Sites Grátis no Comunidades.net
Translate this Page



ONLINE
1


Partilhe este Site...



Total de visitas: 287982
DECAIMENTO E O EFEITO PLASMA - SODRE NETO
DECAIMENTO E O EFEITO PLASMA - SODRE NETO

DECAIMENTO RADIOATIVO NÃO FOI CONSTANTE

 SODRE NETO, PESQUISADORES DO ICR E NUMAR BRASIL


 


RESUMO: 

Uma das maneiras de datar a terra e meteoros são os métodos de altas escalas de tempo radiométrico os quais se assentam em pressupostos válidos, sendo um deles a constância de decaimento. 

Levantaremos aqui uma investigação de evidências de que não existiu constância de decaimento dando enfoque principal ao aumento significativo de pressão, vibração, eletricidade e  temperatura que um asteroide de grande proporção poderia ter gerado. 

Para poder simular o decaimento acelerado foram usados modelos de pressão e eletricidade que demonstraram decadência acelerada de partículas .  Em laboratório o sistema de corte por plasma que une alta amperagem por fios de tugstênio e assim demonstrarmos como altíssimas temperaturas aceleram decaimento em  amostras radioativas.

Dentro desta perspectiva de aceleramento por aumento de temperatura  pretendemos conciliar o modelo de formação de alguns minerais em rochas magmáticas , o inchaço da terra  fragmentando a crosta e criando placas tectônicas que afastaram, num primeiro momento , os continentes,  pela expansão do assoalho oceânico e do planeta.

Também podemos perceber por dezenas de perspectivas que as rochas no planeta sofreram catástrofe muito recente devido, entre outras observações,  ao pouco desgaste de quatrilhões delas que apesar de estarem sob fortes impactos de águas energéticas em cachoeiras e encostas, não apresentam desgaste proporcional a milhões de anos, mas sim a poucos milhares .




Um modelo de acontecimentos recentes para a terra se comunica com estas evidencias e agrupa milhares de outras hipóteses geológicas sedimentares e geocronológicas na seguinte sequencia: 

Queda de Asteroides
Deformação geoide da terra (sem água)
Inchaço do planeta como causa da separação continental e expansão do assoalho oceânico
Aumento de idade geocronológica  por aumento de decaimento 
Formação rápida de camadas contendo sedimentos devido altíssimas erosões envolvidas
Separação e extratificação espontanea  por modelo de turbidêz das camadas sedimentares





"Em trabalhos de topografia realizados em zonas litorais, com recurso a técnicas GPS, torna-se necessário conhecer a altura geoidal, também conhecida como ondulação local do geóide, de modo a poder reduzir ao nível médio das águas do mar, ás posições obtidas no levantamento. [PRB]"




Citations

61 Thermal annealing of fission tracks in apatite 2. A quantitative analysis - Laslett, Green, et al. - 1987 (Show Context)
44 The composition of zircon and igneous and metamorphic petrogenesis - Hoskin, Schaltegger - 2003
44 The zeta age calibration of fission‐track dating - Hurford, Green - 1983
39 Radiogenic Isotope Geology - Dickin - 2005
27 Catastrophic plate tectonics: A global flood model of earth history - Austin, Baumgardner, et al. - 1994 (Show Context)
27 A new look at statistics in fission-track dating - Green - 1981
26 An experimentally derived kinetic model for smectite-to-illite conversion and its use as a geothermometer. Clays and Clay Minerals 41 - Huang, Longo, et al. - 1993 (Show Context)
23 Confined fission track lengths in apatite: a diagnostic tool for thermal history analysis. Contributions Mineralogy Petrology 94 - Gleadow, Duddy, et al. - 1986(Show Context)
20 Illite crystallinity – Recommendations on sample preparation, X-ray-diffraction settings, and interlaboratory samples - KISCH - 1991 (Show Context)
20 Isoplot/Ex version 2.49. A Geochronological Toolkit for Microsoft Excel - Ludwig - 2001 (Show Context)
19 On statistical models for fission-track counts - Galbraith - 1981 (Show Context)
17 Helium diffusion rates support accelerated nuclear decay - Humphreys, Austin, et al.
14 Graphical display of estimates having differing standard errors - Galbraith - 1988 (Show Context)
14 Fission track dating and geologic annealing of fission tracks - Naeser - 1979
11 Correlation between indicators of very low-grade metamorphism - KISCH - 1987 (Show Context)
10 Principles of isotope geology, second edition - Faure - 1986 (Show Context)
10 The Relationship between Track Shortening and Fission-Track Age Reduction - GREEN - 1988 (Show Context)
10 Geochronology and thermal history of the Coast Plutonic complex, near Prince Rupert, British Columbia. Canadian Journal of Earth Sciences - Harrison, Armstrong, et al. - 1979 (Show Context)
9 Estimating the component ages in a finite mixture. Nuclear Tracks and Measurements 17 - Galbraith, Green - 1990
8 radioisotope clocks need repair? Testing the assumptions of isochron dating using K-Ar, Rb-Sr, Sm-Nd, and Pb-Pb isotopes, in Radioisotopes and the Age of the Earth: Results of a Young-Earth Creationist Research Initiative, edited by - Austin, Do - 2005
8 Helium diffusion age of 6,000 years supports accelerated nuclear decay, Creation Research Society Quarterly - Humphreys, Austin, et al. - 2004
7 Carbon-14 Evidence for a Recent Global Flood and a Young Earth - Baumgardner (Show Context)
7 Measurable 14 C in Fossilized Organic Materials: Confirming the Young Earth Creation-Flood Model - Baumgardner, Snelling, et al.
7 305–331, Institute for Creation Research - Chaffin - 2000 (Show Context)
7 Conodont color alter− ation—an index to regional metamorphism - Epstein, Epstein, et al. - 1977
7 Fission track annealing in apatite and sphene - Naeser, Faul - 1969
7 The application of fission-track dating to depositional and thermal history of rocks in sedimentary basins - Naeser, Naeser, et al. - 1989 (Show Context)
7 Zircon UThPb geochronology by isotope dilution — thermal ionization mass spectrometry - Parrish, Noble - 2003
6 Canyon: Monument to Catastrophe, Institute for Creation Research - Austin, Grand - 1994 (Show Context)
6 Definition of low‐grade metamorphic zones using illite crystallinity - Blenkinsop - 1988 (Show Context)
6 Fission track dating of zircon: improved etching techniques. Earth and Planetary Science Letters 33 - Gleadow, Hurford, et al. - 1976 (Show Context)
6 Cambrian history of the Grand Canyon region: Carnegie Institution of Washington Publication 563 - McKee, Resser - 1945
6 The early Archaean Itsaq Gneiss Complex of southern West Greenland: the importance of field observations in interpreting age and isotopic constraints for early terrestrial evolution. Geochimica et Cosmochimica Acta 64 - Nutman, Bennett, et al. - 2000
5 Mesozoic–Cenozoic burial, uplift and erosion history of the west-central Colorado Plateau - Dumitru, Duddy, et al. - 1994
5 Isotopes, principles and applications. Third edition - Faure, Mensing - 2005 (Show Context)
5 Structure and Chemistry of zircon and zircon-group minerals - Finch, Hanchar - 2003
5 Tracks of charged particles in solids - Fleischer, Price, et al. - 1965 (Show Context)
5 Differential lead retention in zircons: implications for nuclear waste containment, Science - Gentry, Sworski, et al. - 1982
5 Conodont color alteration, an organomineral metamorphic ndex and its application to Appalachian Basin geology - Harris - 1979 (Show Context)
5 Correlation of ash-flow tuffs - Hildreth, Mahood - 1985 (Show Context)
5 Recently measured helium diffusion rate for zircon suggests inconsistency with U-Pb age for Fenton Hill granodiorite - Humphreys, Austin, et al.
4 Clay mineral thermometry-a critical perspective - Essene, Peacor - 1995 (Show Context)
4 Techniques for geological dating of minerals by chemical etching of fission fragment tracks - Fleischer, Price - 1964 (Show Context)
4 Effects of temperature, pressure, and ionization on the formation and stability of fission tracks in minerals and glasses - Fleischer, Price, et al. - 1965 (Show Context)
4 Comparison of zeta calibration baselines for fission track dating of apatite, zircon and sphene - Green - 1985
4 Age of the Brushy Basin Member of the Morrison Formation - Kowallis, Christiansen, et al. - 1991
3 U-Th-Pb dates on zircons from the early Precambrian Amîtsoq gneisses, Godthaab district - Baadsgaard - 1973 (Show Context)
3 Accelerated decay: theoretical considerations, in Radioisotopes and the Age of the Earth: Results of a Young-Earth Creationist Research Initiative, edited by - Chaffin - 2005
3 Fission track dating: techniques and problems - Fleischer, Hart - 1972
3 Glass dating by fission fragment tracks - Fleischer, Price - 1964 (Show Context)
3 Les argiles, indicateurs de métamorphisme. Revue de l’institut Francaise du Petrole - Kübler - 1964
3 La cristallinité de l’illite revisitée: Un bilan des connaissances acquises ces trente dernières années - KÜBLER, GOY-EGGENBERGER - 2001
2 Clay mineral variation associated with diagenesis and low grade metamorphism of Early Creataceous sediments in the Cameros Basin - Barrenechea, Rodas, et al. - 1995 (Show Context)
2 Petrogenesis of Metamorphic Rocks, seventh edition - Bucher, Frey - 2002 (Show Context)
2 The radial plot: graphical assessment of spread - Galbraith - 1990 (Show Context)
2 The San Juan country, a geographic and geologic reconnaissance of southeastern - Gregory - 1938
2 I1lite/smectite diagenesis and its variable correlation with vitrinite reflectance - Hillier, Mityis, et al. - 1995 (Show Context)
2 On the closure temperature for fission tracks in zircon, Nuclear Tracks - Hurford - 1985 (Show Context)
2 La cristallinite d'illite et les zones tout fait sup6rieur du metamorphisme - Kubler - 1966
2 Migration of radiogenic products in zircon - unknown authors - 1970
2 The fading of fission tracks in the geologic environment: data from deep drill holes, Nuclear Tracks - Naeser - 1981 (Show Context)
2 Fission track dating of apatite and zircon: an interlaboratory comparison, Nucl. Tracks 5 - Naeser, Zimmermann, et al. - 1981
1 Synopsis of the Morrison Formation, in Guidebook for the Geological Excursion of the Continental Jurassic Symposium, edited by M - Anderson, Lucas - 1996 (Show Context)
1 Nagpaul, Zircon and sphene as fission-track geochronometer and geothermometer: a reappraisal, Contributions to Mineralogy and Petrology - Bal, Lal, et al. - 1983 (Show Context)
1 The enigma of the ubiquity of 14 C - Baumgardner, Snelling, et al.
1 A Study in Spontaneous Fission Track Density in Resting Spring Range Obsidian (Miocene) near Shoshone - Bielecki - 1994
1 Search for accelerated nuclear decay with spontaneous fission of 238 U - Bielecki - 1998
1 Petrology of the Morrison A. A. Snelling Formation, Dinosaur Quarry Quadrangle - Bilbey, Kerns, et al. - 1974 (Show Context)
1 Metamorfismo de bajo grado: Diferencias en escala o diferencias en grado metamórfico?, Trabajos de Geologia - Brime - 1999
1 Low-grade metamorphism in the Palaeozoic sequence of the Townsville hinterland - Brime, Talent, et al.
1 Peach Springs Tuff and volcanic stratigraphy of the southern Cerbat Mountains - Buesch, Valentine - 1986 (Show Context)
1 A young earth?—a survey of dating methods, Creation Research Society Quarterly - Chaffin - 1987
1 Diffusion in zircon, in Zircon, edited by - Cherniak, Watson
1 Correlations and facies changes in the Lower and Middle Cambrian Tonto Group, Grand Canyon, Arizona, in Geology of Grand Canyon, Northern Arizona (with Colorado River Guides), edited by - Elston - 1989 (Show Context)
1 Fission track ages and track-annealing behavior of some micas - Fleischer, Price, et al. - 1964
1 Scope of subject, in Low Temperature Metamorphism, edited by M - Frey, Kisch - 1987 (Show Context)
1 On statistical estimation in fission track dating - Galbraith - 1984
1 Correlation Tracks in Zircons: Evidence for Abundant Nuclear Decay 315 of the Peach Springs Tuff, a large-volume Miocene ignimbrite sheet in California and- Glazner, Nielson, et al. - 1986 (Show Context)
1 Fission-track dating: what are the real alternatives - Gleadow - 1981
1 The effect of weathering on fission track dating - Gleadow, Lovering - 1974
1 Geometry factor for external track detectors in fission-track dating - Gleadow, Lovering - 1977
1 Fission track dating of zircon from a sample of tuff - Green - 2001 (Show Context)
1 Fission track dating of zircon from five volcanic rock samples - Green - 2002 (Show Context)
1 Fission track dating of zircon from six volcanic rock samples - Green - 2003 (Show Context)
1 A quantitative assessment of geometry factors for use in fission-track studies, Nuclear Track Detectors - Green, Durrani - 1978
1 Recognition of the Peach Springs Tuff, California and Arizona, using heavy mineral suites - Gusa - 1986
1 Heavy-mineral suites confirm the wide extent - Gusa, Nielson, et al. - 1987
1 The closing temperature for fission track retention in minerals - Haack - 1977 (Show Context)
1 Color and alteration: an index to organic metamorphism in conodont elements, Treatise on - Harris - 1981
1 Standardization of fission track calibration: recommendations by the Fission Track Working Group of the I.U.G.S - Hurford - 1982
1 Considerations in zircon geochronology by SIMS, in Zircon, edited by - Ireland, Williams
1 Paleoproterozoic rocks of the Granite Gorges, in Grand Canyon Geology, edited by - Karlstrom, Ilg, et al. - 2003 (Show Context)
1 Fission-track dating of bentonites and bentonitic mudstones from the Morrison Formation in central Utah - Kowallis, Heaton - 1987 (Show Context)
1 Evaluation quantitative de métamorphisme par la cristallinité Tracks in Zircons: Evidence for Abundant Nuclear Decay 319 de l’illite, Centre de Recherches de Pau Société Nationale de Pétroles d’Aquitaine Bulletin - Kubler - 1968
1 Tonto Group, in Grand Canyon Geology, edited by - Middleton, Elliott - 2003
1 The use of apatite and sphene for fission track age determinations - Naeser - 1967 (Show Context)
1 Fission-track ages of accessory minerals from granitic rocks of the central - Naeser, Dodge - 1969
1 Fission-track dating, in Quaternary Dating Methods, edited by - Naeser, Naeser - 1984
1 Correction of fission-track dates due to thermal annealing in apatite, biotite and sphene - Nagpaul, Mehta, et al. - 1974
1 Stratigraphy and depositional environments of the upper Jurassic Morrison Formation near Capitol Reef - Petersen, Roylance - 1982




