoas com problemas de prisão de ventre aconselhamos 3 litros por dia depois de 1-2 horas da refeição...Evitar comer e beber mais água junto com a refeição, pois isso prejudica o processo de aquecimento e absorção de aminoácidos durante a digestão.

3. Evite arroz branco, macarrão, biscoito, pão francês, exceto se misturar a estes farelos de trigo, fibras, folhas, raízes em pó medicinais diversas, para que o bolo alimentar esteja junto com tais fibras

4. Usar alimentos integrais, de preferência com um pouco de suas cascas

5. Evitar carne de toda espécie

6. Castanhas cruas (fibra) aquela que morcegos comem e que se usam em arvores de arborização urbana

7. Quando almoçar misturar folhas de plantas medicinais

8. Buscar evitar tensões psicológicas que contraem o intestino, buscar estar sempre em paz e relaxado.

 


9. Não misturar muito alimentos, gerando gases, gases geram obstipação, por criarem deformidades intestinais.

10. Nunca tome refrigerante e evite ao máximo leite e derivados!

 

5.3.1 Novidades em Fibras

 


Já existem no mercado nacional quase 400 medicamentos fitoterápicos. O que mais chama a atenção é que dos 20 mais vendidos, oito são para prisão de ventre. É por isso que os reguladores intestinais são outra grande aposta dos cientistas.

Testes feitos em laboratório mostram que as sementes da Plantago catharinea, uma espécie encontrada na região litorânea de Santa Catarina, funcionam muito bem. É a popular tanchagem, uma fibra chamada de solúvel e que ajuda o intestino a trabalhar de um jeito bem natural.

"Seis horas depois, houve uma expansão da fibra solúvel em até sete vezes. Essa expansão ocorre por causa da hidratação da fibra solúvel na água. E esse é o efeito que desejamos no intestino para criar um bolo fecal ampliado, facilitando a expulsão das fezes do organismo humano", explica Amaury Jr., engenheiro agrônomo da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri).

Fibras solúveis não irritam o intestino como os laxantes, mas são, quase sempre, importadas – e caras. A opção catarinense, mais eficiente, sairia muito mais em conta por ser brasileira. Mas a espécie ainda precisa ser

Domesticar uma planta pode ser mais difícil que domar um animal. O desafio é fazer com que uma espécie acostumada a seu ambiente natural possa crescer e se desenvolver em outro lugar, muitas vezes com solo e clima completamente diferentes, o que torna tudo ainda mais difícil. Pode levar anos e nem sempre dá certo. Parte desse delicado trabalho acontece dentro do viveiro de mudas, um grande berçário verde.

Nas mãos do técnico auxiliar de pesquisa Giovani Porto, uma outra grande promessa: o tupinambor. A planta é um rizoma, um caule subterrâneo, e já está bem adaptada em Santa Catarina.

Por enquanto, o tupinambor está sendo cultivado em um sítio em Canelinha, a 70 quilômetros de Florianópolis. A plantação ainda é pequena, mas pode se espalhar por outras regiões do país.

"A cenoura gosta de terra fresca e frouxa para crescer. Com o tupinambor é a mesma coisa", diz o agricultor Wilmar da Silva.

Fácil também é transformar o tupinambor em farinha. Basta secar e triturar. E é assim que os pesquisadores estão testando os poderes desse rizoma. Ele é considerado um alimento terapêutico porque é rico em inulina, um tipo de açúcar que não é digerido no estômago.

"O mecanismo de ação do tupinambor é via intestino. Assim, ele consegue controlar problemas de diabetes, colesterol, obesidade e, principalmente, a constipação intestinal", explica Amaury Jr., engenheiro agrônomo da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri).

Tanta riqueza estimulou a criatividade dos pesquisadores. Que tal usar a farinha e inventar pães e biscoitos com o poder de curar e evitar doenças? É o que eles batizaram de panicêutica.

"Por estar desidratado, não precisamos usar muita quantidade de tupinambor", diz Tânia Mendes Nunes, técnica da Epagri.

Não foi fácil. Alguns pães ficaram simplesmente horríveis, pesados demais. Mas as cientistas da cozinha acabaram descobrindo a quantidade certa de farinha de tupinambor que pode ser adicionada aos outros ingredientes.

"O pão fica super macio. Dá para manter as propriedades medicinais do tupinambor com uma quantidade pequena de farinha porque ele é muito eficiente. Em forma de farinha, ele desidratou e concentrou ainda mais suas propriedades medicinais", explica Tânia Mendes Nunes.

O resultado é aprovado por todos. O pão fica com o cheiro da farinha de tupinambor. Todos que provaram gostaram do sabor.

O padeiro Rubens Moreira acredita que a receita faria sucesso na padaria.

"Ele sacia. Um pedacinho de pão satisfaz, não é preciso comer muito", diz a dona de casa Doraci Aguiar.

O tupinambor não é brasileiro. Veio do Canadá. A primeira muda desta e de muitas outras plantas chegaram a Santa Catarina pelas mãos de uma freirinha que deixou saudades. Irmã Eva Michalak morreu no ano passado, aos 94 anos. Seu profundo conhecimento foi a inspiração dos pesquisadores de Santa Catarina.

A produtora de plantas medicinais Cecília Cipriano Osaida, a Ciça, aprendeu muito com ela. Criou um santuário com mil espécies medicinais e hoje também passa adiante o seu conhecimento. A primeira lição: na terra, só adubo natural.

"Planta medicinal não combina com agrotóxico, de forma nenhuma! Quando você fala que é medicinal, está oferecendo saúde. Como você vai trabalhar com saúde colocando veneno? Não existe isso. Tem que ser 100% orgânico", ressalta Ciça.

Amaury Jr. e Ciça são fiéis aos princípios da freirinha que começou todo esse trabalho.

"Depois dos 30 anos, cuidado: muita doçura e muita gordura leva ligeiramente o homem para a sepultura", dizia Irmã Eva.

Doçura, gordura, sepultura. Rima para ninguém esquecer. Quantas lições podemos tirar do conhecimento popular.

 

5.3.2 Filme sobre câncer de colon e cirurgia especial
http://br.youtube.com/watch?v=YMB44VKKVLQ&feature=related

No filme acima vemos este cirurgião demonstrando intestinos de pessoas novas, envelhecidos e estragados pela alimentação errada.


  1. 4. Fitoterápicos

Uso de fitoterápicos variados como Babosa, Ipê roxo, Graviola, unha de gato, alimentos antioxidantes em geral, alcaçuz, picão preto se revelaram anti-cancerígenos e portanto , detentores de aspectos que curam e previnem milhares de menores defeitos genéticos (outras doenças).

5.4.1 Genoma das angiospermas

O  genoma de plantas representa dificuldade à ciência metodológica, e não a empírica, devido:

"As plantas são à base da vida na terra. Contudo, pouco se conhece de seu genoma. O genoma das angiospermas é altamente variável, mas ainda praticamente desconhecido. Desconhecemos também o número de espécies e o número de genes em cada espécie. Na verdade, ainda não é conhecido o número de cromossomos de mais de 70% das espécies vegetais. O valor C de DNA só é conhecido em 1% das espécies. Desta forma, o projeto genoma
é de fundamental importância para o aprofundamento do conhecimento das plantas, domesticadas ou não”. 3

Ou seja, sendo ainda o domínio da ciência metodológica  tardio, temos que nos valer do empirismo recomendando diversos tratamentos fitoterápicos , usando a sabedoria prática de muitos sábios muitas vezes iletrados que podem nos ajudar. Laboratórios americanos enviam cientistas que entrevistam índios no amazonas em busca de soluções e a Unicamp tem programa que convida simples  donas de casa para testarem suas sabedorias. Grandes descobertas têm sido empreendidas neste esforço despreconceituoso, inclusivo  e investigativo. Reportagens como de um posto de saúde em Foz do Iguaçu onde médicos estão receitando plantas e cultivando horta fitoterápica, embasados em trabalhos científicos que comprovaram sua eficiência.

Enquanto isso, as pesquisas continuam sinalizando novos caminhos como:

5.4.2 Fitoterapia e apoptose de células de câncer da próstata



A relação entre fitoestrogenos e a apoptose (morte) de células cancerosas não é balela. Um estudo mostra esse efeito. Para lê-lo clique aqui. Para melhor compreensão leia a tabela com a ajuda de um biólogo e/ou um médico com formação em pesquisa e acostumado a ler estatística.

  • Curcumin é também conhecido como turmeric e é usado no curry. Freqüente na cozinha da Índia, Paquistão, Tailândia etc.
  • Genistein é abundante na soja; resveratrol é encontrado em frutas e berries, e, também, para nossa felicidade, no vinho tinto (ver mais abaixo).
  • Alimentos ricos em quercetin são maçãs; chá (verde e preto); cebolas (sobretudo na parte mais externa); vinho tinto; uvas vermelhas; cerejas; brócolis e outros vegetais verdes e com muitas folhas e outros.
  • Sei pouco a respeito. Originalmente foi isolado a partir de uma planta chamada Scutellaria baicalensis Georgi. É um flavonóide. Se alguém, que conheça a área, quiser ajudar, por favor, faça.
  • EGCG é extraído do chá verde. Representa perto de 10% do peso do chá verde.
  • Li um artigo de Melissa Q.B. McElderry no qual aprendi que é substância encontrada sobretudo na casca das uvas escuras. A grande maioria das pesquisas sobre o poder antioxidantes e as propriedades anti-plateletas do resveratrol foi feita in vitro. Não basta, mas apontam numa boa direção. Em ratos parece ter propriedades antioxidantes e é atua contra mutações. Antes de sair bebendo vinho como remédio, entenda que não se sabe como o resveratrol é absorvido e expelido, mas que parece se dirigir predominantemente para o coração e o fígado. Tome seu vinho para curtir. Por enquanto sabemos pouco.
  • Apigenins são encontráveis na camomila e na folha de oliva.


Entenda que o apoptose é, apenas, uma das maneiras de combater cânceres. Há muitas outras e que há outros fitoestrogenos que atuam de forma diferente. Até deslindar os caminhos através dos quais opera a fitoterapia, assim como saber o que realmente funciona, vai demorar poucos anos em alguns casos e muitos em outros. Mas pensemos que, há poucas décadas, ríamos disso no Ocidente.


http://psacontrol.blogspot.com/2006_08_05_archive.html

Alcaçuz (Glycyrrhiza glabra) e câncer : inibição da proliferação celular maligna com aumento drástico da apoptose

Muitos compostos naturais possuem atividade anti câncer por aumentar a velocidade da morte celular maligna programada ou apoptose e por inibir a proliferação celular maligna. Dentre eles se destaca o alcaçuz - Glycyrrhiza glabra. A raiz do alcaçuz é considerada pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos como um dos fitoterápicos que contém substâncias anti câncer (Craig-1999 , Wang-2001). José de Felippe Junior

http://www.enfermagemvirtual.com.br/forum/forum_posts.asp?TID=553

 

Picão Preto

"Com 16 vezes a concentração de herbicida, elas não morrem", conta a bióloga e pesquisadora Maria Tereza Grombone.

Nos primeiros estudos feitos com animais, o Bidens alba se revelou poderoso. Protege as paredes do estômago e evita o aparecimento de úlceras. Esse poder de regeneração deixou os cientistas ainda mais curiosos: a planta seria capaz de atacar células com tumores?

Os pesquisadores ficaram surpresos com o resultado do primeiro teste. O extrato feito da planta eliminou as células doentes de cinco tipos de leucemia e de outros três tipos de câncer: próstata, ovário e mama. Mas essa descoberta não significa que o novo medicamento vá estar disponível no mercado tão cedo. É só o começo de uma longa caminhada. Os cientistas vão precisar de pelo menos mais dez anos de muito trabalho.

Esta parte da pesquisa foi feita apenas com células em laboratório. O desafio agora é descobrir qual substância – das 73 existentes no Bidens alba – é capaz de atacar as células com tumores. Para este trabalho, os cientistas têm a ajuda de um robô. Ele consegue testar dezenas de substâncias ao mesmo tempo.

"Pesquisar novas drogas é achar uma agulha no palheiro, mas nós estamos procurando", diz o pesquisador farmacêutico Gilberto Franchi, da Unicamp.

A procura já deu uma boa pista: o teste inicial revelou que o extrato do picão-preto pode ser menos tóxico. Ele foi eficiente contra as células com tumor, mas menos agressivo com as células sadias.

http://globoreporter.globo.com/Globoreporter/0,19125,VGC0-2703-20089-3-327490,00.html

 

 

 

 

 

 

Folha que vira sal

 

 

 

 
 

 

"Na verdade, nós temos um arsenal de plantas que poderão tratar pelo menos umas 200 doenças que o ser humano já conhece, justamente porque o número de espécies é grande e cada espécie tem várias atividades diferentes", diz Amaury Jr., engenheiro agrônomo da Epagri.

E nesse arsenal tem novidades para os hipertensos, portadores de doenças cardíacas e renais. Está saindo do forno a pesquisa que pode revolucionar os hábitos alimentares e a saúde do brasileiro. Galhinhos secos, depois de triturados, se transformam em um pó. São de uma planta que pode substituir o sal de cozinha.

Amaury Jr. Diz que o pó pode ser usado como sal na comida. "A planta tem um sabor salgado suave, que não causa problemas, com todas as vantagens de um sal light. É salgado na dose adequada, para não causar nenhum problema à saúde do ser humano e com todas as vantagens que o sal poderia ter em termos de micronutrientes e outros componentes", explica o pesquisador.

Vantagens do sal verde que os pesquisadores já têm confirmação científica.

"As principais atividades da planta são ação antioxidante, imunoestimulante, protetora de tumores, diurética e repositora eletrolítica. Seria totalmente benéfico substituir esse produto pelo sal porque a pessoa ganha em saúde. Ela não vai ter tanto problema de hipertensão arterial. Ao mesmo tempo, a planta evita o envelhecimento precoce das células. O sal comum leva as pessoas a terem um envelhecimento mais precoce de células", ressalta Amaury Jr.

Esse novo sal nasce, literalmente, da terra. Uma planta rara encontrada por acaso, perto de área de mangue em Santa Catarina. Uma das responsáveis pela descoberta é a produtora de ervas Cecília Cipriano Osaida, a Ciça, que observa a natureza sempre com muita curiosidade.

"Nós levamos essa planta para ver do que se tratava e descobrimos que era a erva de sal, a salicornia", conta Ciça.

Foi uma surpresa. O incrível é que a erva é da família da beterraba e absorve o sal do mar, que está logo ali.

"Essa planta é famosa na Europa. Nós não fazíamos nem idéia de que tínhamos essa planta no nosso litoral", diz Ciça.

O grande desafio agora é saber como ela pode ser produzida em quantidade para chegar à mesa do consumidor. Uma prova das infinitas possibilidades das plantas brasileiras”. Ídem

 

 

"A erva-cidreira é calmante e é digestiva. Usamos muito nas enxaquecas", diz doutora Terezinha, que circula entre as plantas como se estivesse entre amigas inseparáveis. Uma convivência de 50 anos. No herbário da UFMA, ela dá aulas nos cursos de extensão da Faculdade de Farmácia.

"O fitoterápico é natural, não requer a junção de outros elementos químicos já industrializados que transformam suas propriedades naturais em medicamentos que têm uma tendência a trazer efeitos colaterais", explica doutora Terezinha.

Foi assim que, ano após ano, doutora Terezinha desenvolveu 70 medicamentos fitoterápicos que hoje são produzidos pela universidade.

Muita gente acaba fazendo garrafadas, misturando planta com cachaça. Doutora Terezinha diz que isso é um crime. "É terrível, porque cada planta tem a sua ação. Então, se você misturar muito, pode curar uma coisa e adquirir muitas outras", diz.

Uma planta não é transformada em medicamento fitoterápico assim, de uma hora para outra. A cabacinha, por exemplo, é tão pequena e foram 20 anos de pesquisas no laboratório da universidade. O único jeito de haver comprovação científica sobre as propriedades, a composição da planta. Além isso, só esse trabalho pode indicar a dose certa de cada remédio para tratar cada doença.

Assim foi com a cabacinha, ou buchinha, que é usada para a sinusite; com a urtiga branca, contra as alergias; com o urucum, para pneumonia. Parte desses medicamentos é distribuída em postos de saúde de atendimento fitoterápico como o que fica em um bairro pobre de São Luís.

Muitos são pacientes antigos e fiéis, como a aposentada Maria Soledade dos Santos.

"Eu tinha uma dor no estômago que me fazia gritar. Quando estava em crise, só tomava água e remédio. Doía muito mesmo. Com os remédios das plantas, fiquei boa", conta a paciente.

