Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Teoria do Caos versus Design

 

A ordem pode sair do caos?


Há uma ciência nova no estrangeiro na terra - a ciência do caos! Ele gerou um novo vocabulário - "fractais", "bifurcação", "efeito borboleta", "atrativos estranhos" e "estruturas dissipativas", entre outros. Seus defensores estão afirmando que ele é tão importante quanto a relatividade ea mecânica quântica na física do século XX. Também está sendo estendido em muitos campos científicos e até mesmo em estudos sociais, economia e problemas de comportamento humano. Mas como uma popularização amplamente lida de estudos de caos coloca:

Onde o caos começa, a ciência clássica pára. 1

Existem muitos fenômenos que dependem de tantas variáveis ​​que desafiam a descrição em termos de matemática quantitativa. Contudo, tais sistemas - coisas como a hidráulica turbulenta de uma cachoeira - parecem exibir algum tipo de ordem em seu cair aparentemente caótico, e a teoria do caos foi desenvolvida para tentar quantificar a ordem nesse caos.

Mesmo os relacionamentos lineares muito regulares eventualmente se tornarão irregulares e desordenados, se deixados a si mesmos por tempo suficiente. Assim, um fenômeno aparentemente caótico pode muito bem representar uma ruptura em um sistema originalmente ordenado, mesmo sob a influência de perturbações muito pequenas. Isto tornou-se conhecido como o "efeito borboleta". Gleick define este termo da seguinte maneira:

Efeito borboleta: A noção de que uma borboleta agitando o ar em Pequim pode transformar sistemas de tempestade no próximo mês em Nova York. 2

Não há dúvida de que pequenas causas podem se combinar com outras e contribuir para efeitos importantes - efeitos que tipicamente parecem caóticos. Ou seja, a ordem pode facilmente degenerar em caos. É até concebível que, se pudéssemos aprofundar o ambiente caótico, pudesse discernir até certo ponto o sistema previamente ordenado de onde ele se originou. A teoria do caos está tentando fazer exatamente isso, e também encontrar padrões mais complexos de ordem no caos global.

Estes padrões complexos são chamados de "fractais", que são definidos como "formas geométricas cuja estrutura é tal que a ampliação por um dado fator reproduz o objeto original". 3 Se essa definição não esclarecer adequadamente o termo, tente este: "formas espaciais de dimensões fracionárias". 4 Independentemente de como eles são definidos, exemplos citados de fractais são disse a ser numerosos - de flocos de neve de linhas de costa para estrelar clusters.

A descoberta de que ainda pode haver alguma ordem subjacente - em vez de completa aleatoriedade - em sistemas caóticos é, naturalmente, ainda perfeitamente consistente com as leis da termodinâmica. O problema é que muitos pensadores desejosos neste campo começaram a assumir que o caos também pode de alguma forma gerar maior ordem-evolução em particular. Esta idéia está sendo aclamada como a solução para o problema de como a complexidade crescente exigida pela evolução poderia superar o processo desorganizante exigido pela entropia. A famosa segunda lei da termodinâmica - também chamada de lei da entropia crescente - observa que todo sistema - fechado ou aberto - pelo menos tende a decair. O próprio universo está "correndo para baixo", dirigindo-se para uma "morte final de calor"

A imagem sombria da evolução cósmica estava em forte contraste com o pensamento evolucionista entre os biólogos do século XIX, que observaram que o universo vivo evolui de desordem em ordem, em direção a estados de crescente complexidade. 5

O autor da citação acima é Fritjof Capra, físico da Universidade da Califórnia em Berkeley, um dos proeminentes cientistas envolvidos no New Age Movement, que tende a associar o avanço evolutivo com revoluções catastróficas. Ele acredita que, de alguma forma misteriosa, o caos pode produzir avanço evolutivo.

Paul Davies, o prolífico escritor britânico de astronomia, é outro. Ele, como Capra, não é um evolucionista ateu, mas um evolucionista panteísta. Ele tem fé em que a ordem pode sair do caos, que a crescente desordem especificada pela lei da entropia (segunda lei da termodinâmica) pode de alguma forma gerar a crescente complexidade implicada pela evolução.