Decay rates in a piezoelectric strip — ScienceDirect
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0020722594001265 

In the Beginning: Compelling Evidence for Creation and the Flood - The Origin of Earth’s Radioactivity
http://www.creationscience.com/onlinebook/Radioactivity2.html 
creationscience.com

Pressão, vibração, asteroide e eletricidade derrubam a constância de decaimento nuclear , base e pressuposto da datação de bilhões de anos?

 No Princípio: Evidências da Criação e do Dilúvio - Radioactivity.htmlhttp://translate.googleusercontent.com/translate_c?depth=2&nv=1&rurl=translate.google.com&sl=auto&tl=pt-BR&u=http://www.creationscience.com/onlinebook/Radioactivity.html&usg=ALkJrhhdNARKGob9NmSl-I3U1j3T15T6GQ (Compartilhado via CM Browser)
 O argumento principal é que ocorreu por ocasião do dilúvio aceleração de decaimento devido efeito piezoelétrico
Acelerando decaimento radioativo = aumento de idade de rochas jovens em bilhões de anos

Tabela 21. Evidence vs. Teorias: Origem da radioactividade da Terra

 

teorias

Teoria Hydroplate

Evolução química

Evidência de ser explicada

Suporte experimental

Imagem do Círculo Verde

1

Imagem do Círculo Amarelo

2

 

Quartz Alinhamento na crosta continental

Imagem do Círculo Verde

3

Imagem do Red Circle

4

 

Radioatividade concentrada na crosta continental

Imagem do Círculo Verde

5

Imagem do Red Circle

6

 

Correlação de fluxo de calor com radioactividade

Imagem do Círculo Verde

7

Imagem do Círculo Amarelo

8

 

Oceano-Floor Calor

Imagem do Círculo Verde

9

Imagem do Red Circle

10

 

Argon-40 (40 Ar)

Imagem do Círculo Verde

11

Imagem do Círculo Amarelo

12

 

Oklo Natural "Reactor"

Imagem do Círculo Amarelo

13

Imagem do Red Circle

14

 

Hélio-3 (3 He)

Imagem do Círculo Verde

15

Imagem do Red Circle

16

 

Características de zircão

Imagem do Círculo Verde

17

Imagem do Red Circle

18

 

Retenção de hélio no Zircons

Imagem do Círculo Verde

19

Imagem do Red Circle

20

 

Halos polónio isolados

Imagem do Círculo Verde

21

Imagem do Red Circle

22

 

Halos elípticas

Imagem do Círculo Verde

23

Imagem do Red Circle

24

 

expansão explosiva

Imagem do Círculo Verde

25

Imagem do Red Circle

26

 

O urânio-235 (235 U)

Imagem do Círculo Verde

27

Imagem do Red Circle

28

 

relações isotópicas

Imagem do Círculo Verde

29

Imagem do Red Circle

30

 

Carbono-14 (14 C)

Imagem do Círculo Verde

31

Imagem do Círculo Amarelo

32

 

40 Radioisótopos Extinct

Imagem do Círculo Verde

33

Imagem do Círculo Amarelo

34

 

côndrulos

Imagem do Círculo Verde

35

Imagem do Red Circle

36

 

meteoritos

Imagem do Círculo Verde

37

Imagem do Red Circle

38

 

Fechar Supernova?

Imagem do Círculo Verde

39

Imagem do Red Circle

40

 

Deutério (2H)

Imagem do Círculo Verde

41

Imagem do Red Circle

42

 

Oxigênio-18 (18 O)

Imagem do Círculo Verde

43

Imagem do Círculo Amarelo

44

 

lineamentos

Imagem do Círculo Verde

45

Imagem do Red Circle

46

 

frio Mars

Imagem do Círculo Verde

47

Imagem do Círculo Amarelo

48

 

Elementos Químicos distante

Imagem do Círculo Verde

49

Imagem do Círculo Amarelo

50

 

subindo Himalayas

Imagem do Círculo Verde

51

Imagem do Red Circle

52

 

Formando pesado Núcleos

Imagem do Círculo Verde

53

Imagem do Red Circle

54

 

6 Li, 9 Be, 10 B e 11 B

Imagem do Círculo Verde

55

Imagem do Red Circle

56

 

Pertence Principalmente com uma teoria:

 

Terremotos e Electricidade

Imagem do Círculo Verde

57

N / D

 

pegmatitos

Imagem do Círculo Verde

58

N / D

 

batólitos

Imagem do Círculo Verde

59

N / D

 

Radioativos rochas lunares

Imagem do Círculo Verde

60

N / D

 

Datas inconsistentes

N / D

Imagem do Red Circle

61

 

Rochas Ilha Baffin

N / D

Imagem do Red Circle

62

 

Chemistry in the Sun

N / D

Imagem do Círculo Amarelo

63

 

Química em Estrelas

N / D

Imagem do Círculo Amarelo

64

 

Estrela e formação de galáxias

N / D

Imagem do Red Circle

65

 

Big Bang: Fundação para a Evolução Química

N / D

Imagem do Red Circle

66

 

 

Chave:

Imagem do Círculo Verde

Teoria explica este item.

 

Imagem do Círculo Amarelo

Teoria tem problemas moderados com este item.

 

Imagem do Red Circle

Teoria tem sérios problemas com este item.

 

N / D

Não aplicável

Os números nesta tabela referem-se a amplificar explicações nas páginas 390 - 408 .




A origem da radioactividade da Terra

RESUMO: Como o dilúvio começou, as tensões na crosta vibração enorme gerado tensões enormes através do piezoelétrico . Efeito de 4Durante semanas, poderosas descargas elétricas dentro da Terra crosta-muito parecido com parafusos de igualmente poderosas forças magnéticas produzidas por raios que espremido (de acordo com a Lei de Faraday ) atômicas núcleos juntos em, altamente instáveis ​​elementos superpesados. Esses elementos superpesados ​​rapidamente fissioned e de cayed em partículas subatômicas e vários isótopos, alguns dos quais foram radioativo.

Cada passo deste processo é demonstrável em pequena escala. Os cálculos e outras evidências mostram que esses eventos aconteceu em uma escala global. 5 Para entender rapidamente o que aconteceu, consulte "Terremotos e Electricidade" na página 379 e as figuras 198 e203 - 205 .

Os evolucionistas dizem que o material radioativo da terra evoluiu em estrelas e seus detritos explodiu. Milhares de milhões de anos mais tarde, a Terra se formou a partir desse detritos. Alguns dos passos teorizou pode ser demonstrado experimentalmente. Observações na Terra e no espaço apoiar a explicação hydroplate e refutar a explicação evolução para a radioactividade da Terra.

Para contrastar e avaliar duas explicações radicalmente diferentes para a origem da radioatividade da terra, vamos primeiro explicar alguns termos. Com esse pano de fundo, a evidência experimental nova e surpreendente se tornará claro. Em seguida, as duas teorias concorrentes serão resumidas: a teoria hydroplate ea teoria da evolução química . Os leitores podem então julgar por si mesmos que a teoria explica melhor a evidência. Em primeiro lugar, precisamos entender alguns termos relativos ao átomo.

Átomo.  Descrições e modelos do átomo diferem. O que é certo é que nenhum modelo proposto até agora é completamente correto. 6 Felizmente, não precisamos considerar essas incertezas aqui. Vamos pensar de um átomo simplesmente como um núcleo rodeado por camadas de um ou mais reservatórios semelhantes de uma cebola. Cada shell pode conter um certo número de cargas negativas chamadas elétrons . (O shell mais interna, por exemplo, pode conter dois elétrons.) O bem embalado, vibrando núcleo contém prótons , cada um com uma carga positiva e nêutrons , sem custo.(Prótons e nêutrons são chamados núcleos .)

Um átomo é pequena. Dois trilhões (2,000,000,000,000, ou 2 × 10 12  ) átomos de carbono iria caber dentro do ponto no final desta frase. Um núcleo é ainda menor. Se um átomo eram do tamanho de um campo de futebol, o seu núcleo-o qual contém cerca de 99,98% de massa de um átomo-seria o tamanho de uma pequena semente! Elétrons são menores ainda. Um elétron é uma partícula de poeira como um grão de poeira é a terra!

Átomos do mesmo elemento químico têm o mesmo número de protões. Por exemplo, um átomo de hidrogénio possui um protão; hélio, dois; lítio, três; de carbono, seis; oxigênio, oito; ferro, 26; ouro, 79; e urânio, 92. Hoje, terra tem 94 ocorre naturalmente elementos químicos. 7

Um átomo de carbono-12, por definição, tem exactamente 12,000000 unidades de massa atómica (uma) . Se pudéssemos quebrar um átomo de carbono-12 para além e "pesa" cada um dos seus seis prótons, seis nêutrons e seis elétrons, a soma de suas massas seria 12,098940 AMU-que é 0,098940 AMU mais pesada do que o carbono-12 próprio átomo. Para ver por que um átomo pesa menos do que a soma de suas partes, devemos entender energia de ligação

   

Tabela 20. massa de carbono-12 Componentes

subatômica
partículas

Carregar

Massa de cada
(AMU)

Massa de todos os seis
(AMU)

próton

positivo

1.007276

6.043656

nêutron

Nenhum

1.008665

6.051990

elétron

negativo

0.000549

0.003294

 

 

TOTAL:

      12.098940

massa Um carbono-12 do átomo é exatamente 12,000000 AMU-por definição.        