Algumas ervas são colhidas na horta do posto e são manipuladas na hora, no pequeno laboratório, por alunos da Faculdade de Farmácia.

Há 12 anos a professora começou um projeto ainda mais ousado: a fitoterapia no apoio ao tratamento de 33 pacientes com Aids. Não há promessa de cura. É apenas uma forma de aliviar os efeitos colaterais do coquetel usado contra o vírus.

"É mesma relação do portador de câncer com a quimioterapia e a radioterapia: há uma sobrecarga em todos os órgãos, principalmente naqueles mais sensíveis, como fígado, estômago e pulmões. Conseguimos minimizar os efeitos com os fitoterápicos, melhorando a qualidade de vida deles", diz doutora Terezinha.

Um paciente concordou em falar desde que não fosse identificado. Não quer mais sofrer com a discriminação.

"Eu cheguei em um estado muito debilitado, tomando os coquetéis. Os efeitos colaterais eram muito pesados. Eu tinha depressão, náuseas, não conseguia me manter, só trocando de medicação. Quando eu comecei a tomar a tintura da chanana, minha imunidade foi subindo", lembra o paciente, que afirma não ter nenhum efeito colateral com os medicamentos fitoterápicos.

"A chanana dá energia e os outros vão ajudando. O xarope de urucum diminui a incidência da pneumonia e por aí vai. Damos 12 fitoterápicos para eles. Os principais são a chanana, o xarope de urucum e a cabacinha, para problemas respiratórios. Eles são muito propícios à rinite alérgica, sinusite, adenóide. Também têm diarréias, por causa da sobrecarga química. Para isso, fazemos uma tintura com a raiz de caixeta. Se, ao contrário, têm constipação intestinal, fazemos uma geléia de tamarindo, para tomarem de manhã em jejum. Vamos ajudando bastante eles", conta doutora Terezinha.

O projeto tem o apoio do reitor da universidade, Natalino Salgado Filho, que é médico e também vice-presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN). "A prática médica leva muito ao bom senso. O paciente está melhorando? Ele tem direito a uma alternativa terapêutica. E os fitoterápicos estão aí", defende.

Com tantos anos de trabalho e vários prêmios internacionais, a professora Terezinha já poderia estar em casa, descansando. Mas, para ela, as plantas e a pesquisa são tão importantes quanto respirar. "É meu oxigênio. Eu acho que no dia em que eu sair é para ir para outro plano. Estou aposentada só no papel, porque eu continuo trabalhando", finaliza.

http://globoreporter.globo.com/Globoreporter/0,19125,VGC0-2703-20089-3-327486,00.html

 

5.5 Equilibrio diagênico

 

As reações do íon cálcio com outros minerais é objeto de estudo por bioquímicos e em especial, por paleontólogos. Recentes descobertas ligadas à fossilização demonstram a rapidez como este processo pode acontecer em ambiente quente e rico em argila de baixa granulométrica. Árvores inteiras do Alaska se transformaram em pedras em pouquíssimo tempo, revelando como os organismos vivos reagem rapidamente à presença de argila fina e calor. 

 

Na diagênese fóssil ocorrem trocas iônicas entre elementos químicos do nosso corpo quando este entra em contato com elementos de argilas super finas que são absorvidas pela pele. Equilibra-se a Acidez e vários casos são tratados empiricamente desde a antiguidade.

 

 Através de banhos de argila de granulometria baixa, super fina, emplastros da argila pura, ou preparada contendo alho, óleo de copaíba, menta e elementos fitoterápicos, pode-se medicar diversos males do corpo.

 

 

 

Quando falamos em equilíbrio diagênico, apontamos para um fato importante  respeito  da acidez

 

 

 

 

O contato diagênico com a argila pode interferir no sentido de equilibrar organismos com alta carga ácida e isto talvez explique a diminuição da dor e o conforto que muitos pacientes expressam por meio destes tratamentos. Isso aliado a uma alimentação adequada e  equilibrada pode surtir grandes efeitos preventivos ou curativos no paciente.



5.6. Exposição do paciente a lugar bonito, situações alegres, diversões.

 

Nosso código genético produz substancias curativas quando estamos alegres, de certa forma, a alegria é o melhor remédio que podemos tomar. Doentes são mais facilmente curados se estiverem em locais bonitos, agradáveis e alegres. Serotonina, endorfina e outros elementos acontecem sob situações assim. Realizar sacrifícios pessoais, apoiar instituições que primem em conceder alegrias aos seus doentes, é, portanto algo fundamental para o seu restabelecimento. Uns hospitais tristes, repletos de cenas tristes, podem representar um aumento de piora no quadro clinico de muitos. Somos a favor de construção de clinicas em locais extremamente agradáveis e fazemos um apelo aos investidores para que empreendam e invistam em iniciativas nesta direção! 

 

5.6.1 Stress

   

.

O Stress ou Estresse trata-se de uma reação neuro-hormonal a uma situação inesperada, ou seja, o cérebro libera substâncias (neuro-hormônios) que irão modificar todo o funcionamento do organismo. O stress é uma das situações que melhor responde ao tratamento pela Terapia Ortomolecular.
.

Há sempre uma tendência distorcida a associar o stress à sintomas emocionais ou seja "só estaria estressado quem estivesse nervoso", mas não é o que ocorre na verdade.
.


.


.

O homem contemporâneo, enfrenta um sistema de vida altamente estressante em seu cotidiano. E a resposta dada pelo organismo em função de qualquer pressão identificada por ele como hostil (pressão do mundo externo e/ou pressão do mundo interno).
.

Esta resposta traz modificações psico-neuro-imuno-endócrinas - não necessariamente nesta ordem e pode ser:
- Preparativa;
- Adaptativa;
- Desadaptativa.

.

Essa pressão identificada pelo organismo como hostil nós denominamos de estressores e os classificamos genericamente em:
- Doenças ou traumatismo;
- Calor ou frio excessivos;
- Ameaças reais ou fictícios à segurança ou ao "status quo".

.

Características dos estressores: os fatores que levam ao stress podem ser:
- Fortes - transitórios;
- Fracos - costumeiros;
- Permanentes - inusitados.

.

Do ponto de vista didático o stress é decomposto em fases:
- Fase de alerta - é preparativa;
- Fase de resitência transitória - é adaptativa;
- Fase de resistência duradoura - é desadaptativa;
- Fase de exaustão - é desadaptativa.

.

Essas fases são controladas e reguladas pelas supra-renais que por sua vez são estimuladas a partir da seguinte seqüência também conhecida como cascata do stress.
.

Pela visualização da cascata do stress podemos perceber que:
- A reação hormonal é da córtex da suprarrenal - Cortisol e DHEA;
- A reação nervosa é da medula da suprarrenal - Adrenalina e Noradrenalina.

.

FASE DE ALERTA
.

É uma fase preparativa e predominantemente adreno medular (hormônios da medula da glândula supre-renal) e tem curta duração. Nesta fase as respostas são fisiológicas preparam o organismo para a luta ou a fuga (modelo primitivo de embate físico). Ela é considerada a fase positiva do stress e pode apresentar os seguintes comportamentos a seguir descritos, alternada ou conjuntamente.
.

Respostas fisiológicas

A serviço de que?

Pressão arterial - aumenta;

Frequência cardiaca - aumenta.

Para o aumento e o volume de sangue para o cérebro, pulmões, braços e pernas levando mais oxigênio e suprimentos.

Respiração aumenta em profundidade e frequência.

Para suprir mais competentemente as musculatura com oxigênio.

Tensão muscular - aumenta.

Para haver a adequada contração muscular deixando-os prontos para agir.

Sudorese - aumenta.

Como agente resfriador da musculatura aquecida.

Níveis glicêmicos - aumentam;

Níveis de Ácidos Graxos poli insaturados - aumentam.

Para haver um suprimento energético de pronta utilização.

Fatores de coagulação - aumentam.

(inclusive o colesterol)

Para haver rapidez na coagulação reduzindo as perdas sanguíneas dos ferimentos.

Capacidade digestiva - diminui.

Porque a preferência do suprimento sanguíneo é para os órgãos envolvidos "numa luta ou numa fuga" (cérebro e músculos).

.

FASE DE RESISTÊNCIA
.

É adaptativa/desadaptativa e predominantemente adreno cortical (hormônios da córtex da glândula supre-renal), é mais longa que a anterior, e permite que o organismo continue a lutar contra o estressor mesmo depois que os efeitos da fase de alerta desapareceram, é nessa fase que o organismo lança mão do seu estoque de nutrientes formadores (vitaminas, minerais e ou aminoácidos). Ela está dividida em:

.
Fase de resistência transitória - (é adaptativa) as respostas ainda são fisiológicas (embora adaptadas) e estão a serviço do modelo do lutar ou fugir. É quando melhor se visualiza o conceito de reação de adaptação geral (seria uma adaptação da fase de alerta).

.

Respostas fisiológicas

A serviço de que?

Aumento dos níveis de glicocorticoides.

Conversão de proteínas em energia de pronta utilização depois que as reservas de glicose foram exaunidas.

Aumento dos níveis dos mineralocorticoides.

Pela retenção de sódio manter pressoricos elevados.

Aumento dos níveis gastro duodenais dos sucos digestivos.

Aceleração dos processos digestivos visando repor com rapidez os estoques de nutrientes celulares.

.
Fase de resistência duradoura - (é desadaptativa) nesse caso as respostas já são fisiopatológicas.
.

Respostas fisiológicas

Consequências...

Aumento dos níveis de glicocorticóides.

Variação dos níveis plasmáticos de glicose - risco de hipo ou hiper glicemias - diabetes.

Aumento dos níveis dos mineralocorticóides.

Pela manutenção dos níveis pressóricos elevados - risco de doenças cérebro - cardio - vasculares.

Aumento dos níveis gastro duodenais dos sucos digestivos.

Gastrites, duodenites, ou mesmo úlceras gastro duodenais.

Bloqueio dos receptores pós sinápticos de serotonina, pelo excesso de cortisol.

Humor depressivo.

Toda mobilização a partir da pregnenolona é desviada para a produção de glicocorticóides em detrimento da produção de DHEA (em consequência há queda dos níveis dos hormônios sexuais testosterona, estradiol, estrona e estriol).

Diminuição da libido ocorrendo uma I.D.S. e ou uma R.P.S.

Em função da neoglicoênese ocorre catabolismo osso e muscular.

Diminuição da massa óssea (osteoporose precoce) e diminuição da massa magra (atrofia muscular).

Supressão da resposta imunológica com diminuição das atividades macrofágicas leucocitárias, principalmente de linfócitos (pela grande baixa de linfocina).

Facilitação da instalação de processos bacterianos, viróticos ou fungicos.

Aumento expressivo dos níveis de estresse oxidativo com grande crescimento da produção de radicais livres (hidroxila, peróxido de hidrogênio, superóxido e peróxido lipídico) pelo rápido esgotamento das enzimas antioxidantes naturais (superóxido simutase, catalase e glutationa peroxidase).

Nos lipídios - destruição das membranas celulares por peroxidação dos ácidos graxos insaturados.

Nas proteínas - inativação de enzimas por oxidação e alterações estruturais do colágeno.

Nas Lipoproteínas - oxidação das L.D.L.

Nos carboidratos - despolimerização dos polissacarídeos.

Nos ácidos onucléoicos - mutação do D.N.A.

.

FASE DE EXAUSTÃO

.
Ela é desadaptativa; é quando pela permanência do elemento estressor, o stress como resposta fisiológica perpetua-se além da fase de resistência duradoura levando á falência a capacidade do organismo de liberar hormônios, leucócitos, antioxidantes, neurotransmissores, em conseqüência do esgotamento dos estoques de nutrientes formadores (vitaminas, minerais, aminoácidos) e da exaustão das supra-renais.

 

   

.

.O stress é o mecanismo que põe em alerta as funções corporais e prepara a pessoa para a ação. Em pequenas doses, melhora o desempenho e aumenta a produtividade. Quando o stress persiste e se torna crônico, pode ter efeitos devastadores para a saúde e o bem estar.

.

 ESTÁGIOS >

ALERTA

Ao perceber um perigo real ou imaginário, o organismo se prepara para o confronto. Isso é feito com descargas extras de hormônios na corrente sanguínea. O principal é a adrenalina.

CRÔNICO

Se o stress é permanente, o sistema imunológico entra em colapso, abrindo espaço para doenças oportunistas. Aumenta o risco de males cardíacos e danos às estruturas cerebrais.

Cérebro

Recebo doses mais altas de substâncias químicas excitatórias - a serotonina, a dopamina e a narodrenalina. O pensamento e os reflexos são aguçados e as pupilas se dilatam para melhorar a visão.

O excesso de cortisol destrói neurônios e prejudica o raciocínio. Também ocorrem lapsos de mémoria e surtos de raiva, depressão e fadiga.

Cabelos

Ficam arrepiados. Isso faz os animais parecerem maiores e mais ameaçadores quando vão brigar.

Pode haver queda acentuda dos cabelos e escamação no couro cabeludo devido a falta de irrigação sanguínea.

Coração

Os batimentos ficam cinco vezes mais rápidos que o normal e a pressão arterial sobe.

Estimulado a trabalhar em ritmo acelerado, ocorre o risco de enfartar.

Respiração

Fica mais rápida para levar oxigênio extra ao sangue.

A respiração acelerada acabo por reduzir a entrada de ar. Pode agravar crises de asma ou outras doenças respiratórias.

Fígado

Converte as reservas de açucar em glicose, fornecendo energia extra ao organismo.

As doses extras de glicose no organismo aumentam o risco de diabetes e obesidade.

Orgãos Sexuais

Os testículos e os orgãos genitais femininos se contraem com a redução da irrigação sanguínea.

Os níveis de testosterona caem tanto em homens quanto em mulheres, reduzindo a libído. Nas mulheres, a queda no nível de progesterona provoca cólica menstrual.

Glândulas

Supra-renais

Libera cortisol, hormônio que ajuda a manter a força muscular, e a adrenalina, que eleva os batimentos cardíacos e a pressão arterial.

O excesso de cortisona e adrenalina causa mau humor, ansiedade e irritabilidade.

Estômago e Intestino

A digestão é interrompida, permitindo que o corpo dedique toda a sua energia aos músculos. A sensação de fome desaparece.

A mucosa do intestino fica vulnerável ao aparecimento de úlceras. O excesso de suco gástrico pode provocar gastrite.

Músculos

Recebem sangue e oxigênio acima do normal e se contraem para melhorar a performance durante a ação.

A tensão constante causa dor, principalmente no pescoço, costas e ombros e cansaço exagerado.

Pele

Como o sangue vai para outras partes do corpo, fica sem irrigação sanguínea e empalidece.

A falta de irrigação provoca irritação na pele, escamação e envelhecimento precoce.

Sistema Imunológico

Os linfócitos, células responsáveis pela defesa do organismo, passam a produzir mais anticorpos. Melhora a ação das plaquetas, responsáveis pela coagulação do sangue.

Gripes, resfriados e outras doenças infecciosas se torna frequentes.

Sistema Circulatório

Alguns vasos se contraem para reduzir a irrigação de orgãos não-vitais, com pele e outras extremidades. É por isso que mãos e pés ficam frios.

Os batimentos cardíacos acelerados e a pressão arterial elevada diminuem e elasticidade dos vasos sanguíneos, o que pode levar a doenças cardiovasculares.

.

       
 

Policiais e seguranças privados.

 

 

Controladores de vôo e motoristas de ônibus urbanos.

São profissionais em estado de alerta 24 horas por dia. A maioria teme represálias das bandidos e não consegue relaxar nas folgas ou férias.

.

O controle do tráfego aéreo não permite um minuto de desatenção. Os motoristas, além de enfrentar o trânsito, não têm tempo de sequer ir ao banheiro.

.

.

.

 

Executivos, trabalhadores da área de saúde, de atendi-mento ao público e bancários.

 

 

Jornalistas.

Sofrem pressões de todos os lados, tanto dos chefes como dos clientes, pacientes ou subordinados.

.

Sofrem com as prazos apertados, carga horária excessiva e insegurança em avaliar a veracidade das informações.

 

   

.

O stress envelhece e a prova disso foi encontrada dentro das células por um estudo americano.
.