Agora vemos como é possível que o universo aumente tanto a organização quanto a entropia ao mesmo tempo. As setas otimistas e pessimistas do tempo podem coexistir: o universo pode exibir um progresso unidirecional criativo mesmo em face da segunda lei. 6

E como essa possibilidade notável foi mostrada? Capra responde o seguinte:

Foi a grande conquista de Ilya Prigogine, que usou uma nova matemática para reavaliar a segunda lei, repensando radicalmente as concepções científicas tradicionais da ordem e da desordem, o que lhe permitiu resolver inequivocamente os dois pontos de vista contraditórios do século XIX sobre a evolução. 7

Prigogine é um cientista belga que recebeu um Prêmio Nobel em 1977 por seu trabalho na termodinâmica de sistemas operando dinamicamente em condições de não equilíbrio. Ele argumentou (matematicamente, não experimentalmente) que sistemas que estavam longe do equilíbrio, com um alto fluxo de energia, poderiam produzir um grau mais elevado de ordem.

Muitos outros também saudaram Prigogine como o salvador científico do evolucionismo, que de outra forma parecia ser impedido pela lei da entropia. Um cientista da UNESCO avaliou o seu trabalho da seguinte forma:

O que vejo que Prigogine está fazendo é legitimar o processo de evolução - auto-organização sob condições de mudança. 8

A importância assumida de sua "descoberta" é enfatizada ainda mais por Coveny:

Do ponto de vista epistemológico, as contribuições da Escola de Bruxelas de Prigogine são inquestionavelmente de importância original. 9

Capra elabora mais:

Na termodinâmica clássica, a dissipação de energia na transferência de calor, fricção e similares estava sempre associada ao desperdício. O conceito de Prigogine de uma estrutura dissipativa introduziu uma mudança radical nesta visão mostrando que em sistemas abertos a dissipação se torna uma fonte de ordem. 10

The fact is, however, that except in the very weak sense, Prigogine has not shown that dissipation of energy in an open system produces order. In the chaotic behavior of a system in which a very large energy dissipation is taking place, certain temporary structures (he calls them "dissipative structures") form and then soon decay. They have never been shown—even mathematically—to reproduce themselves or to generate still higher degrees of order.

He used the example of small vortices in a cup of hot coffee. A similar example would be the much larger "vortex" in a tornado or hurricane. These might be viewed as "structures" and to appear to be "ordered," but they are soon gone. What they leave in their wake is not a higher degree of organized complexity, but a higher degree of dissipation and disorganization.

And yet evolutionists are now arguing that such chaos somehow generates a higher stage of evolution! Prigogine has even co-authored a book entitled Order Out of Chaos.

In far from equilibrium conditions, we may have transformation from disorder, from thermal chaos, into order.11

It is very significant, however, that all of his Nobel-Prize winning discussions have been philosophical and mathematical—not experimental! He himself has admitted that he has not worked in a laboratory for years. Such phenomena as he and others are trying to call evolution from chaos to order may be manipulated on paper or on a computer screen, but not in real life.

Not even the first, and absolutely critical, step in the evolutionary process—that of the self-organization of non-living molecules into self-replicating molecules—can be explained in this way. Prigogine admits:

The problem of biological order involves the transition from the molecular activity to the supermolecular order of the cell. This problem is far from being solved.12

He then makes the naive claim that, since life "appeared" on Earth very early in geologic history, it must have been (!) "the result of spontaneous self-organization." But he acknowledges some uncertainty about this remarkable conclusion.

However, we must admit that we remain far from any quantitative theory.13

Very far, in fact---and even farther from any experimental proof!

With regard to the claim that the "order" appearing in fractals somehow contributes to evolution, a new book devoted to what the author is pleased to call "the science of self-organized criticality," we note the following admission:

In the popular literature, one finds the subjects of chaos and fractal geometry linked together again and again, despite the fact that they have little to do with each other.... In short, chaos theory cannot explain complexity.14

The strange idea is currently being widely promoted that, in the assumed four-billion-year history of life on the earth, evolution has proceeded by means of long periods of stasis, punctuated by brief periods of massive extinctions. Then rapid evolutionary emergence of organisms of higher complexity came out of the chaotic milieu causing the extinction.

On the one hand, a catastrophic extinction of global biotas might negate the effectiveness of many survival mechanisms which evolved during background conditions. Simultaneously, such a crisis might eliminate genetically and ecologically diverse taxa worldwide. Only a few species would be expected to survive and seed subsequent evolutionary radiations. This scenario requires high levels of macroevolution and explosive radiation to account for the recovery of basic ecosystems within 1-2 my after Phanerozoic mass extinctions.15

Such notions come not from any empirical evidence but solely from philosophical speculations based on lack of evidence! "Since there is no evidence that evolution proceeded gradually, it must have occurred chaotically!" This seems to be the idea.

If one wants to believe by blind faith that order can arise spontaneously from chaos, it is still a free country. But please don't call it science!