Na construção de um átomo de carbono-12 a partir de 6 prótons, 6 nêutrons e 6 elétrons:

          Perda de massa (m) = 12,098940-12,000000 = 0,098940 AMU

          Ganho de Encadernação Energia (E) = 0,098940 AMU × c 2

                          E = m c 2

 

 

radioactividade-binding_energy_per_nucleon.jpg Miniatura

Figura 197: A ligação da energia. Quando nucleons separados (prótons e nêutrons) são reunidos para formar um núcleo, uma pequena porcentagem de sua massa é imediatamente convertido em uma grande quantidade de energia. Essa energia (geralmente medido em unidades de milhões de elétron-volts, ou MeV) é chamada energia de ligação, porque um extremamente forte força dentro do núcleo firmemente liga os núcleos juntos, se encaixa-los poderosamente juntos, produzindo uma explosão de calor.

Por exemplo, um núcleo de deutério (hidrogénio-2) contém um protão e um neutrão. Seu núcleo tem uma energia de ligação total de cerca de 2,2 MeV, então a energia de ligação média por núcleo é cerca de 1,1 MeV. Se dois núcleos de deutério fundir para se tornar hélio, 2,2 MeV + 2,2 MeV de energia de ligação são substituídos por energia de hélio-4 da média de ligação de 7,1 MeV por nucleão, ou um total de 4 x 7,1 MeV.O ganho de energia de ligação torna-se emitido calor. Esta fusão de núcleos leves é chamado de fusão . A Sun deriva a maior parte de seu calor pela fusão do deutério em hélio. 8 O pico da curva de energia de ligação (acima) é de cerca de 60 AMU (perto de ferro), de modo a fusão normalmente 9 se funde com núcleos mais leves do que 60 AMU. A fusão de elementos mais pesados ​​que 60 AMU absorver energia.

Fissão é a divisão de núcleos pesados. Por exemplo, quando fissões de urânio, a soma das energias de ligação dos fragmentos é maior do que a energia de ligação do núcleo de urânio, de modo que a energia é libertada. Fissão (bem como a fusão) pode ser sustentado somente se a energia é liberada a dirigir mais de fissão (ou fusão).

    

 

Energia de ligação. Quando se forma um núcleo, uma pequena quantidade de massa é convertida em energia de ligação , a energia emitida pelo núcleoquando protões e neutrões se ligam em conjunto. É também a energia necessária para quebrar (desagrupar) um núcleo em protões e neutrões separadas.

Quanto mais próxima a massa do núcleo é a massa de um núcleo de ferro ou níquel (60 AMU), a energia mais vinculativo que núcleo tem por núcleo.Vamos dizer que um núcleo muito pesado, como um núcleo de urânio pesando 235,0 AMU, divide (fissões) em dois núcleos pesando 100,0 AMU e 133,9 AMU e um nêutron (1,0 AMU). A 0,1 AMU de perda de massa é convertida em energia, de acordo com a famosa equação de Einstein, E  =  m c 2 , em que c é a velocidade da luz (186.000 milhas) e E é a energia libertada quando uma massa m é convertida em energia. A energia é grande, porque c 2 é enorme. (Por exemplo, quando a bomba atômica foi lançada sobre Hiroshima, apenas cerca de 700 miligramas de massa cerca de um terço da massa de um US centavo foi convertida em energia.) A energia nuclear é normalmente liberado como energia cinética. Os fragmentos de velocidade elevada gerar calor como eles abrandar durante várias colisões.

Dito de outra maneira, um núcleo muito pesado, por vezes, se divide, um processo chamado de fissão . (Cisão pode ocorrer quando um núcleo pesado é atingido por um nêutron, ou mesmo um de alta energia de fótons ( partículas de luz). Quando a fissão acontece espontaneamente sem ser atingido-it é um tipo de deterioração. Quando a fissão ocorre, a massa é perdido ea energia é liberada. Da mesma forma, quando núcleos leves se fundem (um processo chamado de fusão ), a massa é perdida e energia é liberada. Em uma bomba atômica, o urânio ou plutônio dividida núcleos (fissão). Em uma bomba de hidrogênio, núcleos de hidrogênio se fundem (fusível ) para se tornar hélio.

Fissão dentro de reatores nucleares produz muitos nêutrons livres. A água é uma substância excelente para absorver a energia dos neutrões rápidos e produzindo deste modo o calor, pois a água é barata e contém tanto hidrogénio. (Um átomo de hidrogênio tem aproximadamente a mesma massa de um nêutron, de modo hidrogênio absorve rapidamente a energia cinética de um neutrões rápidos.) O calor pode, em seguida, ferver a água para produzir vapor que gira uma turbina e gera eletricidade.

Isótopos. Elementos químicos com o mesmo número de prótons, mas um número diferente de nêutrons são chamados de isótopos . Cada elemento químico tem vários isótopos, embora a maioria são vistos apenas brevemente em experimentos. Carbono-12, carbono-13, e de carbono-14 são diferentes isótopos de carbono. Todos são de carbono, porque eles têm 6 prótons, mas, respectivamente, eles têm 6, 7 e 8 nêutrons, ou 12, 13 e 14 núcleos. O número de protões determina o elemento químico; o número de neutrões determina o isótopo do elemento.

. Radioactividade maioria dos isótopos são radioativos; Ou seja, sua vibração, núcleos instáveis ​​às vezes mudam de forma espontânea ( decadência ), geralmente emitindo rápido, muito pequenas partículas, mesmo fótons (partículas de luz) chamado de raios gama . Cada decaimento, excepto emissão gama, converte o núcleo para um novo isótopo, o chamado filha . Um tipo de decaimento radioactivo ocorre quando um núcleo expele uma partícula alfa-a feixe apertado de dois protões e dois neutrões, idênticos ao núcleo de um átomo de hélio. Em outro tipo de deterioração, beta decadência , um nêutron repente emite um elétron e se torna um próton. Captura de elétrons , um tipo de deterioração, é o decaimento beta no sentido inverso; isto é, de elétrons de um átomo entra no núcleo, combina-se com um próton e converte-lo em um nêutron. Poucos cientistas perceber que em raras ocasiões núcleos pesados ​​irá decair, emitindo um carbono-14 do núcleo ( 14 C). 13 Isto põe em causa os pressupostos básicos da técnica de datação por radiocarbono, especialmente quando se compreende a origem de radioatividade da terra. [Veja "Qual é a precisão de datação por radiocarbono?" , Nas páginas 499 - 502 .]

Radioisótopos. Isótopos radioativos são chamados de radioisótopos. Apenas cerca de 65 radioisótopos que ocorrem naturalmente são conhecidas. No entanto, os processos de alta energia (como as que ocorrem em explosões atômicas, aceleradores atômicos, e reactores nucleares) produziram cerca de 3.000 radioisótopos diferentes, incluindo alguns elementos químicos anteriormente desconhecidos.

Decay Rates. Cada radioisótopo tem uma meia-vida -o tempo que seria necessário para a metade de uma grande amostra de que isótopo à deterioraçãona taxa de hoje . As meias-vidas variam de menos de um bilionésimo de um segundo para muitos milhões de milhões de milhões de anos. 14 A maioria das tentativas de alterar as taxas de decaimento falharam. Por exemplo, alterar temperaturas entre -427 ° F e + 4.500 ° F produziu nenhuma mudança mensurável nas taxas de decaimento. Também não tem aceleração de até 970.000 g, campos magnéticos de até 45.000 gauss, ou mudando elevações ou concentrações de produtos químicos.

No entanto, soube-se já em 1971 que a elevada pressão pode aumentar taxas de decaimento muito ligeiramente durante pelo menos 14 isótopos. 15 sob grande pressão, os elétrons (especialmente a partir da shell mais interna) são espremidos mais perto do núcleo, fazendo a captura eletrônica mais provável . Além disso, as taxas de captura de elétrons por alguns radioisótopos mudar em diferentes compostos químicos. 16

Taxas de decaimento beta pode aumentar drasticamente quando os átomos são despojados de todos os seus elétrons. Em 1999, o alemão Dr. Fritz Bosch mostrou que, para o átomo de rênio, isso diminui a sua meia-vida de mais de um billionfold-de 42 bilhões de anos para 33 anos . 17 Os mais elétrons removido, o mais rapidamente nêutrons expulsar elétrons (decaimento beta ) e tornar-se prótons. Este efeito foi anteriormente desconhecido, porque apenas átomos electricamente neutros tinham sido utilizados na medição semi-vidas. 18

Taxas de decaimento de silício-32 ( 32 Si), cloro-36 ( 36 Cl), manganês-54 ( 54 Mn) e rádio-226 ( 226 Ra) dependem ligeiramente a distância da Terra ao Sol 19 Eles decair, respectivamente, por beta, beta, alfa e captura de elétrons. Outros radioisótopos parecem ser igualmente afetados. Este pode ser um efeito elétrico ou uma consequência de neutrinos 20 decorrentes da Sun.

As patentes foram concedidas a grandes corporações para dispositivos eléctricos que pretendem acelerar alfa, beta, gama e decadência e, assim, descontaminar resíduos nucleares perigosos. No entanto, eles não têm sido mostrados para trabalhar em grande escala. Uma patente interessante atribuído a William A. Barker é descrito como se segue: 21

material radioactivo é colocado dentro ou sobre um gerador de Van de Graaff, onde um potencial eléctrico de 50.000 - 500.000 volts é aplicada durante pelo menos 30 minutos. Este grande tensão negativa é pensado para diminuir barreira de energia uns dos núcleos. Assim, alfa, beta, gama e partículas rapidamente escapar núcleos radioactivos.

Embora esses dispositivos elétricos podem acelerar as taxas de decaimento, uma compreensão teórica completa delas ainda não existe, eles são caros, e eles agem apenas em pequenas amostras. No entanto, a crença comum de que as taxas de decaimento são constantes em todas as condições agora deve ser descartado.

Podemos pensar em uma grande amostra de um radioisótopo como um balão lentamente vazando com um medidor que mede o vazamento total do balão, uma vez que estava cheio. Diferentes radioisótopos têm diferentes taxas de fuga, ou semi-vidas. (Isótopos estáveis ​​não vazar, não são radioativos.)

Algumas pessoas podem pensar que a idade de um balão pode ser determinada dividindo o vazamento total do balão pela sua taxa de fuga de hoje. Aqui, vamos abordar as questões mais básicas: O que "bombeada" todos os radioisótopos, em primeiro lugar, e quando isso aconteceu? Será que o processo de bombeamento de rapidamente produzir consideráveis ​​de fuga de bilhões iniciais do vale anos, com base em taxas de fuga lenta de hoje?

 

radioactividade-valley_of_stability.jpg Miniatura

Figura 198: Vale de Estabilidade. Cada um dos mais de 3.100 isótopos conhecidos é definida por dois números: o número de protões (p) e o número de neutrões (N). Pense em cada isótopo como ocupando um ponto em um sistema horizontal P-N de coordenadas. Lá, a estabilidade de cada isótopo pode ser representado por uma fina barra vertical:. Bares altos de isótopos que se decompõem rapidamente, barras mais curtas para isótopos com maior semi-vida, e sem barras verticais para isótopos estáveis ​​10   Quase 300 isótopos estáveis ​​encontram muito abaixo do linha curva laranja, perto da diagonal entre o eixo P e o eixo de N, no que é chamado o vale de estabilidade .

Quase todos os isótopos representados pelo alto "plateau", flat são hipotéticos e nunca foram vistos, mas se alguma vez formados, eles iriam decair instantaneamente. A maioria dos cerca de mil isótopos observadas brevemente em experiências encontram-se apenas abaixo da borda do "precipício" olhando para o vale. Aqueles na encosta íngreme com meias-vidas de segundos a bilhões de anos. isótopos estáveis ​​são para baixo no fundo do vale.

. Observe como as curvas do vale em direção ao direito 11 Luz, núcleos estáveis ​​têm aproximadamente o mesmo número de prótons como nêutrons (como o carbono-12, com seis prótons e seis nêutrons); núcleos pesados ​​que são estáveis ​​têm muitas mais nêutrons do que prótons.Um ponto-chave para lembrar: se pudéssemos apertar vários luz, núcleos estáveis ​​em conjunto para fazer um núcleo pesado, ele estaria no alto do lado próton-pesado do vale e ser tão instável que seria rapidamente decair.