Todos já ouviram histórias como "Fulano envelheceu depois da morte do filho" ou "Sicrano ficou de cabelo branco quando cuidou do pai no hospital". Uma pesquisa da Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos Estados Unidos, acaba de demonstrar que há verdade por trás desses clichês. O estudo comprova pela primeira vez que o stress acelera o envelhecimento. Além disso, a pesquisa indica a influência direta do estado psicológico sobre a longevidade das células do organismo. Pessoas que têm uma percepção elevada do próprio stress envelhecem mais rapidamente pois existem certas formas de pensar que contribuem para o stress – a idéia, por exemplo, de que os problemas com que lidamos são insolúveis.
.

Os cientistas envolvidos nessa pesquisa examinaram 58 mães de 20 a 50 anos, 39 das quais cuidavam de filhos com autismo, paralisia cerebral ou outras deficiências. Os cientistas analisaram o grau de envelhecimento de células do sistema imunológico dessas mulheres. O principal indicador do envelhecimento celular é uma seção na ponta do cromossomo – as fitas de DNA que guardam nosso material genético – chamada telômero. Trata-se de uma espécie de tampa bioquímica, que tem a função de manter a integridade do DNA, impedindo que a molécula se desfaça. Cada vez que uma célula se divide, o telômero fica um pouco menor, até atingir um ponto crítico. A partir daí, a célula não se reproduz mais e acaba morrendo. O telômero, portanto, é um indicador de idade celular. Ao mostrar que o stress encurta prematuramente os telômeros, a pesquisa indicou uma relação entre ele e o envelhecimento. A pesquisa comprovou que o desgaste de prestar cuidados intensivos a um filho cobra seu preço. A diminuição dos telômeros foi mais acelerada nas mulheres que cuidavam de filhos deficientes. Testes psicológicos revelaram que o modo como essas mulheres encaravam seus problemas também desempenhava um papel. A idade celular daquelas que se percebiam como tendo altos níveis de stress chegou a ser até dez anos superior à das mulheres da mesma idade com baixos níveis de stress. Além do comprimento do telômero, a pesquisa mediu níveis de telomerase – uma enzima que tem a função de restaurar as perdas do telômero – e de radicais livres, substâncias que danificam tecidos celulares, intensificando o envelhecimento. Os resultados foram consistentes: mulheres mais estressadas apresentaram níveis mais baixos de telomerase e mais altos de radicais livres.
.

A pesquisa deixa uma lição básica: paz de espírito ajuda a retardar a velhice; muitos gostariam de ter uma pílula mágica, mas o modo mais efetivo de reduzir o stress está em mudanças no estilo de vida e a essas pessoas submetidas a ao stress intenso recomenda-se relaxamento e alimentação equilibrada para combater a essa agressão, além de uma atitude mais serena diante de aspectos da vida sobre os quais não se tem controle.
 

   

.

Stress provoca dano similar a infarto.
.

Notícias chocantes e inesperadas, como a da morte de alguém muito próximo, sempre foram relacionadas a problemas graves, como ataques cardíacos. Mas os cientistas da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, descobriram que um stress emocional repentino também pode provocar danos graves ao músculo do coração similares aos de um infarto clássico, mas reversíveis.
.

Pessoas que sofrem de cardiomiopatia provocada por stress, conhecida popularmente como "Síndrome do Coração Partido", recebem comumente um diagnóstico errado de ataque cardíaco. Na verdade, elas sofrem de uma contínua descarga de adrenalina e outros hormônios do stress que, temporariamente, abalam o coração.
.

Essa pesquisa deve ajudar os médicos a distinguir entre cardiomiopatia provocada por stress e ataques cardíacos e também a assegurar aos pacientes que, no primeiro caso, eles não terão danos permanentes no coração. No estudo publicado na revista “New England Journal of Medicine”, os cientistas revelam que algumas pessoas respondem a situações de stress liberando grandes quantidades de hormônios, sobretudo adrenalina e nor-adrenalina, na corrente sangüínea. Essas substâncias são temporariamente tóxicas ao coração, afetando o músculo cardíaco e produzindo sintomas típicos de infarto, como dor no peito e dificuldade para respirar.

 

   

.

O Stress engorda: Tensão libera hormônio que impede emagrecimento.

.
O stress tem sido apontado como responsável por boa parte das doenças que afligem o homem moderno. Agora, entra na lista de mazelas mais um (e terrível) efeito colateral: o stress engorda. E não apenas porque o estressado costuma atirar-se avidamente sobre uma torta de chocolate. Num processo perverso, a vítima pode engordar mesmo com a boca fechada. O processo corre a sua revelia, porque a tensão contínua faz o organismo liberar, em maior quantidade, dois hormônios responsáveis pela obesidade – a adrenalina e a cortisona. Quanto mais tensão, maior o risco de engordar. Pior. Esse tipo de obesidade invariavelmente desencadeia doenças como diabetes, hipertensão arterial, infarto e derrame.
.

Ganhar peso é conseqüência conhecida por quem toma remédios à base de corticóides. Mas só recentemente foi estabelecida uma associação direta entre o nível de cortisona, o stress e a obesidade. Cientistas suecos, ao analisarem a taxa do Cortisol, o análogo natural, produzido pelo corpo, da Cortisona, em pessoas submetidas à mesma carga de stress durante um dia normal de trabalho, observaram que algumas liberavam muito mais hormônio que outras. O teste foi feito com a coleta de saliva em várias fases do dia, e o resultado foi surpreendente.
.

Os cientistas observaram a existência de três grupos:

-

 

No primeiro, o nível do Cortisol subiu em situações estressantes e logo voltou ao normal. Nesse grupo estavam indivíduos magros e sem problemas de colesterol ou açúcar;

-

 

No segundo, a taxa cresceu muito e demorou a regredir. Foram registradas alterações de colesterol, açúcar e pressão arterial, além de maior número de obesos;

-

 

No terceiro grupo, o nível de cortisona manteve-se alto. Foi ali que houve maior incidência de problemas de peso, pressão arterial e taxas altas de colesterol e açúcar. Quando investigou as razões de tamanha variação, os cientistas descobriram que as pessoas mais sensíveis ao stress têm alterações no gene receptor da Cortisol.

.

Recentemente, em um outro estudo, decidiu-se averiguar o comportamento das glândulas supra-renais – que secretam hormônios responsáveis pelo metabolismo, inclusive o Cortisol – em pacientes com obesidade provocada por stress. Foi verificado que, se muito estimuladas pela produção do Cortisol, essas glândulas, que ficam acima dos rins, aumentam de tamanho. Por esse motivo, a gordura concentra-se no abdome. Descobriu-se ainda que, em boa parte dos casos, as pessoas que têm esse tipo de obesidade engordaram a partir de choques emocionais, como a perda de um parente querido.
.

Em muitos casos, identifica-se um gatilho para desencadear a obesidade, podendo assim, dividirmos o Stress:

-

 

No primeiro, a tensão instala-se, mas existe reação para sair de uma situação incômoda;

-

 

No outro, está o grande perigo. As pessoas simplesmente desistem de lutar. Normalmente, quem reage dessa forma cai em depressão e sofre das mesmas alterações nos níveis de cortisona provocadas pelo stress, com idênticas conseqüências: desequilíbrio nas taxas de colesterol e de açúcar e obesidade.

.

Assim, é fundamental que os Médicos reconheçam que o stress e a depressão levam à obesidade, pois a reação de muitos Médicos é dizer que o paciente está gordo porque come demais, e o resultado são regimes severíssimos ou cheios de modismos. Mas a verdade é que outros fatores podem estar contribuindo para a gordura. O paciente pode não mostrar um quadro de stress ou de depressão, mas estar vivendo "na penumbra da doença".
.

O tratamento indicado para esse tipo de obesidade não se restringe somente à orientação alimentar, mas inclui táticas de defesa contra a tensão, como mais tempo para o lazer, relaxamento, terapia e até o uso de um antidepressivo moderado.
.

Sinais de alerta - Os sintomas abaixo são característicos da Obesidade provocada pelo Stress:
- Gordura mais concentrada na região do abdome, nas coxas e nos braços;
- Doenças cardiovasculares, hipertensão arterial e diabetes;
- Depressão;
- Fome compulsiva à noite;
- Aumento de peso após algum trauma, como separação, morte de parente próximo, desemprego.

 

   

.

Fique atento aos sintomas: Pode ser uma súbita sensação de ansiedade ou cansaço exagerado. É mais fácil controlar o problema no estágio inicial.
.

Pratique exercícios físicos: Meia hora diária de ginástica três vezes por semana libera energia, reduz a ansiedade e melhora o humor.
.

Coma direito: Três ou quatro refeições diárias, feitas com calma, ajudam a relaxar. Alimentação balanceada – sem excesso de álcool, doces, salgadinhos e gorduras – ajuda o organismo a enfrentar a tensão.
.

Não esqueça o lazer: Reserve tempo para atividades que dão prazer, como ler um bom livro, ouvir música, adotar um hobby ou praticar esporte.
.

Diga não: Quem aceita tudo, mesmo a contragosto, tende a acumular obrigações, tanto no trabalho como na vida pessoal. Tarefas além da conta resultam em ansiedade e frustração.
.

Mude de atitude: Você cria expectativas exageradas? Guarda muito rancor? São comportamentos responsáveis pelos piores quadros de stress. Tente ser mais flexível.
.

Conte os seus problemas: Mesmo que ninguém possa resolver a questão, só o fato de desabafar já é um alívio e tanto. Uma pessoa amiga, um religioso, um psicólogo ou um psicanalista são boas opções.
.

Dê um tempo: Se você trabalha oito, dez horas por dia, pequenas pausas de hora em hora ajudam a relaxar. Cinco minutos bastam para esfriar a cabeça.
.

Trabalho voluntário: Canalizar energia para ajudar outras pessoas pode reduzir a tendência natural de amplificar os problemas pessoais ou de prestar demasiada atenção a si próprio.
.

Tente relaxar: Uma técnica eficiente para aliviar a tensão do dia-a-dia consiste em aspirar o ar lentamente e tentar levá-lo para a parte inferior do pulmão. O objetivo é atingir uma respiração regular. Ajuda se a pessoa concentrar o pensamento em um ponto fixo, que pode ser uma frase.
 

   

.

Caso as reações causadas pelo Stress perdurem por algum tempo surgirão as conseqüências bioquímicas, físicas, psicológicas e imunológicas deste funcionamento alterado.

.
Alterações bioquímicas: Entre as alterações bioquímicas estão as Dislipidemias (alterações do Colesterol e Triglicérides), a Diabetes e a Obesidades (principalmente as abdominais), etc.
.

Alterações físicas: As alterações físicas são taquicardia, tensão muscular, transpiração excessiva, cansaço, aumento da pressão arterial, dor de cabeça, dor de estômago, pressão no peito, alergias, queda de cabelo, impotência sexual, dores articulares ou piora em casos de artroses ou artrites, envelhecimento, obesidade, etc.

.
Alterações psicológicas: As alterações psicológicas são irritabilidade, isolamento social, incapacidade de relaxar, insônia, desinteresse sexual, perda do prazer, depressão, medo e distúrbio do pânico.
.

Alterações imunológicas: As alterações imunológicas são infecções de repetição, baixa imunidade, gripes repetidas, ferimentos que custam a cicatrizar, herpes, candidíase que não cede aos tratamentos habituais, agravamento de doenças auto-imunes, etc.

 

 

 Qual a erva indicada para os nervos pessoas nervosas e estressada o estresse -

Amauri Jr. responde: Existe uma planta conhecida como Giseng Brasileiro, ele tem substâncias que controlam o problema do estresse. É interessante utilizá-la na parte da manhã e a tarde.

 


Qual o chá mais indicada para ansiedade e se a mulher grávida pode tomar?

Amauri Jr. responde : Grávidas sempre são um problema pois o chá não pode ter efeito espasmódico. Para acalmar uma pessoa, sem causar problemas seria o Ipérico, que é uma planta européia mas encontrada no Brasil.


5.7. Acompanhamento familiar e supervisão do   relacionamento amoroso do paciente


5.7.1 Câncer e Mágoa

Câncer em algumas línguas indianas, significa "mágoa". Consultando o histórico de muitos pacientes percebemos a estreita relação entre mágoas, pessoas sensíveis e a doença. É claro que não devemos  focar em apenas um fator causador,  , mas podemos  com segurança estabelecer a relação  de causas, como, por exemplo, já vimos como o sono é importante  no tratamento, devido o SI trabalhar nas horas de descanso,   e uma pessoa magoada dificilmente irá conseguir dormir bem, sem pesadelos, sem interrompimentos à noite. Também destacamos a estreita relação de doenças auto-imunes, onde ocorre em muitos casos, o SI em vez de atacar os antígenos e células cancerosas, passam a atacar a própria pessoa, ser acompanhado de sérios problemas de relacionamento e psicológico, e não raras vezes, estes problemas se expressam em pesadelos e sonhos que resumem um pouco os medos e revoltas do paciente. Quão importante é destacar a necessidade religiosa de perdão nestas horas, e recomendar uma pessoa assim a oração em busca de um poder sobrenatural para perdoar (principalmente quando os agravos feitos foram  profundos e a pessoa detém umas personalidades muito sensíveis, melancólicas, introspectivas e sistemáticas)

5.8. Relacionamento Familiar e amoroso

Talvez o que mais tem o poder de curar e prevenir as patologias associadas ao câncer seja o amor e o carinho da família.

Em tempos de desagregação familiar, divórcio, órfãos de pais vivos, infidelidade e traição nos relacionamentos, hedonismo, busca do "prazer inconseqüente”   como alerta o psiquiatra Jurandir Freire, materialismo que compra e vende as relações, não é difícil encontrarmos pessoas extremamente magoadas e candidatas ao câncer. O retrato da mágoa está desde o numero de musicas melancólicas até o alto numero de fãs que se identificam com esse tipo de expressão de dor.

Quão importante é tentar resolver possíveis questionamentos do paciente, dando-lhe uma libertação dos pensamentos melancólicos que possivelmente lhe acomete.

5.9. Acompanhamento psicológico e espiritual

 

Através de pessoas capazes de levantar o ânimo e o positivismo da pessoa como bons psicólogos, bons pastores, bons padres, e conselheiros sábios consagrados, podem muito auxiliar o restabelecimento de um equilíbrio espiritual, psicológico e emocional de uma pessoa.

 

Sabendo que as células T são altamente influenciadas pelo estado mental do paciente, é de longa importância que se ajustem e se valorize pessoa preparada para tal tarefa.

 

Em nossa experiência destacamos pessoas com esta capacidade aquelas caracterizadas por aspectos de bondade, altruísmo, misericórdia, paciência, pessoas que admitem facilmente seus erros e pedem perdão tanto a Deus como ao seu próximo, humildes e simples, como as pessoas mais apropriadas para este tipo de ajuda. São estas pessoas que podem muito auxiliar alguém a chegar num equilíbrio mental capaz de gerar cura.

 
5.10. Compostos de aminoácidos que estimulem atividades imunológicas gerais e principalmente as ligadas ao gene p-53 imuno-repressor (Dr. José Guerra).

 

O Dr José Guerra em diversos trabalhos conjuntos com a universidade de Sta Catarina, conseguiu concentrar compostos de aminoácidos que atuam estimulando o sistema de defesa. Outras fórmulas atuam no sistema nervoso, e são baseadas em plantas e produtos devidamente testados como atóxicos. Mas seus remédios ainda não podem ser vendidos no Brasil, devido à burocracia metodológica, corrupção e valores altíssimos requeridos para se convalidar qualquer fórmula medicamentosa no Brasil. Para se ter o direito de validar uma fórmula se gasta em torno de 1 milhão de reais. Em entrevista ao programa Roda Viva, o ministro Adib Jatene justificou o aumento de R$ 800,00 para R$ 80.000 reais, do preço cobrado para se entrar com protocolo de pedido a ANVISA, no fato de que havia um acúmulo de solicitações e que o preço nos EUA era de U$ 250.000. Assim, todo o potencial fitoterápica e de outras descobertas de nosso país, foi retirado das mãos de nossos cientistas e entregue nas mãos de quem pode pagar, os grandes laboratórios, entravando a pesquisa cientifica, e aumentando ainda mais o monopólio das mesmas sobre a saúde pública.

