Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
O que Realmente se Discute nas Origens?

Quando as perguntas sobrenaturais permanecem, mesmo sob regras naturalistas, as pessoas se esforçam para responder o sobrenatural de qualquer maneira. Essa é a moda modernista, de ver como verdade apenas o que pode ser testado, e o que não pode ser testado, inventar supostos testes, e supostas explicações como ocorre no desenho animado Scooby Doo quando tudo tem uma explicação naturalista  e os fantasmas ou fenômenos não existem. 
Assim se dá na ciência hoje em dia, que busca responder tudo, e quando se depara com aquilo que é metafisico, sobrenatural e/ou divino, escolhe esforços naturalistas de se responder as coisas. 

Tal inciativa é muito presente na teoria da evolução, que:

1. Em parte é verificável (variação nas descendências)
2. Em parte foi prevista e confirmada (ascendentes fósseis)
3. Em parte contraditória (ascendência totalmente comum fóssil)
4. E em parte totalmente uma explicação naturalista para algo sobrenatural (Origem da vida, do planeta e do universo)

No estágio 4 encontramos a pulga querendo engolir o elefante. O naturalismo e as limitações de conhecimento, querendo responder de qualquer maneira, aspectos que exigiriam uma explicação infinitamente mais complexa para ser coerente com tal realidade.

Talvez ninguém discute ou deveria discutir criação no sentido de haver um design inteligente informando informação genética, arquitetando, projetando tanta engenharia. Muitos desde Paulo percebem o evolucionismo neste ponto como indesculpável, indefensável, ilógico. 
Talvez nem se deveria discutir variabilização especiativa, Neste ponto todos os cientistas criacionistas e evolucionistas concordam (ou deveriam concordar)  , pois que especiação é vista até mesmo em tempo real, e nada, a não ser a própria especiação em tempo real, poderia justificar milhões de espécies hoje descendidas de poucas espécies fósseis, 300 mil especies fósseis nos trilhões de achados, ou, na visão criacionista, bíblica, arqueológica e da biologia dos tipos básicos (hipótese testável científica), poucas espécies sobreviventes ao grande diluvio, terem descendido as milhões atuais (Paleontologia em T) . De toda maneira, pelos dois modelos, precisamos da variabilização especiativa rápida e ninguém deveria discutir isso.

O que se discute ou se deveria discutir então?

Discute-se necessariamente apenas limites de variabilização especiativa, Tanto no mundo atual e muito mais no mundo fóssil (paleontologia) que é onde evolucionistas e criacionistas se desentendem mais. Portanto, grande parte das discussões nem deveriam existir, pois de certa forma, os estágios 1 e 2 da teoria da evolução, até contribuem para uma convalidação científica do relato bíblico, por justificar o aumento exponencial de variação de espécies depois do diluvio e mudança ambiental e populacional da terra (gerando muitos isolamentos e derivas genéticas principalmente em espécies terrestres).
Mas nos estágios 4 e 5, sim, temos muitas divergências, pois esta foi a aposta, o salto arriscado no passado do darwinismo. De achar que a relação entre espécies era infinita, conjunta, entrelaçada, como uma grande árvore (junção dos clados de Lineu )
Darwin esticou os clados (ramos) básicos ad infinitum e inclui TODOS OS SERES como se fosse um clado grande cheio de clados pequenos.
Um cientista darwinista, entomólogo Willi Hennig, esclareceu esta falta de limites assim:
" uma classificação deve sempre expressar a relação evolutiva das espécies, não importando se elas são semelhantes ou se diferem drasticamente".
A aposta foi feita, a previsão dedutiva quase profética de Darwin, de que encontraríamos elos perdidos no registro fóssil foi feita, mas…anos se passaram, milhões de artigos, pesquisa, escavações...defesas acaloradas de que havia elos transicionais frente aos críticos criacionistas afirmando não existirem.
Até que veio recentemente o pontualismo de Gould e isso fez com que a admissão de que não devem existir muitos transicionais foi parcialmente justificada...
Mesmo assim, as apostas de Darwin, não ganharam o prêmio da verdade científica, o gradualismo só admitiu não ter transicionalidade fóssil depois de se aceitar Gould, mas Gould estaria certo?
E depois de trilhões de achados fosseis encontramos pobreza taxonômica , encontramos uma paleontologia em T, onde temos muitas repetições das mesmas espécies no registro fóssil (250 mil se repetindo) contrastados com arbustos ricos e variabilizados na diversidade atual (50 milhões), como se as espécies ancestrais não necessitassem de muitas adaptações variabilizantes (SODRE, 2010), saltando aos nossos olhos que elas viviam mais harmonicamente com o ambiente de uma terra menos afetada pelas grandes catástrofes, confirma-se que elas não sofreram tantas pressões para poder escapar variando-se, adaptando-se...derivando..
Mas Darwin, além de errar em relação a ascendência totalmente comum, foi mais alé, a pulga queria engolir agora o elefante, e chegou a cogitar, escrever e defender, ousadamente desde ele até nossos dias, em nome da ciência, teses e artigos sobre uma suposta vida originada do nada, ou quase nada, das coincidências aleatórias, de uma "sopa morna" , abiogêneses, panspermias, gerações espontâneas 1, 2 e 3 - reload...depois a origem da terra de rochas incandescentes, choques descuidados, coincidências incríveis, e o universo, de uma grande explosão vinda do nada, de onde finalmente surgiu tudo.