Por exemplo, se alguma compressão poderoso ou o Z-pitada (descrito na Figura 196 na página 372 ), de repente fundiu (fundidos) seis núcleos estáveis ​​próximo ponto A, o núcleo pesado resultante seria brevemente mentir no ponto B, onde seria rapidamente deterioração ou fissão. 12núcleos Incorporadas que foram ainda mais pesado superpesados ​​núcleos-se momentaneamente mentir muito além do ponto B, mas seria instantaneamente fissão-fragmento em muitos dos nossos elementos químicos comuns. Se o vale de estabilidade eram retas e não fez curva, núcleos estáveis ​​que fundidos formariam uma estável núcleo, pesado (ou seja, ainda estaria no fundo do vale). Núcleos perto de C que a fissão normalmente irá produzir produtos de neutrões-pesado. Como você vai ver, porque as curvas do vale, temos radioactividade-outro ponto-chave para se lembrar. (Em breve, você vai aprender sobre a "grande força", que produz energia de ligação e faz com que vale a curva.)

Se núcleos de toda a terra foram inicialmente não radioativo, todos teriam sido na parte inferior do vale curva de estabilidade. Se, por semanas, as descargas caóticas de elétrons, impulsionados por milhares de milhões de volts de eletricidade, pulsou através da crosta terrestre, isótopos radioativos e seus produtos de decadência e de fissão iria formar rapidamente. (Como isso aconteceu será explicado mais tarde.) Podemos pensar destes novos isótopos como sendo espalhados alta nos lados do vale de estabilidade.

Seria como se uma forte explosão, ou alguma súbita liberação de energia, explodiu rochas-se para os lados íngremes de um longo vale. A maioria das rochas iria reverter rapidamente para baixo e deslocar rochas pouco instáveis ​​que eram apenas parte do caminho até a encosta.Hoje, rochas raramente rolar para baixo os lados do vale. Não seria tolice supor que o entulho no fundo desse vale deve ter sido acumulando durante bilhões de anos, apenas porque levaria bilhões de anos para todos os que entulho para recolher as rochas ritmo muito lento rolar hoje ?

 

Análise por ativação com nêutrons. Esta técnica de rotina, não destrutiva pode ser usado para identificar os elementos químicos em um material desconhecido. Nêutrons, geralmente a partir de um reator nuclear, bombardear o material. Alguns núcleos que absorvem nêutrons se tornar radioativo-são conduzidos até o lado de neutrões-pesado do vale de estabilidade. [Ver Figura 198 na página 376 .] As características de decaimento daqueles "bombeada" núcleos, em seguida, ajudar a identificar os átomos presentes.

Neutron estrelas. Quando uma estrela muito massiva começa a correr para fora de hidrogênio e outros combustíveis nucleares, ele pode entrar em colapso tão de repente que quase todos os seus elétrons são empurrados para núcleos. Isso produz um "mar de nêutrons" e libera a imensa energia de uma supernova . O que permanece perto do centro da gigantesca explosão é uma estrela densa, cerca de 10 milhas de diâmetro, compostas de nêutrons de uma estrela de nêutrons.

A Força Forte. Cargas iguais se repelem mutuamente, de modo que mantém um núcleo contendo muitos prótons carregados positivamente de voar distante? Uma força mal compreendida dentro do núcleo atua sobre uma distância muito curta para puxar prótons (e, ao que parece, os nêutrons, bem) juntos. Os físicos nucleares chamar esta a força forte . Encadernação de energia, descrito na página 374 , é o resultado do trabalho realizado pela força forte.

Dois núcleos, empurrou para o outro, experimentar inicialmente uma força de repulsão crescente, chamada de força de Coulomb , porque ambos os núcleos têm cargas positivas. No entanto, se uma tensão de aceleração é muitos núcleos numa direcção e os electrões fluem entre eles na direcção oposta, que é em grande parte repelir força neutralizado. Além disso, os fluxos de ambos positivos e negativos irão produzir um Z-pitada de reforço. [VerFigura 196 na página 372 ]. Se a tensão de condução tanto flui é grande o suficiente, o Z-pitada traz os dois núcleos próximos o suficiente para que a força forte mescla-los em um núcleo grande. 22

Se os atos Z-pitada mais de um amplo fluxo de plasma, muitos núcleos poderia fundir em núcleos superpesados ​​-nuclei muito mais pesado do que qualquer elemento químico encontrado naturalmente. A maioria dos núcleos resultante da concentração seria instável (radioativo) e seria rapidamente decadência, porque estaria no alto do lado próton-pesado do vale de estabilidade . [Ver Figura 198 na página 376 .]

Enquanto a força forte mantém o núcleo juntos e supera a força de Coulomb repelindo, quatro núcleos particulares são mal realizada em conjunto: lítio-6 (6 Li), berílio-9 ( 9 Be), boro-10 ( 10 B), e boro-11 ( 11 B). Impactos leves fará com que a sua decadência. 23 A importância destes isótopos frágeis em breve se tornará clara.

Nêutrons livres. Nêutrons em um núcleo raramente decadência, mas nêutrons livres (aqueles fora de um núcleo) decadência com uma meia-vida de cerca de 14,7 minutos! ? Por que um nêutron cercado por prótons e elétrons, muitas vezes têm uma meia-vida de milhões de anos, mas, quando isolada, tem uma meia-vida de minutos  24 Isto é semelhante ao que Fritz Bosch descoberto: Um campo elétrico intenso irá retirar elétrons circundante núcleos pesados. Os átomos de tornar-se tão instável que eles próprios parte, e suas taxas de decaimento aumentos de jogar, às vezes um billionfold.

 

O carbono-14.  A cada ano, a radiação cósmica atingindo a atmosfera superior converte cerca de 21 libras de nitrogênio-14 para carbono-14, também chamado radiocarbono . Carbono-14 tem uma meia-vida de 5730 anos. A datação por radiocarbono tornou-se muito mais preciso, usando Accelerator Mass Spectrometry (AMS) , uma técnica que conta individuais átomos de carbono 14. AMS idades para velhos carbono-14 espécimes são geralmente cerca de 5.000 anos. [Veja "Qual é a precisão de datação por radiocarbono?" , Nas páginas 499 - 502 .] AMS, por vezes, datas dos mesmos materiais que já foram datados por mais velhos e menos precisas técnicas de datação radiométrica. Nesses casos, AMS idades são geralmente 10-1000 vezes mais jovem. 25

Argon-40.  Cerca de 1% da atmosfera terrestre (não contando com vapor de água) é o argônio, dos quais 99,6% é o argônio-40 e apenas 0,3% é o argônio-36. Ambos são estáveis. Hoje, argônio-40 é produzido quase inteiramente por captura de elétrons em potássio-40. Em 1966, Melvin cozinheiro apontou a grande discrepância na grande quantidade de argônio-40 na nossa atmosfera, a relativamente pequena quantidade de potássio-40 na crosta terrestre, e sua lenta taxa de decaimento (meia-vida: 1,3 mil milhões de anos) .

A terra teria de ser cerca de 10 a 10 anos de idade [10 mil milhões de anos, o dobro do que os evolucionistas acreditam] ea inicial de 40 K [de potássio-40] conteúdo da Terra cerca de 100 vezes maior do que no presente ... para ter gerado o 40 Ar [árgon-40] na atmosfera. 26

Visto a Cook publicou essa declaração, as estimativas da quantidade de 40 K na terra têm aumentado. No entanto, uma contradição gritante permanece.Apesar dos esforços dos geofísicos para conciliar os números, a pequena quantidade de 40 K na terra não é suficiente para ter produzido todo o 40 Ar, o quarto gás mais abundante na atmosfera (depois de azoto, oxigénio e vapor de água). Se 40 Ar foi produzido por um processo diferente do que a lenta decomposição de 40 K, como a evidência indica, em seguida, o potássio-argônio e técnicas de datação de argônio-argônio, as técnicas de datação radiométrica mais utilizados, 27 tornam-se inúteis, se não enganosa.

Da mesma forma, a lua gelada de Saturno Enceladus tem pouca 40 K, mas está jorrando demais 40 Ar para o espaço a partir do seu pólo sul. Enceladus seria necessário um milhão de vezes o seu conteúdo de rock atual consiste dos tipos mais favoráveis ​​de meteoritos para explicar todo o argônio-40. 28Mesmo com tanta 40 K, como seria o argônio escapar rapidamente da rocha e ser concentrada? No capítulo anterior, foi dado provas de que Encélado e outras luas irregulares no sistema solar são asteróides capturados, cujo material foi expulso da terra pelas fontes do grande profundidade. Poderia tudo o que 40 Ar têm sido produzidos na câmara subterrânea e expelida como parte dos detritos? Enceladus também contém muito de deutério-aproximadamente a mesma quantidade como em quase todos os cometas e mais de dez vezes a concentração encontrada no resto do sistema solar. 29 Esta foi explicado no capítulo cometa como um dos dezessete principais razões para concluir que o materiais em cometas foi lançado da terra pelas fontes do grande profundidade.

Um último ponto: Micrometeoritos e vento solar adicionar pelo menos sete vezes mais 36 Ar do que 40 Ar para a atmosfera da Terra. Portanto, essas fontes de pequena fornecida da Terra 40 Ar, 30 porque, como dito acima, a atmosfera tem cerca de 300 vezes mais 40 Ar do que 36 Ar.

De potássio-40 e carbono-14. Potássio-40 é a substância radioativa mais abundante no corpo humano e em todos os seres vivos. (Sim, seu corpo é ligeiramente radioativo!) Felizmente, potássio-40 decai, expulsando um elétron (decaimento beta) que não é muito penetrante. No entanto, quando o potássio-40 decai torna-se cálcio, por isso, se o elétron minúscula "bala" não prejudicar você, a mudança repentina de potássio para cálcio poderia ser bastante prejudicial, quase como se um parafuso em uma máquina complexa de repente se tornou um prego . Enquanto apenas um décimo de milésimo do potássio nos seres vivos é o potássio-40, a maioria já deteriorado, por isso as coisas vivas eram em maior risco no passado. Como a vida poderia ter evoluído se tivesse sido radioativo? "

Essa pergunta também se aplica para os isótopos radioativos raros nos elementos químicos que estão no DNA, como o carbono-14. ADN é o material mais complexo conhecido. Uma pessoa de 160 libras experimenta 2.500 carbono 14 desintegrações por segundo, quase 10 dos quais ocorrem no DNA da pessoa![Veja "Carbono-14" na página 512 .]

A resposta a esta pergunta é simples. A vida não evoluiu, e a radioactividade da Terra não estava presente quando a vida começou. Radioactividade da Terra é uma consequência da inundação. [Veja "mutações" na página 9 .]

Zir contras. Zircons são pequenos, cristais duráveis ​​cerca de duas vezes a espessura de um cabelo humano. Eles geralmente contêm pequenas quantidades de urânio e tório, alguns dos quais se presume ter se deteriorado, a taxas muito lentas de hoje, para liderar. Se isso for verdade, zircões são extremamente antiga. Por exemplo, centenas de zircões encontrados na Austrália Ocidental seria 4,0-4,4 bilhões de anos. A maioria dos evolucionistas encontrar este intrigante, porque eles têm afirmado que a Terra era em grande parte fundida antes de 3,9 bilhões de anos atrás! 37 Estes zircões também contêm minúsculas inclusões de quartzo, o que sugere que o quartzo foi transportado dentro e precipitado para fora da água em estado líquido; em caso afirmativo, a terra foi relativamente fresco e tinha uma crosta de granito. 38 Outros zircões, alguns supostamente tão antiga quanto a 4,42 mil milhões de anos, contêm microdiamonds com anormalmente baixo, mas quantidades muito variáveis ​​de 13 C. Estes microdiamonds aparentemente formado (1) sob condições geológicas incomuns, e (2) sob extremamente elevado, e talvez súbita, as pressões antes de os zircões envolto-los. 39

Retenção de hélio no Zircons. Urânio e tório normalmente decaimento emitindo partículas alfa. Cada partícula alfa é um núcleo de hélio que rapidamente atrai dois elétrons e torna-se um átomo de hélio ( 4 He). O gás hélio produzido em zircões de urânio e tório deterioração deve difundir para fora de forma relativamente rápida, porque o hélio não se combinam quimicamente com outros átomos, e é extremamente pequena o segundo menor de todos os elementos em massa, eo menor em volume!