O Gene p53: inibe crescimento e multiplicação celular se detectar danos do DNA. Promove reparação dos danos e caso esta não seja possível, desencadeia a morte celular programada (apoptose), o gene p16: inibe multiplicação celular de modo relacionado com p53
http://pt.wikipédia.org/wiki/P53

Esta proteína, que é codificada no cromossomo 17, é chamada de p53 em conseqüência do seu peso molecular ser de 53 Kda. A principal função é a manutenção da integridade do código genético, ou seja, a manutenção da mesma seqüência de nucleotídeos ao longo de toda a molécula de DNA cuja estrutura deve ser constante em todas as células do nosso corpo. Deste modo à seqüência temporal que traduz a forma como a proteína atua é a seguinte:

  • Durante o ciclo de divisão celular, a proteína p53 faz uma verificação quanto à eventual ocorrência de uma mutação na seqüência do código genético (que é uma conseqüência de um erro de replicação do DNA).
  • Caso seja verificada a existência de uma mutação compete à proteína p53, através do desencadeamento de um conjunto de reações, ativar as proteínas de reparação de forma a repor o DNA ao seu estado normal.
  • No caso de o DNA se encontrar já demasiado danificado cabe à proteína p53 impedir que a célula em causa entre em mitose e complete a divisão celular.
  • Para alcançar tal objetivo uma de duas ações podem ser tomadas, ou induz a morte da célula através da apoptose ou impede que esta se multiplique definitivamente, provocando senescência celular.

É devido a estes fatos que a p53 é classificada como proteína supressora de tumores cancerígenos, desempenhando um papel importante na manutenção da integridade do genoma

http://p53.free.fr/

http://www.stanford.edu/group/pandegroup/folding/FAQ-diseases.html#Cancer



5.11. Ter discernimento de custo-beneficio nas opções de tratamentos agressivos.

 

Evitar ao máximo medidas que representam  alto risco, medidas  agressivas invasivas,   medicação forte e situações que enfraquecerão o sistema imunológico mais que ele possa suportar, optando prioritariamente por tratamentos fortalecedores do organismo debilitado e sistema de acompanhamento do tumor.  Verificar se o paciente aceitará ou não regimes desintoxicadores do organismo, considerando se as  recomendações estarão ao alcance ou não de se praticá-las sob supervisão competente para as mesmas. Recomenda-se clínicas especializadas nestes caminhos alternativos.

Os tratamentos agressivos da cirurgia, quimioterapia e radioterapia, com exceção se as partes afetadas não sejam tão vitais, ou se o uso destas técnicas for mais precisas que as comumente feitas, representam ações invasivas de altíssimo  risco, o que poderá ser contabilizado juntamente com a rapidez com que a solução deva ter frente ao possível avanço da doença.

Caso  os recursos ligados ao fortalecimento do SI não respondam  gradual e positivamente  nas primeiras semanas ou meses, logicamente que estes deveriam ter sua ordem tradicional restabelecida. Sabendo que as metástases podem se espalhar  mais drasticamente  em jovens que idosos...Contudo  a resposta imunológica também. Daí que tomar a decisão por um dos caminhos deve ser o alvo do paciente em conjunto com o médico ou terapeuta quando puderem visualizar as possibilidades de tratamento e submissão aos métodos do fortalecimento do sistema imunológico.

O  baixo índice de recuperação na maioria dos casos de câncer, sobretudo aqueles submetidos à quimioterapia, radioterapia e certas cirurgias de alto risco, sem contar o grande sofrimento e aceleramento de mortes,   infelizmente tão   comuns nas alas de oncologia,  e isso nos recomenda a tentarmos aplicar as pesquisas ligadas ao próprio fortalecimento da ação assassina das células T-8 como a mais sensata decisão a se tomar.

Ver pessoas entrando sadias para as medidas e saindo semimortas em direção ao cemitério, quando não saem direto para o velório,   também é  para o médico, e principalmente enfermeiros que convivem e se apegam mais à pessoa, algo estarrecedor.

Ainda, para os médicos e hospitais,   às vezes mesmo sem ver  muitas chances  para atender a contento determinados casos, é sempre lucrativo operar e  tratar de qualquer maneira, mesmo se as esperanças são quase nulas e o risco seja  muito alto (acelerando a morte do paciente que sem a intervenção viveriam mais)  , isto aliado a orquestração financista laboratorial a ética médica, cria uma direção ajudada pela tradição e costume, que mesmo havendo tantos recursos disponibilizados pela ciência, na prática, a coisa acaba sendo do mesmo jeito. 

Em quimioterapia, existem  remédios e técnicas mais precisas de combate, mas dependem da competência e condições financeiras para ser ou não liberadas. Técnicas mais precisas de ataque,  muitas vezes possuem custo elevado,  e em radioterapia, aparelhos mais novos possuem maior precisão nas aplicações, mas pouquíssimos  hospitais os tem atualizados

Resta saber mais sobre cada caso tanto de pacientes, quanto de recursos. Infelizmente a população não saberá avaliar em que circunstância tecnológica está.

 

 

  • Estudo ortomolecular e nutricional

 

 

Os médicos ortomoleculares e nutricionistas são capazes de estabelecer uma  dieta equilibrada, pois tanto o excesso de nutrientes como a falta, são fatores cancerígenos e geradores de diversos males. No equilíbrio nutricional mora o segredo de uma boa saúde e de um bom tratamento. Mas para tal é necessário estudo minucioso de casos, para se recomendar a mais adequada dieta.

 

Independente da construção de uma dieta, eliminar com devidas substituições, todos alimentos industrializados, açúcar, transgênicos (em geral contendo fatores ligados ao crescimento acelerado), proteína animal (carne, leite e ovos) são fatores fundamentais para se iniciar qualquer tratamento eficaz.

 

 

Biblioteca de Câncer

http://www.medicinacomplementar.com.br/biblioteca_cancer.asp

Artigos:

 

 

 

 

  1. Todos nós temos o poder de curar a nós mesmos
  2. Câncer : população rebelde de células esperando por compaixão e reabilitação
  3. Efeitos da vitamina K no câncer : indução de apoptose e inibição da proliferação celular maligna
  4. Efeitos da vitamina D no câncer: indução da apoptose, inibição da proliferação celular maligna e antiangiogênese
  5. Efeitos da vitamina B12 ( hidroxicobalamina) no câncer: indução de apoptose
  6. Tocotrienol: vitamina "E" com efeito anti câncer de mama
  7. Selênio: diminui a proliferação celular maligna, inibe a angiogênese tumoral e provoca apoptose
  8. Nicotinamida: Relevante papel na prevenção e no tratamento da carcinogênese humana, porque regula o NAD+ celular
  9. Efeitos do vanádio no câncer: indução de apoptose e inibição da proliferação celular maligna
  10. Efeitos da deficiência de cobre no câncer : antiangiogênese
  11. Efeito dos Ácidos Graxos Poli Insaturados no câncer: indução de apoptose, inibição da proliferação celular e antiangiogênese
  12. Micronutrientes e Elementos Traço no Câncer
  13. Estratégia terapêutica de indução de apoptose, de inibição da proliferação celular e de inibição da angiogênese com a oxidação intratumoral, provocada por nutrientes pro-oxidantes
  14. Estratégia Oxidante Nutricional Antineoplásica
  15. Os antioxidantes diminuem a eficácia da quimioterapia anticâncer
  16. A vitamina B1 - tiamina - é contra indicada no câncer porque aumenta a proliferação celular maligna via ciclo das pentoses : contra-indicação formal
  17. O controle do câncer com um método muito simples e não dispendioso : provocar a hiperpolarização celular com dieta pobre em sódio e rica em potássio. Evidências clínicas e experimentais
  18. Tratamento do Câncer com Medidas e Drogas que Inibem o Fator de Transcrição Nuclear NF-kappaB
  19. Tratamento do câncer com medidas e drogas que acordam genes silenciados pela metilação das ilhas CpG do DNA
  20. Desacetilação como mecanismo de controle epigenético do câncer: inibição da proliferação celular maligna, aumento da diferenciação celular e aumento da apoptose
  21. Substância Fundamental : Elo Esquecido no Tratamento do Câncer
  22. Fluidez de Membrana : possivelmente o ponto mais fraco das células malignas
  23. O pão branco, a farinha branca e os doces facilitam o aparecimento do câncer
  24. Pão branco: o assassino oculto
  25. A Insulina Exógena Aumenta a Eficácia da Quimioterapia no Câncer: IPT - Insulin Potentiation Therapy
  26. A Hipoglicemia Induz Citotoxicidade no Carcinoma de Mama Resistente à Quimioterapia
  27. Tratamento de doenças envolvendo frequência de ondas
  28. Bloqueadores dos canais de cálcio - mais uma classe de drogas perigosas para a saúde: pode provocar câncer
  29. Hiperplasia endometrial atípica e hiperinsulinismo
  30. O Fator de Crescimento Semelhante a Insulina (IGF-I) aumenta a proliferação celular, diminui a apoptose das células malignas, promove a angiogênese tumoral e facilita o aparecimento e a manutenção de vários tipos de câncer.
  31. O álcool perílico e as limoninas são agentes anti câncer: diminuem a proliferação celular, aumentam a apoptose, diminuem a neoangiogênese tumoral e induzem a diferenciação celular . Parte 1
  32. Somatostatina: efeitos anti câncer ligados ao seu papel no metabolismo dos carboidratos porque ela inibe as enzimas glicose-6-fosfato desidrogenase e transcetolase
  33. Metabolismo das Células Cancerosas: A Drástica Queda do GSH e o Aumento da Oxidação Intracelular Provoca Parada da Proliferação Celular Maligna, Aumento da Apoptose e Antiangiogênese Tumoral
  34. Metabolismo da Célula Tumoral - Câncer como um Problema da Bioenergética Mitocondrial: Impedimento da Fosforilação Oxidativa - Fisiopatologia e Perspectivas de Tratamento
  35. Estão Contra Indicados nos Pacientes com Câncer
  36. Estratégia Terapêutica para induzir a oxidação intratumoral, inibir o NF-kappaB, aumentar a fluidez ...
  37. Plantas com efeito na prevenção do câncer
  38. Plantas que auxiliam no tratamento do câncer
  39. Naltrexone e Câncer
  40. Benzaldeido e Câncer
  41. Disulfiran e Câncer
  42. Molibdênio e Câncer
  43. Ácido linoleico conjugado (CLA) e câncer
  44. Óleo de peixe ômega-3 e câncer
  45. Genisteína e câncer
  46. Glicose-6-fosfatodehidrogenase (G6PD) e câncer
  47. Alcaçuz (Glycyrrhiza glabra) e câncer : inibição da proliferação celular maligna com aumento drástico da apoptose
  48. Tratamento nutricional e endócrino do câncer: benefícios da integração do médico clínico com o oncologista
  49. Proposta de dieta inteligente para o tratamento coadjuvante do câncer
  50. Dicloroacetato e Câncer: Aumenta a Apoptose e Diminui a Proliferação Celular Maligna
  51. Câncer : Tratamento com Hipertermia por Radio Freqüência e Oxidação Sistêmica
  52. Câncer de próstata
  53. Câncer de mama
  54. Câncer de colon e colo - retal
  55. Câncer de Fígado
  56. Leiomiosarcoma
  57. Osteosarcoma osteoblástico
  58. Melanoma
  59. Câncer de Pancreas
  60. Câncer de Pulmão
  61. Câncer de Cérebro-Glioblastoma-Neur
  62. Câncer de cabeça e pescoço
  63. Inibidores do Stat3 e câncer
  64. Curcumina e câncer
  65. Amiloride e câncer
  66. Acetazolamida e câncer
  67. Ácido ursólico e câncer
  68. Os diuréticos podem provocar câncer
  69. Água: vida - saúde - envelhecimento - doença - câncer
  70. Aumento da mortalidade por câncer com sulfonilureia e insulina, mas não com metformina
  71. O ciprofloxacin aumenta a apoptose no câncer de próstata
  72. O verapamil, o diltiazem e a nifedipina podem provocar câncer
  73. O álcool perílico pode provocar hipopotassemia
  74. A morfina favorece o vírus da hepatite C, o vírus da AIDS e o câncer por ativar o NF-kappaB

ozonioterapia ( sem efeitos colaterais e resultados em mais do que 50% dos casos) (Felippe JJ-julho/2003).

Eu já prescrevi morfina e seus derivados a muitos pacientes com câncer, queria amainar a dor, mas, não sabia que a morfina ativa o NF-kappaB. Este fator aumenta a proliferação celular maligna e impede a apoptose, isto é, facilita o desenvolvimento da doença (Felippe JJ- fevereiro /2004).
A seguir vamos enumerar vários temperos, frutas , verduras e legumes ricos em substancias que inibem o NF-kappaB.

- abacate                    - maçã                   - pêra                        - romã                 - amêndoa
- camomila                 - erva doce           - alecrim                   - coentro              - manjericão                                                                                                                    
- brocoli                      - couve flor          - couve de Bruxelas - couve verde      - alcachofra                                                                        - tomate                       - alho                   - cebola                    - cenoura             - abóbora
- aspargo                     - trigo integral      - limão                     - laranja               - “berries”  
- cardo mariano           - gengibre            - marmelo                - chá verde           - alcaçuz
- pimenta vermelha     - cravo da Índia    - pimenta do Reino preta     - Aloe Vera (babosa)
- uvas vermelhas         - cúrcuma (açafrão da India)                 - própolis            - soja
- ameixa seca               - uva passa           - cardamomo            - oleandro           - cacau  
- sálvia

 

 

  1. Selaginella lepidophilla

Existem várias plantas do gênero Selaginellaceae. A Selaginella umbrosa , planta de jardim conhecida como “musgo renda” , que necessita de sombra e umidade ;a Selaginella kraussiana ,também uma planta de jardim que necessita de sombra e umidade , conhecida como “musgo tapete , a Selaginella tamariscina,que necessita de muito sol, entre outras.
            A Selaginella que nos interessa é a S. lepidophyla, planta do deserto conhecida como “ alma nômade”. Alguns estudiosos crêem que foi esta planta adocicada que os
Israelitas chamaram de “manna” (citada no Velho Testamento no livro do Êxodus). Segundo a Bíblia alimentando-se desta planta o povo guiado por Moises conseguiu atravessar o deserto, pela força e vigor que ela proporcionou .
 Logo mais veremos uma explicação bem plausível para esta lenda.  

 


http://www.medicinacomplementar.com.br/tema150308.asp

A Selaginella lepidophilla é uma planta pré histórica que cresce nos desertos do México e do Texas. É muito resistente às secas demoradas e para sobreviver a planta se encarquilha em bola quase sem raízes sendo levada pelo vento.Ao chover ela absorve água e cresce muito rapidamente. Logo veremos o mecanismo deste processo.
A Selaginella pré histórica era gigante, do tamanho de uma árvore. Hoje nos restaram dois tipos : uma pequena do tamanho de uma bola de futebol e outra grande “tumbleweed” , que vemos rolar pela cidade ao vento nos filmes antigos de “cowboy”.
Adams em 1990 mostrou que a Seleginella lepidophilla depois de ser completamente desidratada volta a crescer e à sua plena atividade após re-hidratação. Quero dizer: a planta foi desidratada e deixada por semanas. Quando re-hidratada e plantada novamente voltou a “viver” e crescer normalmente. Acredita-se que o motivo esteja na sua composição: a alma nômade é a planta com maior teor de trehalose que se conhece: 12,5%.
A trehalose segundo vários pesquisadores, mas não todos, é uma forte estruturadora da água intracelular (Wiggins-1999 ; Chaplin- 1999). Ela protege as pontes de hidrogênio (pontes água – água) e mantém a estrutura tridimensional das enzimas , proteínas, DNA e a função da membrana.
As pontes de hidrogênio são necessárias no intracelular para:
1- estabilizar a conformação das hélices do DNA e do RNA o que permite manter a estrutura da molécula e a sua característica especial do enrolar e desenrolar das hélices,
2- manter a estrutura tridimensional das enzimas e das proteínas,
3- estabilizar a estrutura terciária das enzimas e das proteínas,
4- manter a hidratação das proteínas, ácidos nucléicos e macromoléculas,
5- estabilizar, manter e proteger a membrana citoplasmática e mitocondrial,
6- interferir no potencial de membrana citoplasmático (Em) e no potencial de membrana mitocondrial (Delta-psi mt)
7- interferir na homeostasia dos poros da membrana citoplasmática,
8- interferir na velocidade das reações químicas intracelulares
9- participar das reações de hidrólise,
10- veicular informações, etc....