REFERENCES

1 James Gleick, Chaos-Making a New Science (New York: Viking, 1987), p. 3.
2 Ibid., p. 8.
3 McGraw-Hill Dictionary of Scientific and Technical Terms (4th ed., 1989), p 757.
4 Stan G. Smith, "Chaos: Making a New Heresy Creation Research Society Quarterly (Vol. 30. March 1994), p. 196.
5 Fritjof Capra, The Web of Life (New York: Anchor Books, 1996), p. 48.
6 Paul Davies, The Cosmic Blueprint (New York: Simon and Schuster, 1988), p. 85.
7 Capra, op cit., p. 49.
8 As quoted by Wil Lepkowski in "The Social Thermodynamics of Ilya Prigogine," Chemical and Engineering News (New York, Bantam, 1979), p. 30.
9 Peter V. Coveny, "The Second Law of Thermodynamics: Entropy, Irreversibility, and Dynamics" Nature (Vol. 333. June 2, 1988), p. 414.
10 Capra, op cit., p. 89.
11 Ilya Prigogine and Isabelle Stengers, Order Out of Chaos (New York: Bantam Books, 1984), p. 12.
12 Ibid., p. 175.
13 Ibid., p. 176.
14 Per Bak, How Nature Works: The Science of Self-Organized Criticality (New York. Springer-Verlag, 1996), p. 31.
15 Erle G. Kauffman and Douglas H. Erwin, "Surviving Mass Extinctions," Geotimes (Vol. 40. March 1995), p. 15.

* Dr. Henry Morris is Founder and President Emeritus of ICR; Dr. John Morris is President of ICR.

Cite this article: Henry M. Morris, Ph.D. 1997. Can Order Come Out of Chaos?. Acts & Facts. 26 (6).

Naturalista rejeita seleção natural, apela ao caos

 

Desde a sua criação, a história de Charles Darwin de que a vida evoluiu em resposta às pressões ambientais não foi apoiada pelo que é realmente observado na natureza. Apesar disso, tem sido universalmente ensinada como ciência precisa desde logo após a publicação de seu livro sobre a origem das espécies em 1859.

Alguns pesquisadores rejeitaram o mecanismo evolutivo imaginativo de Darwin da seleção natural por motivos científicos, favorecendo o relato histórico bíblico das origens. Outros o rejeitaram, mas estão procurando uma substituição naturalista. 1 Entre os últimos, pelo menos um pesquisador escolheu uma "explicação" única para como a mudança evolutiva ocorre.

De acordo com Keith Bennett, paleoecologista evolucionista da Queen's University Belfast, a seleção natural e o tempo não se somam à mudança evolucionária, contradizendo a tese central de 150 anos de Darwin. Ele, em vez disso, oferece a idéia de substituição de que a evolução simplesmente acontece. Em sua opinião, ele prossegue caoticamente, talvez como resultado de uma reestruturação genética coincidente e, portanto, imprevisível.

Em uma edição recente do New Scientist , Bennett fez uma pergunta tão honesta que poderia ser confundida com uma pergunta feita por um cientista da criação: "Se a macroevolução é realmente uma extrapolação da seleção natural e da adaptação, esperaríamos ver a mudança ambiental guiando a mudança evolutiva ... É isso que realmente acontece? " 2

A resposta óbvia é não." Por exemplo, uma descoberta de fóssil colombiana de 2009 forneceu mais um exemplo de que nem as plantas nem as espécies animais mudaram significativamente ao longo do tempo, mesmo depois de milhões de anos de mudanças climáticas e outras pressões. 3

Bennett escreveu que ele não vê evidências de que a mudança ambiental impulsione a mudança evolutiva. Ele citou um trabalho fundacional intitulado Seleção Natural na Selva , que não mostrou nenhuma evidência de evolução por seleção ocorrendo. 4 A falta de ciência que revelou atrás dos supostos poderes da seleção natural para produzir novos traços é consistente com estudos recentes. 5

Bennett então resumiu achados em seu próprio campo de microfósseis, que também não mostram evolução por pressão seletiva. "Em princípio, três tipos de resposta evolutiva são possíveis: estase, extinção ou mudança evolutiva." O que realmente vemos? " ele escreveu. "... [S] tudies mostram que a maioria das espécies permanecem inalteradas por centenas de milhares de anos, talvez mais". 2

Assim, a estase de formas ao longo do tempo - independentemente de quanto tempo se atribui às camadas de rocha - é uma marca clara do registro fóssil. Além disso, uma vez que muitas formas específicas dentro desses phyla são representados em fósseis, mas não estão mais vivos, a extinção é também uma marca clara da história da vida.