A pulga conseguiu engolir o elefante e tem dominado dentro de seu pequeno estômago imaginário, todas estas respostas...mas como a realidade um dia aparece, um dia o estômago da pulga explode, e o paradigma implode finalmente.
 
Este dia chegou.
GENTE EDUCADA DEBATENDO EVOLUÇÃO
http://sodregoncalves.no.comunidades.net/index.php?pagina=1399603296

 


LEIA TAMBEM


Análise epistemológica do conhecimento das origens e transformações dos seres vivos e coisas
Por Sodré Neto

 

 


 
Este quadro tenta expressas o quanto de falseabilidade existe nos estudos das origens e transformações das espécies.
1. Na parte superior considera-se teologias todo sistema de crenças em Deus ou divindades, ao lado de crenças naturalistas as quais excluem um Criador, ou seres criadores, quando reputam ao nada, ou quase nada a origem de algo que foi acumulando aleatoriamente com outras coisas gerando uma auto-organização do que se observa organizado.
2. A parte em amarelo se refere aos estudos das origens, é o ponto de encontro entre teologias ou crenças naturalistas e a ciência experimental e histórica. Estes estudos são compreendidos como:
a. Estudos do Design Inteligente
b. Abiogênesis
c. Panspermia
d. Ufologias
e. Outros
3. Na parte inferior e mais testável (falseável) temos o histórico das transformações das espécies (que pode se estender para histórico de transformações do que já existe em termos de planetas, galáxias, etc)
Nesta parte há como testar um pouco a parte histórica (criacionismo historico ou evolucionismo historico) , e muito mais a parte observacional, seja da biologia evolucionista experiental e o criacionismo em seu nivel experimental representado pelos trabalhos ligados a biologia dos tipos básicos e estudos e testes de descontinuidade sistemática nas especies (baraminology)
Uma observação feita da parte em amarelo divulgada por Louis Cris Nazar no grupo GENTE EDUCADA DEBATENDO EVOLUÇÃO, assim diz:
Um exemplo moderno de má aplicação do método científico é fornecido pelo notável físico teórico Dr. Lawrence Krauss (que, ironicamente, é o diretor do Projeto Origens da Universidade Estadual do Arizona). Ele e muitos outros afirmam como um fato científico que o universo se originou a partir de uma flutuação quântica em nada, uma flutuação quântica sendo definida como o aparecimento temporário de partículas energéticas de espaço vazio.
Outro exemplo de má aplicação é fornecida pela ...
http://pontodevistacristao.weebly.com/sequestrando-o-meacutetodo-cientiacutefico.html
Uma distinção entre teologias e naturalismos metafísicos deve ser feita; enquanto a teologia reputa a divindade o planejamento das coisas, o naturalismo metafisico se esforça por encontrar possibilidades mesmo numericamente negativas onde o acaso desempenharia ao longo do tempo o papel de planejador e criador, caindo então na analogia do artigo "quando a pulga engole o elefabte" http://sodregoncalves.no.comunidades.net/index.php?pagina=1399825506