A trehalose é um dissacarídeo não redutor , de fórmula : C12H22O11 , peso molecular de 342,31 , presente em mais de 80 espécies de plantas, algas, fungos, leveduras, bactérias, insetos e outros invertebrados. O mel contém de 0,1 a 1,9% de trehalose ; o sakê doce (mirin) de 1,3 a 2,2% ; os “sherries” de 10 a 391 mg/l ; a levedura de 0,01 a 5% ; o fermento de padaria de 15 a 20% e os cogumelos comestíveis de 8 a 17%.
Emprega-se muito os cogumelos no tratamento do câncer com o intuito de administrar glucana, potente imunomodulador , entretanto, os cogumelos possuem um forte agente organizador do intracelular a trehalose. Quando organizamos o intracelular de uma célula maligna, ela deixa de ser maligna e se comporta como célula normal. Esta célula na verdade não é maligna, ela é apenas uma célula doente lutando para sobreviver. Ela precisa de cuidados e não de agentes tóxicos que a exterminem ( Felippe JJ – Biblioteca de Câncer – www.medicinacomplementar.com.br).
Outras plantas do gênero Selaginellaceae , como a Selaginella tamariscina são empregadas no Oriente no tratamento do câncer avançado. Elas são antiproliferativas, inibem o ciclo celular , aumentam a apoptose e são antimetastáticas. Este gênero de plantas possuem vários tipos de bioflavonoides responsáveis pelos efeitos anti câncer (Ahn-2006 ;Yang-2006).

 

 

 

  1. Tiosulfato e câncer

O tiosulfato de sódio (Na2S2O3), antigamente chamado hiposulfito de sódio, é um dos fortes estruturadores da água intracelular ao lado de outras substâncias estruturadoras ou kosmotropas : anions polivalentes, cátions monovalentes e polivalentes e a alguns compostos não iônicos. Pois bem, Norbert Viallet em 2005 empregando apenas o tiosulfato de sódio como estruturador conseguiu diminuir significantemente (quase 50%) a proliferação do carcinoma epidermoide humano implantado no camundongo

http://www.medicinacomplementar.com.br/tema220308.asp

 

  1. Inibdores da SAP/MAPK e câncer

Vamos descrever  3 substâncias naturais com a propriedade de inibir a via SAP / MAPK : resveratrol (vinho tinto), tangeritina (casca das frutas cítricas) e ligustilide (Angelica sinensis – China: Dong quai ou Danggui) , que vão abrir imensa avenida para tratamentos mais racionais. Certamente existem muitos outros elementos naturais com as mesmas propriedades.

http://www.medicinacomplementar.com.br/temaabr08.asp

  1. Mistura de nutrientes estrutura a água intracelular e melhora vários tipos de câncer

Epigalocatequina-galato, ácido ascórbico, prolina, magnésio, cálcio, selênio, cobre e manganês são fortes estruturadores da água intracelular e provocam a inibição da proliferação, da invasidade e das metástases do câncer de pulmão, próstata, mama, pâncreas, bexiga, cérebro, testículo, mesotelioma, melanoma e fibrosarcoma.

Ou

Mistura de nutrientes estrutura a água intracelular e melhora vários tipos de câncer

http://www.medicinacomplementar.com.br/temajun08.asp

 

  1. Cosméticos provocam câncer de mama e alzheimer

substâncias usualmente encontradas nos cosméticos e seu potencial risco a saúde: formaldeído, parabeno, silicone, triclosan, alumínio, alquilfenol, polietilenoglicol (PEG) e óleo mineral.

 

Congressos

  1. Congresso Hipertermia 1998 - 21o International Clinical Hyperthermia Society
  2. Congresso Hipertermia 1999 - 22o International Clinical Hyperthermia Society
  3. Congresso Hipertermia 2002 - 25o International Clinical Hyperthermia Society

http://www.medicinacomplementar.com.br/biblioteca_cancer.asp

Pesquisas Recentes

 

esse site traz algumas pesquisas sobre cancer!

http://rfmatheus.com.br/content/blogcategory/45/124/

ratos imunes ao cancer
isso é maravilhoso!
ratos q sao imunes a alguns tipos de cancer!

http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2007/11/071128_cancerrato_is.shtml

maconha x cancer
pesquisas iniciais mostram q substancia encontrada na maconha podem "frear" cancer de mama!

http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2007/11/071119_cacermama_fp.shtml


****enviado epla Michele
http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=567639260675426659


Vacinas para frear o Câncer

www.vacinacontraocancer.com.br

 

 

O que são as células T?

 

As células T são um tipo de linfócitos (células brancas do sangue). Têm um importante papel no sistema imune. Há dois tipos de células T: células T-4, também chamadas CD4+ que são as defesas. Elas lideram o ataque contra as infecções. As células T-8 (CD8+) são células supressoras que terminam a resposta imune. As células CD8+ por vezes são chamadas células assassinas porque "matam" as células cancerosas e as células infectadas com um vírus.

Os investigadores podem contar as células T através de proteínas específicas da superfície celular. Uma célula T-4 é uma células com moléculas CD4 na sua superfície. Este tipo de células T é também chamado de CD4 positiva ou CD4+.

http://www.aidsportugal.com/article.php?sid=3305

 

Como são expressos os seus valores?

As células T são em geral expressas como o número de células em cada mm3 de sangue. Há alguma polémica acerca dos valores normais de células T, mas a contagem de Cd4+ normal está entre 500 e 1600 e os CD8+ entre 375 e 1100. Os CD4+ baixam dramaticamente em pessoas com HIV em nalguns casos caiem a zero.

Muitas vezes é expressa a relação entre as células CD4+ e as CD8+. Calcula-se dividindo o valor dos CD4+ pelo valor dos Cd8+. Nas pessoas saudáveis essa relação está entre 0,9 e 1,9 o que quer dizer que há cerca de 1 a 2 células CD4+ para cada células CD8+. Em pessoas com infecção pelo HIV esta relação cai dramaticamente, o que quer dizer que há mais células CD8+ que CD4+.

O valor das células T variam muito. A altura do dia, a fadiga e o stress podem afectar o resultado do teste. É melhor fazer colheitas de sangue para análises à mesma hora do dia e usar o mesmo laboratório.

As infecções podem ter um grande impacto na contagem de células T. Quando o corpo luta contra uma infecção o número de células brancas do sangue (linfócitos) baixa. Os CD4+ e os CD8+ baixam também, As vacinações podem causar o mesmo efeito. Não faça análises aos CD4 até passar duas semanas após uma infecção ou após ter feito uma vacinação.

Por causa  da contagem das células T ser muito variável alguns médicos preferem só a percentagem de células T. Estas percentagens referem-se ao total de linfócitos. Se a sua análise disser que tem CD4+ de 34%, isto significa que 34% dos seus linfócitos são células CD4+. Esta percentagem é mais estável que o número de células T. A variação normal é entre 20% e 40%. Uma percentagem de CD4+ abaixo de 14% indica uma deficiência imunológica grave. É um sinal de SIDA numa pessoas infectada pelo HIV.

O que querem dizer estes valores?

Não é claro o significado da contagem dos CD8+ mas isso está a ser estudado.

A contagem de CD4+ é a medida fundamental do estado de saúde do sistema imune. Quanto mais baixa for a contagem maior será a destruição que o HIV provocou. Qualquer pessoas que tenha menos que 200 CD4+ ou uma percentagem de CD4+ menor que 14%, é considerada  como tendo SIDA de acordo com o US Centers for Disease Control (CDC).

Os CD4+ são usados em conjunto com a carga viral para estimar o estado de saúde de uma pessoa. Ver O que é a carga viral para mais informação sobre carga viral.

Os CD4+ são também usados como indicação sobre o início de certos tipos de terapêutica.

Quando começar a terapêutica antiretroviral:

Quando a contagem de CD4+ estiver abaixo dos 350 a maior parte dos médicos iniciam tratamento antiretroviral (ver Orientações terapêuticas 2003 ). Alguns médicos usam a barreira dos CD4+ abaixo dos 15% como sinal de começo de uma terapêutica antiretroviral agressiva, mesmo se a contagem de Cd4+ é elevada. Os médicos mais conservadores esperam até que os CD4+ baixem para os 200 antes de iniciar tratamento.

Quando começar tratamento para prevenir as infecções oportunistas:

Muitos médicos prescrevem medicamentos para prevenir as infecções oportunistas de acordo com os seguintes valores de CD4+:

  • Inferior a 200: pneumonia a pneumocistis  (PCP; ver Fact Sheet 515)

 

 

  • Inferior a  75: micobacterium avium complex (MAC; ver Fact Sheet 514)

Em virtude de ser um importante indicador do estado do sistema imune, as orientações oficiais de tratamento sugerem que a contagem de CD4+ seja monitorizada cada 3 a 6 meses. (ver Orientações terapêuticas 2003)

 

 

 

 

 

  1. CDC. Classification system for human T-lymphotropic virus type III/lymphadenopathy-associated virus infections. MMWR 1986;35:334-

Disponível em <http://www.aidsportugal.com/article.php?sid=615>

http://www.aidsportugal.com/article.php?sid=3308&mode=&order=0

  1. Dr Sang Lee, MS, Imunologista em Congresso "Saúde do Seculo XXI" com Dr Viriato Ferreira , presidente da Associação Portuguesa de Medicina Preventiva
  2. NODARI, Rubens Onofre, GUERRA, MIguel Pedro, 58016 - Biotecnologia, apostila pag 41 -maio de 2000 .  Disponivel em

http://64.233.169.104/search?q=cache:2kmpBo8brq8J:www.cca.ufsc.br/lfdgv/ApostilaBiotecnologia2.pdf+OFF+guerra+amino%C3%A1cidos+santa+catarina&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=1&gl=br   

Acesso em abril de 2008

 

  1. Filmes explicando DNA e RNA

    1. http://br.youtube.com/watch?v=Bu6rbC2cnTM&feature=related

    2. http://br.youtube.com/watch?v=yZ_IPafioSU

 

COMO EVITAR A FORMAÇÃO DE CÉLULAS CANCEROSAS                                                  

                                                                                               

 Este é um artigo muito sério e contém as pesquisas mais recentes do Hospital Johns Hopkins de 

 Nova York, o centro mais avançado de pesquisa sobre câncer. Por favor, compartilhem com todos 

 os seus amigos e parentes porque em se tratando de câncer, a prevenção é o melhor remédio e   

 como poderão constatar, as recomendações são muito simples e fáceis de seguir.                

                                                                                               

 COMO PERMANECER SAUDÁVEL                                                                       

                                                                                               

 Recentes informações do Hospital Johns Hopkins sobre o câncer.                                

                                                                                                

  1. Toda pessoa tem células de câncer no corpo. Estas células cancerosas não aparecem nos      

 testes padrões, até que elas se multipliquem em alguns bilhões.Quando os médicos dizem aos    

 pacientes de câncer que não há mais nenhuma célula de câncer nos seus corpos, após o          

 tratamento, isto quer dizer que os testes não podem mais identificar as células cancerosas,   

 porque elas não atingiram o tamanho detectável.                                                

                                                                                               

  1. Células cancerosas podem ocorrer de 6 a mais de 10 vezes na vida de uma pessoa.            

                                                                                                

  1. Quando o sistema imunológico da pessoa é vigoroso, as células cancerosas serão destruídas  

 e impedidas de multiplicar e formar tumores.                                                  

                                                                                                

  1. Quando uma pessoa tem câncer, isto significa que ela tem múltiplas deficiências           

 nutricionais. Estas deficiências são devidas ao fator genético, ambiental, da alimentação e do

 estilo de vida.                                                                               

                                                                                               

  1. Superar as deficiências nutricionais múltiplas significa mudança de dieta e a inclusão de  

 suplementos, que irá fortalecer o sistema imunológico.                                        

                                                                                               

  1. Quimioterapia impede o crescimento acelerado das células de câncer e também destrói as     

 células saudáveis na medula óssea, na área gastrintestinal etc. e pode causar dano aos órgãos,

 como fígado, rins, coração, pulmões etc.                                                       

                                                                                               

  1. A radiação, enquanto vai destruindo as células de câncer, também produz queimaduras,       

 cicatrizes e danificam as células saudáveis, tecidos e órgãos.                                

                                                                                               

  1. O tratamento inicial com quimioterapia e radiação muitas das vezes poderá reduzir o tamanho

 do tumor. Entretanto, o uso prolongado da quimioterapia e da radiação não resulta em mais     

 destruição do tumor.                                                                          

                                                                                                

  1. Quando o corpo está muito sobrecarregado com o efeito da quimioterapia e da radiação, o    

 sistema imunológico ou está comprometido ou destruído; por conseguinte a pessoa pode sucumbir 

 a vários tipos de infecções e complicações                                                    

                                                                                               

  1. Quimioterapia e radiação podem causar células cancerosas e mutação, se tornarem           

 resistentes e de difícil destruição. Cirurgia também pode produzir células cancerosas e       

 espalhar para outras áreas do corpo.                                                          

                                                                                                

  1. Um modo efetivo para combater o câncer é fazer as células cancerosas passarem fome, não as

 alimentando, pois elas necessitam de alimento para se multiplicarem.                          

                                                                                                

 ELAS SE ALIMENTAM DE:                                                                         

  1. A) O açúcar é um alimentador do câncer. Tirando o açúcar, se elimina a fonte de suprimento da 

 sua alimentação mais importante.                                                              

                                                                                               

  1. B) O sal de mesa tem uma substância química para torná-lo branco. Esta substância ingerida em 

 excesso causa graves danos ao sistema gastrintestinal.                                        

                                                                                               

  1. C) O leite faz o corpo produzir muco, especialmente na área gastrintestinal. O câncer se      

 alimenta do muco. Eliminando o leite e substituindo-o por leite de soja não adoçado, as       

 células cancerosas morrem de fome.                                                             

                                                                                               

  1. Células cancerosas prosperam em um ambiente ácido. Uma dieta com base na carne é ácida;   

 assim é melhor comer peixe e uma pequena quantidade de frango, do que ingerir carne de boi ou 

 de porco. Carne de gado (criado em fazendas) contém antibióticos, hormônios de crescimento e  

 parasitas, que são prejudiciais, principalmente às pessoas com câncer.                         

                                                                                               

  1. Uma dieta feita com 80% de legumes frescos, sucos, grãos inteiros, sementes, nozes e um   

 pouco de frutas ajudam pôr o corpo em um ambiente alcalino. Aproximadamente, 20% delas podem  

 ser ingeridas cozidas, incluindo os feijões.                                                  

                                                                                               

  1. A) Sucos de vegetais frescos provêem enzimas que são facilmente absorvidas e alcançam até     

 níveis celulares dentro de 15 minutos, para nutrir e aumentar o crescimento das células       

 saudáveis. Para obter enzimas vivas, para formar células saudáveis, tente ingerir sucos de    

 vegetal frescos (a maioria dos legumes, inclusive brotos de feijão) e comer alguns legumes    

 crus, duas ou três vezes por dia. As enzimas são destruídas a temperaturas de 104 graus       

 Fahrenheit (=40 graus centígrados).                                                            

                                                                                               

  1. B) Evite café, chá e chocolate, que têm alto nível de cafeína. O chá verde é a melhor         

 alternativa.                                                                                  

                                                                                               

  1. C) É melhor beber água limpa e natural, deionizada, filtrada, para evitar as toxinas          

 conhecidas e metais pesados da água de torneira. A água destilada é ácida; evite-a.           

                                                                                               

  1. Proteína de carne é difícil de digerir e requer muitas enzimas digestivas. Carnes não     

 digeridas, que permanece nos intestinos, putrefaz e causa a formação de mais tóxico.          

                                                                                               

  1. Células cancerosas têm (suas) paredes cobertas de proteína dura.Privando-as, ou           

 alimentando-as com pouca carne, elas se livram de mais enzimas (tóxicas) e do ataque às       

 paredes de proteína das células cancerosas, e permite que as células protetoras do corpo      

 destruam as células cancerosas.                                                               

                                                                                               

  1. Alguns suplementos constroem o sistema imunológico:                                       

                                                                                               

 O IP6, Flor-essence, (flor de essência - uma mistura de ervas para fazer chá, que se acredita,

 tem propriedades para curar o câncer) antioxidantes, vitaminas, minerais, etc., para permitir 

 que as próprias células protetoras do corpo destruam as células cancerosas. Outros            

 suplementos, como vitamina E, são conhecidos por causar apoptose, (autodestruição da célula;  

 uma espécie de sistema programado para matá-las) - o método normal do corpo de se livrar das  

 células estragadas, indesejáveis ou desnecessárias.                                           

                                                                                                

  1. As células cancerosas não podem prosperar num ambiente oxigenado. Exercitando diariamente 

 e profundamente a respiração, ajuda adquirir mais oxigênio até o nível celular. A terapia de  

 oxigênio é outra maneira usada para destruir as células cancerosas.                           