Alguns zircões seria de 1,5 bilhões de anos, se o chumbo neles acumulada na atual taxa. Mas, com base na rápida difusão de hélio de zircões, a liderança teria sido produzida nos últimos 4,000-8,000 anos 40 -a clara contradição, sugerindo que pelo menos uma vez no passado, as taxas foram mais rápidos.

Hélio-3 ( 3 H e ) Partículas alfa ejetado, como dito acima, tornar-se rapidamente 4 Ele, que constitui 99,999863% de hélio detectável da Terra. Só reações nucleares produzem 3 Ele, os restantes 0,000137% de hélio conhecido da Terra. Hoje em dia, não há reacções nucleares são conhecidos para produzir 3 Ele dentro da terra. Só a teoria hydroplate explica como reações nucleares produzidas 3 Ele de uma vez (durante a inundação) no interior da terra sólida (na crosta vibra).

3 Ele e 4 Ele é estável (não radioativo). Como as reações nucleares que produzem 3 Não são conhecidos por estar ocorrendo no interior da terra, alguns evolucionistas dizem que 3 Ele deve ter sido primordial presente antes que a Terra evoluiu. Portanto, 3 Ele, dizem, foi preso no material de meteoritos infalling que formou a terra. Mas hélio não combinam quimicamente com nada, então como é que essa luz, gás volátil obter meteoritos dentro? Se o hélio foi preso em queda de meteoritos, por que não rapidamente escapar ou bolha para fora quando meteoritos supostamente caiu no fundido, terra evoluindo?41 Se 3 Ele está sendo produzido no interior da terra e o manto tem circulado e misturando durante milhões de anos , por que diferentes vulcões expelem drasticamente diferentes quantidades de 3 Ele, e porque, como explicado na Figura 55 na página 126 -são black smokers expelindo grandes quantidades de3 Ele? 42 de fato, a pequena quantidade de 3 Ele deve ser tão bem misturados e diluída no manto de circulação que deverá ser indetectável. 43

 

Onde está a radioactividade da Terra?  Três tipos de medições mostram cada que a radioatividade da terra está concentrada no (granito) crosta relativamente fina continental. Em 1906, alguns cientistas reconhecido que apenas o calor a partir da radioactividade na crosta granito deve explicar agora todo o calor que sai da terra. Se radioatividade estavam ocorrendo abaixo da crosta, ainda mais calor deve ser sair. Porque não é, a radioactividade deve ser concentrada nas top "algumas dezenas de quilômetros" da terra e começaram recentemente.

A distribuição de materiais radioactivos com a profundidade é desconhecida, mas eleva-se da ordem daqueles observados na superfície deve ser confinado a uma camada relativamente fina abaixo da superfície da ordem de algumas dezenas de quilómetros de espessura da Terra, de outra forma mais de calor seria gerado do que pode ser explicado pela perda observada a partir da superfície. 44  

Mais tarde, furos no fundo do oceano mostrou um pouco mais de calor chegando através dos pisos oceânicos do que através dos continentes. Mas rochas basálticas sob o fundo do mar contêm pouca radioatividade. 45   Aparentemente, o decaimento radioativo não é a fonte primária de calor geotérmico da Terra.

Um segundo tipo de medida ocorreu no Programa de Perfuração profunda da Alemanha. A concentração de radioactividade medida para baixo buraco mais fundo da Alemanha (5,7 milhas) seriam responsáveis ​​por todo o calor que flui para fora na superfície da Terra se que a concentração continuou a descer a uma profundidade de apenas 18,8 milhas e se a crosta foram 4 bilhões de anos. 46

No entanto, a taxa na qual as temperaturas aumentaram com a profundidade era tão grande que, se a tendência manteve-se, a rocha na parte superior do manto seria parcialmente fundido. Estudos sísmicos demonstraram que este não é o caso. 47 Por conseguinte, as temperaturas não continuar a aumentar até o manto, para que a fonte de aquecimento é concentrada na crosta terrestre.

A técnica de medição terceiro, usado em regiões dos Estados Unidos e da Austrália, mostra um estranho, mas bem verificada, a correlação: a quantidade de calor que flui para fora da terra em locais específicos correlaciona-se com a radioactividade em rochas da superfície nesses locais. Sempre a radioactividade é alta, o fluxo de calor irá geralmente ser elevada; onde quer que a radioatividade é baixa, o fluxo de calor será geralmente baixa. No entanto, a radioactividade nesses locais mais quentes é demasiado pequeno para explicar que o calor . 48 O que é que essa correlação significa?

Primeiro, considere o que não significa necessariamente. Quando dois conjuntos de medidas se correlacionam (ou correspondência), as pessoas muitas vezes erroneamente concluir que uma das coisas medidos (tais como radioatividade em rochas da superfície em um único local) causou a outra coisa a ser medido (fluxo de calor de superfície no local). Até mesmo pesquisadores experientes, por vezes, caem nesta armadilha. Estudantes de estatísticas são repetidamente alertou para este erro comum na lógica, e centenas de humorísticos 49 exemplos e trágicas são dadas; no entanto, o problema é abundante em todos os campos de pesquisa.

Esta correlação pode ser explicada se a maior parte do calor que flui para cima através da superfície da terra foi gerado, não pela própria radioactividade, mas os mesmos acontecimentos que produziram que a radioactividade. Se mais calor está saindo do chão em um lugar, em seguida, mais radioatividade também foi produzido lá. Portanto, a radioactividade em rochas da superfície se correlacionam com o fluxo de calor de superfície.   

 

O "Reactor". Oklo Natural  Construindo um reactor nuclear exige a concepção cuidadosa de muitos componentes inter-relacionados. Reatores gerar calor pela fissão controlada de determinadas isótopos, como o urânio-235 ( 235 U). Por alguma razão desconhecida, 0,72% dos quase todos os depósito de minério de urânio no mundo é 235 U. (Cerca de 99,27% é o mais estável 238 L, e 0,01% é 234 U.) Para um 235 reactor de U para operar, a 235 U deve geralmente ser concentrada a pelo menos 3-5%. Este enriquecimento é caro e tecnicamente difícil.

Controlando o reactor é uma segunda exigência. Quando um neutrão divide a 235 U núcleo, calor e normalmente dois ou três outros nêutrons são liberados.Se a 235 L é suficientemente concentrada e, em média, exactamente uma dessas duas ou três fissões outro neutrões 235 L núcleo, a reacção continua e diz-se ser crítico auto-sustentável -OR. Se esta situação delicada pode ser mantida, calor considerável (de energia de ligação) é constantemente liberado, geralmente durante anos.

Em 1972, os engenheiros franceses foram de processamento de minério de urânio de uma mina a céu aberto perto do rio Oklo na República do Gabão, na costa equatorial ocidental da África. Ali, eles descobriram empobrecido (parcialmente consumido) 235 L em zonas isoladas. 50 (Em uma zona, apenas 0,29% do urânio foi 235 L, em vez do esperado 0,72%.) Muitos produtos de cisão de 235 L foram misturados com o empobrecido 235 U, mas encontrou em nenhum outro lugar.

Engenheiros nucleares, consciente de quão difícil é para projetar e construir um reator nuclear, são surpreendidos com o que eles acreditam ser um reator que ocorre naturalmente. Mas aviso, não sabemos que, um reator crítico auto-sustentável operado a Oklo. Tudo o que sabemos é que considerável 235 L tem fissioned .

Como isso pode ter acontecido? Suponha-se, como é verdade para todos os outros mina de urânio conhecida, a camada de urânio do Oklo nunca foi crítico.Isto é, para cada 100 neutrões produzidos por 235 L de fissão, 99 ou menos outros neutrões foram produzidos no próximo ciclo de cisão, um instante mais tarde. A reação nuclear morreria rapidamente para baixo; ou seja, não seria auto-sustentável. No entanto, suponha que (como em breve será explicado) muitos nêutrons livres aparecido com frequência em algum lugar da camada de minério de urânio. Embora a reação nuclear não seria auto-sustentável, o processo seria multiplicar o número de nêutrons disponíveis à cisão 235 U. 51 Este seria melhor corresponder ao que é encontrado em Oklo por quatro razões.

Em primeiro lugar, em várias zonas "reactores" da camada de minério era muito fina para se tornar crítica. Demasiados nêutrons teria escapado ou sido absorvidos por todo o material nonfissioning (chamados venenos) misturado com o urânio. 52

Em segundo lugar, uma zona encontra-se a 30 km de outras zonas. Quaisquer que sejam os acontecimentos estranhos em Oklo empobrecido 235 U em 16 zonas em grande parte separadas provavelmente era comum a essa região da África e não a alguma topografia específica. Depósitos de urânio são encontradas em muitas regiões diversas em todo o mundo e, no entanto, apenas na região de Oklo tem sido observado este mistério.

Em terceiro lugar, empobrecido 235 L foi encontrada onde não deveria ser-perto das fronteiras do depósito de minério, onde nêutrons tenderia a fugir, em vez de fissão 235 U. Tinha Oklo sido um reator, empobrecido 235 U devem ser concentrados perto do centro do corpo de minério. 53

Em quarto lugar, em Oklo, a razão de 235 L a 238 L de minério de urânio, que deve ser de cerca de 0,72-99,27 (ou 1 a 138), varia surpreendentemente mil vezes ao longo de distâncias tão pequenas quanto 0,0004 polegadas (0,01 mm)! 54   AA Harms explicou que esta ampla variação

representa uma forte evidência de que, em vez de ser um [termicamente] evento estático, Oklo representou um -phenomenon altamente dinâmico de fato, possivelmente "caótica" e "pulsar". 57

Harms também explicou por picos bruscas de temperatura e energia nuclear iria produzir uma grande variedade nas proporções de 235 L para 238 L ao longo de distâncias muito curtas. A questão ainda a ser respondida é: o que poderia ter causado os espinhos?

Radiohalos. Uma partícula alfa tiro de um radioisótopo dentro de uma rocha age como uma pequena bala através de quebrar a estrutura cristalina circundante. O "bala" para viaja uma distância específica (normalmente alguns dez milésimos de polegada), dependendo do radioisótopo particular e a resistência dos cristais que penetra. Se um bilhão de cópias do mesmo radioisótopo estão agrupados perto de um ponto microscópico, seus dirigidos aleatoriamente "balas" vai começar a formar uma pequena esfera de descoloração e radiação danos chamado de Rádio-Halo . 58

Por exemplo, 238 L, depois de uma série de oito decaimentos (alfa e beta de seis muito menos prejudiciais decai), vai tornar-se chumbo-206 ( 206 Pb).Portanto, oito esferas concêntricas, cada um com uma cor ligeiramente diferente, irá cercar o que era uma concentração de ponto de um bilhão de 238átomos de U. Sob um microscópio, essas radiohalos olhar como os anéis de uma cebola pequena. [Ver Figura 201 .] Uma fatia fina através do centro desta "cebola" se assemelha a um centro de alvo em uma faixa de arco e flecha. Tamanho relativo de cada anel identifica o isótopo que o produziu.

 

radioactividade-radiohalos_from_u-238_decay_series.jpg Miniatura

Figura 201: radiohalos do 238 U série de degradação. Suponha muitos 238 átomos de U foram concentrados no ponto de radioactividade mostrado aqui. Cada 238 átomo de U finalmente ejeta uma partícula alfa em uma direção aleatória, mas na velocidade específica correspondente a 4,19 milhões de elétron-volts (MeV) da-a energia energia de ligação liberada quando 238 U decai. Essa energia determina a distância percorrida, de modo que cada partícula alfa de 238 U acaba na concha esférica cinza mostrado acima. (Partículas alfa de isótopos filha vai viajar para diferentes conchas.) Para formar halos bem definidas, cerca de um bilhão 238 átomos de U deve ejectar uma partícula alfa do centro, porque cada partícula alfa deixa um caminho tão fina de destruição.

A 238 L átomo torna-se 234 L após o decaimento alfa e duas beta menos prejudiciais decai. Mais tarde, de que 234 U átomo expulsa uma partícula alfa com 4,77 MeV de energia cinética. Como um bilhão 234 U átomos de decadência, uma afiada 234 formas U halo. Eventualmente, um bilhão de chumbo-206 ( 206 átomos Pb) vai ocupar o centro de halo, e raio de cada auréola irá identificar qual dos oito radioisótopos produziu.