Mas sem exemplos vivos para observar, e nenhuma série múltipla de criaturas fossilizadas de transição para mostrá-la, a mudança evolucionária não é realmente vista. Portanto, não há nenhuma prova de que alguma vez aconteceu - apesar de um comentário curiosamente auto-refutando pelo evolucionista Richard Dawkins: "A evolução tem sido observada, é apenas que ela não tenha sido observada enquanto isso está acontecendo". 6

Como Dawkins, Bennett, evidentemente, optou por se agarrar a uma crença generalizada na evolução, apesar da clara evidência de tipos distintos e criados. Mas enquanto Dawkins adere obstinadamente à idéia original de Darwin de que a evolução funciona por meio de ambientes que selecionam indivíduos, Bennett, em vez disso, propôs que a "dinâmica caótica" dentro do organismo faça "mudanças imprevisíveis" como o tempo faz. Assim, ele escreveu, "podemos ser capazes de reconstruir a seqüência de eventos que levam à evolução de qualquer espécie ou grupo após o fato, mas não seremos capazes de generalizar a partir dessas para outras seqüências de eventos". 2

Mas admitindo que as previsões não podem ser feitas com base na evolução, Bennett isolou-a do escrutínio científico! Isso mostra novamente que é um sistema de crenças sobre o passado, e não um esforço científico. 7, 8

Um apelo ao caos como a fonte de formas vivas parece bastante despreocupado quando comparado ao conceito direto de que eles foram criados por um Criador. "Caos", por definição, não pode produzir criações complicadas e funcionais. Aqueles que fazem este tipo de apelo também se encaixam na descrição bíblica de outros que "mudaram a verdade de Deus em uma mentira, e adoraram e serviram a criatura mais do que o Criador, que é abençoado para sempre". 9

Referências

  1. Thomas, B. Biólogos evolucionários Repensar a evolução . Notícias ICR . Publicado em icr.org 3 de fevereiro de 2010, acessado em 28 de outubro de 2010.
  2. Bennet, K. 2010. A teoria do caos da evolução . Novo Cientista . 2782: 28-31.
  3. Thomas, B. New Cache Fóssil mostra plantas não mudaram . Notícias ICR . Publicado em icr.org 28 de outubro de 2009, acessado em 28 de outubro de 2010.
  4. Endler, JA 1986. Seleção natural no selvagem . Princeton, NJ: Princeton University Press.
  5. Ver Thomas, B. Lizard Perguntas de Estudo Seleção Natural . Notícias ICR . Publicado em icr.org 4 de junho de 2010, acessado em 28 de outubro de 2010.
  6. Transcrição da Transmissão . AGORA com Bill Moyers. Publicado em pbs.org 3 de dezembro de 2004, acessado em 28 de outubro de 2010.
  7. Morris, H. 1982. A evolução é a religião, não a ciência . Atos e fatos . 11.º (5).
  8. Morris, H. 2001. A evolução é religião-não ciência . Atos e fatos . 30 (2).
  9. Romanos 1:25 .

* O Sr. Thomas é escritor da ciê

 

Deus Causou Ordem

 

Sistemas ou estruturas ordenados não acontecem espontaneamente. Nunca observamos a ordem que ocorre por acidente, sem uma causa inteligente para dirigir a ordem. Nenhuma quantidade de energia ou energia é suficiente para trazer a ordem do caos. Tente gravar um relógio de pulso com uma bala; A ordem do relógio não aumenta! (A única ordem em um relógio é a que o relojoeiro inteligentemente coloca no início.)

Da mesma forma, se dermos uma garrafa de vidro lisa de leite estragado em tijolos, ele naturalmente se rompe em um arranjo mais desordenado: fragmentos de vidro caótico misturado com leite derramado estragado. Nunca poderia reformar-se em um recipiente de vidro mais requintadamente esculpido contendo leite fresco!

A mera adição de "muita energia" também não é suficiente. Um humano cansado come para ganhar a energia do alimento, mas comer carvões quentes não é uma fonte de energia adequada, porque falha combinar e côoperar com o projeto ordenado de sistemas digestivos humanos.

Experiências cotidianas, como relógios quebrados e leite derramado, nos lembram que a ordem não acontece sozinha. Na verdade, todo o nosso universo nos ensina essa mesma verdade. A rotação da terra, o ciclo lunar e as estações em mudança são apenas alguns dos processos ordenados observáveis ​​na natureza. Esses processos não acontecem aleatoriamente, mas são divinamente causados ​​por Deus.

Deus é o Autor e Organizador da ordem. Seu projeto e construção de nossos próprios corpos, através da complexidade da biogênese, é uma razão apropriada para glorificá-Lo e agradecer-Lhe por nos ter feito.