                                                                                               

  1. Câncer é uma doença da mente, do corpo e do espírito. Um espírito pró-ativo e positivo    

 ajudará o guerreiro do câncer a ser um sobrevivente. Raiva, inclemência e amargura põem o     

 corpo em estresse, num ambiente acetoso. Aprenda ter um espírito clemente e amoroso. Aprenda  

 relaxar e DESFRUTAR VIDA.                                                                     

                                                                                               

 RECENTES INFORMAÇÕES DO JOHNS HOPKINS HOSPITAL.                                                

                                                                                               

  1. Não coloque nenhum recipiente plástico em microondas.                                      

                                                                                                

  1. Não coloque suas garrafas de plástico, com água, em congelador.                            

                                                                                               

  1. Não ponha nenhuma embalagem de plástico em microonda. Substâncias químicas de dioxina      

 causam câncer, especialmente câncer de mama. Dioxina são altamente venenosas às células do    

 nosso corpo. Recentemente, o Dr. Edward Fujimoto, Gerente de Programa de Bem-estar junto ao   

 Hospital de Castle, estava em um programa de televisão para explicar esta periculosidade. Ele 

 falou sobre as dioxinas e de como elas são ruins para nós. Ele disse que nós não deveríamos   

 estar aquecendo nossa comida em microonda usando recipientes de plástico. Isto se aplica      

 especialmente para alimentos gordurosos. Disse que a combinação da gordura e alta temperatura 

 liberam dioxinas na comida e finalmente nas células do corpo. Use vasos de vidro, como Pirex  

 ou recipientes cerâmicos para aquecer a comida. Você obtém os mesmos resultados, só que sem a 

 dioxina. Alimentos de TV Dinners (alimentos já prontos, congelados, sopas prontas empacotadas,

 etc.) deveriam ser removidos dos recipientes e aquecidos em outra coisa. O papel não se       

 recomenda, pois você não sabe a sua composição. É mais seguro usar vidro temperado. Ele também

 nos lembrou que, há um tempo atrás, alguns restaurantes de fast food deixaram de usar         

 embalagens de recipientes feitos com espumas sintéticas. Uma das razões é o problema da       

 dioxina. Também mostrou que aquela envoltura de plástico, como o Saran, (material de plástico 

 impermeável) é muito perigosa quando colocado por cima dos alimentos, para ser cozido no forno

 de microondas. Como a comida recebe altas temperaturas, ('nuke') faz as toxinas venenosas     

 derreterem a embalagem do plástico e gotejar para dentro da comida. Cubra o alimento com pirex

 ou cerâmica.                                                                                   

        PROJETO ACIMO- ATUALIZAÇÃO CIENTÍFICA MÉDICA ONCOLOGICA - Prêmio CFM - Brasil

Www.fosfoetanolamina.comunidades.net

*** Abrange milhares de fármacos e protocolos apesar que a idéia surgiu desde a polêmica envolvendo a fosfoetanolamina

 

Devido ao alto custo de processo convalidatorio de remédios em processo de aprovação, sobretudo na última fase clinica , impedindo sua contemplação como medida recomendável e dentro dos altos parâmetros científicos , temos milhares de pesquisas e fármacos promissores em todo mundo aguardando a aprovação dos órgãos reguladores .

Pensando neste entrave burocrático , propomos ao ministério da saude em acorco com o CFM do Brasil e Anvisa, em lançar o projeto " Atualização científica médica e oncológica " , estabelecendo um sistema para que médicos participem empreendendo testes clínicos de pesquisas promissoras, seguindo metodologia e regras do processo .

A participação do médico será remunerada pelo ministério da saúde em proporção aos casos acompanhados .

Os voluntários assinarão carta de responsabilidade como voluntário no atendimento em caráter experimental de pesquisa .

O médico deverá se inscrever, preencher os itens de sua participação e as pesquisas promissoras que irá participar contribuindo no processo convalidatorio do novo fármaco ou abordagem.

O índice de aprovação de fármacos e métodos será para oncologia de 20% de eficiência nos pacientes tratados , algo bem superior a 2% médio de eficiência dos modelos de quimioterapia .

Vejam como está adiantado este tema no COIMS

http://www.cioms.ch/index.php/guideline-10

 

 

CARTA ABERTA AOS DIRIGENTES DO CFM E REGIONAIS CRMs

Que a paz e a graça divina esteja na sua pessoa e em todo seu lar!

Segurança

Segurança é o que todos querem?

ANVISA 
CFM
MINISTÉRIO DA SAÚDE 
OMS
FDA
PACIENTES
MÉDICOS

Quando estamos num galho seguro , temos tempo pra pensar ... mas quando nosso galho é podre e está com 98% de chance de cair , a gente pula com certeza num galho que tenha menor índice de insegurança

Proponho uma maneira mais inteligente de se trabalhar avanços científicos médicos sobretudo quando se admite falhas no avanço atual .

Art. Xxxx

proposta para novo código de ética médica do CFM

PARAGRAFO UNICO

DEVIDO A INSEGURANÇA E ALTO GRAU DE INEFICIENCIA DOS METODOS QUIMIOTERAPICOS E OUTROS METODOS DE CARÁTER INVASIVO DE SE TRATAR CANCER, COMO RADIOTERAPIAS E CIRURGIAS, O MÉDICO TERÁ A LIBERDADE DE OPTAR , NESTES CASOS ESPECIFICOS , POR TRATAMENTOS EXPERIMENTAIS DESDE QUE OS MESMOS JÁ TENHAM SIDO TESTADOS EM ANIMAIS E HUMANOS, COM PELO MENOS 10 PUBLICACOES FAVORÁVEIS EM REVISTAS ESPECIALIZADAS DE ONCOLOGIA

Baseado no código de ética em medicina , propor que se observe a cautela de se ministrar métodos de tratamentos de menor risco a vida e saúde do paciente .

Propor que abordagens cautelosas aconteçam primeiro , como já se pratica normalmente, e nisto incluiriamos fosfoetanolamina que trás as seguintes vantagens:

  1. Não representar alto risco
    2. Poder monitorar melhoras ou não em pouco tempo
    3. Fator econômico já que o SUS vai economizar mais de 50 bilhões por ano
    4. Fator preventivo em casos de suspeita, ajudando inclusive o diagnóstico
    5. Fator preventivo já que micro cancers ocorrem diversas vezes em vida , o que, neste caso seria fundamental se receitar principalmente em casos psiquiátricos e quadros de alto stress (pois noradrenalina e cortizol gerado por stress impedem o sistema imunológico de atuar e combater o câncer )

Propor ao CFM que INVERTA esta ordem as vezes perigosa que arrisca a vida :

Propor que cirurgia, quimioterapia e radioterapia , nao tenham preferencia e nem prioridade , mas sejam recomendadas depois de tratamentos de menor risco .

Os de menor risco a vida deveriam ter primazia com raras exceções de muita virulência do câncer ou algo que indique emergência na abordagem.

Para tanto, enfrentamos outro problema , a legislação de fármacos da ANVISA que não reflete modelos europeus e americano, os quais permitem certa liberdade de decisão em casos de drogas e métodos experimentais promissores .

Se respeitarmos e apoiarmos as pesquisas promissoras , exigindo o razoável , exigindo publicações e testes básicos , que transmitam segurança na tentativa , muito maior que o que a quimioterapia tem dado, poderemos fazer só processo de atendimento de candidatos voluntários nestes procedimentos inovadores ( que até estão fugindo do genocídio quimioterapico) , os testes clínicos tão desejados e exigidos para então convalidar logo estas descobertas tão necessárias à população e tão indesejadas aos donos de patentes de remédios obsoletos.

Todos ficarão atendidos em suas escolhas e apostas muito mais promissoras que quimioterapias;, pacientes , cientistas e órgãos reguladores que devem cuidar do bem do cidadão .

Calculo que só no Brasil o sistema de quimioterapia dissolve por ano mais 50 bilhões de reais dos cofres do governo além de matar antecipadamente em torno de 300 mil pessoas . Esse dinheiro vai para

Grandes laboratórios 
Hospitais 
Comissionamento alto a oncologistas 
E vendedores em geral

A pesquisa apontou que a ineficiência da quimioterapia é de 97,7% na Austrália e 97,9% nos EUA. Imagina em países como o Brasil !

Ou seja

Gastamos talvez mais de 200 bilhões , contando gastos governamentais e particulares, por ano , para remunerar um assassinato de 300 mil cancerosos que teriam mais qualidade de vida se não se fizesse nada, enquanto temos milhares de pesquisas promissoras paradas por falta se verba.

Na literatura científica temos centenas de alternativas de se tratar câncer (fosfoetanolamina é apenas uma delas ) que não são praticadas pelo sistema que exige testes clínicos caros que somente grandes laboratórios podem empreender , e claro, eles vão fazer apenas com as drogas deles , aquelas que poderão bancar o custo dos testes clínicos e toda a burocracia envolvida (segundo o oncologista e dono de clinica oncológica , Drauzio Varella, a pesquisa para convalidar um, remédio pra câncer custa em média meio bilhão de dólares )

Até que ponto os órgãos reguladores como ANVISA e o CFM , em nome daquilo que for muito bem testado , protegem e/ou são coniventes com algo que foi burocraticamente testado?

A natureza humana é interessante, frente às ameaças e prêmios ela cede de opinião quase sempre , se a pessoa ganha bem num sistema e ainda é ameaçado de perder a boca, ela, até por uma atitude de sobrevivência , começa a raciocinar em torno daquilo que lhe dá maior conforto e segurança .

Mas "quem fala a verdade quebra o próprio pescoço " J Huss

QUAL SOLUÇÃO?

REFERÊNCIAS

http://www.icnr.com/articles/ischemotherapyeffective.html

http://www.australianprescriber.com/magazine/29/1/2/3

Vejam como está adiantado este tema no COIMS

http://www.cioms.ch/index.php/guideline-10

         

 

 

Referências Bibliográficas

1.

  1. N. Kolonel, D. Altshuler, and B. E. Henderson. Estudo coorte multiétnico: explorando genes, estilo de vida e risco de câncer. Nat. Rev. Cancer. 4:519–27 (2004) doi:10.1038/nrc1389. [PubMed].

2.

  1. K. Wiencke. Impacto da raça/ etnicidade sobre as vias moleculares em câncer humano. Nat. Rev. Cancer. 4:79–84 (2004) doi:10.1038/nrc1257. [PubMed].

3.

  1. G. Ziegler, R. N. Hoover, M. C. Pike, A. Hildesheim, A. M. Nomura, D. W. West, A. H. Wu-Williams, L. N. Kolonel, P. L. Horn-Ross, J. F. Rosenthal, and M. B. Hyer. Padrões migratórios e risco de câncer de mama em mulheres asiático-americanas. J. Natl. Cancer Inst.85:1819–27 (1993) doi:10.1093/jnci/85.22.1819. [PubMed].

4.

  1. Haenszel and M. Kurihara. Studies of Japanese migrants. I. Mortality from cancer and other diseases among Japanese in the United States. J. Natl. Cancer Inst.40:43–68 (1968). [PubMed].

5.

  1. S. Hamilton and T. M. Mack. Puberty and genetic susceptibility to breast cancer in a case-control study in twins. N. Engl. J. Med.348:2313–22 (2003) doi:10.1056/NEJMoa021293. [PubMed].

6.

  1. Jemal, R. Siegel, E. Ward, T. Murray, J. Xu, and M. J. Thun. Cancer statistics, 2007. CA Cancer J. Clin.57:43–66 (2007). [PubMed].

7.

  1. Brayand, and B. Moller. Predicting the future burden of cancer. Nat. Rev. Cancer. 6:63–74 (2006) doi:10.1038/nrc1781. [PubMed].

8.

  1. Lichtenstein, N. V. Holm, P. K. Verkasalo, A. Iliadou, J. Kaprio, M. Koskenvuo, E. Pukkala, A. Skytthe, and K. Hemminki. Environmental and heritable factors in the causation of cancer—analyses of cohorts of twins from Sweden, Denmark, and Finland. N. Engl. J. Med.343:78–85 (2000) doi:10.1056/NEJM200007133430201. [PubMed].

9.

  1. R. Loeb, and L. A. Loeb. Significance of multiple mutations in cancer. Carcinogenesis. 21:379–85 (2000) doi:10.1093/carcin/21.3.379. [PubMed].

10.

  1. C. Hahn, and R. A. Weinberg. Modelling the molecular circuitry of cancer. Nat. Rev. Cancer. 2:331–41 (2002) doi: 10.1038/nrc795. [PubMed].

11.

  1. A. Mucci, S. Wedren, R. M. Tamimi, D. Trichopoulos, and H. O. Adami. The role of gene-environment interaction in the aetiology of human cancer: examples from cancers of the large bowel, lung and breast. J. Intern. Med.249:477–93 (2001) doi:10.1046/j.1365-2796.2001.00839.x. [PubMed].

12.

  1. Czene, and K. Hemminki. Kidney cancer in the Swedish Family Cancer Database: familial risks and second primary malignancies. Kidney Int.61:1806–13 (2002) doi:10.1046/j.1523-1755.2002.00304.x. [PubMed].

13.

  1. Irigaray, J. A. Newby, R. Clapp, L. Hardell, V. Howard, L. Montagnier, S. Epstein, and D. Belpomme. Lifestyle-related factors and environmental agents causing cancer: an overview. Biomed. Pharmacother.61:640–58 (2007) doi:10.1016/j.biopha.2007.10.006. [PubMed].

14.

  1. F. Denissenko, A. Pao, M. Tang, and G. P. Pfeifer. Preferential formation of benzo[a]pyrene adducts at lung cancer mutational hotspots in P53. Science. 274:430–2 (1996) doi:10.1126/science.274.5286.430. [PubMed].

15.

  1. J. Anto, A. Mukhopadhyay, S. Shishodia, C. G. Gairola, and B. B. Aggarwal. Cigarette smoke condensate activates nuclear transcription factor-kappaB through phosphorylation and degradation of IkappaB(alpha): correlation with induction of cyclooxygenase-2. Carcinogenesis. 23:1511–8 (2002) doi: 10.1093/carcin/23.9.1511. [PubMed].

16.

  1. Shishodiaand, and B. B. Aggarwal. Cyclooxygenase (COX)-2 inhibitor celecoxib abrogates activation of cigarette smoke-induced nuclear factor (NF)-kappaB by suppressing activation of IkappaBalpha kinase in human non-small cell lung carcinoma: correlation with suppression of cyclin D1, COX-2, and matrix metalloproteinase-9. Cancer Res. 64:5004–12 (2004) doi:10.1158/0008-5472.CAN-04-0206. [PubMed].

17.

  1. Ichikawa, Y. Nakamura, Y. Kashiwada, and B. B. Aggarwal. Anticancer drugs designed by mother nature: ancient drugs but modern targets. Curr Pharm Des. 13:3400–16 (2007) doi:10.2174/138161207782360500. [PubMed].

18.

  1. J. Tuyns. Epidemiology of alcohol and cancer. Cancer Res. 39:2840–3 (1979). [PubMed].

19.

  1. Maier, E. Sennewald, G. F. Heller, and H. Weidauer. Chronic alcohol consumption—the key risk factor for pharyngeal cancer. Otolaryngol. Head Neck Surg.110:168–73 (1994). [PubMed].

20.

  1. K. Seitz, F. Stickel, and N. Homann. Pathogenetic mechanisms of upper aerodigestive tract cancer in alcoholics. Int. J. Cancer. 108:483–7 (2004) doi:10.1002/ijc.11600. [PubMed].

21.

  1. Doll, and R. Peto. The causes of cancer: quantitative estimates of avoidable risks of cancer in the United States today. J. Natl. Cancer Inst. 66:1191–308 (1981). [PubMed].

22.

  1. R. Williams, and J. W. Horm. Association of cancer sites with tobacco and alcohol consumption and socioeconomic status of patients: interview study from the Third National Cancer Survey. J. Natl. Cancer Inst.58:525–47 (1977). [PubMed].

23.

  1. Hamajima et al. Alcohol, tobacco and breast cancer—collaborative reanalysis of individual data from 53 epidemiological studies, including 58,515 women with breast cancer and 95,067 women without the disease. Br. J. Cancer. 87:1234–45 (2002) doi:10.1038/sj.bjc.6600596. [PubMed].

24.

  1. P. Longnecker, P. A. Newcomb, R. Mittendorf, E. R. Greenberg, R. W. Clapp, G. F. Bogdan, J. Baron, B. MacMahon, and W. C. Willett. Risk of breast cancer in relation to lifetime alcohol consumption. J. Natl. Cancer Inst.87:923–9 (1995) doi:10.1093/jnci/87.12.923. [PubMed].

25.

  1. Stickel, D. Schuppan, E. G. Hahn, and H. K. Seitz. Cocarcinogenic effects of alcohol in hepatocarcinogenesis. Gut. 51:132–9 (2002) doi:10.1136/gut.51.1.132. [PubMed].