Embora possamos esperar que todos os oito halos ser aninhados (tem um centro comum) como mostrado acima, GH Henderson fez uma surpreendente descoberta de 64 em 1939: halos formados pela decomposição de três isótopos de polônio ( 218 Po, 214 Po e 210 Po) foram muitas vezes isoladas, não aninhados . Desde então, o mistério se aprofunda, e as possíveis explicações têm gerado polêmica.

Tório-232 ( 232 Th) e 235 U também ocorrem naturalmente nas rochas, e cada um começa uma série de decaimento diferente que produz diferentes isótopos de polônio. No entanto, apenas a 238 U série produz isoladas polônio halos. Por que são isolados halos de polônio na 238série de decaimento do U, mas não em outra série de decaimento?  Se a Terra tem 4,5 bilhões de anos de idade e 235 L foi produzido e espalhados por alguns bilhões de supernovas de anos anteriores, 235 meia-vida de 700 milhões de anos de U é relativamente curto. Por que, então, é 235 U ainda ao redor, como chegou aqui, o que concentrou-lo, e onde está todo o chumbo que o 235 U série de decaimento deveria ter produzido?

 

 

Halos polónio isoladas. Podemos pensar o alfa oito decai a partir de 238 U para 206 Pb como os espaços entre nove degraus de uma escada de gerações.Cada decaimento alfa leva à radioisótopo no próximo degrau mais baixo da escada. Os três últimos alfa decai 59 são do elemento químico polônio (Po): 218Po, 214 Po e 210 Po. Suas meias-vidas são extremamente curto: 3,1 minutos, 0,000164 segundo, e 138 dias, respectivamente.

No entanto, radiohalos polônio são freqüentemente encontrados sem os pais ou qualquer outra geração anterior! Como pode ser isso? Será que eles não têm pais? Radon-222 ( 222 Rn) é o degrau imediatamente acima das três isótopos de polônio, mas a 222 Rn auréola está faltando. Porque 222 Rn decai com uma meia-vida de apenas 3,8 dias, seu halo deve ser encontrada com os halos de polônio. Ou deveria?

Dr. Robert V. Gentry, pesquisador líder mundial em radiohalos, propôs a seguinte explicação para este mistério. 60 Ele corretamente observa que halos não pode formar em um líquido, de modo que não poderia ter se formado enquanto a rocha foi solidificando a partir de um estado de fusão . Além disso, qualquer polónio na rocha fundida teria deteriorado muito antes de o líquido poderia arrefecer o suficiente para solidificar. Portanto, todos nós podemos ver que essas pedras fizeram não é legal e solidificar ao longo de eras, como comumente ensinou! No entanto, Gentry acredita, erradamente , que no Dia 1 da criação, um bilhão ou mais átomos de polônio foram concentrados em cada um dos muitos pontos em rocha; em seguida, dentro de dias, o polônio deteriorado e isoladas halos (órfãs) formado.

A explicação de Gentry tem cinco problemas. Primeiro, ele não explica por que um bilhão ou mais átomos de polônio seria concentrada em cada um dos trilhões de pontos que mais tarde se tornariam os centros de halos parentless polônio. Em segundo lugar, para formar uma distinta 218 Po halo, essas 218átomos de Po, 61 devem ser submetidos a decaimentos alfa-liberando calor, metade dos quais ocorreriam dentro de 3,1 minutos. A grande calor gerado em uma pequena volume tão em apenas 3,1 minutos teria facilmente derretido e apagadas que todo halo. 62 Não só não derretendo ocorrer, tinha a temperatura do halo nunca excedeu 300 ° F (150 ° C) as faixas alfa teria sido apagado (recozido). 63 Obviamente, um mecanismo de remoção de calor eficiente, que em breve será explicado, deve ter agido.

Em terceiro lugar, o polônio tem 33 radioisótopos conhecidos, mas apenas três ( 218 Po, 214 Po e 210 Po) são responsáveis ​​por quase todos os halos de polônio isoladas. Esses três são produzidos apenas pela 238 série de decaimento do U, e 238 depósitos de U são frequentemente encontrados perto de halos de polônio isoladas. Por que apenas os três isótopos ser criado instantaneamente no dia 1? Isto parece improvável. Em vez disso, algo produzido apenas pelos 238 contas U série de decaimento para os halos de polônio isoladas. Como você vai ver em breve, esse "algo" acaba por ser 222 Rn.

Em quarto lugar, Henderson e Sparks, ao fazer seu trabalho pioneiro sobre halos de polônio isoladas em 1939, fez uma descoberta importante: eles descobriram que os centros desses halos, pelo menos aqueles nos biotita "livros" que examinaram, eram geralmente concentrados em determinadas " folhas "dentro da biotite. 65 (biotita, como outros micas, consiste em finas" folhas "que as crianças gostam de descascando como se as camadas foram folhas em um livro.)

Na maior parte dos casos, verifica-se que eles [os centros dos halos isolados] estão concentrados em planos paralelos ao plano de clivagem.Quando um livro de biotite é dividida em folhas finas, a maior parte do último será branco até uma certa profundidade é atingido, quando os sinais dos halos de se tornar manifesto. Um número de halos irá então ser encontrado numa secção central numa única folha, enquanto que as folhas de ambos os lados dela mostram secções fora do centro da mesma halos. O mesmo modo de ocorrência é frequentemente encontrada em intervalos dentro do livro. 66

Isto implica que os átomos de polónio ou sua 222 Rn pai fluiu entre folhas e frequentemente apresentada em paredes do canal como essas folhas minerais estavam crescendo. Em outras palavras, o polônio não foi criado no Dia 1 dentro de rocha sólida.

Em quinto lugar, isolados halos de polônio são encontrados às vezes em intrusões-injeções de magma (agora solidificado), que retira-se através de estratos em camadas; algumas camadas ainda contêm fósseis. Esses estratos foram estabelecidas durante a enchente, muito tempo depois da criação.Algum tempo depois, o magma cortar através das camadas, em seguida, lentamente arrefeceu e solidificou. Só então halos de polônio poderia formar.Halos não poderia ter formado minutos ou dias após a criação.

Em 23 de Outubro de 1987, depois de dar uma palestra na Universidade de Waterloo, perto de Toronto, Ontario, fui abordado pelo geólogo amador J. Richard Wakefield, que se ofereceu para me mostrar uma invasão semelhante. O site estava dentro de uma mina, a cerca de 150 milhas a nordeste, perto Bancroft, Ontário, onde Bob Gentry havia obtido algumas amostras de halos de polônio isoladas. Eu aceitei e chamou meu amigo Bob Gentry convidá-lo para se juntar a nós. Vários dias mais tarde, ele veio de Tennessee e, juntamente com um geólogo imparcial que se especializou na região de Ontário, fomos para o meu. Embora nós não poderíamos ter acesso dentro da mina, todos nós concordamos que a intrusão cortar através das camadas sedimentares. 67

Gentry concluiu (enquanto estávamos lá e nos escritos posteriores 68 ) que as camadas sedimentares com intrusões sólidos devem ter sido criados de maneira sobrenatural com 218 Po, 214 Po e 210 Po já presente (mas há outros isótopos de polônio presente). Em seguida, a 218 Po , 214 Po e 210 Po minutos ou dias deteriorado depois. Infelizmente, tive que discordar com o meu amigo; o calor gerado teria derretido todo o halo. 62 Além disso, estou convencido de que essas camadas sedimentares foram estabelecidas durante a inundação, de modo que as invasões vieram muito tempo depois da criação, e, provavelmente, após o dilúvio. [Veja "liquefacção: The Origin of Strata e em camadas fósseis" , nas páginas 195 - 209 .] Desde 1987, halos de polônio isolados têm sido relatados em outros depósitos de inundação. 69

Dr. Lorence G. Collins tem uma explicação diferente para o mistério polônio. Ele primeiro fez várias observações perspicazes. O mais importante foi que os padrões vermiformes estranhas estavam em "todos os granitos em que Gentry encontrados halos de polônio ." 70 Esses padrões microscópicos, cada um cerca de 1 milímetro de comprimento, assemelhava-se quase paralelos "túneis de formigas subterrâneas" e foram normalmente preenchido com dois minerais comum em granito:. quartzo e plagioclase [PLA-jee-uh-clase] feldspatos, feldspatos especificamente sódio 71 O granito não tinha derretido, nem tinha magma estado presente. A rocha que contém esses padrões vermiformes é chamado myrmekite [-MUR-muh pipa]. Myrmekites tem geólogos intrigado e mineralogistas desde 1875. Collins admite que não sabe por que myrmekite está associada com halos de polônio isoladas em granitos. 72 Você vai em breve.

Collins observa que esses halos todos parecem estar perto de depósitos de urânio e tendem a estar em dois minerais (biotita e fluorita) em pegmatitos graníticos [PEG-muh-Tites] e em biotite em granito quando myrmekites estão presentes . 73 (pegmatitos em breve será . descrito biotite, fluorita, e pegmatitos formar fora de soluções de água quente em fendas nas rochas ) Collins também sabe que o radão (Rn) no interior da crosta terrestre é um gás.; sob pressões tão altas, que se dissolve rapidamente em água quente. Porque o radão é inerte, ele pode mover-se livremente através de rachaduras sólidos sem combinar quimicamente com minerais que revestem as paredes dessas rachaduras.

Collins corretamente conclui que os valores "volumosos" de, hot 222 água Rn-ricos devem subiram até através das rochas cortadas e fraturadas. 74 Quando222 Rn deteriorado, 218 Po formado. Percepções Collins termina aí, mas eles levantam seis perguntas.

uma. Qual foi a fonte de tudo o que de água quente, que flui, e como ele pode fluir tão rapidamente através rock? 75

b. Por que a água 222 Rn rico?  222 Rn tem uma meia-vida de 3,8 dias!

c. Porque halos são encontrados em diferentes períodos geológicos, que toda esta actividade notável ocorrem repetidamente, mas em intervalos de milhões de anos? Se sim, como?

d. O que concentrou um bilhão ou mais 218 átomos de Po em cada pontinho microscópico que se tornou o centro de um polônio auréola isolado? Por que o não foi 218 Po disperso?

e. Decaimento extremamente lento de hoje de 238 U (com uma meia-vida de 4,5 bilhões de anos) significa que as suas filhas, netas, etc. hoje formam lentamente. Foram estas partículas microscópicas os lugares de descanso favorecidos para 218 Po por bilhões de anos, ou fez a taxa de decaimento do 238 U de alguma forma pico pouco antes de toda essa água quente fluiu? Lembre-se, 218 Po decai hoje com uma meia-vida de apenas 3,1 minutos.

f. Por que são isolados halos de polônio associados com paralelo e alinhado myrmekite que se assemelha a pequenos túneis da formiga?

Respostas, com base na teoria hydroplate, em breve será dado.

Elíptica Halos. Robert Gentry fez várias descobertas importantes sobre radiohalos, tais como halos elípticos em madeira posteriormente como carvão das Montanhas Rochosas. Em um caso, ele encontrou uma forma esférica 210 Po auréola sobreposto em um elíptico 210 Po halo. Aparentemente, uma forma esférica 210 halogéneo Po parcialmente formada, mas, em seguida, foi subitamente comprimido em cerca de 40% em uma forma elíptica. Em seguida, o parcialmente esgotado 210 Pó (cuja semi-vida é de 138 dias) terminado o seu decaimento, formando o halo que permaneceu esférica. 76

Expansão explosiva. Mineralogistas ter encontrado, em muitos lugares da terra, fraturas por estresse radiais que cercam certos minerais que sofreram extensa alfa decai. Halos não foram vistos, porque os radioisótopos em decomposição não foram concentrados em pontos microscópicos. No entanto, alfa decai ao longo desses minerais destruída a sua estrutura cristalina, causando-lhes a expansão de até 17% em volume. 77

Dr. Paul A. Ramdohr, um famoso mineralogista alemão, observou que essas fraturas circundantes não ocorreu, como seria de esperar, ao longo dos limites de grão ou ao longo de planos de fraqueza. Em vez disso, as fraturas ocorreram em padrões mais aleatórios em todo o material expandido. Ramdohr observou que, se a expansão tinha sido lenta, apenas algumas fissuras-tudo ao longo de superfícies de fraqueza-seria visto. Por causa das rachaduras tinha muitas orientações, a expansão deve ter sido "explosivo". 78 O que causou essa rápida expansão? [Ver Figura 202 ].