26.

  1. K. Seitz, G. Poschl, and U. A. Simanowski. Alcohol and cancer. Recent Dev Alcohol. 14:67–95 (1998) doi:10.1007/0-306-47148-5_4. [PubMed].

27.

  1. K. Seitz, S. Matsuzaki, A. Yokoyama, N. Homann, S. Vakevainen, and X. D. Wang. Alcohol and cancer. Alcohol Clin. Exp. Res.25:137S–143S (2001). [PubMed].

28.

  1. Donato, U. Gelatti, R. M. Limina, and G. Fattovich. Southern Europe as an example of interaction between various environmental factors: a systematic review of the epidemiologic evidence. Oncogene. 25:3756–70 (2006) doi:10.1038/sj.onc.1209557. [PubMed].

29.

  1. Poschl, and H. K. Seitz. Alcohol and cancer. Alcohol Alcohol. 39:155–65 (2004) doi:10.1093/alcalc/agh057. [PubMed].

30.

  1. Szabo, P. Mandrekar, S. Oak, and J. Mayerle. Effect of ethanol on inflammatory responses. Implications for pancreatitis. Pancreatology. 7:115–23 (2007) doi:10.1159/000104236. [PubMed].

31.

  1. B. Aggarwal. Nuclear factor-kappaB: the enemy within. Cancer Cell. 6:203–208 (2004) doi:10.1016/j.ccr.2004.09.003. [PubMed].

32.

  1. Kuratsune, S. Kohchi, and A. Horie. Carcinogenesis in the esophagus. I. Penetration of benzo(a) pyrene and other hydrocarbons into the esophageal mucosa. Gann. 56:177–87 (1965). [PubMed].

33.

  1. La Vecchia, A. Tavani, S. Franceschi, F. Levi, G. Corrao, and E. Negri. Epidemiology and prevention of oral cancer. Oral Oncol.33:302–312 (1997). [PubMed].

34.

  1. Boffetta, M. Hashibe, C. La Vecchia, W. Zatonski, and J. Rehm. The burden of cancer attributable to alcohol drinking. Int. J. Cancer. 119:884–887 (2006) doi:10.1002/ijc.21903. [PubMed].

35.

  1. C. Willett. Diet and cancer. Oncologist. 5:393–404 (2000) doi:10.1634/theoncologist.5-5-393. [PubMed].

36.

  1. A. Bingham, R. Hughes, and A. J. Cross. Effect of white versus red meat on endogenous N-nitrosation in the human colon and further evidence of a dose response. J. Nutr.132:3522S–3525S (2002). [PubMed].

37.

  1. Chao, M. J. Thun, C. J. Connell, M. L. McCullough, E. J. Jacobs, W. D. Flanders, C. Rodriguez, R. Sinha, and E. E. Calle. Meat consumption and risk of colorectal cancer. JAMA. 293:172–182 (2005) doi:10.1001/jama.293.2.172. [PubMed].

38.

  1. Hogg. Red meat and colon cancer: heme proteins and nitrite in the gut. A commentary on diet-induced endogenous formation of nitroso compounds in the GI tract. Free Radic. Biol. Med.43:1037–1039 (2007) doi:10.1016/j.freeradbiomed.2007.07.006. [PubMed].

39.

  1. Rodriguez, M. L. McCullough, A. M. Mondul, E. J. Jacobs, A. Chao, A. V. Patel, M. J. Thun, and E. E. Calle. Meat consumption among Black and White men and risk of prostate cancer in the Cancer Prevention Study II Nutrition Cohort. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev. 15:211–216 (2006) doi:10.1158/1055-9965.EPI-05-0614. [PubMed].

40.

  1. Garcia-Closas, M. Garcia-Closas, M. Kogevinas, N. Malats, D. Silverman, C. Serra, A. Tardon, A. Carrato, G. Castano-Vinyals, M. Dosemeci, L. Moore, N. Rothman, and R. Sinha. Food, nutrient and heterocyclic amine intake and the risk of bladder cancer. Eur. J. Cancer. 43:1731–1740 (2007) doi:10.1016/j.ejca.2007.05.007. [PubMed].

41.

  1. Tappel. Heme of consumed red meat can act as a catalyst of oxidative damage and could initiate colon, breast and prostate cancers, heart disease and other diseases. Med. Hypotheses. 68:562–4 (2007) doi:10.1016/j.mehy.2006.08.025. [PubMed].

42.

  1. H. O’Hanlon. High meat consumption linked to gastric-cancer risk. Lancet Oncol. 7:287 (2006) doi:10.1016/S1470-2045(06)70638-6. [PubMed].

43.

  1. N. Toporcov, J. L. Antunes, and M. R. Tavares. Fat food habitual intake and risk of oral cancer. Oral Oncol. 40:925–931 (2004) doi:10.1016/j.oraloncology.2004.04.007. [PubMed].

44.

  1. Dosil-Diaz, A. Ruano-Ravina, J. J. Gestal-Otero, and J. M. Barros-Dios. Meat and fish consumption and risk of lung cancer: A case-control study in Galicia, Spain. Cancer Lett.252:115–122 (2007) doi:10.1016/j.canlet.2006.12.008. [PubMed].

45.

  1. N. Lauber, and N. J. Gooderham. The cooked meat derived genotoxic carcinogen 2-amino-3-methylimidazo[4,5-b]pyridine has potent hormone-like activity: mechanistic support for a role in breast cancer. Cancer Res.67:9597–0602 (2007) doi:10.1158/0008–5472.CAN-07-1661. [PubMed].

46.

  1. Divisi, S. Di Tommaso, S. Salvemini, M. Garramone, and R. Crisci. Diet and cancer. Acta Biomed. 77:118–123 (2006). [PubMed].

47.

  1. F. Sasaki, S. Kawaguchi, A. Kamaya, M. Ohshita, K. Kabasawa, K. Iwama, K. Taniguchi, and S. Tsuda. The comet assay with 8 mouse organs: results with 39 currently used food additives. Mutat. Res.519:103–119 (2002). [PubMed].

48.

  1. Durando, L. Kass, J. Piva, C. Sonnenschein, A. M. Soto, E. H. Luque, and M. Munoz-de-Toro. Prenatal bisphenol A exposure induces preneoplastic lesions in the mammary gland in Wistar rats. Environ. Health Perspect.115:80–6 (2007). [PubMed].

49.

  1. M. Ho, W. Y. Tang, J. Belmonte de Frausto, and G. S. Prins. Developmental exposure to estradiol and bisphenol A increases susceptibility to prostate carcinogenesis and epigenetically regulates phosphodiesterase type 4 variant 4. Cancer Res.66:5624–32 (2006) doi:10.1158/0008-5472.CAN-06-0516. [PubMed].

50.

  1. Szymanska-Chabowska, J. Antonowicz-Juchniewicz, and R. Andrzejak. Some aspects of arsenic toxicity and carcinogenicity in living organism with special regard to its influence on cardiovascular system, blood and bone marrow. Int. J. Occup. Med. Environ. Health. 15:101–116 (2002). [PubMed].

51.

  1. E. Calle, C. Rodriguez, K. Walker-Thurmond, and M. J. Thun. Overweight, obesity, and mortality from cancer in a prospectively studied cohort of U.S. adults. N Engl J Med. 348:1625–1638 (2003) doi:10.1056/NEJMoa021423. [PubMed].

52.

  1. Drewnowski, and B. M. Popkin. The nutrition transition: new trends in the global diet. Nutr. Rev.55:31–43 (1997). [PubMed].

53.

  1. D. Hursting, L. M. Lashinger, L. H. Colbert, C. J. Rogers, K. W. Wheatley, N. P. Nunez, S. Mahabir, J. C. Barrett, M. R. Forman, and S. N. Perkins. Energy balance and carcinogenesis: underlying pathways and targets for intervention. Curr. Cancer Drug Targets. 7:484–491 (2007) doi:10.2174/156800907781386623. [PubMed].

54.

  1. Nareika, Y. B. Im, B. A. Game, E. H. Slate, J. J. Sanders, S. D. London, M. F. Lopes-Virella, and Y. Huang. High glucose enhances lipopolysaccharide-stimulated CD14 expression in U937 mononuclear cells by increasing nuclear factor kappaB and AP-1 activities. J. Endocrinol.196:45–55 (2008) doi:10.1677/JOE-07-0145. [PubMed].

55.

  1. H. Tang, Y. C. Chiu, T. W. Tan, R. S. Yang, and W. M. Fu. Adiponectin enhances IL-6 production in human synovial fibroblast via an AdipoR1 receptor, AMPK, p38, and NF-kappa B pathway. J. Immunol.179:5483–5492 (2007). [PubMed].

56.

  1. Pisani, D. M. Parkin, N. Munoz, and J. Ferlay. Cancer and infection: estimates of the attributable fraction in 1990. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev.6:387–400 (1997). [PubMed].

57.

  1. M. Parkin. The global health burden of infection-associated cancers in the year 2002. Int. J. Cancer. 118:3030–3044 (2006) doi:10.1002/ijc.21731. [PubMed].

58.

  1. Song, H. C. Pitot, and P. F. Lambert. The human papillomavirus type 16 E6 gene alone is sufficient to induce carcinomas in transgenic animals. J. Virol.73:5887–5893 (1999). [PubMed].

59.

  1. S. Blumberg, B. Larouze, W. T. London, B. Werner, J. E. Hesser, I. Millman, G. Saimot, and M. Payet. The relation of infection with the hepatitis B agent to primary hepatic carcinoma. Am. J. Pathol.81:669–682 (1975). [PubMed].

60.

  1. M. Hagen, S. Huang, J. Curnutte, P. Fowler, V. Martinez, C. M. Wehr, B. N. Ames, and F. V. Chisari. Extensive oxidative DNA damage in hepatocytes of transgenic mice with chronic active hepatitis destined to develop hepatocellular carcinoma. Proc. Natl. Acad. Sci. U S A. 91:12808–12812 (1994) doi:10.1073/pnas.91.26.12808. [PubMed].

61.

  1. L. Jackson, and L. A. Loeb. The contribution of endogenous sources of DNA damage to the multiple mutations in cancer. Mutat. Res.477:7–21 (2001) doi:10.1016/S0027-5107(01)00091-4. [PubMed].

62.

  1. De Maria, A. Colantoni, S. Fagiuoli, G. J. Liu, B. K. Rogers, F. Farinati, D. H. Van Thiel, and R. A. Floyd. Association between reactive oxygen species and disease activity in chronic hepatitis C. Free Radic. Biol. Med.21:291–5 (1996) doi:10.1016/0891–5849(96)00044-5. [PubMed].

63.

  1. Koike, T. Tsutsumi, H. Fujie, Y. Shintani, and M. Kyoji. Molecular mechanism of viral hepatocarcinogenesis. Oncology. 62(Suppl 1):29–37 (2002) doi:10.1159/000048273. [PubMed].

64.

  1. Belpomme, P. Irigaray, L. Hardell, R. Clapp, L. Montagnier, S. Epstein, and A. J. Sasco. The multitude and diversity of environmental carcinogens. Environ. Res.105:414–429 (2007) doi:10.1016/j.envres.2007.07.002. [PubMed].

65.

  1. S. Guan, Q. He, M. Q. Wang, and P. Li. Nuclear factor kappa B and hepatitis viruses. Expert Opin. Ther. Targets. 12:265–280 (2008) doi:10.1517/14728222.12.3.265. [PubMed].

66.

  1. Takayama, H. Takahashi, Y. Matsuo, Y. Okada, and T. Manabe. Effects of Helicobacter pylori infection on human pancreatic cancer cell line. Hepatogastroenterology. 54:2387–2391 (2007). [PubMed].

67.

  1. A. Steinmetz, and J. D. Potter. Vegetables, fruit, and cancer prevention: a review. J. Am. Diet Assoc.96:1027–1039 (1996) doi:10.1016/S0002–8223(96)00273-8. [PubMed].

68.

  1. Greenwald. Lifestyle and medical approaches to cancer prevention. Recent Results Cancer Res.166:1–15 (2005). [PubMed].

69.

  1. Vainio, and E. Weiderpass. Fruit and vegetables in cancer prevention. Nutr. Cancer. 54:111–42 (2006) doi:10.1207/s15327914nc5401_13. [PubMed].

70.

  1. W. Wattenberg. Chemoprophylaxis of carcinogenesis: a review. Cancer Res. 26:1520–1526 (1966). [PubMed].

71.

  1. B. Aggarwal, and S. Shishodia. Molecular targets of dietary agents for prevention and therapy of cancer. Biochem. Pharmacol.71:1397–1421 (2006) doi:10.1016/j.bcp.2006.02.009. [PubMed].

72.

  1. Nishino, M. Murakosh, T. Ii, M. Takemura, M. Kuchide, M. Kanazawa, X. Y. Mou, S. Wada, M. Masuda, Y. Ohsaka, S. Yogosawa, Y. Satomi, and K. Jinno. Carotenoids in cancer chemoprevention. Cancer Metastasis Rev.21:257–264 (2002) doi:10.1023/A:1021206826750. [PubMed].

73.

  1. B. Harikumar, and B. B. Aggarwal. Resveratrol: A multitargeted agent for age-associated chronic diseases. Cell Cycle. 7:1020–1037 (2008). [PubMed].

74.

  1. L. Russo. Ins and outs of dietary phytochemicals in cancer chemoprevention. Biochem. Pharmacol. 74:533–544 (2007) doi:10.1016/j.bcp.2007.02.014. [PubMed].

75.

  1. Agarwal, C. Agarwal, H. Ichikawa, R. P. Singh, and B. B. Aggarwal. Anticancer potential of silymarin: from bench to bed side. Anticancer Res. 26:4457–98 (2006). [PubMed].

76.

  1. G. Rogan. The natural chemopreventive compound indole-3-carbinol: state of the science. In Vivo. 20:221–228 (2006). [PubMed].

77.

  1. Juge, R. F. Mithen, and M. Traka. Molecular basis for chemoprevention by sulforaphane: a comprehensive review. Cell Mol Life Sci. 64:1105–27 (2007) doi:10.1007/s00018-007-6484-5. [PubMed].

78.

  1. Chen, and H. Y. Zhang. Cancer preventive mechanisms of the green tea polyphenol (−)-epigallocatechin-3-gallate. Molecules. 12:946–957 (2007). [PubMed].

79.

  1. Anand, C. Sundaram, S. Jhurani, A. B. Kunnumakkara, and B. B. Aggarwal. Curcumin and cancer: An "old-age" disease with an "age-old" solution. Cancer Lett. in press (2008).

80.

  1. Khanum, K. R. Anilakumar, and K. R. Viswanathan. Anticarcinogenic properties of garlic: a review. Crit. Rev. Food Sci. Nutr.44:479–488 (2004) doi:10.1080/10408690490886700. [PubMed].

81.

  1. Sethi, K. S. Ahn and B. B. Aggarwal. Targeting NF-kB activation pathway by thymoquinone: Role in suppression of antiapoptotic gene products and enhancement of apoptosis. Mole Cancer Res. in press (2008).

82.

  1. J. Surh. Anti-tumor promoting potential of selected spice ingredients with antioxidative and anti-inflammatory activities: a short review. Food Chem. Toxicol.40:1091–1097 (2002) doi:10.1016/S0278-6915(02)00037-6. [PubMed].

83.

  1. Shukla, and M. Singh. Cancer preventive properties of ginger: a brief review. Food Chem. Toxicol.45:683–690 (2007) doi:10.1016/j.fct.2006.11.002. [PubMed].

84.

  1. M. al-Harbi, S. Qureshi, M. Raza, M. M. Ahmed, A. B. Giangreco, and A. H. Shah. Influence of anethole treatment on the tumour induced by Ehrlich ascites carcinoma cells in paw of Swiss albino mice. Eur. J. Cancer Prev.4:307–318 (1995) doi:10.1097/00008469-199508000-00006. [PubMed].

85.

  1. K. Sen, K. E. Traber, and L. Packer. Inhibition of NF-kappa B activation in human T-cell lines by anetholdithiolthione. Biochem. Biophys. Res. Commun.218:148–53 (1996) doi:10.1006/bbrc.1996.0026. [PubMed].

86.

  1. A. Lubet, V. E. Steele, I. Eto, M. M. Juliana, G. J. Kelloff, and C. J. Grubbs. Chemopreventive efficacy of anethole trithione, N-acetyl-L-cysteine, miconazole and phenethylisothiocyanate in the DMBA-induced rat mammary cancer model. Int. J. Cancer. 72:95–101 (1997) doi:10.1002/(SICI)1097-0215(19970703)72:1<95::aid-ijc14>3.0.CO;2-9. [PubMed].