 

 

radioactividade-ramdohr.jpg Miniatura

Figura 202: Radial fraturas. Alfa decai dentro deste inclusão fez com que ele expanda significativamente, radialmente para fracturar o zircão circundante que era dez vezes o diâmetro de um fio de cabelo humano. Essas fraturas não foram ao longo dos limites de grãos ou outras superfícies de fraqueza, como seria de esperar. Mineralogista Paul Ramdohr concluiu que a expansão foi explosivo.

  

 

Pegmatitos. Pegmatitos são rochas com cristais grandes, tipicamente uma polegada a vários pés de tamanho. Pegmatitos parecem ter cristalizado a partir de misturas quentes, aquoso contendo alguns componentes químicos de granito nas proximidades. Estas misturas penetrou fraturas grande, aberto no granito onde se lentamente arrefeceu e solidificou. Que força hercúlea produziu as fraturas? Muitas vezes, o granito é parte de um bloco enorme, com uma área de superfície superior de pelo menos 100 quilômetros quadrados (40 milhas quadradas), chamado de batholith . Batólitos são regiões normalmente de granito que têm empurrado para dentro da sobreposta, sedimentos em camadas, de alguma forma, removendo as camadas que eles substituíram. Como quarto foi feito para o granito upthrust? Os geólogos chamam isso de "o quarto problema." 79

Esta compreensão da batólitos e pegmatitos baseia-se principalmente sobre o que é visto hoje. (Em outras palavras, estamos a tentar raciocinar apenas doefeito vemos de volta para a sua causa .) Uma imagem mais clara de como e quando eles formaram e que os outros grandes eventos estavam acontecendo na terra-se tornará aparente quando nós também raciocinar direção oposta: de causa para o efeito . As previsões também são possíveis quando se pode raciocinar da causa para o efeito. Geralmente, geologia olha para trás e física aguarda. Vamos fazer as duas coisas e não estaremos satisfeitos até que uma imagem detalhada surge consistente de ambos os pontos de vista. Isso ajudará a trazer em foco "a origem da radioatividade da terra."

 

Teorias para a origem da radioactividade da Terra

A Teoria Hydroplate. Nos séculos anteriores ao dilúvio, água supercrítica (ACS) na câmara subterrânea de forma constante dissolveu os minerais mais solúveis na rocha diretamente acima e abaixo da câmara. [Páginas 123 - 124 explicar o ACS e sua capacidade de dissolução extremo.] Canais esponjosos finas, preenchidos com o ACS de alta pressão, de forma constante cresceu no telhado da câmara cada vez mais poroso e para baixo no assoalho da câmara.

A inundação começou quando a pressão aumenta de oscilação das marés na câmara subterrânea rompeu a crosta enfraquecimento granito. Como a água escapou violentamente para cima através da ruptura de abrangência globo, pilares teve de suportar mais do peso da crosta, porque a água subterrânea suportado menos. Pilares foram afilados para baixo como pingentes de gelo, para que eles esmagada em etapas, começando em suas pontas. Com cada colapso e com cada ciclo da água-martelo, a crosta vibrou como uma bandeira horizontalmente num vento forte. Cada "vibração" para baixo percorreu a crosta terrestre e poderosamente bateu o que restava de pilares contra o chão câmara subterrânea. [Veja "Água Martelos e Flutter Produzido ondas gigantes" na página 197 .]   

Durante semanas, os ciclos de compressão-tensão dentro tanto os que vibram crosta e batendo pilares gerado tensões piezoelétricos que facilmente alcançados tensão de ruptura de granito. 80 Portanto, poderosas correntes elétricas descarregada dentro da crosta repetidamente, ao longo de caminhos complexos de menor resistência elétrica. [Ver figuras 203 - 206 .]

 

 

radioactividade-piezoelectric_effect.jpg Miniatura

Figura 203:. Piezoelétrico Efeito Piezo [ervilha-A-zo] é derivado do grego "espremer" ou piezoeletricidade é às vezes chamado de "pressionar".Eletricidade pressão . Quando, um cristal não simétrica não condutor, tal como o quartzo (cuja estrutura é mostrada de cima, de forma simplificada), é esticada, de uma pequena tensão é gerada entre as faces opostas do cristal. Quando a tensão (T) muda à compressão (C), as variações de tensão assinar. À medida que a temperatura sobe de quartzo, que se deforma mais facilmente, produzir um efeito piezoeléctrico mais forte. No entanto, uma vez que a temperatura atinge cerca de 1063 ° F (573 ° C), o efeito piezoeléctrico desaparece. 81

Quartzo, um mineral comum na crosta terrestre, é piezoelétrico. (Granito contém cerca de 27% de quartzo por volume.) A maioria dos minerais não condutoras são simétricas, mas se eles contêm defeitos, eles são até certo ponto não simétrica e, portanto, são também piezoelétrico. Se a miríade de cristais piezoeléctricos em toda a crosta de granito de 60 milhas de espessura foram parcialmente alinhado e ciclicamente e poderosamente esticada e comprimido, enormes tensões e campos elétricos que rapidamente se acumular e entrar em colapso a cada meio ciclo vibração. Se esses campos atingiu cerca de 9 × 10  6 volts por metro, resistências elétricas dentro do granito iria quebrar, produzindo súbitas descargas eléctricas surtos (a plasma) semelhantes aos relâmpagos. [Ver Figuras 195 e 205 .] Mesmo durante algumas grandes terremotos hoje, este efeito piezoelétrico em granito gera atividade elétrica poderosa e centenas de milhões de volts. 4 [Veja"Terremotos e da electricidade" na página 379 .]

Pilares de granito, explicado na página 470 e na Figura 55 , na página 126 , foram formadas na água subterrânea, em parte, por um processo de extrusão. Portanto, cristais piezoeléctricos nos pilares teria uma orientação preferencial. Além disso, antes do dilúvio, oscilação das marés na água subterrânea comprimido e esticado os pilares e crosta duas vezes por dia. Séculos de esta "ação amassar" plus "de ciclismo de tensão" -twice um dia-ia alinhar esses cristais ainda mais (um processo chamado poling  ), assim como ao lado da barra ímãs tornar alinhadas quando ciclicamente magnetizado. [Ver Figura 206 .] Cada cristal piezoelétrico agiu como uma pequena bateria de uma entre trilhões de trilhões. Assim, como o dilúvio começou, o efeito piezoelétrico dentro pilares batendo e hydroplates granito esvoaçantes gerado tensões imensas e campos elétricos. Campo eléctrico efectivo de todos os cristais de quartzo foi multiplicado por cerca de 7,4 pela reforçando campo elétrico de um dos miríade de cristais de quartzo nas proximidades. 80

 

 

 

 

radioactividade-fluttering_crust.jpg Miniatura

Figura 204: Vibração Crust. Muitos de nós temos visto filmes que mostram a crosta ondulante da terra durante os terremotos. Imagine como ampliadas essas ondas se tornaria se a crosta, em vez de descansar na rocha sólida, estavam descansando em uma espessa camada de invulgarmente compressível água-ACS. Então, imagine como alta essas ondas na crosta da Terra se tornaria se o "oceano" de água abaixo da crosta estavam fluindo horizontalmente com grande força e ímpeto. Da crosta área-a vasta superfície da Terra (200.000.000 milhas quadradas) -gave a crosta grande flexibilidade relativamente fino durante as primeiras semanas do dilúvio. Como as águas subterrâneas escapou, a crosta bateu, como uma grande bandeira horizontalmente num vento forte.

Flutter começou como as fontes do grande abismo entrou em erupção. [Veja "Martelos de água e Flutter Produzido ondas gigantes" na página 197 .] Cada vez que a crosta arqueado para baixo na água subterrânea escapar, o poderoso fluxo horizontal bateu na parte de imersão da crosta, criando um martelo de água que, em seguida, levantou a parte da crosta. Ondas percorreu toda a crosta nas frequências naturais da crosta, multiplicando e reforçando ondas e aumentando suas amplitudes.

Pegue um livro de telefone com as duas mãos e arco-o para cima. A tampa superior está em tensão, e a tampa inferior é em compressão. Da mesma forma, rocha na crosta vibrar, mostrado acima, alternava entre a tensão (T) e compressão (C). Como explicado na Figura 203 , enormes tensões cíclicas iria construir-se e de repente descarregar dentro da crosta de granito, porque granito contém tanto quartzo, um mineral piezoelétrico. Uma vez que a tensão de ruptura do granito foi alcançado, corrente elétrica, semelhante a raios de luz-ia descarregar verticalmente dentro da crosta. Pilares (não mostrados) na base da crosta se tornaria eléctrodos gigantes. Com cada ciclo da crosta de vibração, a corrente subiu através da crosta inferior, que foi uma colméia, com pequenos bolsões de salgado (condutores de eletricidade) de água subterrânea.

 

 

Elétrons que fluem através de sólidos, líquidos ou gases são desaceleradas e desviada por cargas elétricas nos átomos encontrados. Estas desacelerações, se energia suficiente, bremsstrahlung release (BREM-stra-lung) radiação que vibra outros núcleos e libera alguns de seus nêutrons.

Nêutrons será produzido em qualquer material atingido pelo feixe de electrões ou feixe bremsstrahlung acima energias limiares que variam de 10-19 MeV para núcleos leves e 4-6 MeV para núcleos pesados. 82

 

radioactividade-piezoelectric_effect_demonstration.jpg Miniatura

Figura 205: Demonstração piezoelétrico. Quando eu girar a barra horizontal deste dispositivo, um minúsculo cristal piezoelétrico (quartzo) é comprimido na coluna vertical apenas abaixo do ponto pivot do bar. Os cabos vermelhos aplicar a tensão gerada entre os dois postes verticais montados na plataforma preto, não-condutor. Uma vez que o aumento da voltagem atinge cerca de 4000 volts, uma faísca (um plasma) salta a abertura representada na inserção circular. Quando a barra horizontal é rodado na direcção oposta, a pressão sobre o cristal de quartzo é invertida, de modo que uma faísca salta na direcção oposta.

Neste dispositivo, um pequeno cristal de quartzo e uma quantidade trivial de compressão de produzir 4.000 volts e uma pequena faísca. Agora considere trilhões de vezes maior compressão que actuam sobre uma miríade de cristais de quartzo de enchimento de 27% de uma camada crustal de 60 milhas de espessura. (Um "mar" de água subterrânea escapar por baixo que a crosta criado martelos de água, fazendo com que a crosta a se agitar e produzir enormes tensões de compressão na crosta.) Os gigavoltages resultantes iria produzir descargas elétricas assustadoras, e não através do ar, mas através de rock-and não através de um pequeno espaço, mas ao longo de toda a camada crustal .

 

 

 

 

radioactividade-poling_alignment_of_charges.jpg Miniatura

Figura 206: Poling. Poling é um processo industrial que alinha progressivamente cristais piezoeléctricos tensões Portanto, uma maior podem ser produzidas. Durante os séculos anteriores ao dilúvio, ciclos de tensão de maré na crosta de granito (tensão seguido de compressão, duas vezes por dia ), e as tensões e campos elétricos que eles produziram, lentamente alinhado os cristais de quartzo. (Um quadro semelhante, mas com as setas e os sinais positivos e negativos invertidos pode ser desenhada para a parte de compressão do ciclo.) Ao longo dos anos, a crosta tensões aquecida até certo grau, que acelerou o processo de alinhamento. O fato de que hoje a atividade elétrica tanto acompanha grandes terremotos em todo o mundo nos mostra que poling pré-diluviana foi eficaz. Testes de laboratório também mostraram que os cristais de quartzo ainda tem um grau de alinhamento na maioria das rochas ricas em quartzo. 85

 

 

 

 

 

No avaria elétrica, as energias dos elétrons afluência eram milhares de vezes maior do que 10-19 MeV, portanto, durante o dilúvio, a radiação bremsstrahlung produziu um mar de nêutrons em toda a crosta. 83 de água subterrânea absorvido muitos destes nêutrons, convertendo o hidrogênio normal ( 1 H) em hidrogénio pesado ( 2 H, chamado de deutério) e oxigénio normal ( 16 S) em 18 O. Água superficial abundante (uma enorme absorvente) protegidos vida.

Durante a inundação, a maior parte deste 2 H- e 18 de O-rica de água subterrânea foi arrastado para a superfície onde se misturado com as águas superficiais. No entanto, um pouco de água subterrânea foi temporariamente preso dentro de todos os depósitos minerais moles, tais como sal (NaCl), que tinham precipitado para fora do ACS e recolhidas sobre os anos assoalho da câmara antes do dilúvio. Hoje, esses depósitos minerais são ricos em 2 H e 18O. 84

Os experimentos da Ucrânia descritos na página 377 mostram que um feixe beliscou-Z de alta energia, de elétrons dentro de um sólido produz elementos superpesados ​​que a fissão rapidamente em diferentes elementos que são típicos daqueles na crosta da Terra. De fusão, cisão ocorrer simultaneamente, cada uma contribuindo para o outro e à deterioração rápida. Embora não possamos ter certeza do que acontece dentro de núcleos nas condições extremas e incomuns destas experiências, ou o que aconteceu na crosta terrestre durante a inundação, aqui estão três possibilidades:

a. Electron Capture. elétrons que entram núcleos converter alguns prótons para nêutrons. (Isso ocorre com freqüência, e é chamado de captura de elétrons ).  

Além disso, o denso mar de elétrons reduz a repulsão mútua (força de Coulomb) entre os núcleos carregados positivamente, às vezes trazendo-os perto o suficiente para a força forte para puxá-los juntos. Resultados da fusão. Mesmo os núcleos superpesados ​​formar.  

b. Choque Fechar. 86 descargas elétricas através da rocha da crosta vaporize ao longo muito finas, caminhos de ramificação "perfurados" por gigavolts de energia elétrica através da rocha extremamente comprimido. Rocha ao longo desses caminhos instantaneamente se torna um plasma de alta pressão no interior canais rocha finas. A onda de choque gerada pelo aquecimento eléctrico repente expande o plasma e as paredes do canal circundantes, assim como um raio expande o ar circundante e produz um trovão. Como aquela rocha rebotes para o interior-como um gigante, mola comprimida que é subitamente liberada-a rocha cai com energia de choque suficiente para conduzir (ou fusível) núcleos juntos em vários lugares ao longo dos caminhos de plasma. Isso acontece com freqüência nas profundezas da crosta onde a rocha já está altamente comprimido.

elementos superpesados ​​formar rapidamente e, em seguida, a fissão e decadência em elementos como urânio e chumbo. O calor libertado impulsiona o plasma e novos isótopos ao longo dos canais. À medida que o contrato de canais, as velocidades de fluxo aumentar. As partículas carregadas e novos elementos são transportados para os locais onde os minerais são cultivadas, um átomo de cada vez.

c. Z-pitada. Como explicado na página  372 e em "Auto-Focando Z-pitada" na página 391 , o caminho de cada carga elétrica em um plasma é como um "fio". Todos os "fios" em um canal são comprimidos juntos, mas a cada instante , as forças que comprimem agir apenas nos pontos ocupados por cargas em movimento, e cada força é a soma das forças electromagnéticas produzidas por todas as cargas que se deslocam nas proximidades. Portanto, quanto mais os "fios", maior a auto-focagem, beliscar força, de modo que os "fios" tornam-se ainda mais perto, até que as fortes Mescla de força (fusíveis) núcleos. 

Destes três mecanismos possíveis, c tem o apoio mais experimental, principalmente com a 21 bilhões TOKAMAK dólar (a sigla russa) que está sendo desenvolvido em conjunto pelos Estados Unidos, França, Coreia, Rússia, União Europeia, Japão, Índia e China. Itens a e b devem acompanhar o item c.

 

 

Durante séculos anteriores ao dilúvio, o ACS dissolveu os minerais mais solúveis em teto e piso da câmara. As aberturas esponjosos resultantes foram então preenchido com SCW.During o dilúvio, que poros de água fornecida uma enorme superfície para retardar e capturar nêutrons e outras partículas subatômicas. Grande calor resultou, calor geotérmico alguma da terra tornando-se. Simultaneamente, descargas elétricas "perfurado" canais de plasma finas dentro da crosta, produzindo outras reações nucleares e calor adicional.

Durante semanas, todo esse calor expandido e pressurizado ainda mais a ACS nos canais esponjosos na crosta inferior, lentamente, forçando que a água de volta para a câmara subterrânea. Portanto, maior do que as pressões normais na câmara subterrânea acelerada continuamente a água subterrânea escapar, muito parecido com uma pistola de água. [Ver Figura 209 .] Velocidades no fontes expansão do grande alcançado profunda pelo menos 32 milhas por segundo, lançando assim o material que se tornou cometas, asteróides, meteoros, e TNOs! [Veja a página 310 .]

O calor adicionado a temperaturas ACS aumenta apenas ligeiramente, por três razões.

1. líquido evapora-se rapidamente a partir da superfície da miríade de gotas microscópicas que flutuam no vapor supercrítico. Vemos evaporação superfície em larga escala quando o calor é adicionado a uma panela de água fervendo na estufa a 212 ° F (100 ° C). A temperatura da água não sobe, mas grandes volumes de vapor são produzidos.

2. À medida que mais calor foi adicionado para o ACS que escapa, as fontes acelerado ainda mais. Com isso maior aceleração veio uma maiorexpansão e resfriamento.

 

A energia nuclear tornou-se, principalmente energia elétrica e energia, então cinética. Tinha o calor produzido energia nuclear única, grande parte da terra teria derretido. 89 Lembre-se também, quartzo piezoeletricidade desliga a cerca de 1063 ° F (573 ° C) .

   

 

 

Chemical Teoria da evolução. A teoria da evolução atual para a formação de elementos químicos e isótopos radioactivos evoluíram a partir de teorias anteriores. Cada começou por assumir um big bang e considerando o que poderia produzir. Anos mais tarde, falhas fatais foram encontrados.

Inicialmente (em 1946), George Gamow, uma figura-chave no desenvolvimento da teoria do big bang, disse que durante os primeiros segundos após a expansão quente do universo começou, reações nucleares produzidos todos os elementos químicos. 98 Dois anos mais tarde, Gamow retraído essa explicação . Alguns elementos pesados ​​poderiam ter sido produzidos, porque a taxa de expansão foi muito grande, eo mais pesados ​​os núcleos tornou-se, mais as suas cargas positivas se repelem. 99

Em 1948, o follow-on teoria assumido que um big bang produzida apenas nêutrons . 100 Um nêutron livre decai em minutos, tornando-se um próton, um elétron e uma partícula (um antineutrino) que podem ser desconsiderados nesta discussão. Supostamente, prótons e nêutrons lentamente se uniram para formar elementos mais pesados ​​e mais pesados. Mais tarde, essa teoria foi abandonada quando se percebeu que qualquer núcleo com um total de cinco ou oito nucleons (prótons ou nêutrons) irá decair e perder um ou mais núcleos em cerca de um segundo ou menos. 101 Simplificando, o crescimento de um núcleo adicionando um nucleon em um momento encontra barreiras aos 5 e 8 unidades de massa atómica.

O próximo teoria disse que um big bang produziu apenas o hidrogênio . Muito mais tarde, estrelas evoluiu. Eles fundido este hidrogênio em hélio, que normalmente tem quatro núcleos (dois prótons e dois nêutrons). Se três núcleos de hélio rapidamente se fundiram, produzindo um núcleo pesando 12 AMU, essas barreiras em 5 e 8 AMU poderia ser saltado. Esta teoria foi abandonada quando os cálculos mostraram que todo o processo, especialmente a produção de hélio suficiente dentro das estrelas, levaria muito tempo.

A quarta teoria assumido que dois núcleos de hélio e vários nêutrons pode mesclar quando as estrelas ricas em hélio explodiu como supernovas. Esta teoria foi abandonada quando os cálculos mostraram que apenas para produzir o hélio necessário, estrelas necessária para gerar muito mais calor do que eles poderiam produzir em suas vidas. 102

A teoria da evolução atual para a radioactividade da terra, proposto pela primeira vez em 1952, tem o big bang produzindo apenas o hidrogênio, hélio e um traço de lítio. Dentro estrelas, dois núcleos de hélio, por vezes, se fundem brevemente (por cerca de 7 × 10 -17 de um segundo a menos de um bilionésimo de um décimo milionésimo de segundo). Se (e que um grande "se" que é!), Durante esse breve instante, uma terceira partícula alfa se funde com os dois primeiros, o carbono será formada. Mas como esse processo triplo-alfa pode acontecer é um mistério.

Mas, exatamente como cada uma dessas reações acontece em um nível fundamental permanece inexplicável [porque todos os colidindo núcleos carregados positivamente se repelem]. 103

Este mecanismo não foi verificado experimentalmente ou computacionalmente. 104 Por que, então, sem apoio científico, é este mecanismo ensinou como se fosse um fato? Elementos químicos tiveram que formar alguma forma. Se eles não " evoluem ", como é que elementos químicos chegar aqui? Esse mecanismo, como com todas as suposições anteriores que foram ensinadas amplamente e são agora rejeitados, nasce de desespero, porque a criação, a alternativa a produtos químicos em evolução, é inaceitável para muitos.

Mesmo se este problema não existe, somente os elementos químicos mais leves do que 60 AMU poderia ser formada-adicionando mais prótons, nêutrons e partículas alfa ( mas apenas se as estrelas de alguma forma formado) . Páginas 29 - 37 explicar por estrelas, galáxias e planetas não se formaria a partir dos escombros de um big bang.

Assumindo que a formação de estrelas e a colisão tripla altamente improvável de partículas alfa a uma taxa bastante rápida, estrelas "queima" de hidrogênio por bilhões de anos, poderia, teoricamente, produzir o resto dos 26 ou mais leves elementos químicos. Mas a fusão dentro das estrelas deve parar quando núcleos chegar a cerca de 60 AMU. Como os outros mais de 66 elementos que ocorrem naturalmente químicos (os mais pesados ​​do que o ferro) foram produzidos não é conhecido. 109 Charles Seife explica:

Somos todos feitos de starstuff. O big bang hidrogênio, hélio e um pouco de lítio e outros átomos leves criado. Mas tudo-o carbono, oxigênio e outros elementos que compõem animais, plantas e terra em si, foi feita por estrelas. O problema é que os físicos não são completamente certo como estrelas o fez. 110 

Temperaturas centenas de vezes maior do que aqueles que ocorrem no interior são necessários estrelas. 111 explosão de estrelas, chamadas supernovas,liberar quantidades extremas de energia. Portanto, a teoria mais recente evolução química assume que todos os elementos químicos mais pesados ​​são produzidos por supernovas e, em seguida, expulsos no vácuo do espaço. Por este pensamento, átomos radioativos têm estado presentes por toda a terra, uma vez que, o Sol, e o resto do sistema solar evoluiu a partir de restos de supernova dispersa.

[Resposta: Observações 112 e simulações de computador 113 não suportam a ideia de que supernovas produzidos todos os elementos químicos pesados. O poder explosivo extremo de supernovas deve facilmente dispersam e núcleos de fragmentos, não dirija núcleos juntos. Lembre-se, núcleos mais pesados ​​do que o ferro são tão grandes que a força forte mal consegue segurar seus prótons exteriores.Além disso, a compreensão teórica de como as estrelas eo sistema solar se formou é gravemente falho. Consulte as páginas 29 - 37 .]

 





Referencias


http://www.creationscience.com/onlinebook/Radioactivity2.html

Proteção contra Radiação Tungsten, Tungsten Alloy Radiation Blindagem Fabricante

O que é poluição radioativa e como ela pode afetar sua vida?
Conheça mais sobre os diversos tipos de radiação e como eles podem afetar ao meio ambiente e a sua vida.
ecycle.com.br


http://www.evidenciasonline.org/?page_id=479

http://www.aprh.pt/rgci/glossario/geoide.html

[PRB] - Paulo Renato Baptista - Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), Portugal. <renatobaganha@portugalmail.com>