87.

  1. Nakagawa, and T. Suzuki. Cytotoxic and xenoestrogenic effects via biotransformation of trans-anethole on isolated rat hepatocytes and cultured MCF-7 human breast cancer cells. Biochem. Pharmacol.66:63–73 (2003) doi:10.1016/S0006-2952(03)00208-9. [PubMed].

88.

  1. Lam, C. MacAulay, J. C. Le Riche, Y. Dyachkova, A. Coldman, M. Guillaud, E. Hawk, M. O. Christen, and A. F. Gazdar. A randomized phase IIb trial of anethole dithiolethione in smokers with bronchial dysplasia. J. Natl. Cancer Inst.94:1001–1009 (2002). [PubMed].

89.

  1. Shishodia, and B. B. Aggarwal. Diosgenin inhibits osteoclastogenesis, invasion, and proliferation through the downregulation of Akt, I kappa B kinase activation and NF-kappa B-regulated gene expression. Oncogene. 25:1463–1473 (2006) doi:10.1038/sj.onc.1209194. [PubMed].

90.

  1. Ghosh, N. Nadiminty, J. E. Fitzpatrick, W. L. Alworth, T. J. Slaga, and A. P. Kumar. Eugenol causes melanoma growth suppression through inhibition of E2F1 transcriptional activity. J. Biol. Chem.280:5812–5819 (2005) doi:10.1074/jbc.M411429200. [PubMed].

91.

  1. Sukumaran, M. C. Unnikrishnan, and R. Kuttan. Inhibition of tumour promotion in mice by eugenol. Indian J. Physiol. Pharmacol.38:306–308 (1994). [PubMed].

92.

  1. Imaida, M. Hirose, S. Yamaguchi, S. Takahashi, and N. Ito. Effects of naturally occurring antioxidants on combined 1,2-dimethylhydrazine- and 1-methyl-1-nitrosourea-initiated carcinogenesis in F344 male rats. Cancer Lett.55:53–59 (1990) doi:10.1016/0304-3835(90)90065-6. [PubMed].

93.

  1. Pisano, G. Pagnan, M. Loi, M. E. Mura, M. G. Tilocca, G. Palmieri, D. Fabbri, M. A. Dettori, G. Delogu, M. Ponzoni, and C. Rozzo. Antiproliferative and pro-apoptotic activity of eugenol-related biphenyls on malignant melanoma cells. Mol Cancer. 6:8 (2007) doi:10.1186/1476-4598-6-8. [PubMed].

94.

  1. S. Kim, O. J. Oh, H. Y. Min, E. J. Park, Y. Kim, H. J. Park, Y. Nam Han, and S. K. Lee. Eugenol suppresses cyclooxygenase-2 expression in lipopolysaccharide-stimulated mouse macrophage RAW264.7 cells. Life Sci. 73:337–348 (2003) doi:10.1016/S0024–3205(03)00288-1. [PubMed].

95.

  1. P. Deigner, G. Wolf, U. Ohlenmacher, and J. Reichling. 1¢-Hydroxyeugenol- and coniferyl alcohol derivatives as effective inhibitors of 5-lipoxygenase and Cu(2+)-mediated low density lipoprotein oxidation. Evidence for a dual mechanism. Arzneimittelforschung. 44:956–961 (1994). [PubMed].

96.

  1. J. Rompelberg, M. J. Steenwinkel, J. G. van Asten, J. H. van Delft, R. A. Baan, and H. Verhagen. Effect of eugenol on the mutagenicity of benzo[a]pyrene and the formation of benzo[a]pyrene-DNA adducts in the lambda-lacZ-transgenic mouse. Mutat. Res.369:87–96 (1996) doi:10.1016/S0165-1218(96)90052-X. [PubMed].

97.

  1. P. Richardson. The grain, the wholegrain and nothing but the grain: the science behind wholegrain and the reduced risk of heart disease and cancer. Nutr. Bull.25:353–360 (2000) doi:10.1046/j.1467-3010.2000.00083.x.

98.

  1. E. Miller, F. Rigelhof, L. Marquart, A. Prakash, and M. Kanter. Antioxidant content of whole grain breakfast cereals, fruits and vegetables. J. Am. Coll. Nutr.19:312S–319S (2000). [PubMed].

99.

  1. L. Slavin, D. Jacobs, and L. Marquart. Grain processing and nutrition. Crit. Rev. Food Sci. Nutr.40:309–326 (2000) doi:10.1080/10408690091189176. [PubMed].

100.

  1. Chatenoud, A. Tavani, C. La Vecchia, D. R. Jacobs, Jr, E. Negri, F. Levi, and S. Franceschi. Whole grain food intake and cancer risk. Int. J. Cancer. 77:24–8 (1998) doi:10.1002/(SICI)1097-0215(19980703)77:1<24::aid-ijc5>3.0.CO;2-1. [PubMed].

101.

  1. R. Jacobs, Jr, L. Marquart, J. Slavin, and L. H. Kushi. Whole-grain intake and cancer: an expanded review and meta-analysis. Nutr. Cancer. 30:85–96 (1998). [PubMed].

102.

  1. Marquart, K. L. Wiemer, J. M. Jones, and B. Jacob. Whole grains health claims in the USA and other efforts to increase whole-grain consumption. Proc. Nutr. Soc.62:151–160 (2003) doi:10.1079/PNS2003242. [PubMed].

103.

  1. Eastwood, and D. Kritchevsky. Dietary fiber: how did we get where we are? Annu. Rev. Nutr.25:1–8 (2005) doi:10.1146/annurev.nutr.25.121304.131658. [PubMed].

104.

  1. McIntyre, P. R. Gibson, and G. P. Young. Butyrate production from dietary fibre and protection against large bowel cancer in a rat model. Gut. 34:386–391 (1993) doi:10.1136/gut.34.3.386. [PubMed].

105.

  1. L. Slavin, D. Jacobs, L. Marquart, and K. Wiemer. The role of whole grains in disease prevention. J. Am. Diet Assoc.101:780–5 (2001) doi:10.1016/S0002-8223(01)00194-8. [PubMed].

106.

  1. S. Ahn, G. Sethi, K. Krishnan, and B. B. Aggarwal. Gamma-tocotrienol inhibits nuclear factor-kappaB signaling pathway through inhibition of receptor-interacting protein and TAK1 leading to suppression of antiapoptotic gene products and potentiation of apoptosis. J. Biol. Chem.282:809–820 (2007) doi:10.1074/jbc.M610028200. [PubMed].

107.

  1. H. Sarkar, S. Adsule, S. Padhye, S. Kulkarni, and Y. Li. The role of genistein and synthetic derivatives of isoflavone in cancer prevention and therapy. Mini Rev. Med. Chem.6:401–407 (2006) doi:10.2174/138955706776361439. [PubMed].

108.

  1. W. Lee, H. J. Lee, Y. J. Surh, and C. Y. Lee. Vitamin C and cancer chemoprevention: reappraisal. Am. J. Clin. Nutr.78:1074–1078 (2003). [PubMed].

109.

  1. A. Ingraham, B. Bragdon, and A. Nohe. Molecular basis of the potential of vitamin D to prevent cancer. Curr. Med. Res. Opin.24:139–149 (2008) doi:10.1185/030079907X253519. [PubMed].

110.

  1. W. Booth, M. V. Chakravarthy, S. E. Gordon, and E. E. Spangenburg. Waging war on physical inactivity: using modern molecular ammunition against an ancient enemy. J. Appl. Physiol.93:3–30 (2002). [PubMed].

111.

  1. A. Colditz, C. C. Cannuscio, and A. L. Frazier. Physical activity and reduced risk of colon cancer: implications for prevention. Cancer Causes Control. 8:649–67 (1997) doi:10.1023/A:1018458700185. [PubMed].

112.

  1. R. Shors, C. Solomon, A. McTiernan, and E. White. Melanoma risk in relation to height, weight, and exercise (United States). Cancer Causes Control. 12:599–606 (2001) doi:10.1023/A:1011211615524. [PubMed].

113.

  1. Tannenbaum, and H. Silverstone. The initiation and growth of tumors. Introduction. I. Effects of underfeeding. Am. J. Cancer. 38:335–350 (1940).

114.

  1. D. Hursting, J. A. Lavigne, D. Berrigan, S. N. Perkins, and J. C. Barrett. Calorie restriction, aging, and cancer prevention: mechanisms of action and applicability to humans. Annu. Rev. Med.54:131–152 (2003) doi:10.1146/annurev.med.54.101601.152156. [PubMed].

115.

  1. H. Ross, and G. Bras. Lasting influence of early caloric restriction on prevalence of neoplasms in the rat. J. Natl. Cancer Inst.47:1095–1113 (1971). [PubMed].

116.

  1. Albanes. Total calories, body weight, and tumor incidence in mice. Cancer Res.47:1987–92 (1987). [PubMed].

117.

  1. Gross, and Y. Dreyfuss. Reduction in the incidence of radiation-induced tumors in rats after restriction of food intake. Proc. Natl. Acad. Sci. U S A. 81:7596–7598 (1984) doi:10.1073/pnas.81.23.7596. [PubMed].

118.

  1. Gross, and Y. Dreyfuss. Prevention of spontaneous and radiation-induced tumors in rats by reduction of food intake. Proc. Natl. Acad. Sci. U S A. 87:6795–6797 (1990) doi:10.1073/pnas.87.17.6795. [PubMed].

119.

  1. Yoshida, T. Inoue, K. Nojima, Y. Hirabayashi, and T. Sado. Calorie restriction reduces the incidence of myeloid leukemia induced by a single whole-body radiation in C3H/He mice. Proc. Natl. Acad. Sci. U S A. 94:2615–2619 (1997) doi:10.1073/pnas.94.6.2615. [PubMed].

120.

  1. D. Longo, and C. E. Finch. Evolutionary medicine: From dwarf model systems to healthy centenarians? Science. 299:1342–1346 (2003) doi:10.1126/science.1077991. [PubMed].

 

  1. Chaplin, M.F. A proposal for structuring of water. Chem. 83: 211-221; 1999.
  2. Chaplin, Martin. Livro eletrônico com 1400 referências bibliográficas: Water – Structure – Science: http://lsbu.ac.uk
  3. Dauer, DJ; Ferraro B; Soung L; Yu B; Mora L; Buettner R; Enkemann S; Jove R; Haura EB.  STAT-3 regulates genes common to both wound healing and cancer. Oncogene: 24(21): 3397-408; 2005.
  4. Felippe JJ. Radicais Livres como Mecanismo Intermediário de Moléstia. In Felippe Jr. Pronto Socorro: Fisiopatologia – Diagnóstico – Tratamento. Ed.Guanabara –Koogan. 1168-1173,1990.
  5. Felippe JJ. Medicina Biomolecular. Revista Brasileira de Medicina Biomolecular e Radicais Livres. 1(1): 6-7,1994.
  6. Felippe JJ. Estratégia Biomolecular: uma das Bases da Medicina do Futuro. Revista Brasileira de Medicina Complementar. 7(1): 8-9,2001.
  7. Felippe JJ. Estratégia Terapêutica de Indução da Apoptose, da Inibição da Proliferação Celular e da Inibição da Angiogênese com a Oxidação Tumoral Provocada por Nutrientes Pró Oxidantes. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar. www.medicinacomplementar.com.br. Tema do mês de fevereiro de 2003.
  8. Felippe JJ . Em Busca do Mecanismo de Ação Único para o Tratamento das Doenças: Energia Livre - ATP. Um ensaio teórico com evidências experimentais. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar,  medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Janeiro. Tema do mês de maio de 2003.
  9. Felippe JJ. Tratamento do Câncer com medidas e drogas que inibem o fator nuclear NF-kappaB. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar. www.medicinacomplementar.com.br. Tema do mês de fevereiro de 2004. 
  10. Felippe JJ. Tratamento do Câncer com Medidas e Drogas que Acordam Genes Silenciados pela Metilação das ilhas CpG do DNA. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar. www.medicinacomplementar.com.br. Tema do mês de abril de 2004.
  11. Felippe JJ. Fluidez da Membrana: possivelmente o ponto mais fraco das células malignas. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar. www.medicinacomplementar.com.br. Tema do mês de maio de 2004.
  12. Felippe JJ. Desacetilação como mecanismo de controle epigenético do Câncer: Inibição da Proliferação Celular Maligna, Aumento da Diferenciação Celular e Aumento da Apoptose. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar. www.medicinacomplementar.com.br. Tema do mês de julho de 2004.
  13. Felippe JJ. Metabolismo da Célula Tumoral - Câncer como um Problema da Bioenergética Mitocondrial: Impedimento da Fosforilação Oxidativa - Fisiopatologia e Perspectivas de Tratamento. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar. Tema do mês de agosto de 2004.
  14. Felippe, J.J. Câncer: população rebelde de células esperando por compaixão e reabilitação. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar . medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema da semana de 16/05/05.   
  15. Felippe JJ . Todos nós temos o poder de curar a nós mesmos. Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema do mês de Janeiro de 2006.
  16. Felippe JJ Inflamação Crônica Subclínica - Peste Bubônica do Século XXI - Mecanismo Intermediário da Maioria das Moléstias que Afligem a Humanidade
    Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar,  medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer.  Tema do mês de Maio de 2006.
  17. Felippe JJ . Dicloroacetato e Câncer: Aumenta a Apoptose e Diminui a Proliferação Celular Maligna . Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema do mês de maio de 2007.
  18. Felippe JJ . Câncer e Inibidores do STAT-3 : Curcumina , Partenolide e Resveratrol Revista Eletrônica da Associação Brasileira de Medicina Complementar, medicinacomplementar.com.br . Biblioteca de Câncer. Tema do mês de outubro de 2007.
  19. Fesenko E. E., Gluvstein A. Y. Changes in the state of water. Induced by radiofrequency electromagnetic fields. FEBS Letters 367:53-55; 1995.
  20. Hribar B, Southall NT, Vlachy V. How ions affect the structure of water. Am Chem. Soc. 124(41): 12302-12311; october 16; 2002.
  21. Lo S.Y, Li W.C, Huang S.H. Water clusters in life. Medical Hypotheses, 54(6), 948-953; 2000.
  22. Szent-Gyorgyi A. Biology and pathology of water. Perspect Biol Med 14:239-249; 1971.
  23. Szent-Gyorgyi. The Living State – With Observations on Cancer. Academic Press, New York, 1972.
  24. Wiggins P. M. Role of water in some biological processes. Microbiological Reviews 54: 432-449; 1990.
  25. Wiggins P.M. High and low density intracellular water. Cellular and Molecular biology tm 47 (5), 735-744; 2001.
  26. Wiggins P.M. Intracellular pH and the structure of cell water. theor. Biol. 37, 363-371; 1972.
  27. Wiggins P.M. Rowlandson J. Ferguson A.B. Preservation of murine embryos in a state of dormancy at 4ºC. AM. J. Physiol, 276(2 pt 1) C291-9; 1999.
  28. Wiggins P.M. Water structure as a determinant of ion distribution in living tissue. theor. Biol. 32,131-146; 1971.
  29. Wiggins, P.M. and van Ryan, R.T. Changes in ionic selectivity with changes in density of water. J. 58: 585-596; 1990.
  30. Wiggins, P.M. High and low density water and resting, active and transformed cells. Cell Biol. Inm. 20: 429-435; 1996.
  31. Wiggins, P.M. Role of water in some biological processes. Rev. 54: 432-449; 1990.

 

 

Agradecimentos


  1. Dr Samg Lee - HTTP://www.revivevideo.com/presenters.htm

2- Dr   José de Felippe Junior -http://www.medicinacomplementar.com.br/quemsomos.asp

3- Dr Sanford

4- .Ellen Gold White - http://www.ellenwhitebooks.com/       

5- Manuel Lazaeta

6- Rômulo França

  1. Dr Harri Lorenzi e Dr Romulo França (Fitoterapia)
    8. Eliza Biazzi  & Professor Pr Sidionil Biazzi
    www.ednatureza.com.br/
    9. Ana Paula Padrão em importante reportagem
    http://br.youtube.com/watch?v=2PYfrvaQ36w
    10. Esdras Couto, pelo apoio e título da materia
    8.http://curapelanatureza.blogspot.com/2008/04/quimioterapia-fazer-ou-no-fazer.html  7- Esdras Couto

 Foto do Dr Sang Lee
CONTATOS PARA PALESTRAS  E CURSOS  SOBRE SAÚDE - Sodré

(31) 975352798
sodregoncalves@yahoo.com.br